Mais
    InícioNotíciasBolsonaro veta gratuidade para despachar bagagem em avião. Entenda!

    Bolsonaro veta gratuidade para despachar bagagem em avião. Entenda!

    5
    (1)

    O presidente Jair Bolsonaro vetou na última terça-feira, 14, a Medida Provisória que restabelecia o despacho gratuito de bagagens em voos comerciais no Brasil. A decisão já foi publicada no Diário Oficial da União desta quarta, 15.

    Publicidade

    Vale ressaltar que o Senado e a Câmara dos Deputados aprovaram a volta do despacho gratuito de bagagens no Brasil.

    Para quem não sabe, a MP iria permitir que os passageiros despachassem bagagem em avião de forma gratuita para malas de até 23 quilos em voos nacionais e de até 30 quilos em voos internacionais.

    A proposta já havia sido aprovada na Câmara, mas retornou para análise dos deputados após mudanças no texto na votação do Senado. 

    Se a MP fosse sancionada, ela iria alterar o Código de Defesa do Consumidor para inclusão de práticas abusivas caso as companhias aéreas cobrem pelas bagagens.

    + Como fazer um roteiro de viagem sem gastar muito

    Publicidade

    Atualmente, quem viaja tem direito a uma mala de mão gratuita de até dez quilos para levar na cabine e, para despachar as malas, as empresas podem cobrar pelo serviço. O valor pode variar de acordo com os quilos.

    Por que Bolsonaro vetou o despacho de bagagem gratuito?

    O presidente Jair Bolsonaro já havia informado que era contra a MP do despacho gratuito de bagagem de avião no Brasil. Mas qual seria o motivo do veto? 

    De acordo com a Secretaria-Geral da Presidência, a volta do despacho gratuito de bagagens foi vetada, porque “a proposição aumentaria os custos dos serviços aéreos e o risco regulatório, o que reduziria a atratividade do mercado brasileiro a potenciais novos competidores e contribuiria para a elevação dos preços das passagens aéreas”.

    Vale lembrar que em maio deste ano, quando a votação estava acontecendo no Congresso, representantes de companhias aéreas de baixo custo defenderam que a eventual gratuidade geraria um aumento no preço das passagens. E isso acabaria inviabilizando  a chegada de novas empresas aéreas ao país.

    pessoas na fila para despachar bagagem no aeroporto
    Senado aprova Medida Provisória para despachar bagagem em avião gratuitamente em voos

    A Secretaria-Geral da Presidência informou ainda que “a criação de uma nova obrigação às empresas aéreas poderia acarretar questionamentos e prejuízos a tratados internacionais dos quais o Brasil é signatário” e que “existem atualmente entendimentos bilaterais negociados com 115 países, dos quais a maior parte tem como pilares as liberdades de oferta e tarifária”.

    Publicidade

    O que diz a MP da bagagem aprovada pela Câmara dos Deputados

    A MP foi batizada de “Voo Simples” e editada pelo governo em dezembro de 2021. O objetivo inicial era melhorar o ambiente de negócios no setor de aviação e redução de custos e corte de taxas.

    No entanto, durante a votação da MP na terça-feira, 26, os deputados aprovaram uma emenda parlamentar apresentada pela deputada Perpétua Almeida, do PCdoB do Acre. A ementa estabelece a volta do despacho gratuito nos voos nacionais e internacionais.

    “As companhias aéreas estão abusando no preço das passagens, não é justo cobrar pela bagagem”, disse a deputada na Câmara.

    + Qual a melhor forma de pagar uma viagem? Confira 4 opções

    Além da mudança sobre as bagagens, a MP também traz algumas novidades, como a obrigação para as companhias aéreas de fornecerem às autoridades federais informações pessoais de passageiros.

    Publicidade

    Companhias aéreas eram contra a MP

    A Associação Brasileira das Empresas Aéreas, que representa empresas como Latam e Gol, já havia se manifestado dizendo que a MP é positiva para o setor, mas discorda da não cobrança pela bagagem nos voos.

    + Confira 6 dicas para economizar na viagem de fim de ano

    A Azul, que não faz parte da associação, também é contrária à mudança e diz que o fim da cobrança vai contra “as medidas de desburocratização e simplificação do ambiente de negócios na aviação”.

    Por que as bagagens em avião são cobradas pelas companhias áereas?

    A polêmica da cobrança nas bagagens em voos nacionais e internacionais começou em 2016, quando Michel Temer estava sob o comando do país. Mas só entrou em vigor em 2017.

    À época, a ideia era que as passagens ficassem mais baratas ao consumidor. A Azul foi a primeira empresa a cobrar pela bagagem, em junho de 2017.

    E você? O que acha sobre despachar bagagem em avião gratuitamente? Compartilhe, conosco e com os demais leitores, a sua opinião sobre o assunto!

    *Colaboração: Juliana Favorito

    O que achou disso?

    Média da classificação 5 / 5. Número de votos: 1

    Seja o primeiro a avaliar este post.

    Lamentamos que este assunto não tenha sido útil para você!

    Diga-nos, como podemos melhorar?

    Camila Miranda
    Camila Miranda
    Nascida na Zona Oeste do Rio, me divido entre jornalismo e marketing digital. Com três anos de experiência em Comunicação, já trabalhei em redação de jornal impresso, webjornalismo e assessoria de imprensa. Hoje, faço gestão de mídias sociais e produção de conteúdo. Amo assuntos sobre as áreas cultural e política. Reclamo do transporte público.

    Artigos Relacionados

    Assine nossa newsletter!

    Páginas Populares

    DEIXE UMA RESPOSTA

    Por favor digite seu comentário!
    Por favor, digite seu nome aqui

    InícioNotíciasBolsonaro veta gratuidade para despachar bagagem em avião. Entenda!

    Bolsonaro veta gratuidade para despachar bagagem em avião. Entenda!

    5
    (1)

    O presidente Jair Bolsonaro vetou na última terça-feira, 14, a Medida Provisória que restabelecia o despacho gratuito de bagagens em voos comerciais no Brasil. A decisão já foi publicada no Diário Oficial da União desta quarta, 15.

    Publicidade

    Vale ressaltar que o Senado e a Câmara dos Deputados aprovaram a volta do despacho gratuito de bagagens no Brasil.

    Para quem não sabe, a MP iria permitir que os passageiros despachassem bagagem em avião de forma gratuita para malas de até 23 quilos em voos nacionais e de até 30 quilos em voos internacionais.

    A proposta já havia sido aprovada na Câmara, mas retornou para análise dos deputados após mudanças no texto na votação do Senado. 

    Se a MP fosse sancionada, ela iria alterar o Código de Defesa do Consumidor para inclusão de práticas abusivas caso as companhias aéreas cobrem pelas bagagens.

    + Como fazer um roteiro de viagem sem gastar muito

    Publicidade

    Atualmente, quem viaja tem direito a uma mala de mão gratuita de até dez quilos para levar na cabine e, para despachar as malas, as empresas podem cobrar pelo serviço. O valor pode variar de acordo com os quilos.

    Por que Bolsonaro vetou o despacho de bagagem gratuito?

    O presidente Jair Bolsonaro já havia informado que era contra a MP do despacho gratuito de bagagem de avião no Brasil. Mas qual seria o motivo do veto? 

    De acordo com a Secretaria-Geral da Presidência, a volta do despacho gratuito de bagagens foi vetada, porque “a proposição aumentaria os custos dos serviços aéreos e o risco regulatório, o que reduziria a atratividade do mercado brasileiro a potenciais novos competidores e contribuiria para a elevação dos preços das passagens aéreas”.

    Vale lembrar que em maio deste ano, quando a votação estava acontecendo no Congresso, representantes de companhias aéreas de baixo custo defenderam que a eventual gratuidade geraria um aumento no preço das passagens. E isso acabaria inviabilizando  a chegada de novas empresas aéreas ao país.

    pessoas na fila para despachar bagagem no aeroporto
    Senado aprova Medida Provisória para despachar bagagem em avião gratuitamente em voos

    A Secretaria-Geral da Presidência informou ainda que “a criação de uma nova obrigação às empresas aéreas poderia acarretar questionamentos e prejuízos a tratados internacionais dos quais o Brasil é signatário” e que “existem atualmente entendimentos bilaterais negociados com 115 países, dos quais a maior parte tem como pilares as liberdades de oferta e tarifária”.

    Publicidade

    O que diz a MP da bagagem aprovada pela Câmara dos Deputados

    A MP foi batizada de “Voo Simples” e editada pelo governo em dezembro de 2021. O objetivo inicial era melhorar o ambiente de negócios no setor de aviação e redução de custos e corte de taxas.

    No entanto, durante a votação da MP na terça-feira, 26, os deputados aprovaram uma emenda parlamentar apresentada pela deputada Perpétua Almeida, do PCdoB do Acre. A ementa estabelece a volta do despacho gratuito nos voos nacionais e internacionais.

    “As companhias aéreas estão abusando no preço das passagens, não é justo cobrar pela bagagem”, disse a deputada na Câmara.

    + Qual a melhor forma de pagar uma viagem? Confira 4 opções

    Além da mudança sobre as bagagens, a MP também traz algumas novidades, como a obrigação para as companhias aéreas de fornecerem às autoridades federais informações pessoais de passageiros.

    Publicidade

    Companhias aéreas eram contra a MP

    A Associação Brasileira das Empresas Aéreas, que representa empresas como Latam e Gol, já havia se manifestado dizendo que a MP é positiva para o setor, mas discorda da não cobrança pela bagagem nos voos.

    + Confira 6 dicas para economizar na viagem de fim de ano

    A Azul, que não faz parte da associação, também é contrária à mudança e diz que o fim da cobrança vai contra “as medidas de desburocratização e simplificação do ambiente de negócios na aviação”.

    Por que as bagagens em avião são cobradas pelas companhias áereas?

    A polêmica da cobrança nas bagagens em voos nacionais e internacionais começou em 2016, quando Michel Temer estava sob o comando do país. Mas só entrou em vigor em 2017.

    À época, a ideia era que as passagens ficassem mais baratas ao consumidor. A Azul foi a primeira empresa a cobrar pela bagagem, em junho de 2017.

    E você? O que acha sobre despachar bagagem em avião gratuitamente? Compartilhe, conosco e com os demais leitores, a sua opinião sobre o assunto!

    *Colaboração: Juliana Favorito

    O que achou disso?

    Média da classificação 5 / 5. Número de votos: 1

    Seja o primeiro a avaliar este post.

    Lamentamos que este assunto não tenha sido útil para você!

    Diga-nos, como podemos melhorar?