Conversor de moedas

Veja a cotação do Dólar Hoje, Euro hoje e Bitcoin hoje.

Mercado de games no Brasil deve chegar a US$1,8 bi até 2022

Escrito por: Rafael Massadar em 8 de agosto de 2019

O mercado de games no Brasil deve crescer em torno de 5,3% até 2022. É o que aponta a 19ª Pesquisa Global de Entretenimento e Mídia, da PricewaterhouseCoopers (PwC).

No ano passado, o faturamento do setor no país atingiu US$ 1,5 bilhão. Portanto, mantendo a posição de líder latino-americano e 13º na classificação global.

procura por cursos de games no país

A estimativa é que até 2022, o mercado nacional de jogos atinja um patamar de aproximadamente US$ 1,8 bilhão.

Apenas com jogos de celulares, segundo a PwC, o faturamento subirá de US$ 324 milhões, em 2017, para US$ 878 milhões em 2022.

O faturamento estimado do mercado nacional de jogos digitais chegará a US$ 1,756 bilhão.

O estudo também verificou a evolução do mercado de jogos global, chegando a comparar 15 diferentes subdivisões do setor em 53 países.

E o resultado foi surpreendente: o mercado deverá chegar a US$ 2,4 trilhões em 2022.

Ainda segundo a PwC, as áreas de publicidade digital e de games são as que mais vão evoluir até o ano de 2022. A média para o aumento anual é de 12% e 15%, respectivamente.

Mercado de games gera oportunidades no Brasil

Foram identificadas, no Brasil, no início de 2018, 375 desenvolvedoras de jogos digitais.

Isso representa uma expansão de 182% em relação ao primeiro Censo da Indústria Brasileira de Jogos Digitais, elaborado em 2014.

Desse total, 276 eram empresas formalizadas, um crescimento de 107% no mesmo período, além de 99 informalizadas.

O relatório confirma ainda Rio de Janeiro e São Paulo como centros desenvolvedores de games (42,4% do total). A região Sudeste detêm a maior quantidade de empresas de jogos digitais (52,9%).

O estudo evidencia também que, em relação ao primeiro censo, aumentou de 23,3% em 2014 para 27,9% em 2018 o número de empresas estabelecidas fora das capitais.

No estado de São Paulo, o crescimento do número de desenvolvedoras formalizadas foi de 82% entre 2014 e 2018. Já no Rio de janeiro, de 160%; e, em Minas Gerais, de 316,7%, na mesma comparação.

Ascensão do setor

A Associação Brasileira das Empresas Desenvolvedoras de Jogos Digitais (Abragames) revela que estamos atrás de líderes de mercado como Estados Unidos, Japão, Canadá, França e Reino Unido.

No entanto, somos uma indústria emergente com maior potencial.

Apesar da situação econômica nacional, a indústria de jogos eletrônicos vive um boom histórico. O número de desenvolvedoras de programas de computador no país cresceu em média, 9,07% ao ano entre 2007 e 2014.

É o que apontam os dados da Pesquisa de Inovação Tecnológica (Pintec), do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Além disso, o crescimento do número de empresas brasileiras desenvolvedoras de jogos digitais nos últimos quatro anos foi cerca de 4,5 vezes a média de crescimento das desenvolvedoras de software, por exemplo.

Outro indicador desse crescimento é o número de jogos desenvolvidos no biênio 2016/2017.

Segundo a Abragames, foram 754 produções em 2016 contra 946 em 2017. Um crescimento de 28%.

Se considerados apenas os jogos de entretenimento (excluindo jogos sérios e educativos), o crescimento é de 50% de um ano para o outro.

Jogadores profissionais

Os jogos virtuais não são só uma diversão para adolescentes ou um passatempo sem compromisso. Os campeonatos profissionais movimentam muito dinheiro e devem crescer bastante nos próximos anos.

Em 2022, as competições devem ter um crescimento de 30% no faturamento, diz o estudo da PwC.

Um relatório divulgado pela agência Newzoo, que faz análises de games e de e-Sports, apontou números relativos a receita e público para a modalidade em 2019.

O mercado de gamers deve bater recordes e girar receitas na casa de US$ 1,1 bilhão.

Os números relativos à audiência também devem aumentar, em torno de 15% ao redor do mundo.

Deste montante, US$ 456,7 milhões virão de patrocínios. Outros US$ 251,3 milhões virão dos direitos de transmissão de torneios.

Já US$ 189,2 milhões serão com gastos em publicidade e US$ 103,7 milhões de venda de produtos e ingressos de competições de e-Sports.

Além de taxas das desenvolvedoras dos jogos, respondendo por US$ 95,2 milhões, segundo o relatório.

Rafael Massadar

Jornalista com experiência em redação com pós-graduação em Comunicação Empresarial e Transmídia. Atualmente trabalho como assessor de imprensa.

Deixe um comentário

Precisa converter?

A calculadora de conversão do FinanceOne fornece os últimos valores cotados para diversas moedas. Acesse agora!

Converter agora

Posts relacionados

Opções para plano de saúde de cachorro
trabalho temporário no fim do ano
economia da china
calendário de saques do FGTS
Tesouro Direto Selic