Conversor de moedas Transferência internacional

Veja a cotação do Dólar Hoje, Euro hoje e Bitcoin hoje.

Brexit: o que pode interferir no seu bolso?

Escrito por: Rafael Massadar em 16 de janeiro de 2019

Você provavelmente leu ou assistiu em algum noticiário que o parlamento britânico rejeitou o Brexit. Você sabe o que significa e o que isso pode interferir no seu bolso?

A expressão é usada para caracterizar o processo de saída do Reino Unido da União Europeia. Esse processo foi iniciado com o referendo de 23 de junho de 2016.

Na ocasião, 48,1% dos britânicos votaram não à saída da UE. No entanto, 51,9% votou sim. O resultado estipulou o dia 21 de março de 2019 para que o Reino Unido saia formalmente do grupo.

Com o imbróglio, os parlamentares devem propor uma solução. Outra possibilidade é permitir que a primeira-ministra Theresa May tente mais uma vez aprovar o acordo de retirada no parlamento.

Uma terceira sugestão é fazer um novo referendo, possivelmente perguntando se os eleitores aprovam o acordo, em vez de voltar a perguntar se eles querem ou não deixar a União Europeia.

No entanto, tudo é incerto. Theresa May tem de aprovar um plano B. Caso este também seja rejeitado, o Reino Unido muito provavelmente caminhará para um Brexit sem acordo, no qual deixará o bloco sem ter direito a negociar seus termos.

O certo é que o risco de uma saída desordenada aumenta o risco de uma crise econômica. Portanto, este acordo é e continua a ser a melhor e única forma de garantir uma retirada ordenada do Reino Unido da União Europeia.

Brexit:

Consequências econômicas para Reino Unido e UE

Análise do Instituto Nacional de Pesquisas Econômicas e Sociais aponta que o Reino Unido terá menos comércio, menos investimento estrangeiro, produtividade mais baixa e migração em queda.

Portanto, são esses os fatores que devem fazer com que o Brexit penalize a economia britânica.

O mesmo estudo diz que o acordo conseguido por Theresa May é melhor que um Brexit sem acordo, mas o impacto na economia não deixa de ser significativo.

Em 2030, quando a saída do Reino Unido da União Europeia tiver feito 11 anos, o instituto prevê que o PIB britânico possa cair 3,9% ao ano.

Além disso, o comércio entre o Reino Unido e a União Europeia deve cair 46% e o investimento direto estrangeiro também apresentará queda de 21%.

A princípio a rejeição do acordo de Brexit pelo Parlamento britânico não foi motivo para levar a uma revisão do rating soberano do Reino Unido pela Moody’s.

No entanto, a agência anunciou que a decisão parlamentar é um fator negativo de crédito para muitos emissores de dívida.

O próprio Banco da Inglaterra já fez uma advertência. Segundo a instituição, o país mergulharia em uma grave crise econômica.

Os resultados apontados são:

– disparada do desemprego;

– aumento da inflação;

– queda da libra;

– queda do preço da moradia;

– recuo em quase 10% do Produto Interno Bruto (PIB).

Brexit também pode afetar economia brasileira

O Brexit pode afetar o Brasil. Afinal, em 2018, o Brasil exportou US$ 2,98 bilhões para o Reino Unido.

O país é o 17° no ranking de destino de nossas exportações e importou US$ 2,27 bilhões. O que o coloca na posição de número 20 no ranking de exportações.

Os produtos mais exportados foram:

– ouro (26%);

– silício (5,5%);

– soja (5,2%).

No entanto, uma pesquisa realizada pela Amcham (Câmara Americana de Comércio), que ouviu diversos empresários brasileiros, aponta que o Impacto do Brexit será pontual/neutro ou indiferente. Essa é a visão de 64% dos empresários.

Para 43% deles, o divórcio na Europa causará uma instabilidade apenas a curto prazo. Outros 21% informaram acreditar que o processo terá baixo efeitos e impactos significativos nas operações brasileiras das empresas ou na economia.

Os executivos avaliam três possíveis efeitos negativos:

1 – cambial – com incertezas e maior volatilidade das moedas;

2 – imigratórios ou alfandegários – com novas regras para entrada de pessoas ou produtos no Reino Unido;

3 – político – trazendo dificuldades nas relações com os países europeus.

Analisando amplamente, a maioria (54%) dos consultados pela Amcham enxergam efeitos positivos. Eles acreditam na possibilidade de um maior relacionamento comercial Brasil-Reino Unido.

A aposta é a possibilidade de acordos individuais e abertura de novas frentes de negociação, especialmente, para a cadeia agrícola. Sobre possíveis setores que podem ser beneficiados no Brasil, foram listados:

1 – agrícola – 61%;

2 – financeiro – 35%;

3 – indústria – 31%;

4 – serviços – 30%.

Qual a consequência para a economia mundial?

A decisão do Reino Unido de deixar a União Europeia (UE) pode acarretar em um efeito cascata. Isso porque candidatos nacionalistas podem ser eleitos nas próximas eleições na Suécia, Polônia e Hungria.

Portanto, a vitória do Brexit poderia ser o catalisador para uma nova crise global. Desta vez, porém, os trabalhadores podem perder seus empregos e suas poupanças.

Aliado a isso, o conflito entre a China e os Estados Unidos contribui para a redução do dinamismo internacional. Isso pode agravar ainda mais a desaceleração da indústria chinesa, o que acabará exigindo a implementação de medidas adicionais de estímulos fiscais e monetário.

Porém, outro cenário pode ser desastroso para a economia mundial. A abertura do processo de impeachment presidente norte-americano Donald Trump. Essa simples abertura pode estressar o mercado e, principalmente, a moeda norte-americana.

Apesar dos cenários temerários, a economia mundial pode crescer 3,7% em 2019. A estimativa é do Fundo Monetário Internacional (FMI). Patamar semelhante ao registrado nos últimos dois anos, embora com composição desigual.

Rafael Massadar

Jornalista com experiência em redação com pós-graduação em Comunicação Empresarial e Transmídia. Atualmente trabalho como assessor de imprensa.

Deixe um comentário

Precisa converter?

A calculadora de conversão do FinanceOne fornece os últimos valores cotados para diversas moedas. Acesse agora!

Converter agora

Posts relacionados

trabalhar em Portugal
transferências do exterior
Japão
línguas mais úteis
historia do euro