Produção industrial varia 0,1% em julho | FinanceOne
Conversor de moedas Transferência internacional

Veja a cotação do Dólar Hoje, Euro hoje e Bitcoin hoje.




Produção industrial varia 0,1% em julho


São Paulo, 02/09 (Enfoque) –

Julho 2016 / Junho 2016
 
0,1%
Julho 2016 / Julho 2015
-6,6%
Acumulado em 2016
-8,7%
Acumulado em 12 meses
-9,6%
Média móvel trimestral
0,6%

A produção industrial variou 0,1% em julho de 2016 frente ao mês imediatamente anterior (série sem ajuste sazonal), quinto resultado positivo consecutivo nesse tipo de comparação, acumulando crescimento de 3,7% nesse período. Mesmo com o comportamento positivo observado nos últimos cinco meses, a indústria recuperou apenas parte da perda registrada ao longo de 2015 e ainda se encontra 18,2% abaixo do nível recorde alcançado em junho de 2013.

Já no confronto com julho de 2015, a indústria recuou 6,6% (série sem ajuste sazonal), 29ª taxa negativa consecutiva nesse tipo de comparação e mais intensa do que a observada no mês anterior (-5,8%).

O índice também foi negativo no acumulado dos sete primeiros meses do ano, com redução de 8,7% em 2016. Entretanto, houve ligeira redução na magnitude de queda frente ao resultado do primeiro semestre do ano (-9,1%).

A taxa anualizada, indicador acumulado nos últimos 12 meses, com a queda de 9,6% em julho de 2016, reduziu ligeiramente o ritmo de perda frente ao registrado em junho (-9,8%).

Nesses confrontos, houve predomínio de taxas negativas entre as grandes categorias econômicas e as atividades pesquisadas, com destaque para as perdas mais acentuadas vindas dos setores associados à produção de bens de consumo duráveis e de bens de capital.

Clique aqui para acessar a publicação completa.

Indicadores da Produção Industrial por Grandes Categorias Econômicas
Brasil – Julho de 2016
Grandes Categorias
Econômicas
Variação (%)
Julho 2016/
Junho 2016*
Julho 2016/
Julho 2015
Acumulado
Janeiro-Julho
Acumulado nos
Últimos 12 Meses
Bens de Capital
-2,7
-11,9
-18,5
-24,7
Bens Intermediários
1,6
-5,0
-8,3
-8,1
Bens de Consumo
-1,0
-8,3
-6,9
-8,6
   Duráveis
3,3
-16,2
-21,4
-23,1
   Semiduráveis e não Duráveis
-1,9
-6,3
-2,9
-4,6
Indústria Geral
0,1
-6,6
-8,7
-9,6
Fonte: IBGE, Diretoria de Pesquisas, Coordenação de Indústria
*Série com ajuste sazonal

Frente a junho, 11 dos 24 ramos investigados aumentaram sua produção

No acréscimo de 0,1% da atividade industrial na passagem de junho para julho de 2016, 11 dos 24 ramos pesquisados apontaram taxas positivas, com destaque para o avanço de 2,0% registrado por produtos alimentícios, que interrompeu dois meses consecutivos de queda na produção, ima perda acumulada de 6,4% nesse período.

Contribuições positivas importantes vieram de indústrias extrativas (1,6%), equipamentos de informática, produtos eletrônicos e ópticos (5,8%), metalurgia (1,6%), coque, produtos derivados do petróleo e biocombustíveis (0,4%) e produtos de borracha e de material plástico (1,3%).

Entre os treze ramos que reduziram a produção no mês, os desempenhos de maior relevância vieram de perfumaria, sabões, produtos de limpeza e de higiene pessoal (-2,8%), produtos farmoquímicos e farmacêuticos (-7,3%), veículos automotores, reboques e carrocerias (-1,7%), artefatos de couro, artigos para viagem e calçados (-6,0%), produtos do fumo (-15,1%), confecção de artigos do vestuário e acessórios (-2,4%) e outros produtos químicos (-3,2%). Essas atividades apontaram taxas positivas em junho (5,7%, 2,9%, 8,4%, 10,6%, 1,3%, 9,5% e 5,0%, respectivamente).

Entre as grandes categorias econômicas, ainda na comparação com o mês imediatamente anterior, bens de consumo duráveis, ao avançar 3,3%, mostrou a expansão mais acentuada em julho de 2016 e marcou a terceira taxa positiva consecutiva, acumulando ganho de 11,7% nesse período. O segmento de bens intermediários (1,6%) também ampliou a produção e intensificou a expansão observada no mês anterior (0,8%). Os setores que produzem bens de capital (-2,7%) e bens de consumo semi e não-duráveis (-1,9%) assinalaram resultados negativos em julho de 2016. O primeiro interrompeu seis meses consecutivos de crescimento na produção, período em que acumulou avanço de 14,7%. O último voltou a recuar após acréscimo de 0,9% no mês anterior.

Ainda na série com ajuste sazonal, a evolução do índice de média móvel trimestral apontou expansão de 0,6% no trimestre encerrado em julho de 2016 frente ao nível do mês anterior, após crescer em junho (0,7%) e em maio (0,8%), quando interrompeu a trajetória descendente iniciada em outubro de 2014.

Indústria recua 6,6% na comparação com julho de 2015

Na comparação com julho de 2015, a indústria recuou 6,6% em julho de 2016, com perfil disseminado de resultados negativos, alcançando as quatro grandes categorias econômicas, 22 dos 26 ramos, 57 dos 79 grupos e 66,2% dos 805 produtos pesquisados. Julho de 2016 (21 dias) teve dois dias úteis a menos do que igual mês do ano anterior (23).

Entre as atividades, coque, produtos derivados do petróleo e biocombustíveis (-10,7%), indústrias extrativas (-9,9%) e veículos automotores, reboques e carrocerias (-13,8%) exerceram as maiores influências negativas. Outras contribuições negativas relevantes vieram de máquinas e equipamentos (-13,3%), produtos de metal (-13,4%), produtos do fumo (-44,2%), produtos de minerais não-metálicos (-9,7%), outros equipamentos de transporte (-22,1%), produtos farmoquímicos e farmacêuticos (-10,7%), equipamentos de informática, produtos eletrônicos e ópticos (-13,6%), confecção de artigos do vestuário e acessórios (-10,4%), impressão e reprodução de gravações (-22,5%) e móveis (-16,5%).

A atividade de produtos alimentícios (5,4%) exerceu a principal pressão positiva nesse mês, impulsionada pelos avanços na produção de açúcar cristal e VHP.

Ainda no confronto com igual mês do ano anterior, bens de consumo duráveis (-16,2%) e bens de capital (-11,9%) assinalaram reduções mais acentuadas entre as grandes categorias econômicas. Os setores produtores de bens de consumo semi e não-duráveis (-6,3%) e de bens intermediários (-5,0%) também mostraram resultados negativos nesse mês, ambos recuando com intensidade menor do que a média nacional (-6,6%).

O segmento de bens de consumo duráveis recuou 16,2% no índice mensal, 29º resultado negativo consecutivo nesse tipo de confronto e mais intenso do que o do mês anterior (-7,2%). O setor foi particularmente pressionado pela menor fabricação de automóveis (-16,4%) e de eletrodomésticos da linha marrom (-17,3%), influenciados, em grande parte, por reduções de jornadas de trabalho e pela concessão de férias coletivas em várias unidades produtivas. Outros impactos negativos importantes vieram de motocicletas (-24,8%), de eletrodomésticos da linha branca (-2,9%) e de móveis (-16,6%), enquanto o principal resultado positivo foi observado no grupamento de outros eletrodomésticos (13,6%).

O setor produtor de bens de capital (-11,9%) assinalou a 29ª taxa negativa consecutiva no índice mensal e a mais intensa desde abril último (-16,1%). Na formação do índice desse mês, o segmento foi influenciado pelo recuo na maior parte dos seus grupamentos, com destaque para as reduções vindas de bens de capital para fins industriais (-16,2%) e para equipamentos de transporte (-11,9%). As demais taxas negativas foram registradas por bens de capital de uso misto (-18,0%), agrícola (-6,6%) e para energia elétrica (-0,2%), enquanto bens de capital para construção (12,0%) foi o único resultado positivo em julho de 2016.

Ainda no confronto com igual mês do ano anterior, a produção de bens de consumo semi e não-duráveis recuou 6,3% em julho de 2016, terceira taxa negativa consecutiva e a mais intensa desde janeiro último (-6,7%). Esse desempenho foi explicado pelos recuos nos grupamentos de não-duráveis (-11,0%), de alimentos e bebidas elaborados para consumo doméstico (-5,3%) e de semiduráveis (-9,7%). O grupamento de carburantes (2,0%) apontou o único resultado positivo nessa categoria, impulsionado pela maior fabricação de álcool etílico e gasolina automotiva.

O setor de bens intermediários (-5,0%) assinalou a 28ª taxa negativa consecutiva no índice mensal, mas com queda menos intensa do que a do mês anterior (-7,4%). O resultado foi explicado pelos recuos nos produtos associados às atividades de coque, produtos derivados do petróleo e biocombustíveis (-16,1%), indústrias extrativas (-9,9%), veículos automotores, reboques e carrocerias (-12,2%), produtos de metal (-12,3%), produtos de minerais não-metálicos (-9,8%), máquinas e equipamentos (-15,7%), produtos de borracha e de material plástico (-3,0%), metalurgia (-1,4%), outros produtos químicos (-1,2%), celulose, papel e produtos de papel (-1,8%) e produtos têxteis (-1,8%). A única pressão positiva veio de produtos alimentícios (16,9%). Vale citar também as reduções nos grupamentos de insumos típicos para construção civil (-10,9%), que marcou o 29º recuo seguido na comparação com igual mês do ano anterior, e de embalagens (-3,3%), com a 19ª taxa negativa consecutiva.

Índice acumulado em 2016 cai 8,7%

No índice acumulado para o período janeiro-julho de 2016, frente a igual período do ano anterior, o setor industrial mostrou queda de 8,7%, com perfil disseminado de taxas negativas. Quatro grandes categorias econômicas, 24 dos 26 ramos, 62 dos 79 grupos e 74,3% dos 805 produtos pesquisados apontaram queda na produção.

Entre as atividades, indústrias extrativas (-13,4%) e veículos automotores, reboques e carrocerias (-20,2%) exerceram as maiores influências negativas, pressionadas por minérios de ferro, na primeira, e automóveis, caminhões e autopeças, na segunda. Outras contribuições negativas relevantes vieram de coque, produtos derivados do petróleo e biocombustíveis (-6,7%), máquinas e equipamentos (-15,6%), metalurgia (-10,3%), equipamentos de informática, produtos eletrônicos e ópticos (-25,7%), produtos de metal (-13,5%), produtos de minerais não-metálicos (-11,5%), outros equipamentos de transporte (-22,0%), produtos de borracha e de material plástico (-10,0%), máquinas, aparelhos e materiais elétricos (-11,2%), confecção de artigos do vestuário e acessórios (-10,3%) e móveis (-15,2%).

Entre as duas atividades que cresceram em 2016, a principal influência foi em produtos alimentícios (2,6%), impulsionada pelo avanço na fabricação de açúcar cristal e VHP. Vale citar também o resultado positivo registrado pelo setor de celulose, papel e produtos de papel (1,8%), explicado pelo item pastas químicas de madeira (celulose).

Entre as grandes categorias econômicas, o perfil dos resultados para os sete primeiros meses de 2016 mostrou menor dinamismo para bens de consumo duráveis (-21,4%) e bens de capital (-18,5%), pressionadas especialmente pela redução na fabricação de automóveis (-20,9%) e de eletrodomésticos (-22,8%), na primeira, e de bens de capital para equipamentos de transporte (-18,9%), na segunda. Os segmentos de bens intermediários (-8,3%) e de bens de consumo semi e não-duráveis (-2,9%) também assinalaram taxas negativas. O primeiro teve recuo abaixo da média nacional (-8,7%), e o segundo, a queda mais moderada entre as grandes categorias econômicas.

(por Gabriel Codas)


Fonte: Enfoque
Publicado em: 02/09/2016 09:05:11

Deixe um comentário

Precisa converter?

A calculadora de conversão do FinanceOne fornece os últimos valores cotados para diversas moedas. Acesse agora!

Converter agora

Receba novidades

Cadastre-se em nossa newsletter para receber novidades em seu email.

Posts relacionados

12 de novembro de 2018
62% dos trabalhadores da indústria temem perder empregos para robôs

Uma pesquisa recente realizada pelo Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) e a organização Latinobarómetro mostrou que 62% dos brasileiros t...

9 de novembro de 2018
Natal deve movimentar R$53,5 bilhões, aponta pesquisa

Falta pouco mais de um mês para o Natal. E é nessa época que as pessoas começam a se preparar para comprar os presentes. A previsão é de que nes...

8 de novembro de 2018
Brasil sobe 16 posições em ranking de ambiente de negócios

O Brasil melhorou seu ambiente de negócios. É o que diz o diagnóstico feito pelo Banco Mundial. O país subiu 16 posições em ranking do relatóri...

15 de outubro de 2018
Os cargos que podem ter maiores aumentos salariais em 2019

A tendência é que em 2019 diversos setores se tornem mais interessantes financeiramente para os profissionais. Confira os maiores aumentos salariais em 2019.

9 de outubro de 2018
Alimentação é o principal gasto do brasileiro, diz estudo

Pesquisa da Multibenefícios mostrou que alimentação é o principal gasto do brasileiro, que considera o adiantamento do salário para isso.

Mais lidos

Cartões de crédito sem anuidade: veja os 10 melhores
Procurando cartões de crédito sem anuidade? Eles definitivamente conquistaram o seu espaço na eco ...
Trabalhar em casa: 28 profissões para ganhar dinheiro
Trabalhar em casa e ganhar dinheiro no conforto do lar é um sonho para muitas pessoas. No Brasil, o ...
Quais são as moedas mais valorizadas do mundo?
Sabe quais são as moedas mais valorizadas do mundo? Você vai se surpreender! O Real é a terceira ...
Aposentadoria por idade 2018: como funciona?
A aposentadoria é um dos benefícios da Previdência Social. O Regime Geral de Previdência Social ...
Cartão de crédito com aprovação imediata existe?
Quem não quer ter um cartão de crédito hoje em dia para realizar as compras? Muitas instituiçõe ...

Ebook do FinanceOne

Ebook gratuito investidor iniciante

Quer investir mas não sabe como? O Guia Completo do Investidor Iniciante traz os primeiros passos para você começar a investir e ganhar dinheiro!

BAIXAR AGORA!

Publicidade


           




Guias

Calculadoras