Conversor de moedas

Veja a cotação do Dólar Hoje, Euro hoje e Bitcoin hoje.

Quase 50% dos brasileiros buscaram crédito em agosto

Escrito por: Rafael Massadar em 1 de novembro de 2019

Quase metade (49,4%) dos brasileiros recorreram a alguma modalidade de crédito em agosto deste ano. O resultado representa alta de 7,7 pontos porcentuais em comparação com o mesmo período do ano passado (41,7%)

É o que aponta o Indicador de Uso de Crédito. Pesquisa realizada pela Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) e pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil).

crédito
Cartões de crédito: modalidade foi a mais utilizada por brasileiros

Entre as modalidades, o cartão de crédito foi citado por 44% dos entrevistados, continuando a ser a forma mais usada.

Em seguida, vêm o crediário (11%), o empréstimo (8%), o cheque (7%) e os financiamentos (5%).

Dos consumidores ouvidos, 14% tiveram crédito negado em agosto (ante 17,6% do mesmo mês de 2018). A motivação foi por estarem com nome nos cadastro de devedores (4%) ou por falta de comprovação de renda (3%).

Outros 3% não foram informados sobre o motivo da recusa ou não souberam declarar a causa. Na ocasião, a taxa Selic estava em 5,5% ao ano.

Mesmo em constate queda, a percepção de 38% dos entrevistados é a de que os juros aumentaram nos empréstimos, financiamentos e cartões de crédito nos últimos três meses.

Brasileiros cada vez mais endividados

A alta pela procura de crédito explica-se pelo percentual de famílias endividadas no Brasil. Em outubro deste ano, ficou em 64,7%, taxa inferior aos 65,1% de setembro.

No entanto, na comparação com outubro de 2018, o endividamento está em um patamar mais alto. Naquela ocasião, o percentual era 60,7%. O percentual de inadimplentes.

A inadimplência atingiu 24,9% em outubro deste ano. Acima dos 24,5% do mês anterior e dos 23,5% de outubro de 2018.

Já as famílias que não terão condições de pagar suas contas chegaram a 10,1%, acima dos 9,6% de setembro e dos 9,9% de outubro.

O cartão de crédito figurou como a principal de dívida do brasileiro, sendo apontado por 78,9% das famílias endividadas. Em seguida, aparecem os carnês (15,5%) e o financiamento de carro (9,5%).

Os dados são da Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC).

Inadimplência das empresas também cresce

O volume de empresas negativadas continua em crescimento. A alta foi de 4,14% em setembro na comparação com o mesmo mês do ano anterior.

Apesar do aumento da inadimplência, os dados mostram que houve um pequeno recuo na quantidade de dívidas em atraso no nome de pessoas jurídicas: 0,38%.

Considerando os resultados por região, todas apresentaram crescimento no número de empresas inseridas no cadastro de negativados. Com destaque para o Sul.

A região puxou a alta de contas em atraso no último mês. O avanço foi de 6,37% na comparação com mesmo período de 2018.

Logo em seguida aparecem o Sudeste, com aumento de 5,56%, e o Norte, com 2,08%. O Centro-Oeste teve o menor avanço, com 0,73%.

Quanto ao número de dívidas, o indicador aponta que nas regiões Nordeste, Norte e Centro-Oeste foram registrados recuos de 2,55%, 2,66% e 3,94%, respectivamente.

Por outro lado, Sul e Sudeste apresentaram crescimento: no Sul houve avanço de 0,98% e no Sudeste alta de 1,02%.

As empresas inadimplentes no país encerraram o último mês de setembro com uma dívida média de R$ 5.563,06.

Pouco mais da metade (56%) possui pendências com valor superior a R$ 1.000,00, enquanto 44% têm abaixo dessa cifra.

O valor médio atual é menor do que o observado no início da série, em 2010. Ano em que correspondia a R$ 10.488,97 — descontando valor da inflação.

Indústria em ritmo lento reduz busca por crédito

Seis a cada dez empresas industriais não procuraram renovar operações de crédito ou contratar novos financiamentos no primeiro trimestre do ano. No caso do crédito de longo prazo, o percentual é de 66%.

Os juros elevados cobrados pelos bancos são o principal problema apontado pelas empresas. É o que revela o levantamento da Confederação Nacional da Indústria (CNI).

Em operações de curto prazo, 80% das indústrias citaram o juro como uma dificuldade.

Em segundo lugar, aparece o prazo reduzido da operação de crédito, com 36% das citações.

Nas linhas de longo prazo, entre as dificuldades apontadas pelas indústrias para obtenção de crédito estão os juros elevados, com 76% de citações.

Além das exigências, pelos bancos, de garantias reais para fechar um empréstimo, com 46% das menções.

Rafael Massadar

Jornalista com experiência em redação com pós-graduação em Comunicação Empresarial e Transmídia. Atualmente trabalho como assessor de imprensa.

Deixe uma resposta

Precisa converter?

A calculadora de conversão do FinanceOne fornece os últimos valores cotados para diversas moedas. Acesse agora!

Converter agora

Posts relacionados

melhores-fintechs-brasileiras
Novas regras para aposentadoria
golpes com cartão de crédito
Aéreas de baixo custo
comparação de preços em supermercados