Início Notícias Economia Especialista analisa crise econômica pelo coronavírus

Especialista analisa crise econômica pelo coronavírus

0
(0)

Um dos assuntos mais comentados da semana é o coronavírus. Desde como prevenir a doença, os sintomas até mesmo a crise econômica que ela está fazendo os países de todo o mundo passarem.

Um exemplo dessa crise econômica causada pelo coronavírus foi a queda das bolsas de valores de todo o mundo durante a semana passada. Somente a bolsa de valores de São Paulo teve uma queda de 14,78%, a maior desde o ano de 1998.

ações de varejistas
O coronavírus tem feito com que diversos países entrem em crise econômica

Além disso, o dólar bateu a marca de R$5 pela primeira vez na história do Plano Real. Ainda houve a queda do preço do petróleo e a pausa no crescimento de diversos países.

Mas quais são as perspectivas para as próximas semanas e meses? Será que as bolsas de valores irão continuar caindo? Para todas essas perguntas ainda não existem respostas. Isso porque irá depender de como o coronavírus vai avançar pelos países afetados.

Especialista classifica coronavírus como uma ‘crise de confiança social’

Para tentar analisar como tem sido o impacto dessa pandemia do coronavírus, o especialista Álvaro Villa falou um pouco sobre os impactos na economia e avaliou dois aspectos importantes: tomada de decisão e fluxo.

Villa é economista e responsável pela mesa de operações da Messem Investimentos. Em entrevista ao FinanceOne, ele apontou que um dos maiores problemas do coronavírus é se tornar uma “crise de confiança social”, tendo em vista todos os impactos de sobrevivência. 

“Não se pode minimizar os riscos e nem achar que é o fim do mundo”, disse.

Ele explicou que há consumos que são reprimíveis, enquanto outros desaparecem. Villa ainda citou que para alguns produtos e exportação acabam gerando uma crise, e outros não, como é o caso do café e da compra de imóvel.

“O grande problema é que para alguns setores pode ser extremamente prejudicial e para outro, consegue reposição. Tudo depende muito do quanto tempo vai durar.”

O especialista ainda comenta que há dois cenários, um onde a taxa de mortalidade é baixíssima, nas idades mais produtivas, enquanto em outras já não se sabe até aonde pode chegar.

Dessa forma, é uma doença que se propaga rápido, uma vez que antes mesmo dos sintomas aparecerem já pode haver o contágio. Sendo assim, ele explica como o impacto dessas notícias e situações podem afetar o mercado econômico.

Segundo Villa, se um motorista de aplicativo que transporta um passageiro que esteve na Itália é orientado a ficar 40 dias isolado, é necessário bastante confiança para entender que ele seguiu as recomendações médicas.

Caso contrário, o caos poderá acontecer se as pessoas não confiarem. Como? O impacto começa com o consumidor parando de andar em carros de aplicativo, deixa de ir ao cinema, restaurante e usar serviços diversos.

“..tomar várias decisões de não consumir, porque o brasileiro tem um gap educacional, cultural e de renda.”

Governo anuncia medidas para controlar crise do coronavírus

Para tentar evitar que a crise econômica se agrave no Brasil por conta do coronavírus, o Governo Federal anunciou, no dia 12 de março,  algumas medidas para enfrentar as consequências da pandemia da doença.

No total foram cinco medidas anunciadas, sendo algumas delas: antecipação da primeira parcela do 13º dos aposentados, suspensão da prova de vida dos beneficiários do INSS. Além da redução do teto dos juros do empréstimo consignado.

A antecipação do 13º salário será em abril, o que normalmente ocorre entre os meses de julho e agosto. Com isso, serão R$23 bilhões liberados consumido dos aposentados e pensionistas do INSS.

Já a suspensão da prova de vida dos aposentados para o INSS será de 120 dias. Dessa forma, será possível evitar aglomerações e colocar os idosos em risco. Vale lembrar que esse processo ocorre todo ano para que o aposentado continue recebendo a aposentadoria.

O Ministério da Economia ainda pretende reduzir o teto dos juros do empréstimo consignado a favor dos beneficiários do INSS. Além de o prazo máximo das operações, como forma de aumentar a oferta de crédito. 

É importante frisar que atualmente o teto dos juros é de 2,08% ao mês e, o prazo máximo para a operação é de 72 meses. 

O Ministério da Saúde também anunciou que irá realizar uma lista de produtos médicos e hospitalares importados que terão preferência tarifária para garantir o abastecimento do Brasil. O objetivo é que não falte materiais para que os médicos possam tratar a população.

O que achou disso?

Deixei sua classificação

Média da classificação 0 / 5. Número de votos: 0

Seja o primeiro a avaliar este post.

Mateus Carvalho
Jornalista de profissão e apaixonado por Marketing Digital. Já foi redator de jornal impresso, atualmente escrevo para o digital e tenho sede por empreender. Escrever é a minha maior paixão e quando não estou digitando estou pensando em digitar. Carioca, vascaíno e apaixonado por memes.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Já é hora de pensar nos melhores investimentos para 2021?

Com a chegada do final do ano, fica a pergunta: quais são os melhores investimentos para 2021? Tudo...

FGTS para empregados domésticos: entenda como funciona

É empregado doméstico ou tem um que trabalha para você? Sabe como funcionam as regras do FGTS para essa categoria? Tem dúvidas...

Como abrir uma conta bancária no exterior?

Você sabe como abrir uma conta bancária no exterior? Ao contrário do que muitos pensam, o processo é fácil e pode ser...

Conta de luz volta a ter cobrança extra. O que muda no seu bolso?

A Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) decidiu, em 30 de novembro, que a conta de luz dos consumidores virá com uma...

Como economizar na ceia de natal

Ah, o natal! A melhor época do ano chegou e, com ela, certos prejuízos financeiros. É quase impossível sair das festas de fim de...

5 profissões em alta para 2021. Salários de até R$70 mil!

O ano está se aproximando do fim e com ele começam as expectativas para saber quais são as profissões em alta para...