Produção industrial cai em cinco dos 14 locais em março | FinanceOne

Gráficos e cotações de Hoje

Dólar R$ 3,251
Euro R$ 4,012
Bitcoin R$ 36.525,00
Bovespa 74.538,54
CDI 8,14% a.a
Poupança (mês) 0,5000%
Libra R$ 4,553
Veja a Cotação do
Dólar Hoje, Euro hoje e Bitcoin hoje.


Produção industrial cai em cinco dos 14 locais em março

Na passagem de fevereiro para março, os índices regionais da produção industrial, descontados os efeitos sazonais, mostraram queda em cinco dos 14 locais pesquisados, com Bahia (-1,3%), Minas Gerais (-0,7%) e Santa Catarina (-0,7%) apontando perdas acima da média nacional (-0,5%). As demais taxas negativas foram observadas em São Paulo (-0,3%), parque fabril de maior peso no país, e na região Nordeste (-0,5%). Paraná (9,8%), Goiás (6,7%) e Amazonas (6,5%) assinalaram os resultados positivos mais acentuados, após registrarem recuo na produção no mês anterior: -7,4%, -4,2% e -8,0%, respectivamente. Rio Grande do Sul (2,6%), Rio de Janeiro (2,5%), Ceará (1,9%), Pará (0,9%), Pernambuco (0,4%) e Espírito Santo (0,3%) também apontaram avanços na produção em março.



Na comparação entre março de 2012 e março de 2011, sete dos 14 locais pesquisados apresentaram recuo na produção, com destaque para as perdas mais intensas verificadas em São Paulo (-6,2%) e em Santa Catarina (-6,0%). Os demais resultados negativos foram assinalados por Rio de Janeiro (-2,4%), Espírito Santo (-2,4%), região Nordeste (-1,4%), Minas Gerais (-0,7%) e Bahia (-0,7%). Goiás (24,7%) e Paraná (15,0%) apontaram as expansões mais acentuadas, refletindo a maior produção do setor de produtos químicos, no primeiro local, e de edição e impressão, no segundo. Também registraram resultados positivos: Pará (5,5%), Rio Grande do Sul (1,5%), Ceará (1,3%), Amazonas (0,3%) e Pernambuco (0,1%).

No indicador acumulado para o primeiro trimestre de 2012, a redução na produção atingiu oito dos 14 locais pesquisados, com quatro recuando acima da média nacional (-3,0%): Rio de Janeiro (-6,8%), São Paulo (-6,2%), Santa Catarina (-5,9%) e Ceará (-4,3%). Espírito Santo (-2,4%), Amazonas (-2,0%), Minas Gerais (-1,4%) e Pará (-1,2%) completaram o conjunto de locais com taxas negativas no fechamento dos três primeiros meses de 2012. Nesses locais, o menor dinamismo foi influenciado por fatores relacionados à redução na fabricação de bens de consumo duráveis (automóveis, motos, aparelhos de ar condicionado e telefones celulares) e de bens de capital (especialmente os caminhões), além da menor produção vinda dos setores extrativos (minérios de ferro), têxtil, vestuário e metalurgia básica. Goiás (18,8%), Bahia (8,0%) e Paraná (7,4%) assinalaram os avanços mais acentuados, refletindo especialmente a maior produção de medicamentos, no primeiro local, de resinas termoplásticas, no segundo, e de livros e impressos didáticos no último. Também com resultados positivos figuraram Pernambuco (5,6%), região Nordeste (4,0%) e Rio Grande do Sul (2,1%).
Os indicadores regionais da produção industrial mostraram que o aumento na intensidade do ritmo de queda observada no índice nacional na passagem do quarto trimestre de 2011 (-2,1%) para o primeiro de 2012 (-3,0%), ambas as comparações contra igual período do ano anterior, também se refletiu em sete dos 14 locais pesquisados. Nesse tipo de confronto, as maiores reduções de ritmo ficaram com Amazonas (de 6,6% para -2,0%), Paraná (de 15,2% para 7,4%), Espírito Santo (de 2,9% para -2,4%), Rio de Janeiro (de -2,5% para -6,8%) e Pará (de 2,9% para -1,2%), enquanto Bahia (de -4,4% para 8,0%), Goiás (de 9,7% para 18,8%) e região Nordeste (de -3,0% para 4,0%) assinalaram os maiores ganhos de ritmo entre os dois períodos.

O índice de média móvel trimestral para o total nacional mostrou decréscimo de 0,3% entre fevereiro e março, mantendo o comportamento predominantemente negativo observado desde maio do ano passado. Em termos regionais, sete dos 14 locais pesquisados também apontaram resultados negativos, com destaque para os recuos verificados no Pará (-3,2%), Paraná (-1,6%) e Amazonas (-1,1%). Os maiores ganhos foram verificados na Bahia (3,2%), Goiás (1,9%) e na região Nordeste (1,9%).
Ainda na série com ajuste sazonal, no índice trimestre contra trimestre imediatamente anterior, a produção industrial também assinalou sinais de diminuição no ritmo produtivo, ao recuar 0,5% no primeiro trimestre de 2012 e marcar o quarto trimestre consecutivo de queda na produção. Em termos regionais, sete dos 14 locais pesquisados acompanharam esse movimento, com destaque para as quedas mais acentuadas registradas por Pará (-8,9%), Amazonas (-5,1%), Rio de Janeiro (-4,4%) e Paraná (-2,3%), enquanto Bahia (5,3%), Goiás (4,8%) e região Nordeste (3,6%) assinalaram os principais ganhos nesse período.


Fonte: Enfoque Informações Financeiras

Recebido em:
10/05/2012 09:02:25

HeadLines Enfoque
Copr 2007 Enfoque Informações Financeiras







Mais lidos

Técnicas para melhorar a produtividade no trabalho
A produtividade no trabalho é algo cada vez mais cobrado pelas empresas. Aquelas que estabelecem um...
10 técnicas para incendiar as vendas
Como aumentar as vendas de uma empresa? Essa é a pergunta que cada empreendedor faz diariamente. Le...
Para que serve realidade virtual? Vale a pena investir?
Para que serve a realidade virtual? Se você pensou em jogos, está certo. Mas, não é apenas para ...
Trader: o que é e como ele ganha dinheiro
O que é trader? É um investidor do mercado financeiro. Ele busca ganhar dinheiro com operações d...
Aplicativos de gestão: um guia completo
Gerenciar uma equipe e inúmeros projetos sempre foi uma tarefa trabalhosa que poucos davam conta de...
Planejamento financeiro: 5 dicas para fazer o seu
Planejar está no topo da lista de recomendações dos especialistas para quem quer ter sucesso na v...




Publicidade