Produção industrial recua 0,7 em abril, diz IBGE | FinanceOne

Gráficos e cotações de Hoje

Dólar R$3,91
Euro R$4,48
Libra R$4,99
Peso R$0,13
Bitcoin R$25.487,16
Ethereum R$1.139,67
Litecoin R$222,31
Ripple R$1,27
Bovespa 81.533,08
CDI 2,64% a.a
Selic 6,40% a.a
Poupança 0,50% a.a
Conversor de Moeda
Veja a Cotação do
Dólar Hoje, Euro hoje e Bitcoin hoje.

Produção industrial recua 0,7 em abril, diz IBGE

Em abril de 2010, a produção industrial recuou 0,7% frente a março, na série livre de influências sazonais, após acumular ganho de 6,4% nos últimos quatro meses de crescimento, informou nesta terça-feira o IBGE. Frente a abril de 2009, a indústria registrou expansão de 17,4%, quinta taxa positiva consecutiva de dois dígitos nesse tipo de comparação. O indicador acumulado no primeiro quadrimestre foi 18,0%, e o acumulado nos últimos doze meses, em trajetória ascendente desde outubro do ano passado, avançou de -0,3%, em março, para 2,3%, em abril, assinalando seu primeiro índice positivo desde janeiro de 2009 (1,0%).

O resultado negativo (-0,7%) da atividade industrial, na passagem de março para abril, teve doze ramos em queda, um com crescimento nulo e quatorze assinalando expansão na produção. Entre aqueles que apontaram recuo, os principais impactos negativos vieram de bebidas (-11,0%), celulose e papel (-6,1%), outros produtos químicos (-3,5%), máquinas para escritório e equipamentos de informática (-11,3%) e veículos automotores (-1,7%). Vale destacar que esses setores haviam registrado crescimento no mês anterior: 7,8%, 7,4%, 1,9%, 14,3% e 10,6%, respectivamente. Por outro lado, entre as atividades que aumentaram a produção, o desempenho de maior importância para o resultado global veio de refino de petróleo e produção de álcool (12,8%), recuperando o recuo de 9,1% do mês anterior, que havia sido influenciado pelas paralisações ocorridas em unidades produtivas do setor. Vale citar, também, o comportamento positivo dos ramos de alimentos (1,5%), outros equipamentos de transporte (4,9%), indústrias extrativas (1,9%), material eletrônico e equipamentos de comunicações (4,1%) e metalurgia básica (1,7%).

 

Ainda na comparação com março, nos índices por categorias de uso, somente bens de consumo semi e não duráveis (-0,8%) assinalou resultado negativo, interrompendo quatro meses de crescimento, período em que acumulou ganho de 5,5%. As demais categorias de uso registraram índices positivos, com destaque para o avanço de 2,4% de bens de capital, décima terceira taxa positiva consecutiva nesse tipo de confronto, acumulando nesse período expansão de 41,0%. Os setores produtores de bens intermediários e de bens de consumo duráveis, ambos com acréscimo de 0,5%, também apontaram crescimento, com o primeiro setor acumulando 2,1%, em dois meses de taxa positivas, e o segundo, que após ficar praticamente estável no mês anterior (0,1%), manteve a sequência de índices positivos em 2010.

 

Em relação a abril de 2009, o setor industrial avançou 17,4%, ritmo próximo ao observado no primeiro trimestre do ano (18,2%), ambas as comparações contra igual período do ano anterior. Para esses resultados de dois dígitos, além da baixa base de comparação, decorrente dos efeitos da crise econômica internacional, vale ressaltar o incremento no ritmo produtivo nos primeiros meses do ano. O índice de abril foi sustentado pelo crescimento em vinte e cinco das vinte e sete atividades e 73% dos produtos pesquisados. Entre os setores, as maiores influências positivas sobre a taxa global vieram, por ordem de importância, de veículos automotores (32,2%) e de máquinas e equipamentos (47,8%), ambos impulsionados pelos índices positivos em mais de 80% dos produtos investigados nos respectivos setores. Também merecem destaque os avanços de dois dígitos vindos de metalurgia básica (30,7%), outros produtos químicos (16,8%), produtos de metal (31,4%) e indústrias extrativas (17,4%). A expansão de 18,0% no indicador acumulado dos quatro primeiros meses do ano também teve perfil generalizado de crescimento, atingindo vinte e cinco setores, as quatro categorias de uso, 65 dos 76 subsetores industriais e 76% dos produtos investigados. No corte por atividades, a liderança permaneceu com veículos automotores (36,4%), seguido por máquinas e equipamentos (43,5%), metalurgia básica (34,1%), outros produtos químicos (24,7%), produtos de metal (39,9%) e indústrias extrativas (18,5%). Nesses setores, os itens de maior destaque foram: automóveis e caminhões; fornos microondas, refrigeradores e carregadoras-trasportadores; lingotes, blocos e tarugos de aços ao carbono e de aços especiais e bobinas a frio de aços ao carbono; herbicidas para uso na agricultura; partes e peças para bens de capital; e minérios de ferro. Por outro lado, os ramos de outros equipamentos de transporte (-9,1%) e de fumo (-12,2%) exerceram as duas únicas pressões negativas sobre a média global.



Fonte: Enfoque Informações
Financeiras
Ltda.


Recebido em:
01/06/2010 09:11:35

HeadLines Enfoque
Copr 2007 Enfoque Informações Financeiras

Precisa converter?

A calculadora de conversão do FinanceOne fornece os últimos valores cotados para diversas moedas. Acesse agora!

Converter agora







Mais lidos

Trabalhar em casa: 28 profissões para ganhar dinheiro
Trabalhar em casa e ganhar dinheiro no conforto do lar é um sonho para muitas pessoas. No Brasil, o ...
Cartões de crédito sem anuidade: veja os 10 melhores
Procurando cartões de crédito sem anuidade? Eles definitivamente conquistaram o seu espaço na eco ...
10 marcas mais valiosas do mundo em 2018
O ano está chegando na metade e as empresas não param de crescer. Esse é o resultado da pesquisa ...
Cartão de crédito com aprovação imediata existe?
Quem não quer ter um cartão de crédito hoje em dia para realizar as compras? Muitas instituiçõe ...
Descubra quais são as 20 profissões em alta no Brasil em 2018
São muitas profissões. Mas, qual escolher? É necessário analisar alguns fatores. Entre eles, sua ...




Publicidade