InícioNotíciasInvestimentosGuia completo de como investir em ouro

Guia completo de como investir em ouro

Tempo de leitura: 6 minutos
()

Neste texto, vamos explicar por que investir em ouro em momentos de crise é uma estratégia muito usada e quais são as quatro formas de investir em ouro, inclusive por meio da Bolsa de Valores.

A modalidade é especialmente em períodos econômicos complicados, como agora. Afinal, como o dólar, o ouro é um dos ativos mais utilizados para buscar proteção aos investimentos em épocas de crise, principalmente por causa da sua descorrelação com a Bolsa.

Ou seja, ele tem baixa correlação com outros ativos do mercado financeiro. E, portanto, serve como alternativa para aumentar a diversificação da carteira, visando reduzir os riscos.

Além disso, sua cotação não está diretamente relacionada às questões governamentais de nenhum país. Afinal, o ouro é um bem que não pode ser fabricado.

Contudo, como todo investimento de renda variável, o ouro também tem risco de perdas, por isso é importante saber manejá-lo.

Maior rentabilidade em 2020

O ouro foi o investimento com maior rentabilidade em 2020. De acordo com ranking feito pelo banco BTG Pactual, a valorização foi de 55,9% em reais.

O dólar aparece em segundo lugar com aumento de 29,3% em 2020. O Ibovespa, principal índice da bolsa brasileira, rendeu 2,92% no ano.

Já o setor que apresentou menor interesse foi o de índice de fundos imobiliários (Ix). No ano, eles perderam 10,25%. O mercado imobiliário foi bastante impactado pela pandemia do novo coronavírus.

Portanto, saiba como investir em ouro pode te proteger de uma crise econômica e como negociá-lo.

Formas de investir em ouro

Existem três maneiras de investir em ouro. São elas: investir em ouro físico, por meio da Bolsa de Valores ou fundos de investimentos.

1 – Comprar barras de ouro

O ouro físico pode ser comprado por meio de instituições autorizadas pelo Banco Central e pela Comissão de Valores Mobiliários (CVM) a vender o metal para pessoas físicas. Ou seja, apesar de não ser usual, você pode comprar a grama do ouro e guardar o metal em casa.

No entanto, não é aconselhável por duas razões principais: segurança, afinal pode ser perigoso ter tanto valor em casa, e também a liquidez é muito menor na hora que você quiser vender.

2 – Bolsa de Valores

A negociação do ouro como produto financeiro no Brasil é realizada na B3, a Bolsa de Valores brasileira, sendo possível negociar os seguintes contratos. Por meio do home broker, você negocia com os seguintes códigos:

  • Lote Padrão de 250g (OZ1D)
  • Lote Fracionário de 10g (OZ2D)

Neste caso, você compra e vende o contrato, não o ouro físico em si.

3 – Fundos de Investimento

Existem no mercado fundos de investimento em ouro que permitem a proteção de carteira e possuem maior liquidez.

O gestor profissional que administra o fundo de investimento em ouro é o responsável pelas operações. Os fundos aqui podem ser:

  • Passivos – em que o gestor busca apenas acompanhar a flutuação da cotação da grama do ouro no mercado;
  • Ativos – em que o gestor busca também negociar o ouro em busca de rentabilidade superior.

A grande vantagem é o aporte inicial, que muitas vezes é mais baixo em comparação às duas opções citadas acima.

4 – Bolsa de Valores americana

O mercado de ações americano é muito conhecido e abrangente. As duas principais responsáveis pela bolsa de valores são: NYSE e Nasdaq.

Uma forma de investir em ouro nas bolsas americanas é pela Exchange Traded Fund (ETF). Trata-se de um fundo de investimento ou índice, similar às ações que conhecemos no Brasil.

Sendo assim, trouxemos alguns tipos de ETF disponíveis no mercado de ações americano:

  • Invesco: DGL
  • Aberdeen: SGOL
  • SPDR Gold Trust: GLD
  • iShares Gold Trust: IAU

O maior diferencial está na liquidez – por possuir uma negociação abrangente seus valores tendem a ser maiores se comparado a outras bolsas de valores existentes no mundo.

mão com quatro barras de ouro
Investir em ouro pode ser um trunfo, mas é preciso atenção

Nunca comprar no mercado informal

Embora o custo de negociação seja menor nestes casos, é extremamente desaconselhável comprar de vendedores ambulantes de ouro que representam certas casas de negociação. Afinal, muitas das vezes, o produto pode ter sido adulterado.

Ou seja, não há garantia de liquidez em caso de revenda. Além disso, não há registros de procedência legal desse ouro e muitos desses lugares atuam de maneira clandestina.

Custos e taxas

Os custos e taxas de investir em ouro serão diferentes de acordo com o modo que escolhermos para esta aplicação:

1 – Comprar o metal e guardar em casa – haverá o custo de entrega. Além disso, se você quiser guardar em casa, certamente terá que investir em um cofre e na segurança do seu lar, dependendo da quantidade do metal que tiver.

2 – Comprar o metal e deixar custodiado em um banco (certificado) – o Banco do Brasil cobra uma taxa de até 0,20% ao mês sobre o valor custodiado. Ou seja: em tese, em 500 meses (pouco mais de 40 anos, você terá pago o valor do ouro em custódia, considerando a taxa máxima.

3 – Investir em um fundo – todo fundo tem uma taxa de administração. Essa taxa varia de fundo para fundo, mas pode ficar entre 0,5% e 2% ao ano, dependendo da instituição.

4- Também tem o Imposto de Renda, cobrado na fonte na hora da liquidação e no momento dos come cotas, ambos os casos incidindo sobre eventuais lucros.

5 – Comprar contratos ou ETFs – para negociar contratos temos as taxas de corretagem para corretora de valores e as taxas da bolsa, que incluem emolumentos e registro, entre outras taxas.

Vantagens e desvantagens

Veja algumas questões a serem consideradas na hora de investir em ouro:

Vantagens

  • Proteção de capital em momento de crise ou oscilação do mercado;
  • Produto escasso, por isso sempre terá valor no mercado;
  • Opção para diversificar seus investimentos;
  • É possível adquirir barras de ouro como alternativa ao investimento.

Desvantagens

  • Contrato de maior liquidez é mais caro;
  • Não tem cobertura do FGC (Fundo Garantidor de crédito);
  • Risco de ser roubado, caso tenha ouro guardado em casa.

Qual a cotação do ouro e qual a sua liquidez?

Por ser um investimento de renda variável, o ouro sofre oscilações constantes em seu valor. De maneira geral, no Brasil, a cotação do ouro varia com a cotação do dólar principalmente.

Sendo assim, a cotação varia diariamente e você paga por cada grama de ouro. De acordo com a B3 com até 3 casas decimais R$0,001.

Contudo, lembre-se que o primeiro ponto a ser considerado ao investir em ouro é a sua liquidez .Ela é fundamental no mundo dos investimentos, pois determina se um investimento vale ou não a pena.

Basicamente, é o tempo entre a solicitação do resgate até o valor chegar na conta do favorecido.

Assim como a cotação do ouro varia diariamente, e a liquidez faria com o ouro contratado ou lote. Ou seja, é importante verificá-lo antes da compra.

Conclusão

De maneira geral, investir em ouro é indicado, principalmente, para pessoas com perfil arrojado.

Sobretudo, para aqueles que querem diversificar a carteira de investimento, pensam em longo prazo e querem ter um ativo menos volátil e mais seguro em momentos de crise.

Uma dica é não deixar que o ouro ultrapasse 10% do total de sua carteira. Assim, quando o nível de incerteza de outros ativos estiver alto, o ouro entra em cena.

Este conteúdo te ajudou? Comente aqui com a gente e compartilhe com alguém nas suas redes sociais!

O que achou disso?

Média da classificação / 5. Número de votos:

Seja o primeiro a avaliar este post.

Lamentamos que este assunto não tenha sido útil para você!

Diga-nos, como podemos melhorar?

Tempo de leitura: 6 minutos
Rafael Massadar
Carioca, amante de esportes e de viagens. Escolhi o jornalismo porque ele vive pelo mundo e conta histórias de pessoas e realidades distintas. Tenho experiência em redação e assessoria de imprensa. Atualmente, trabalho numa agência de marketing digital.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui