Semana volátil marca dias pré-Fomc | FinanceOne

Gráficos e cotações de Hoje

Dólar R$ 3,242
Euro R$ 3,987
Bitcoin R$ 32.802,02
Bovespa 74.538,54
CDI 8,14% a.a
Poupança (mês) 0,5000%
Libra R$ 4,529
Veja a Cotação do
Dólar Hoje, Euro hoje e Bitcoin hoje.


Semana volátil marca dias pré-Fomc


São Paulo, 16/09 (Enfoque) –

A segunda semana de setembro foi marcada pela grande preocupação dos investidores com o futuro dos juros nos Estados Unidos o que levou, aliada à queda dos preços de commodities, à dias de alta volatilidade, mas com fechamento semelhante ao da semana anterior.

Por aqui, parte do foco dos investidores esteve voltada para o cenário político, com a espera pela evolução das negociações do governo para aprovação das medidas de ajuste fiscal tão esperada pelos mercados.

Lá fora, o ponto principal da semana ficou para as especulações dos investidores ficou a reunião do Federal Reserve, que acontece a próxima semana. Com isso, a medidas que dados econômicos eram divulgados, o mercado reagia positiva ou negativamente.

Mercado Externo

O primeiro indicador de destaque da semana foi divulgado somente na quarta-feira, quando o Departamento de Comércio do país divulgou que os produtos importados pelos EUA registraram em agosto queda de 0,2%, sendo que a aposta era de 0,1%. Já o preços dos exportados caíram 0,8%, ante expectativa de 0,1%.

A quinta-feira foi o dia mais esperado da semana. Os pedidos de auxílio-desemprego foram para 260 mil novas solicitações, ante resultado anterior de259 mil e aposta de 260 mil. Já o índice de preços ao produtor ficou estável em agosto, sendo que a aposta dera de 0,1%. O núcleo do indicador variou 0,1%, em linha com as estimativas.

No caso das vendas do varejo, houve queda de 0,3% em agosto, sendo que o mercado apostava na estabilidade do indicador. Os escritórios do Federal Reserve de Nova York e da Filadélfia divulgaram o resultado dos seus indicadores de atividade, que registraram, respectivamente, -1,99 pontos e -12,88 pontos. Resultados que foram muito melhor do que o esperado para Filadélfia e pouco pior para Nova York.

O último indicador de quinta-feira foi o da produção industrial americana, que recuou 0,4% ante estimativa de queda de 0,2%. Os números do levantamento anterior foram revistos para 0,6% de alta.

Finalmente, na sexta-feira, foi divulgado o índice de preços ao consumidor de agosto subiu 0,2%, sendo que o mercado esperava alta de 0,1% e em julho apresentou estabilidade. Já o índice de confiança do consumidor da Universidade de Michigan variou de 90,8 para 89,8 pontos.

Sendo assim, depois de cinco dias, o Dow Jones teve alta de 0,2% aos 18.123,8 pontos, enquanto o S&P 500 variou 0,5% aos 2.139,17 pontos. Confira o gráfico:

 

 

Mercado Interno

O Índice Geral de Preços – Mercado (IGP-M) registrou taxa de variação de 0,38%, na apuração referente ao primeiro decêndio de setembro. No mesmo período de apuração do mês anterior, este índice não registrou variação. A apuração referente ao primeiro decêndio do IGP-M de setembro compreendeu o intervalo entre os dias 21 e 31 do mês de agosto.

O Índice de Preços ao Produtor Amplo (IPA) registrou variação de 0,51%, no primeiro decêndio de setembro. No mesmo período do mês de agosto, o índice variou -0,13%. A taxa de variação do índice referente a Bens Finais passou de 0,30% para -0,19%. Contribuiu para este movimento o subgrupo alimentos in natura, cuja taxa passou de -0,49% para -5,04%. O índice correspondente aos Bens Intermediários variou -0,21%, ante -0,30%, no mês anterior. A principal contribuição para este avanço partiu do subgrupo materiais e componentes para a construção,que passou de -0,12% para 0,66%.

O Banco Central divulgou mais uma edição do Relatório Focus nesta segunda semana de julho. O documento elevou a projeção do IPCA no ano de 2016 de 7,34% para 7,36%, enquanto a projeção para o final de 2017 ficou em 5,12%.

As apostas do BC para a cotação do dólar apresentaram nova queda, indo de R$ 3,26 para R$ 3,25, sendo que há quase três meses o valor era de R$ 3,60. Para o próximo ano, o valor ficou em R$ 3,45. No caso da Selic, a expectativa de 2016 a aposta foi mantida 13,75%, o mesmo acontecendo com a de 2017, ficando em 11,00%.

O mercado melhorou a aposta do PIB de -3,20% para -3,18%. Para o ano que vem, a projeção ficou em 1,30%.

A segunda semana de setembro, com quatro dias úteis, registrou superávit comercial de US$ 997 milhões, resultado de exportações de US$ 3,458 bilhões e importações de US$ 2,461 bilhões. No mês, as exportações somam US$ 4,956 bilhões e as importações, US$ 3,470 bilhões, com saldo positivo de US$ 1,486 bilhão. Já no acumulado do ano, as exportações somam US$ 128,527 bilhões e as importações, US$ 94,669 bilhões, com saldo positivo de US$ 33,858 bilhões. Os dados foram divulgados hoje pela Secretaria de Comércio Exterior (Secex) do Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços (MDIC).

Em julho de 2016, o comércio varejista nacional registrou variação de -0,3% no volume de vendas, após avanço de 0,3% em junho, enquanto para receita nominal, a variação de 0,7% foi a quarta taxa positiva consecutiva, ambas as comparações em relação ao mês imediatamente anterior, na série livre de influências sazonais. Com isso, na média móvel trimestral, o volume de vendas variou -0,3%, enquanto a receita nominal permaneceu no campo positivo (0,7%).

O Índice Geral de Preços – 10 (IGP-10) variou 0,36%, em setembro. A taxa apurada em agosto foi de -0,27%. Em setembro de 2015, a variação foi de 0,61%. A taxa acumulada em 2016, até setembro, é de 6,55%. Em 12 meses, o IGP-10 registrou alta de 11,23%. O IGP-10 é calculado com base nos preços coletados entre os dias 11 do mês anterior e 10 do mês de referência.

 O Índice de Preços ao Produtor Amplo (IPA) variou 0,39%, em setembro. Em agosto, a variação foi de -0,57%. Os Bens Finais registraram taxa de variação de -0,01%, em setembro, ante -0,15%, em agosto. O principal responsável por este movimento foi o subgrupo alimentos in natura, cuja taxa passou de -3,81% para -2,92%. O índice relativo a Bens Finais (ex), calculado sem os subgrupos alimentos in natura e combustíveis para o consumo, registrou variação de 0,35%. No mês anterior, a taxa de variação foi de 0,32%.

O IPC-S de 15 de setembro de 2016 apresentou variação de 0,27%1, 0,07 ponto percentual (p.p.) abaixo da taxa registrada na última divulgação.

Nesta apuração, cinco das oito classes de despesa componentes do índice apresentaram decréscimo em suas taxas de variação. A maior contribuição partiu do grupo Alimentação (0,76% para 0,44%). Nesta classe de despesa, cabe mencionar o comportamento do item laticínios, cuja taxa passou de 1,99% para -0,21%.

O volume do setor de serviços cresceu 0,7% de junho para julho, na série livre de influências sazonais, após recuar 0,2% em junho e subir 0,2% em maio. Já na série sem ajuste sazonal, houve queda (-4,5%) em relação a julho de 2015, a maior retração para esse mês em toda a série histórica da Pesquisa Mensal de Serviços (PMS) do IBGE, iniciada em janeiro de 2012. A taxa acumulada no ano ficou em -4,8% e a dos últimos 12 meses, em -4,9%.

Dentro deste cenário, o Ibovespa acumulou queda de 0,1% aos 57.041 pontos. Confira o gráfico, além das maiores altas, baixas e as ações mais negociadas da semana:

Maiores Altas

Ativo

Código

Último

Variação

RAIADROGASIL

RADL3

64,91

4,27%

CYRELA REALT

CYRE3

10,16

3,36%

ENERGIAS BR

ENBR3

14,31

3,10%

JBS

JBSS3

12,00

2,83%

CIELO

CIEL3

33,06

2,51%

 

Maiores Baixas

Ativo

Código

Último

Variação

USIMINAS

USIM5

3,42

-11,17%

QUALICORP

QUAL3

19,63

-10,08%

GERDAU

GGBR4

8,39

-9,49%

SID NACIONAL

CSNA3

8,10

-6,36%

GERDAU MET

GOAU4

3,71

-6,08%


Mais Negociadas

Ativo

Código

ÚltimO

Volume

Segmento

PETROBRAS

PETR4

R$ 13,16

2.593.639.232,00

Exploração e/ou Refino

ITAUUNIBANCO

ITUB4

R$ 34,98

1.770.133.600,00

Bancos

BRADESCO

BBDC4

R$ 28,09

1.382.665.184,00

Bancos

VALE

VALE5

R$ 13,95

1.158.318.464,00

Minerais Metálicos

BMFBOVESPA

BVMF3

R$ 17,02

951.385.376,00

Serviços Financeiros Diversos

 

Mercado Cambial

A semana marcou a menor presença do Banco Central no mercado de câmbio, com a autoridade monetária reduzindo sua atuação quando a divisa atingiu o patamar de R$ 3,30. Ao final do período, a o moeda americana acumulou queda de 0,2% a R$ 3,2690. Confira o gráfico:

(por Gabriel Codas)


Fonte: Enfoque
Publicado em: 16/09/2016 17:15:44







Mais lidos

10 estratégias de marketing para captar clientes na internet
Precisa captar novos clientes? Atualmente, é possível elaborar estratégias de marketing para a su...
Sites e apps para comprar moeda que você deve conhecer
Viajar, hoje em dia, sem o auxílio da tecnologia é quase impossível. Há aquelas viagens em que v...
Como saber meu perfil de investidor? Descubra!
Você já tomou o primeiro passo e decidiu que vai investir. Fazer uma aplicação que vai além da ...
Blockchain: o que é e como funciona
Provavelmente você já ouviu falar em Blockchain por causa das moedas digitais. Mas, afinal, o que ...
Como ganhar dinheiro com renda fixa?
Os investimentos em renda fixa costumam ser para um perfil de investidor mais conservador. Geralment...
10 criptomoedas além do Bitcoin que você precisa conhecer
Você já deve ter escutado algo sobre Bitcoin. As criptomoedas estão revolucionando o mercado fina...




Publicidade