Tudo o que você precisa saber para começar a montar uma reserva de emergência

0
4655
pessoa segurando notas de real
5
(1)

Você já ficou desempregado e passou aperto com as contas e dívidas? Se tivesse guardado dinheiro teria resolvido seu problema? Caso tenha respondido ‘sim’ aos dois questionamentos, você precisa saber mais sobre como montar uma reserva de emergência.

Anúncios

Não só nesse caso, mas sempre é bom poupar dinheiro para se usar em casos emergenciais. Por exemplo, em uma internação, tratamento de uma doença, perda do emprego, falência.

A reserva de emergência deve funcionar como um kit de primeiros socorros que você guarda na sua casa. Mas, só deve ser usada em casos de real necessidade.

Anúncios

Festas, restaurantes, cinema, roupas novas não são emergências. O recomendado é que você não mexa na sua reserva financeira até que precise dela de verdade.

Um ponto positivo de ter esse dinheiro guardado é a tranquilidade para viver um período de aperto. Por mais que não sejam situações agradáveis de se passar, todos estão suscetíveis a emergências.

E nunca sabemos quando isso pode acontecer. Por esse motivo, a dica é poupar e ter uma reserva financeira.

Anúncios

A seguir, responderemos algumas perguntas sobre como montar uma reserva de emergência:

Como calcular a reserva de emergência?

A primeira dúvida sobre o assunto é: “Como devo calcular o valor da minha reserva de emergência?”. A equação é bem simples.

A reserva deve ser igual ao seu custo de vida durante seis meses. Mas, atenção! Não confunda esse valor com seu salário!

Para isso, faça um orçamento com o objetivo de precificar o quanto gasta todos os meses.

Liste itens como:

  • Despesas fixas;
  • Despesas variáveis;
  • Gastos extras;
  • Gastos supérfluos.

Conte com o auxílio de um caderno, de uma planilha ou até de aplicativos especializados no assunto. Não deixe nada de fora!

moedas dentro de pote para reserva de emergência
Montar uma reserva de emergência é uma forma de prevenção para apertos financeiros no futuro

Depois de chegar ao valor médio que gasta todos os meses, multiplique por seis.

Se você, por exemplo, recebe R$4 mil e gasta R$3 mil por mês, seu cálculo deverá ser feito com base no segundo valor. Ou seja, 3 x 6 = R$18 mil (valor recomendado para sua reserva de emergência).

Como investir e render a reserva?

Para chegar até ao valor estipulado para sua reserva podem demorar alguns anos. Guardar o dinheiro em um cofrinho ou na conta corrente até podem ser soluções úteis.

Contudo, o ideal é que sua verba tenha rendimentos. Assim, ficará mais fácil atingir o valor da sua reserva de emergência.

O recomendado é aplicar no Tesouro Selic, que rende mais que a poupança. Outra dica é fazer investimentos líquidos e seguros que permitam o resgate a qualquer momento, em casos emergenciais.

Fique ligado também se não terá oscilações nos rendimentos. Uma Certificação de Depósito Bancário (CDB), que ofereça liquidez diária, é uma ótima alternativa. As LCI (Letras de Crédito Imobiliária) e a LCA (Letras de Crédito do Agronegócio) também são opções.

É importante entender que quanto maior o período de aplicação do dinheiro, mais juros ele rende. E, assim, acelera o crescimento da sua verba.

Como poupar e cortar os gastos?

Para fazer uma aplicação ou um investimento é preciso ter dinheiro. Por isso, a regra é poupar todos os meses e cortar alguns gastos supérfluos.

A indicação é não esperar até o final do mês para verificar se sobrou algum dinheiro. Para só então guardá-lo.

Especialistas afirmam que as pessoas devem poupar assim que recebem. Como se fosse uma data de vencimento de uma conta. Para começar, reserve uma pequena fatia do seu salário. Aumente os valores aos poucos, na mesma proporção que se acostuma com o novo hábito.

A regra para fazer um investimento é clara: gaste menos do que você ganha. Então, aplique essa diferença.

Se ainda não faz isso, é o momento de analisar suas despesas e perceber quais são os potenciais desperdícios.

Pode ser que você tenha que fazer uma readequação no seu padrão de vida. Como por exemplo, usar mais o transporte público, economizar a conta de luz ou cancelar a assinatura da TV a cabo.

Outra dica preciosa é evitar comprar por impulsos. Assim como ir todos os finais de semana ao shopping ou a restaurantes caros. A palavra-chave é equilíbrio.

Onde devo deixar a reserva de emergência em 2022

Para a reserva de emergência o mais adequado é escolher investimentos seguros e de alta liquidez para investir o montante. Dessa maneira, você tem certeza de que os valores estão disponíveis para retirar se houver necessidade.

A seguir, veja algumas opções de investimentos para reserva de emergência em 2022.

CDB com liquidez diária

Certificado de Depósito Bancário (CDB) está associado às instituições financeiras. Neste tipo de investimento, os recursos captados são usados para que as instituições cubram as suas operações.

Há diversos CDBs no mercado financeiro, com diferentes prazos e formas de rentabilidade. No entanto, nem todos apresentam liquidez diária.

Portanto, os que apresentam essa característica costumam ser pós-fixados atrelados ao CDI (Certificado de Depósito Interbancário). Para investir a sua reserva no CDB, lembre que o título de alta liquidez é a melhor opção.

Contas que rendem

Com o aumento das fintechs e dos bancos digitais, foi preciso criar diferenciais para alcançar um público maior.

Com isso, surgiu a opção de oferecer uma conta remunerada, em que o seu dinheiro, só de estar naquela carteira, possui um rendimento. E isso pode ser ótimo para para quem está fazendo uma reserva de emergência.

Na maior parte dos casos conseguem alcançar uma renda de pelo menos 100% do CDI. Vale informar também que ao escolher uma conta remunerada é preciso consultar se possui proteção do Fundo Garantidor de Crédito (FGC).

São exemplos de contas remuneradas:

  • Picpay;
  • C6 Bank;
  • Conta digital Mercado Pago;
  • Banco Original.

LCI e LCA com liquidez diária

Você já ouviu as siglas LCI e LCA? Saibam que elas significam Letras de Crédito Imobiliário e Agropecuário e se configuram como papéis de renda fixa do setor privado.

Seu funcionamento é similar ao dos CDB’s, em que você concede capital aos emissores e recebe remuneração por esse empréstimo. Além disso, esses títulos costumam render mais que o exemplo anterior e não sofrem tributação.

Ter uma reserva econômica, portanto, é importante e pode salvar em muitas situações de apuros. E, você, já começou a poupar?

*Colaboração: Camila Miranda

O que achou disso?

Média da classificação 5 / 5. Número de votos: 1

Seja o primeiro a avaliar este post.

Lamentamos que este assunto não tenha sido útil para você!

Diga-nos, como podemos melhorar?

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui