Produção industrial cai 3,8% em agosto | FinanceOne
FinanceOne

Onde suas finanças começam!

Veja a cotação do Dólar Hoje, Euro hoje e Bitcoin hoje.

Produção industrial cai 3,8% em agosto


São Paulo, 04/10 (Enfoque) –

Período
 
Produção Industrial
Agosto 2016 / Julho 2016
-3,8%
Agosto 2016 / Agosto 2015
-5,2%
Acumulado 2016
-8,2%
Acumulado 12 meses
-9,3%
Média Móvel Trimestral
-0,7%

A produção industrial caiu 3,8% em agosto de 2016 frente ao mês imediatamente anterior (série com ajuste sazonal), interrompendo cinco meses de resultados positivos consecutivos nesse tipo de comparação, período em que acumulou expansão de 3,7%. Foi a queda mais intensa desde janeiro de 2012 (-4,9%) nesta comparação.

Já no confronto com agosto de 2015 (série sem ajuste sazonal), o total da indústria apontou queda de 5,2% em agosto de 2016, trigésima taxa negativa consecutiva nesse tipo de comparação, mas a menos intensa desde junho de 2015 (-2,6%).

No acumulado dos oito primeiros meses do ano, a Indústria registrou queda de 8,2%. Entretanto, houve ligeira redução na magnitude de queda frente ao resultado do primeiro semestre do ano (-9,1%).

A taxa anualizada, indicador acumulado nos últimos 12 meses, com a queda de 9,3% em agosto de 2016, reduziu ligeiramente o ritmo de perda frente ao registrado em junho (-9,8%) e julho (-9,6%).

O setor industrial, em agosto de 2016, volta a mostrar um quadro de menor ritmo produtivo, com perfil disseminado de taxas negativas, já que três das quatro grandes categorias econômicas e 21 das 24 atividades apontaram redução na produção. Com o resultado desse mês, o total da indústria encontra-se 21,3% abaixo do nível recorde alcançado em junho de 2013.

Clique aqui para acessar a publicação completa.

Indicadores da Produção Industrial por Grandes Categorias Econômicas
Brasil – Agosto de 2016

 
Grandes Categorias
Econômicas
Variação (%)
Agosto 2016/ Julho 2016*
Agosto 2016/
Agosto 2015
Acumulado Janeiro-Agosto
Acumulado nos Últimos 12 Meses
Bens de Capital
0,4
5,0
-15,9
-21,9
Bens Intermediários
-4,3
-6,9
-8,0
-8,3
Bens de Consumo
-1,6
-4,1
-6,5
-8,2
   Duráveis
-9,3
-12,4
-20,2
-23,0
   Semiduráveis e não Duráveis
-0,9
-1,9
-2,7
-4,1
Indústria Geral
-3,8
-5,2
-8,2
-9,3

Fonte: IBGE, Diretoria de Pesquisas, Coordenação de Indústria.
*Série com ajuste sazonal

Frente a julho, 21 dos 24 ramos investigados tiveram queda na produção

A redução de 3,8% da atividade industrial, na passagem de julho para agosto de 2016, teve predomínio de resultados negativos, alcançando três das quatro grandes categorias econômicas e 21 dos 24 ramos pesquisados. Entre os setores, as principais influências negativas foram registradas por produtos alimentícios (-8,0%) e veículos automotores, reboques e carrocerias (-10,4%), com o primeiro eliminando o avanço de 1,9% verificado em julho; e o último apontando a segunda queda consecutiva e acumulando nesse período perda de 14,0%. Outras contribuições negativas importantes sobre o total da indústria vieram de indústrias extrativas (-1,8%), de coque, produtos derivados do petróleo e biocombustíveis (-1,9%), de perfumaria, sabões, produtos de limpeza e de higiene pessoal (-2,8%), de produtos de minerais não-metálicos (-5,1%), de confecção de artigos do vestuário e acessórios (-6,9%), de metalurgia (-1,7%), de máquinas e equipamentos (-1,6%) e de produtos de borracha e de material plástico (-1,9%). Por outro lado, entre os dois ramos que ampliaram a produção nesse mês, o desempenho de maior importância para a média global foi assinalado por produtos farmoquímicos e farmacêuticos, que avançou 8,3%, eliminando, dessa forma, a queda de 7,3% verificada no mês anterior.

Entre as grandes categorias econômicas, na comparação com o mês imediatamente anterior, bens de consumo duráveis (-9,3%) e bens intermediários (-4,3%) mostraram as reduções mais acentuadas em agosto de 2016, com o primeiro marcando a queda mais intensa desde junho de 2015 (-13,5%) e devolvendo parte do ganho de 12,0% acumulados entre maio e julho últimos; e o segundo além de apontar a redução mais elevada desde dezembro de 2008 (-11,3%), revertendo dois meses consecutivos de expansão na produção, período em que acumulou avanço de 2,9%. Bens de consumo semi e não-duráveis (-0,9%) também registrou taxa negativa, em agosto de 2016, e assinalou perda de 3,2% em dois meses seguidos de queda na produção. Por outro lado, o segmento de bens de capital, com o acréscimo de 0,4%, mostrou o único resultado positivo nesse mês, após recuar 2,1% em julho último, quando interrompeu seis meses consecutivos de crescimento, período em que acumulou avanço de 14,8%.

Indústria recua 5,2% na comparação com agosto de 2015

Na comparação com agosto de 2015, o setor industrial mostrou queda de 5,2% em agosto de 2016, com perfil disseminado de resultados negativos, alcançando três das quatro grandes categorias econômicas e 18 dos 26 ramos. Vale citar que agosto de 2016 (23 dias) teve dois dias úteis a mais do que igual mês do ano anterior (21). Entre as atividades, indústrias extrativas (-11,7%) e coque, produtos derivados do petróleo e biocombustíveis (-12,5%) exerceram as maiores influências negativas na formação da média da indústria, pressionadas, em grande parte, pelos itens minérios de ferro, na primeira; e óleos combustíveis, óleo diesel, álcool etílico e naftas para petroquímica, na última.

Outras contribuições negativas relevantes sobre o total nacional vieram de veículos automotores, reboques e carrocerias (-9,0%), de produtos alimentícios (-2,9%), de produtos de minerais não-metálicos (-11,0%), de produtos do fumo (-45,2%), de máquinas e equipamentos (-6,3%), de outros equipamentos de transporte (-14,0%) e de confecção de artigos do vestuário e acessórios (-7,3%). Por outro lado, ainda na comparação com agosto de 2015, entre as oito atividades que apontaram expansão na produção, as principais pressões foram registradas por máquinas, aparelhos e materiais elétricos (7,1%), artefatos de couro, artigos para viagem e calçados (7,0%) e outros produtos químicos (1,8%).

Ainda no confronto com igual mês do ano anterior, bens de consumo duráveis (-12,4%) e bens intermediários (-6,9%) assinalaram, em agosto de 2016, as reduções mais acentuadas entre as grandes categorias econômicas. O setor produtor de bens de consumo semi e não-duráveis (-1,9%) também mostrou resultado negativo nesse mês, mas com intensidade menor do que a média nacional (-5,2%). Por outro lado, o segmento de bens de capital, com expansão de 5,0%, apontou a única taxa positiva.

O segmento de bens de consumo duráveis recuou 12,4% no índice mensal de agosto de 2016, trigésimo resultado negativo consecutivo nesse tipo de confronto, mas menos intenso do que o verificado no mês anterior (-15,9%). Nesse mês, o setor foi particularmente pressionado pela menor fabricação de automóveis (-19,7%), influenciado, em grande parte, por reduções de jornadas de trabalho e pela concessão de férias coletivas em várias unidades produtivas. Outros impactos negativos importantes vieram de motocicletas (-17,6%) e de eletrodomésticos da “linha marrom” (-3,1%), enquanto os principais resultados positivos foram observados nos grupamentos de eletrodomésticos da “linha branca” (8,7%), de outros eletrodomésticos (11,4%) e de móveis (2,4%).

O setor produtor de bens intermediários, ao recuar 6,9% em agosto de 2016, assinalou a vigésima nona taxa negativa consecutiva no índice mensal e com queda mais intensa do que a observada no mês anterior (-4,8%). O resultado desse mês foi explicado principalmente pelos recuos nos produtos associados às atividades de indústrias extrativas (-11,7%), de coque, produtos derivados do petróleo e biocombustíveis (-14,1%), de máquinas e equipamentos (-25,7%), de produtos de minerais não-metálicos (-11,2%), de produtos alimentícios (-5,5%), de veículos automotores, reboques e carrocerias (-4,8%), de metalurgia (-0,9%), de produtos de metal (-1,3%), de produtos de borracha e de material plástico (-0,5%) e de celulose, papel e produtos de papel (-0,5%), enquanto as pressões positivas foram registradas por outros produtos químicos (2,0%) e produtos têxteis (4,1%). Ainda nessa categoria econômica, vale citar também os resultados observados nos grupamentos de insumos típicos para construção civil (-7,9%), que marcou o trigésimo recuo seguido na comparação com igual mês do ano anterior, e de embalagens (0,9%), que interrompeu dezenove meses de taxas negativas consecutivas.

Ainda no confronto com igual mês do ano anterior, a produção de bens de consumo semi e não-duráveis recuou 1,9% em agosto de 2016, quarta taxa negativa consecutiva, mas menos intensa do que a registrada no mês anterior (-6,4%). O desempenho nesse mês foi explicado principalmente pela queda observada no grupamento de carburantes (-8,8%), pressionado, em grande parte, pela menor fabricação de álcool etílico. Os subsetores de não-duráveis (-2,0%) e de semiduráveis (-1,4%) também mostraram resultados negativos nesse mês.

O setor produtor de bens de capital, ao crescer 5,0% em agosto de 2016, interrompeu 29 meses de taxas negativas consecutivas no índice mensal. Na formação do índice desse mês, o segmento foi influenciado pelo avanço observado na maior parte dos seus grupamentos, com destaque para a expansão vinda de bens de capital agrícola (21,9%), impulsionado, em grande parte, pela maior fabricação de máquinas para colheita, silos metálicos para cereais e tratores agrícolas. As demais taxas positivas foram registradas por bens de capital para construção (17,4%), para equipamentos de transporte (1,9%) e para energia elétrica (11,5%), enquanto bens de capital para fins industriais (-10,7%) e de uso misto (-9,2%) apontaram os resultados negativos em agosto de 2016.

Índice acumulado em 2016 cai 8,2%

No índice acumulado para o período janeiro-agosto de 2016, frente a igual período do ano anterior, o setor industrial mostrou queda de 8,2%, com perfil disseminado de taxas negativas, já que as quatro grandes categorias econômicas, 22 dos 26 ramos, 64 dos 79 grupos e 72,4% dos 805 produtos pesquisados apontaram redução na produção. Entre as atividades, indústrias extrativas, que recuou 13,1%, e veículos automotores, reboques e carrocerias (-18,8%) exerceram as maiores influências negativas na formação da média da indústria, pressionadas, em grande parte, pelos itens minérios de ferro, na primeira; e automóveis, caminhões e autopeças, na segunda. Outras contribuições negativas relevantes sobre o total nacional vieram de coque, produtos derivados do petróleo e biocombustíveis (-7,5%), de máquinas e equipamentos (-14,4%), de metalurgia (-9,1%), de equipamentos de informática, produtos eletrônicos e ópticos (-22,8%), de produtos de minerais não-metálicos (-11,5%), de produtos de metal (-11,8%), de outros equipamentos de transporte (-21,0%), de produtos de borracha e de material plástico (-8,7%), de confecção de artigos do vestuário e acessórios (-9,4%), de máquinas, aparelhos e materiais elétricos (-7,8%) e de móveis (-13,4%).

Por outro lado, entre as quatro atividades que ampliaram a produção nos oito meses de 2016, a principal influência foi observada em produtos alimentícios (1,7%), impulsionada, em grande parte, pelo avanço na fabricação de açúcar cristal e VHP.

Entre as grandes categorias econômicas, o perfil dos resultados para os oito meses de 2016 mostrou menor dinamismo para bens de consumo duráveis (-20,2%) e bens de capital (-15,9%), pressionadas especialmente pela redução na fabricação de automóveis (-20,7%) e de eletrodomésticos (-20,1%), na primeira; e de bens de capital para equipamentos de transporte (-16,5%), na segunda. Os segmentos de bens intermediários (-8,0%) e de bens de consumo semi e não-duráveis (-2,7%) também assinalaram taxas negativas no índice acumulado do ano, com o primeiro registrando recuo ligeiramente abaixo da magnitude observada na média nacional (-8,2%), e o segundo apontando a queda mais moderada entre as grandes categorias econômicas.

(por Gabriel Codas)


Fonte: Enfoque
Publicado em: 04/10/2016 09:00:51

Precisa converter?

A calculadora de conversão do FinanceOne fornece os últimos valores cotados para diversas moedas. Acesse agora!

Converter agora







Mais lidos

Cartões de crédito sem anuidade: veja os 10 melhores
Procurando cartões de crédito sem anuidade? Eles definitivamente conquistaram o seu espaço na eco ...
Trabalhar em casa: 28 profissões para ganhar dinheiro
Trabalhar em casa e ganhar dinheiro no conforto do lar é um sonho para muitas pessoas. No Brasil, o ...
Cartão de crédito com aprovação imediata existe?
Quem não quer ter um cartão de crédito hoje em dia para realizar as compras? Muitas instituiçõe ...
10 marcas mais valiosas do mundo em 2018
O ano está chegando quase no fim e as empresas não param de crescer. Para se ter uma ideia, a  p ...
Quais são as moedas mais valorizadas do mundo?
Sabe quais são as moedas mais valorizadas do mundo? Você vai se surpreender! O Real é a terceira ...




Ebook do FinanceOne

Ebook gratuito investidor iniciante

Quer investir mas não sabe como? O Guia Completo do Investidor Iniciante traz os primeiros passos para você começar a investir e ganhar dinheiro!

BAIXAR AGORA!

Publicidade


   

Guias

Calculadoras