Início Notícias Economia Saiba o que é spread bancário, como funciona e quais os impactos

Saiba o que é spread bancário, como funciona e quais os impactos

0
foto globo terrestre economia
5
(1)

Quando o assunto é alta dos juros no Brasil, um dos responsáveis – e até mesmo visto como vilão – desse efeito é o chamado spread bancário. Mas você sabe o que ele significa na prática?

Considerado um dos principais fatores de influência da economia brasileira, o spread bancário nada mais é que a diferença entre os juros que os bancos pagam quando você investe seu dinheiro e os juros cobrados sobre um empréstimo. Não entendeu? Então calma, que a gente te explica.

Confira, em detalhes, como essa taxa é calculada e qual o seu impacto direto para empresas e profissionais do mercado.

Como funciona o spread bancário?

Para entender esse conceito na prática, é preciso voltar as atenções para um cenário macro da economia. Mas, primeiro, vamos começar com um exemplo prático do dia a dia: as suas próprias finanças.

Vamos supor que você tenha uma quantidade de dinheiro aplicado na poupança, e esse montante renda 8% ao ano. Os empréstimos bancários oferecidos por essa mesma instituição têm juros de 30% ao mês. O spread bancário, nesse caso, seria de 22%.

As instituições financeiras buscam pelo maior spread bancário possível, e isso é feito pela junção de pagamento de juros baixos pelos bancos com a cobrança de juros altos dos clientes. A composição do spread, entretanto, é mais complexo de se entender. 

Como é composto o cálculo do spread bancário?

Os valores cobrados pelo banco que são levados em conta para a definição do spread bancário são: 

  • Custo administrativo: gastos com despesas em serviços e rendimentos dos funcionários das agências bancárias; 
  • Encargos fiscais: o Banco Central retém uma parte dos depósitos captados por instituições financeiras e o recurso apreendido é encaminhado para o Fundo Garantidor de Créditos (FGC);
  • Tributação brasileira: os elevados tributos também contribuem para o spread bancário, visto que a concentração bancária permite o repasse integral dos custos para os clientes.
  • Inadimplência: como o número de devedores é alto no país, ele acaba contribuindo para um spread bancário de mesmo nível;
  • Lucro: trata-se da remuneração dos acionistas do banco;
  • Inflação e juros: a taxa básica de juros é o principal fator a ser calculado na hora de um investimento. Se a inflação estiver alta, ainda que os rendimentos sejam grandes, o poder de compra acaba sendo impactado.
Enquanto os bancos se beneficiam dos juros altos, contribuinte sente o impacto na tomada de crédito e compras do dia a dia. (Fonte: Divulgação)

Qual é o impacto do spread bancário na economia?

Quanto maiores são as taxas de juros na economia brasileiro, mais o cidadão sente no bolso na hora de fazer compras, investir e fazer empréstimos. Do ponto de vista dos bancos, entretanto, a alta é positiva, já que afeta diretamente o lucro e os ganhos com spread elevado.

Já com as taxas de juros sendo reduzidas, o movimento incentiva a economia, dando mais oportunidade para a tomada de crédito e o poder de compra do brasileiro. 

Portanto, a regra é simples: quanto maior o spread bancário, menor o consumo e mais caros os serviços e produtos. Reduzir o spread é fundamental para equilibrar a economia e gerar maior tranquilidade entre os brasileiros –  já que aumenta o acesso ao crédito e facilita a negociação de dívidas, por exemplo.

Gostou do conteúdo e quer se manter informado sobre outras variantes que impactam a economia brasileira? Confira a seção sobre Economia no blog da FinanceOne e mantenha-se atualizado sobre o setor!

O que achou disso?

Média da classificação 5 / 5. Número de votos: 1

Seja o primeiro a avaliar este post.

SEM COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui