Semana volátil marca dias pré-Fomc | FinanceOne

Gráficos e cotações de Hoje

Dólar R$ 3,285
Euro R$ 3,874
Bitcoin R$ 55.280,00
Bovespa 74.538,54
CDI 8,14% a.a
Poupança (mês) 0,5000%
Libra R$ 4,388
Veja a Cotação do
Dólar Hoje, Euro hoje e Bitcoin hoje.


Semana volátil marca dias pré-Fomc


São Paulo, 16/09 (Enfoque) –

A segunda semana de setembro foi marcada pela grande preocupação dos investidores com o futuro dos juros nos Estados Unidos o que levou, aliada à queda dos preços de commodities, à dias de alta volatilidade, mas com fechamento semelhante ao da semana anterior.

Por aqui, parte do foco dos investidores esteve voltada para o cenário político, com a espera pela evolução das negociações do governo para aprovação das medidas de ajuste fiscal tão esperada pelos mercados.

Lá fora, o ponto principal da semana ficou para as especulações dos investidores ficou a reunião do Federal Reserve, que acontece a próxima semana. Com isso, a medidas que dados econômicos eram divulgados, o mercado reagia positiva ou negativamente.

Mercado Externo

O primeiro indicador de destaque da semana foi divulgado somente na quarta-feira, quando o Departamento de Comércio do país divulgou que os produtos importados pelos EUA registraram em agosto queda de 0,2%, sendo que a aposta era de 0,1%. Já o preços dos exportados caíram 0,8%, ante expectativa de 0,1%.

A quinta-feira foi o dia mais esperado da semana. Os pedidos de auxílio-desemprego foram para 260 mil novas solicitações, ante resultado anterior de259 mil e aposta de 260 mil. Já o índice de preços ao produtor ficou estável em agosto, sendo que a aposta dera de 0,1%. O núcleo do indicador variou 0,1%, em linha com as estimativas.

No caso das vendas do varejo, houve queda de 0,3% em agosto, sendo que o mercado apostava na estabilidade do indicador. Os escritórios do Federal Reserve de Nova York e da Filadélfia divulgaram o resultado dos seus indicadores de atividade, que registraram, respectivamente, -1,99 pontos e -12,88 pontos. Resultados que foram muito melhor do que o esperado para Filadélfia e pouco pior para Nova York.

O último indicador de quinta-feira foi o da produção industrial americana, que recuou 0,4% ante estimativa de queda de 0,2%. Os números do levantamento anterior foram revistos para 0,6% de alta.

Finalmente, na sexta-feira, foi divulgado o índice de preços ao consumidor de agosto subiu 0,2%, sendo que o mercado esperava alta de 0,1% e em julho apresentou estabilidade. Já o índice de confiança do consumidor da Universidade de Michigan variou de 90,8 para 89,8 pontos.

Sendo assim, depois de cinco dias, o Dow Jones teve alta de 0,2% aos 18.123,8 pontos, enquanto o S&P 500 variou 0,5% aos 2.139,17 pontos. Confira o gráfico:

 

 

Mercado Interno

O Índice Geral de Preços – Mercado (IGP-M) registrou taxa de variação de 0,38%, na apuração referente ao primeiro decêndio de setembro. No mesmo período de apuração do mês anterior, este índice não registrou variação. A apuração referente ao primeiro decêndio do IGP-M de setembro compreendeu o intervalo entre os dias 21 e 31 do mês de agosto.

O Índice de Preços ao Produtor Amplo (IPA) registrou variação de 0,51%, no primeiro decêndio de setembro. No mesmo período do mês de agosto, o índice variou -0,13%. A taxa de variação do índice referente a Bens Finais passou de 0,30% para -0,19%. Contribuiu para este movimento o subgrupo alimentos in natura, cuja taxa passou de -0,49% para -5,04%. O índice correspondente aos Bens Intermediários variou -0,21%, ante -0,30%, no mês anterior. A principal contribuição para este avanço partiu do subgrupo materiais e componentes para a construção,que passou de -0,12% para 0,66%.

O Banco Central divulgou mais uma edição do Relatório Focus nesta segunda semana de julho. O documento elevou a projeção do IPCA no ano de 2016 de 7,34% para 7,36%, enquanto a projeção para o final de 2017 ficou em 5,12%.

As apostas do BC para a cotação do dólar apresentaram nova queda, indo de R$ 3,26 para R$ 3,25, sendo que há quase três meses o valor era de R$ 3,60. Para o próximo ano, o valor ficou em R$ 3,45. No caso da Selic, a expectativa de 2016 a aposta foi mantida 13,75%, o mesmo acontecendo com a de 2017, ficando em 11,00%.

O mercado melhorou a aposta do PIB de -3,20% para -3,18%. Para o ano que vem, a projeção ficou em 1,30%.

A segunda semana de setembro, com quatro dias úteis, registrou superávit comercial de US$ 997 milhões, resultado de exportações de US$ 3,458 bilhões e importações de US$ 2,461 bilhões. No mês, as exportações somam US$ 4,956 bilhões e as importações, US$ 3,470 bilhões, com saldo positivo de US$ 1,486 bilhão. Já no acumulado do ano, as exportações somam US$ 128,527 bilhões e as importações, US$ 94,669 bilhões, com saldo positivo de US$ 33,858 bilhões. Os dados foram divulgados hoje pela Secretaria de Comércio Exterior (Secex) do Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços (MDIC).

Em julho de 2016, o comércio varejista nacional registrou variação de -0,3% no volume de vendas, após avanço de 0,3% em junho, enquanto para receita nominal, a variação de 0,7% foi a quarta taxa positiva consecutiva, ambas as comparações em relação ao mês imediatamente anterior, na série livre de influências sazonais. Com isso, na média móvel trimestral, o volume de vendas variou -0,3%, enquanto a receita nominal permaneceu no campo positivo (0,7%).

O Índice Geral de Preços – 10 (IGP-10) variou 0,36%, em setembro. A taxa apurada em agosto foi de -0,27%. Em setembro de 2015, a variação foi de 0,61%. A taxa acumulada em 2016, até setembro, é de 6,55%. Em 12 meses, o IGP-10 registrou alta de 11,23%. O IGP-10 é calculado com base nos preços coletados entre os dias 11 do mês anterior e 10 do mês de referência.

 O Índice de Preços ao Produtor Amplo (IPA) variou 0,39%, em setembro. Em agosto, a variação foi de -0,57%. Os Bens Finais registraram taxa de variação de -0,01%, em setembro, ante -0,15%, em agosto. O principal responsável por este movimento foi o subgrupo alimentos in natura, cuja taxa passou de -3,81% para -2,92%. O índice relativo a Bens Finais (ex), calculado sem os subgrupos alimentos in natura e combustíveis para o consumo, registrou variação de 0,35%. No mês anterior, a taxa de variação foi de 0,32%.

O IPC-S de 15 de setembro de 2016 apresentou variação de 0,27%1, 0,07 ponto percentual (p.p.) abaixo da taxa registrada na última divulgação.

Nesta apuração, cinco das oito classes de despesa componentes do índice apresentaram decréscimo em suas taxas de variação. A maior contribuição partiu do grupo Alimentação (0,76% para 0,44%). Nesta classe de despesa, cabe mencionar o comportamento do item laticínios, cuja taxa passou de 1,99% para -0,21%.

O volume do setor de serviços cresceu 0,7% de junho para julho, na série livre de influências sazonais, após recuar 0,2% em junho e subir 0,2% em maio. Já na série sem ajuste sazonal, houve queda (-4,5%) em relação a julho de 2015, a maior retração para esse mês em toda a série histórica da Pesquisa Mensal de Serviços (PMS) do IBGE, iniciada em janeiro de 2012. A taxa acumulada no ano ficou em -4,8% e a dos últimos 12 meses, em -4,9%.

Dentro deste cenário, o Ibovespa acumulou queda de 0,1% aos 57.041 pontos. Confira o gráfico, além das maiores altas, baixas e as ações mais negociadas da semana:

Maiores Altas

Ativo

Código

Último

Variação

RAIADROGASIL

RADL3

64,91

4,27%

CYRELA REALT

CYRE3

10,16

3,36%

ENERGIAS BR

ENBR3

14,31

3,10%

JBS

JBSS3

12,00

2,83%

CIELO

CIEL3

33,06

2,51%

 

Maiores Baixas

Ativo

Código

Último

Variação

USIMINAS

USIM5

3,42

-11,17%

QUALICORP

QUAL3

19,63

-10,08%

GERDAU

GGBR4

8,39

-9,49%

SID NACIONAL

CSNA3

8,10

-6,36%

GERDAU MET

GOAU4

3,71

-6,08%


Mais Negociadas

Ativo

Código

ÚltimO

Volume

Segmento

PETROBRAS

PETR4

R$ 13,16

2.593.639.232,00

Exploração e/ou Refino

ITAUUNIBANCO

ITUB4

R$ 34,98

1.770.133.600,00

Bancos

BRADESCO

BBDC4

R$ 28,09

1.382.665.184,00

Bancos

VALE

VALE5

R$ 13,95

1.158.318.464,00

Minerais Metálicos

BMFBOVESPA

BVMF3

R$ 17,02

951.385.376,00

Serviços Financeiros Diversos

 

Mercado Cambial

A semana marcou a menor presença do Banco Central no mercado de câmbio, com a autoridade monetária reduzindo sua atuação quando a divisa atingiu o patamar de R$ 3,30. Ao final do período, a o moeda americana acumulou queda de 0,2% a R$ 3,2690. Confira o gráfico:

(por Gabriel Codas)


Fonte: Enfoque
Publicado em: 16/09/2016 17:15:44







Mais lidos

Principais Indicadores de Valor de uma Empresa
Quando você está no processo de compra e venda de empresas, precisa pensar nas dívidas que essa e...
Como escolher o plano de saúde?
Diante de tantas opções, a contratação de um plano de saúde pode gerar muitas dúvidas. Antes d...
Leilão de imóveis: entenda os leilões judiciais e extrajudiciais
O leilão de imóveis pode se judicial ou extrajudicial. No caso do judicial, como o próprio nome d...
Tesouro Direto ou CDB: qual a melhor aplicação?
Já falamos aqui que dinheiro só na poupança não rende. E aí, apostar em uma Renda Fixa é uma b...
Alugar ou comprar imóvel 2018?
Esse é um momento de alugar ou comprar imóvel? Na dúvida, algumas questões devem ser avaliadas. ...
Investimento além da poupança: formas de aplicar seu dinheiro
A poupança viu uma melhora de cenário em novembro de 2017. Quando em outubro houve retirada líqui...




Publicidade