Conversor de moedas Transferência internacional

Veja a cotação do Dólar Hoje, Euro hoje e Bitcoin hoje.

Sou o candidato da lei e da ordem , declara Trump na convenção de Cleveland

Escrito por: Redação em 22 de julho de 2016


São Paulo, 22/07 (Enfoque) –

Ao encerrar a convenção do Partido Republicano que indicou seu nome para concorrer à Presidência dos Estados Unidos nas eleições de novembro, o candidato Donald Trump prometeu aos americanos segurança e proteção contra ataques terroristas e criticou a pré-candidato do Partido Democrata, Hillary Clinton, por ter deixado ao país “um legado de morte, destruição, terrorismo e fraqueza” durante o período em que ela foi secretária de Estado norte-americana.

Cumprindo o ritual da convenção encerrada ontem (21) à noite, Donald Trump declarou que aceita a indicação de seu nome e disse que, se eleito, vai implantar uma política dura contra os imigrantes ilegais. Em discurso feito na arena Quicken Loans, em Cleveland, no estado de Ohio, Trump procurou fugir do tema que divide internamente o Partido Republicano. Segundo ele, a maneira mais adequada para unificar o partido é explicar ao povo norte-americano as razões para não eleger a rival democrata Hillary Clinton.

“Nossa convenção ocorre em um momento de crise para a nossa nação”, disse Trump, ao se referir aos recentes tiroteios ocorridos em cidades norte-americanas contra policiais em serviço. “Os ataques à nossa polícia e o terrorismo em nossas cidades ameaçam nosso modo de vida”. Ele foi interrompido por aplausos da multidão que compareceu à arena.

Após afirmar que o país precisa de “lei e de ordem”, Trump lembrou os tumultos que ocorriam em ruas de cidades norte-americanas, na década de 1960, quando a população negra dos Estados Unidos foi às ruas para lutar por direitos civis. Citou também as incertezas que ocorreram nos Estados Unidos depois da queda das Torres Gêmeas, em 11 de setembro de 2001.

“Nesta corrida para a Casa Branca, eu sou o candidato da lei e da ordem”, disse Trump, ao ser interrompido pela plateia que gritava “USA, USA” (Estados Unidos, Estados Unidos).

Cleveland

A convenção republicana de Cleveland, que durou quatro dias, foi marcada por divergências internas, lideradas por políticos que não aprovam o estilo agressivo de Trump. Ao longo da campanha, Trump sempre usou palavras ríspidas contra políticos que também queriam submeter seus nomes para concorrer à indicação do partido.

Um desses políticos – o senador do Texas Ted Cruz – chegou a ser vaiado durante a convenção por se recusar a apoiar Trump. Cruz, que ainda tem uma forte liderança dentro do Partido Republicano, justificou sua atitude dizendo que não é “um cãozinho dócil”, e explicou: “eu não tenho o hábito de apoiar pessoas que atacam minha esposa e meu pai”. Ele se referia ao fato de que, durante a campanha, Trump postou um comentário nas redes sociais comparando a aparência física da mulher de Ted, Heidi Cruz, com a de sua mulher, Melania Trump, que é ex-modelo. Em outro post, Trump fez uma ilação, sem nenhuma base histórica, entre o pai de Ted Cruz, Rafael Cruz, um imigrante cubano, com o assassinato do ex-presidente dos Estados Unidos, John Kennedy.

Outro fato que marcou a convenção republicana foi a acusação de que o discurso de Melania Trump, no primeiro dia do evento, teria sido um plágio de outro discurso feito pela mulher do presidente Barack Obama, Michelle Obama, em uma convenção do Partido Democrata em 2008.

Posteriormente, uma funcionária da empresa imobiliária de Donald Trump veio a público para dizer que ela inadvertidamente fez emendas no discurso que ia ser feito por Melania, tiradas do discurso de Michelle Obama em 2008.

(por Gabriel Codas)


Fonte: Enfoque
Publicado em: 22/07/2016 11:00:50

Redação

Criado em 2003, o FinanceOne é um site especializado em finanças. Desde a influência do mercado financeiro no seu dia a dia até a simples economia dentro de casa.

Deixe um comentário

Precisa converter?

A calculadora de conversão do FinanceOne fornece os últimos valores cotados para diversas moedas. Acesse agora!

Converter agora

Posts relacionados

fraude
Brasil e Chile
crise
Economia da América latina
Trabalhadores da indústria temem perder empregos para robôs