Cursos que transformam sua vida financeira
Mais
    InícioNotíciasInvestimentosEntenda qual o impacto do coronavírus na previdência privada

    Entenda qual o impacto do coronavírus na previdência privada

    0
    (0)

    A crise do coronavírus chegou à previdência privada. Dados da Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiro e de Capitais (Anbima), até 25 de março, revelam que o investimento sofre com perdas de até 40,7% no ano.

    Publicidade

    Se for considerado o desempenho acumulado desses mesmos fundos nos últimos 12 meses, apenas oito tipos registraram perdas. Nessa perspectiva, o resultado dos fundos de ações indexados ainda é negativo, mas as perdas ficam em 29,5%.

    Já um levantamento feito pela Magnetis Investimentos mostra que, dos 1.521 fundos abertos para captação que já fecharam os dados do 1º trimestre, 79,7% tiveram resultado negativo e registraram quedas de até 40% na rentabilidade.

    previdência privada
    Coronavírus não poupa rentabilidade da previdência privada

    A advogada Ana Rita Petraroli, sócia-fundadora do Petraroli Advogados, especialista no assunto, ressalta que o momento é de prudência para quem mantém esse tipo de plano. Segundo ela, o momento é de manter o foco no planejamento feito para o futuro, pensando na ocasião da aposentadoria.

    Vale ressaltar que, em 2019, o retorno médio dos fundos de previdência privada foi de 11,1%, ante 7,5% em 2018. O porcentual foi equivalente a 186,1% do CDI, segundo análise do mercado de PGBL/VGBL feita pela consultoria Prevue.

    No ano, cerca de 82% desses fundos conseguiram retornos acima do indicador de referência.

    Publicidade

    Previdência privada com rendimento negativo

    Fundo Variação em 2020 (até dia 25/03) Variação 12 meses
    Indexado – 5,2% + 8,4%
    Duração média grau invest. – 0,28% + 4,73%
    Duração livre grau invest. – 32% + 4,88%
    Ações indexados – 40,7% – 29,5%
    Multimercado livre – 7,35% 0,48%

    Fonte: Anbima

    O que a especialista recomenda?

    Para Ana Petraroli, a principal análise a ser feita é com relação ao resgate de valores da previdência privada. Segundo ela, deve-se avaliar se isso é imprescindível para sua subsistência agora, pois outras medidas podem ser tomadas para reduzir gastos, sem precisar mexer no valor já contribuído.

    “Uma alternativa é fazer a portabilidade do plano para uma operadora com tarifas melhores”, explica Ana Petraroli.

    Entretanto, a migração pode ser realizada apenas de uma tabela regressiva para uma progressiva, não o contrário; de um PGBL para outro PGBL; e de um VGBL para outro VGBL.

    Publicidade

    “O contribuinte pode, ainda, reduzir o aporte mensal ou, em casos mais extremos, interromper a contribuição e retomar quando for viável. Isso é melhor do que fazer uma retirada, pois a aplicação continua rendendo”, conclui Ana Petraroli.

    Já para Gilvan Cândido, da FGV, a previdência é quase como uma poupança de longo prazo. “Os investidores não devem ficar nervosos com oscilações do mercado em períodos curtos, pois a tendência é que os preços se recuperem”, diz. 

    Susep tem ferramenta para comparar fundos

    A Superintendência de Seguros Privados (Susep) criou uma ferramenta de comparação dos desempenhos dos fundos de investimento previdenciários.

    As informações de 1.365 fundos foram organizadas de forma mais amigável para o investidor e já estão disponíveis no portal.

    Na nova plataforma, os resultados estão organizados em períodos de observação de 12, 18 ou 24 meses e serão atualizados mensalmente – e não mais a cada quatro meses.

    Além disso, o sistema vai permitir a comparação de até cinco fundos por vez, com visualização da rentabilidade em gráficos.

    Publicidade

    “A ferramenta era rudimentar. Agora está mais amigável e interativa. A motivação é dar mais transparência e apostar na meritocracia, com o consumidor premiando os melhores fundos”, diz Eduardo Fraga, diretor técnico da Susep.

    “A prioridade da Susep é aumentar a concorrência”, completa.

    O que achou disso?

    Média da classificação 0 / 5. Número de votos: 0

    Seja o primeiro a avaliar este post.

    Lamentamos que este assunto não tenha sido útil para você!

    Diga-nos, como podemos melhorar?

    Rafael Massadar
    Rafael Massadar
    Carioca, amante de esportes e de viagens. Escolhi o jornalismo porque ele vive pelo mundo e conta histórias de pessoas e realidades distintas. Tenho experiência em redação e assessoria de imprensa. Atualmente, trabalho numa agência de marketing digital.

    Artigos Relacionados

    Assine nossa newsletter!

    Páginas Populares

    DEIXE UMA RESPOSTA

    Por favor digite seu comentário!
    Por favor, digite seu nome aqui

    InícioNotíciasInvestimentosEntenda qual o impacto do coronavírus na previdência privada

    Entenda qual o impacto do coronavírus na previdência privada

    0
    (0)

    A crise do coronavírus chegou à previdência privada. Dados da Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiro e de Capitais (Anbima), até 25 de março, revelam que o investimento sofre com perdas de até 40,7% no ano.

    Publicidade

    Se for considerado o desempenho acumulado desses mesmos fundos nos últimos 12 meses, apenas oito tipos registraram perdas. Nessa perspectiva, o resultado dos fundos de ações indexados ainda é negativo, mas as perdas ficam em 29,5%.

    Já um levantamento feito pela Magnetis Investimentos mostra que, dos 1.521 fundos abertos para captação que já fecharam os dados do 1º trimestre, 79,7% tiveram resultado negativo e registraram quedas de até 40% na rentabilidade.

    previdência privada
    Coronavírus não poupa rentabilidade da previdência privada

    A advogada Ana Rita Petraroli, sócia-fundadora do Petraroli Advogados, especialista no assunto, ressalta que o momento é de prudência para quem mantém esse tipo de plano. Segundo ela, o momento é de manter o foco no planejamento feito para o futuro, pensando na ocasião da aposentadoria.

    Vale ressaltar que, em 2019, o retorno médio dos fundos de previdência privada foi de 11,1%, ante 7,5% em 2018. O porcentual foi equivalente a 186,1% do CDI, segundo análise do mercado de PGBL/VGBL feita pela consultoria Prevue.

    No ano, cerca de 82% desses fundos conseguiram retornos acima do indicador de referência.

    Publicidade

    Previdência privada com rendimento negativo

    Fundo Variação em 2020 (até dia 25/03) Variação 12 meses
    Indexado – 5,2% + 8,4%
    Duração média grau invest. – 0,28% + 4,73%
    Duração livre grau invest. – 32% + 4,88%
    Ações indexados – 40,7% – 29,5%
    Multimercado livre – 7,35% 0,48%

    Fonte: Anbima

    O que a especialista recomenda?

    Para Ana Petraroli, a principal análise a ser feita é com relação ao resgate de valores da previdência privada. Segundo ela, deve-se avaliar se isso é imprescindível para sua subsistência agora, pois outras medidas podem ser tomadas para reduzir gastos, sem precisar mexer no valor já contribuído.

    “Uma alternativa é fazer a portabilidade do plano para uma operadora com tarifas melhores”, explica Ana Petraroli.

    Entretanto, a migração pode ser realizada apenas de uma tabela regressiva para uma progressiva, não o contrário; de um PGBL para outro PGBL; e de um VGBL para outro VGBL.

    Publicidade

    “O contribuinte pode, ainda, reduzir o aporte mensal ou, em casos mais extremos, interromper a contribuição e retomar quando for viável. Isso é melhor do que fazer uma retirada, pois a aplicação continua rendendo”, conclui Ana Petraroli.

    Já para Gilvan Cândido, da FGV, a previdência é quase como uma poupança de longo prazo. “Os investidores não devem ficar nervosos com oscilações do mercado em períodos curtos, pois a tendência é que os preços se recuperem”, diz. 

    Susep tem ferramenta para comparar fundos

    A Superintendência de Seguros Privados (Susep) criou uma ferramenta de comparação dos desempenhos dos fundos de investimento previdenciários.

    As informações de 1.365 fundos foram organizadas de forma mais amigável para o investidor e já estão disponíveis no portal.

    Na nova plataforma, os resultados estão organizados em períodos de observação de 12, 18 ou 24 meses e serão atualizados mensalmente – e não mais a cada quatro meses.

    Além disso, o sistema vai permitir a comparação de até cinco fundos por vez, com visualização da rentabilidade em gráficos.

    Publicidade

    “A ferramenta era rudimentar. Agora está mais amigável e interativa. A motivação é dar mais transparência e apostar na meritocracia, com o consumidor premiando os melhores fundos”, diz Eduardo Fraga, diretor técnico da Susep.

    “A prioridade da Susep é aumentar a concorrência”, completa.

    O que achou disso?

    Média da classificação 0 / 5. Número de votos: 0

    Seja o primeiro a avaliar este post.

    Lamentamos que este assunto não tenha sido útil para você!

    Diga-nos, como podemos melhorar?