Conversor de moedas

Veja a cotação do Dólar Hoje, Euro hoje e Bitcoin hoje.

As principais causas da inadimplência no Brasil

Escrito por: Bruna Somma em 12 de setembro de 2019

O Brasil tem cerca de 63 milhões de inadimplentes, conforme dados do CountryMeters e Serasa Experian. As causas para tamanha inadimplência são diversas.

Desemprego, descontrole financeiro, menor renda familiar. Tais fatores podem levar a contas em atraso e juros altos.

De acordo com levantamento feito pelo Insper, os inadimplentes brasileiros formariam uma nação maior que a Colômbia e o dobro do Peru.

O “nome sujo”, constando em cadastro de restrição de crédito, como o SPC, pode representar prejuízos.

Como a eliminação em uma seleção de emprego, a vaga em um concurso público ou abertura de uma conta corrente.

nome sujo
Ter o nome sujo no mercado pode atrapalhar na hora de procurar um emprego

É importante destacar que a inadimplência não atinge apenas as pessoas físicas, como as empresas também.

Talvez a demissão de um funcionário ocorra porque a empresa está em contas em atraso e não consiga mais se sustentar. De maneira geral, é um círculo vicioso.

A instituição demite por estar endividada. O que pode levar ao endividamento desse funcionário, em caso de descontrole das finanças.

As principais causas da inadimplência no Brasil e onde começa esse círculo vicioso, segundo dados do Serasa Experian, são:

. Desemprego – 26%
. Redução da renda – 14%
. Descontrole financeiro – 11%

Confira os detalhes de cada uma a seguir:

Desemprego crescente

A falta de emprego (e de rendimentos mensais) é o primeiro motivo para a inadimplência.

A crise econômica, que atinge o Brasil há alguns anos, tem no desemprego sua mola propulsora.

Os juros altos e a inflação prejudicaram alguns setores altamente financiados. O que gera, com o passar do tempo, uma massa de empresas devedoras aos bancos ou fornecedores.

As instituições financeiras, por sua vez, restringem o crédito e comprometem o mercado ainda mais.

Pela dificuldade para empréstimos e dívidas corporativas, surgem as primeiras demissões.

A perda repentina dos salários é a principal causa para as contas em atraso. De acordo com pesquisa do Serasa Experian, representa 26%.

Afinal, não é fácil manter as contas em dia sem o fluxo de receita constante.

Este ano, o Brasil atingiu a faixa de 13 milhões de desempregados, conforme o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Menor renda familiar

Em segundo lugar entre os motivos que levam a inadimplência, com 14%, está a redução da renda familiar.

Mesmo com recursos reduzidos ou salários em atraso, as contas permanecem.

A solução para muitos é priorizar alguns pagamentos e deixar por último os que, na teoria, podem ser renegociados.

Caso as dificuldades financeiras se aprofundem, é provável que o devedor se perca em meio a tantas contas para serem pagas tardiamente.

A depender do credor, são necessários apenas dois meses para que o nome entre na lista dos inadimplentes.

Mesmo quem conseguiu um emprego e realocação no mercado pode ter aceitado receber menos para não continuar parado.

Em consequência, a redução da renda familiar é vista em todas as regiões do país. Milhões de reais, por exemplo, deixaram de entrar nos orçamentos das famílias.

Ao passo que os preços dos serviços só aumentaram. Como os planos de saúde, transporte e educação. É uma fórmula que não fecha com resultado positivo.

Descontrole financeiro

A falta de controle financeiro também é uma das causas para “sujar o nome” de um devedor.

Nas empresas de telefonia, por exemplo, essa negativação pode ocorrer em 90 dias sem pagamento.

Já no setor financeiro, apenas 45 dias em atraso levam a uma pendência no CPF.

Dessa forma, é possível perceber que um descuido na vida financeira pode representar o início da inadimplência.

Ter as contas no vermelho pode sim ser resultado de fatores alheios à vontade do indivíduo, como o desemprego.

No entanto, há casos em que pode ser consequência dos hábitos familiares.

A recomendação, portanto, é ter um controle maior dos gastos. Como uma planilha com o quanto pode gastar, além de estabelecer uma reserva de emergência.

Dessa forma, ter um dinheirinho guardado pode salvar essas situações no vermelho.

Há ainda integre a lista dos inadimplentes por pegar empréstimos em nome de terceiros, pela ausência de educação financeira e de investimentos.

Além de atrasos de salários e enfermidades.

Quantas dessas causas já afetaram suas finanças? Conte aqui nos comentários!

Bruna Somma

Jornalista formada pela UFRRJ, com passagens por redações de jornais, sites e Assessoria de Comunicação.

Deixe uma resposta

Precisa converter?

A calculadora de conversão do FinanceOne fornece os últimos valores cotados para diversas moedas. Acesse agora!

Converter agora

Posts relacionados

financiamento estudantil
Nubank lança cartão de débito - Cartão de débito Nubank
dívidas
organizar-as-finanças-depois-das-férias
taxa-de-administração-do-consórcio