Conversor de moedas

Veja a cotação do Dólar Hoje, Euro hoje e Bitcoin hoje.

Economia brasileira tem recuperação mais lenta desde 1980

Escrito por: Rafael Massadar em 5 de setembro de 2019

A economia brasileira passa pela mais lenta recuperação desde 1980. É o que aponta o estudo da pesquisadora Juliana Trece, do Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getulio Vargas (FGV IBRE).

a economia brasileira

Segundo o seu levantamento, a economia brasileira passa por um período de expansão mais fraco da história nacional. Isso se considerarmos os últimos 40 anos.

Esse cenário acontece apesar de o país estar em um período de expansão desde o 1º trimestre de 2017.

E já contabilizado o resultado do Produto Interno Bruto (PIB) do segundo trimestre de 2019, último dado divulgado pelo IBGE.

O que foi analisado?

A pesquisadora do FGV IBRE fez uma análise desagregada do PIB. E o que ela constatou?

Oito atividades econômicas, das 12 analisadas, estão com o pior crescimento por trimestre, nos períodos de expansão, desde 1980. Portanto, este cenário não é nada animador.

Principalmente tendo em vista que o Brasil passou, recentemente, por um dos piores períodos recessivos de sua história.

Seja com relação ao tempo de duração (11 trimestres), seja com relação à intensidade (retração de 8,2% do PIB, no período).

Contudo, o que mais tem chamado atenção nesse último ciclo é a lenta expansão da economia após a saída da recessão.

“Do 1º trimestre de 2017 até o 2º trimestre de 2019, a economia só cresceu 3,7%”, explica Juliana Trece.

Economia brasileira nunca esteve em situação tão ruim

A economista observa que 21 trimestres após o início das recessões, a economia brasileira nunca havia estado em situação tão ruim quanto atualmente. Principalmente, em termos de recuperação do nível pré-crise.

Por que foi escolhido o período de 21 trimestres no estudo? Por ser o tempo máximo com informações disponíveis do 2º trimestre de 2014 (início da última recessão) até o 2º trimestre de 2019.

A constatação é que o PIB ainda está 5,0% abaixo de seu nível pré-recessão. Apesar de mais de dois anos de expansão.

Juliana Trece lembra que em apenas duas ocasiões apresentaram retração: nos 21 trimestres após iniciada uma recessão, que foram nas recessões iniciadas em 1987 e 2014.

No entanto, os 21 trimestres após a recessão iniciada em 1987, incorporaram também informações da recessão iniciada em 1989. Enquanto que a recessão de 2014 contabiliza a perda de um período recessivo apenas, pondera a pesquisadora do FGV IBRE.

Enquanto que a recessão de 2014 contabiliza a perda de um período recessivo apenas, pondera a pesquisadora do FGV IBRE.

Alerta!

Juliana Trece alerta que de alguma maneira, parece que a economia não tem fôlego para impulsionar uma retomada mais robusta. Situação parecida não foi observada nem mesmo na década de 1980, conhecida como “a década perdida”.

“Em meio a uma crise fiscal preocupante, com uma relação dívida bruta/PIB próxima a 80% e incertezas com relação à aprovação de medidas para buscar solucionar os problemas macroeconômicos do país, a economia não tem conseguido reagir”, observa a economista.

Rafael Massadar

Jornalista com experiência em redação com pós-graduação em Comunicação Empresarial e Transmídia. Atualmente trabalho como assessor de imprensa.

Deixe uma resposta

Precisa converter?

A calculadora de conversão do FinanceOne fornece os últimos valores cotados para diversas moedas. Acesse agora!

Converter agora

Posts relacionados

crescimento previdencia privada
nova CPMF
moratória
Opções para plano de saúde de cachorro
trabalho temporário no fim do ano