Cursos que transformam sua vida financeira
Mais
    InícioNotíciasEconomiaCongresso promulga PEC que aumenta Auxílio Brasil para R$600 a partir de...

    Congresso promulga PEC que aumenta Auxílio Brasil para R$600 a partir de agosto

    5
    (2)

    A PEC dos Benefícios Sociais ou PEC Kamikaze, como foi apelidada, foi promulgada pelo Congresso Nacional na última quinta-feira, 14. Entre outras medidas, ela amplia o valor base do Auxílio Brasil para R$600 de agosto a dezembro de 2022.

    Publicidade

    A Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 15 de 2022 cria um estado de emergência para ampliar o pagamento de benefícios sociais até o fim do ano. Além do Auxílio Brasil, também prevê dobrar o valor do vale gás e estabelece outros benefícios.

    Essas medidas foram aprovadas por uma comissão especial do Congresso Federal no início de julho. 

    Vale lembrar que o Auxílio Brasil, originalmente, não tinha um valor fixo. A parcela de cada família dependia de seu perfil — quantidade de filhos, idades, se estudam, se participam de projetos estudantis etc. 

    No entanto, em maio o presidente Bolsonaro sancionou uma lei que criou o piso mínimo de R$400. A nova proposta de aumentar o benefício para R$600 tem previsão para acabar em dezembro. 

    Quando o Auxílio Brasil vai aumentar para R$600?

    A PEC passará a valer a partir do dia 1° de agosto e vai até 31 de dezembro de 2022. Portanto, a próxima parcela do Auxílio Brasil já poderá vir com o valor mínimo de R$600.

    Publicidade

    O mesmo vale para o auxílio gás, que é pago a cada dois meses. Na prática, o custeio para comprar o gás de cozinha sofrerá aumento nas próximas três parcelas, previstas para agosto, outubro e dezembro. 

    Atualmente, o benefício corresponde a 50% do preço de botijão de gás, mas o valor é calculado em cima da média nacional do produto. A parcela mais recente, de junho, teve valor de R$53.

    Outros conteúdos da proposta ‘emergencial’:

    • Bolsa-caminhoneiro: criação de um benefício de R$ 1 mil (custo estimado: R$ 5,4 bilhões);
    • Transporte gratuito de idosos: compensação aos estados para atender a gratuidade, já prevista em lei, do transporte público de idosos (custo estimado: R$ 2,5 bilhões);<
    • Etanol: repasse de até R$ 3,8 bilhões a estados para manutenção do ICMS em 12% para manter a competitividade do biocombustível em relação à gasolina;
    • Taxistas: auxílio-gasolina de R$ 200 para os taxistas ao custo de R$ 2 bilhões;
    • Alimenta Brasil: R$ 500 milhões seriam direcionados ao programa para a compra de alimentos de agricultores familiares.

    Lei eleitoral é empecilho para aumentar o Auxílio Brasil?

    Celular com logo do Auxílio Brasil
    Proposta de aumentar Auxílio Brasil será levada ao Congresso na semana que vem

    Se você conhece a lei eleitoral, já deve saber que, em teoria, o presidente não poderia aumentar o Auxílio Brasil agora. 

    Isso porque ela prevê que programas sociais não podem ser ampliados, nem criados em ano de eleição – justamente para não serem usados como campanha. 

    No entanto, segundo reportagem do jornal O Globo, a proposta de emenda à Constituição (PEC) que, inicialmente, pretendia zerar o ICMS do óleo diesel instituiu um estado de emergência. 

    Publicidade

    Nessa condição, o aumento dos auxílios pode ser concedido. Os aumentos do Auxílio Brasil e do vale gás serão, portanto, incluídos nesta PEC — que ficou conhecida como PEC dos combustíveis. 

    Atualmente, programa social tem piso de R$400

    No final de maio, o presidente Bolsonaro sancionou a lei que estabeleceu o piso mínimo de R$400 para o programa. Se o Auxílio Brasil aumentar, serão, pelo menos, R$200 a mais nas parcelas das famílias beneficiárias até dezembro. 

    Originalmente, o benefício tinha o tíquete médio de R$224, dependendo do perfil de cada família.

    Os três benefícios principais são:

    BenefícioQuem recebeValor mensal
    Primeira Infânciacrianças até 36 meses incompletos (3 anos)R$130
    Composição Familiarjovens de até 21 anos incompletos (o jovem precisa estar devidamente matriculado na escola)R$65
    Superação da Extrema Pobrezafamílias que mesmo recebendo os outros dois benefícios, ainda não superam a linha da extrema pobreza (renda de R$100 por pessoa)valor variável

    Para chegar ao mínimo de R$400, as famílias cuja parcela fica abaixo da faixa recebem um acréscimo de forma automática. 

    Publicidade

    O programa é destinado às famílias com renda mensal per capita (por pessoa) de até R$200 mensais e que tenham, em sua composição: gestantes, mães que amamentam ou crianças/ jovens de 0 a 21 anos.

    Mas no caso de jovens com idade entre 18 e 21 anos, é preciso que eles estejam matriculados no ensino básico para ter direito.

    Para receber o benefício, é necessário estar inscrito no CadÚnico e com os dados atualizados. O cadastro pode ser feito no Centro de Referência de Assistência Social (CRAS) mais próximo ou em postos de atendimento do CadÚnico.

    O conteúdo foi útil? Então compartilhe e leia também: veja 27 perguntas e respostas sobre o programa!

    O que achou disso?

    Média da classificação 5 / 5. Número de votos: 2

    Seja o primeiro a avaliar este post.

    Lamentamos que este assunto não tenha sido útil para você!

    Diga-nos, como podemos melhorar?

    Tamires Silva
    Tamires Silva
    Jornalista e Redatora do FinanceOne, onde suas finanças começam.

    Artigos Relacionados

    Assine nossa newsletter!

    Páginas Populares

    DEIXE UMA RESPOSTA

    Por favor digite seu comentário!
    Por favor, digite seu nome aqui

    InícioNotíciasEconomiaCongresso promulga PEC que aumenta Auxílio Brasil para R$600 a partir de...

    Congresso promulga PEC que aumenta Auxílio Brasil para R$600 a partir de agosto

    5
    (2)

    A PEC dos Benefícios Sociais ou PEC Kamikaze, como foi apelidada, foi promulgada pelo Congresso Nacional na última quinta-feira, 14. Entre outras medidas, ela amplia o valor base do Auxílio Brasil para R$600 de agosto a dezembro de 2022.

    Publicidade

    A Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 15 de 2022 cria um estado de emergência para ampliar o pagamento de benefícios sociais até o fim do ano. Além do Auxílio Brasil, também prevê dobrar o valor do vale gás e estabelece outros benefícios.

    Essas medidas foram aprovadas por uma comissão especial do Congresso Federal no início de julho. 

    Vale lembrar que o Auxílio Brasil, originalmente, não tinha um valor fixo. A parcela de cada família dependia de seu perfil — quantidade de filhos, idades, se estudam, se participam de projetos estudantis etc. 

    No entanto, em maio o presidente Bolsonaro sancionou uma lei que criou o piso mínimo de R$400. A nova proposta de aumentar o benefício para R$600 tem previsão para acabar em dezembro. 

    Quando o Auxílio Brasil vai aumentar para R$600?

    A PEC passará a valer a partir do dia 1° de agosto e vai até 31 de dezembro de 2022. Portanto, a próxima parcela do Auxílio Brasil já poderá vir com o valor mínimo de R$600.

    Publicidade

    O mesmo vale para o auxílio gás, que é pago a cada dois meses. Na prática, o custeio para comprar o gás de cozinha sofrerá aumento nas próximas três parcelas, previstas para agosto, outubro e dezembro. 

    Atualmente, o benefício corresponde a 50% do preço de botijão de gás, mas o valor é calculado em cima da média nacional do produto. A parcela mais recente, de junho, teve valor de R$53.

    Outros conteúdos da proposta ‘emergencial’:

    • Bolsa-caminhoneiro: criação de um benefício de R$ 1 mil (custo estimado: R$ 5,4 bilhões);
    • Transporte gratuito de idosos: compensação aos estados para atender a gratuidade, já prevista em lei, do transporte público de idosos (custo estimado: R$ 2,5 bilhões);<
    • Etanol: repasse de até R$ 3,8 bilhões a estados para manutenção do ICMS em 12% para manter a competitividade do biocombustível em relação à gasolina;
    • Taxistas: auxílio-gasolina de R$ 200 para os taxistas ao custo de R$ 2 bilhões;
    • Alimenta Brasil: R$ 500 milhões seriam direcionados ao programa para a compra de alimentos de agricultores familiares.

    Lei eleitoral é empecilho para aumentar o Auxílio Brasil?

    Celular com logo do Auxílio Brasil
    Proposta de aumentar Auxílio Brasil será levada ao Congresso na semana que vem

    Se você conhece a lei eleitoral, já deve saber que, em teoria, o presidente não poderia aumentar o Auxílio Brasil agora. 

    Isso porque ela prevê que programas sociais não podem ser ampliados, nem criados em ano de eleição – justamente para não serem usados como campanha. 

    No entanto, segundo reportagem do jornal O Globo, a proposta de emenda à Constituição (PEC) que, inicialmente, pretendia zerar o ICMS do óleo diesel instituiu um estado de emergência. 

    Publicidade

    Nessa condição, o aumento dos auxílios pode ser concedido. Os aumentos do Auxílio Brasil e do vale gás serão, portanto, incluídos nesta PEC — que ficou conhecida como PEC dos combustíveis. 

    Atualmente, programa social tem piso de R$400

    No final de maio, o presidente Bolsonaro sancionou a lei que estabeleceu o piso mínimo de R$400 para o programa. Se o Auxílio Brasil aumentar, serão, pelo menos, R$200 a mais nas parcelas das famílias beneficiárias até dezembro. 

    Originalmente, o benefício tinha o tíquete médio de R$224, dependendo do perfil de cada família.

    Os três benefícios principais são:

    BenefícioQuem recebeValor mensal
    Primeira Infânciacrianças até 36 meses incompletos (3 anos)R$130
    Composição Familiarjovens de até 21 anos incompletos (o jovem precisa estar devidamente matriculado na escola)R$65
    Superação da Extrema Pobrezafamílias que mesmo recebendo os outros dois benefícios, ainda não superam a linha da extrema pobreza (renda de R$100 por pessoa)valor variável

    Para chegar ao mínimo de R$400, as famílias cuja parcela fica abaixo da faixa recebem um acréscimo de forma automática. 

    Publicidade

    O programa é destinado às famílias com renda mensal per capita (por pessoa) de até R$200 mensais e que tenham, em sua composição: gestantes, mães que amamentam ou crianças/ jovens de 0 a 21 anos.

    Mas no caso de jovens com idade entre 18 e 21 anos, é preciso que eles estejam matriculados no ensino básico para ter direito.

    Para receber o benefício, é necessário estar inscrito no CadÚnico e com os dados atualizados. O cadastro pode ser feito no Centro de Referência de Assistência Social (CRAS) mais próximo ou em postos de atendimento do CadÚnico.

    O conteúdo foi útil? Então compartilhe e leia também: veja 27 perguntas e respostas sobre o programa!

    O que achou disso?

    Média da classificação 5 / 5. Número de votos: 2

    Seja o primeiro a avaliar este post.

    Lamentamos que este assunto não tenha sido útil para você!

    Diga-nos, como podemos melhorar?