Mais
    InícioNotíciasEconomiaPIB: saiba o que é e como é calculado

    PIB: saiba o que é e como é calculado

    4.2
    (30)

    O PIB (Produto Interno Bruto) é o conjunto de riquezas gerado em um país. Trata-se de um índice econômico que engloba praticamente toda a cadeia produtiva brasileira.

    Publicidade

    O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) calcula trimestralmente o que o país produz num período, na agropecuária, indústria e serviços.

    Comparando o PIB atual com o dos anos anteriores, podemos saber se a atividade econômica está crescendo ou diminuindo. O índice também permite comparar o desempenho da nossa economia em relação ao desempenho de outros países.

    O Banco Central e o Governo Federal utilizam o PIB para tomar diversas decisões que influenciam diretamente a sua vida.

    Além disso, as empresas e os investidores estudam o PIB antes de tomar decisões de investimento, antes de contratar ou demitir, antes de ampliar ou retrair suas atividades.

    O primeiro cálculo de produção nacional foi publicado em 1953 nas Nações Unidas. Ele foi baseado em um documento do economista Richard Stone, que recebeu o Prêmio Nobel de Economia em 1984.

    Publicidade

    Como é feito o cálculo do PIB?

    Existem duas formas mais usadas para calcular o PIB e ambas chegam ao mesmo resultado. A primeira é contar tudo que se produz, na chamada “ótica da oferta”.

    Nessa conta, entram os resultados da agropecuária, da indústria e dos serviços. Aqui estão produtos finais, que é tudo aquilo que é vendido ao consumidor, como pães, carros e brinquedos.

    Também estão nessa conta os serviços, como o salão de beleza e os gastos com empregados domésticos. A segunda forma de calcular é somando o que se gastou no país. Esse método considera a visão da demanda.

    Entram nessa conta o consumo das famílias, os gastos do governo e os investimentos das empresas e do governo. De maneira simplificada o PIB é calculado através da fórmula:

    PIB = C + I + G + (X – M)

    Publicidade

    Onde:
    C = Gastos das empresas do setor privado
    I = Investimentos
    G = Gastos dos governos e empresas públicas
    X = Exportações
    M = Importações

    O que faz o PIB crescer?

    Um dos fatores que mais influencia o crescimento do PIB é o consumo das famílias. Ou seja, quanto mais as pessoas compram, mais as empresas precisam produzir e investir para produzir mais.

    Uma forma de estimular o crescimento do PIB é estimular o consumismo. Veja quando o PIB cresce:

    • A população compra mais e as empresas investem (constroem fábricas, inauguram lojas, compram máquinas, contratam mão de obra) para produzir mais e assim atender toda a demanda;
    • O governo gasta mais, constrói escolas, estradas, postos de saúde e etc;
    • As empresas exportam mais;
    • Quando importamos menos.
    pib
    Quanto mais as pessoas gastam, mais o PIB cresce

    Veja quais são os tipos de PIB

    1- PIB nominal

    Ele é calculado a preços correntes. Ou seja, considera os valores do ano em que o produto for produzido e comercializado. Já o PIB real exclui os efeitos da inflação.

    Publicidade

    2 – Per capita

    Esse é calculado a partir da divisão do PIB pelo número de habitantes da região. Portanto, indica quanto cada habitante produziu em determinado período.

    Qual a diferença para o Produto Nacional Bruto?

    No Produto Nacional Bruto (PNB) entra toda a produção nacional, em território do Brasil ou não. Assim, empresas brasileiras que tenham fábricas no exterior também se somam a este indicador.

    Em geral, países desenvolvidos possuem PNB maior do que o PIB.

    Mostrando assim que a soma da produção nacional é mais forte do que a soma da riqueza produzida em território nacional, que inclui as empresas estrangeiras localizadas ali.

    Onde investir com o PIB em alta?

    Com a economia aquecida, o governo encontra espaço para reduzir juros. Muitas pessoas resolvem empreender pela primeira vez.

    Investir em algo produtivo se torna mais lucrativo que deixar o dinheiro rendendo juros baixos no banco. São oportunidades para o investidor:

    • Empreendedorismo: abrir uma nova empresa assumindo riscos para ganhar mais;
    • Investimento no mercado em ações: você se torna sócio de uma empresa grande;
    • Investimento em imóveis: juros menores, renda maior e mais crédito aumentam a demanda por imóveis valorizando imóveis usados e imóveis na planta.

    Como o índice interfere nos seus investimentos?

    A alta ou a queda influencia os resultados dos seus investimentos em renda fixa e variável.

    Se você investe em títulos públicos, fundos de investimento, mercado de ações, previdência privada e até na poupança precisa aprender mais sobre o PIB.

    Portanto, é importante que você entenda como ele impacta positivamente ou negativamente nos resultados dos seus investimentos.

    Ou seja, antes de investir é muito importante observar o comportamento do PIB nos últimos anos e trimestres. Além de buscar informações publicadas por economistas e analistas que fazem previsões para o futuro do índice.

    Uma forma de saber a tendência do PIB (de queda ou de alta) é através da pesquisa feita pelo Banco Central que resulta em um relatório semanal chamado Boletim Focus.

    Como os dados do PIB interferem na economia

    Uma dúvida que muitas pessoas possuem é como os dados do PIB interferem na economia do Brasil. Para você entender melhor vamos a um exemplo: quando o PIB sobe muito acontece um superávit.

    Isso acontece quando o país está produzindo muito mais do que o esperado, arrecadando mais recursos do que gastando. E o mesmo ocorre quando o PIB cai, podendo levar ao déficit, que é quando o país gasta mais do que está produzindo.

    E com esses dados também é possível realizar uma comparação do cenário econômico do Brasil com o de outros países. Dessa forma, pode-se traçar soluções para estimular o desenvolvimento do país como um todo.

    + Estagflação: o que é, quando surge e como funciona

    O que entra na conta do PIB?

    Você já sabe que o PIB é calculado sob dois pontos de vista diferentes: o da demanda, que são as despesas, e o da oferta. E quando se olha para cada um deles, o resultado final deve ser o mesmo, em valores. 

    Na despesa é possível conhecer a soma de todos os gastos que levam à expansão da economia. E para isso, é preciso ter um panorama geral sobre tudo o que é produzido dentro de um país:

    No lado da demanda, estão os itens:

    -> O consumo das famílias: esse é o maior peso. Isso porque é a soma de todas as despesas da população no mercado interno, como por exemplo, transporte, aluguel de imóvel, supermercado e etc. 

    -> Investimento das empresas: mede o quanto as empresas estão investindo em máquinas e bens para produzir outros bens. É chamado de Formação Bruta de Capital Fixo (FBCF).

    -> Gastos do governo: tudo o que o governo gasta em bens e serviços, incluindo o salário de funcionários públicos. Além dos programas sociais e até da Previdência Social.

    -> Balança comercial: calcula o volume dos bens e serviços que o país exportou menos o que importou. 

    No lado das ofertas entram os seguintes itens:

    -> Serviços: é o maior peso, já que inclui as atividades como a educação, os transportes e o comércio.

    -> Indústria: é a soma de toda a produção de bens manufaturados no país.

    -> Agropecuária: mede as atividades de cultivo agrícola e a criação de animais.

    Qual foi o resultado do PIB brasileiro em 2019?

    Em 2019, o índice cresceu 1,1%, totalizando R$ 7,2 trilhões. Contudo, a alta foi menor do que nos anos de 2017 e 2018, quando o crescimento foi de 1,3%.

    A coordenadora das Contas Nacionais do IBGE, Rebeca Palis, explica que a maior contribuição para o avanço do PIB vem do consumo das famílias.

    “Ele cresceu 1,8%. Pelo lado da oferta, o destaque foi o setor de serviços, que representa dois terços da economia”, ressalta Rebeca Palis.

    Inicialmente, para 2020 a projeção era e alta. De acordo com o relatório Focus do Banco Central, o PIB brasileiro deveria ser de 2,24%.

    No entanto, o coronavírus continua se expandindo pelo mundo e afetando a economia global. No Brasil, o impacto será negativo, segundo o economista e professor da Fundação Getúlio Vargas (FGV) Mauro Rochlin.

    Ele aponta que o avanço da moeda estadunidense pode ser negativo para a economia brasileira porque pode resultar em um aumento da inflação e na queda nos investimentos.

    “Com a virtual paralisação da economia chinesa, o nível de exportações [brasileiras] pode sofrer um revés”, diz o professor da FGV. “A expectativa é de um PIB pior esse ano”.

    Gostou do nosso texto e acha que ele pode ser útil para outras pessoas? Então o compartilhe em suas redes sociais e ajude os seus amigos a também entenderem sobre o assunto!

    *Colaboração: Mateus Carvalho

    O que achou disso?

    Média da classificação 4.2 / 5. Número de votos: 30

    Seja o primeiro a avaliar este post.

    Lamentamos que este assunto não tenha sido útil para você!

    Diga-nos, como podemos melhorar?

    Redação
    Redação
    O FinanceOne é um site especializado em finanças. Desde 2003, publicamos conteúdos que buscam traduzir desde a influência do mercado financeiro no seu dia a dia até a simples economia dentro de casa. Nossa missão é mostrar que qualquer pessoa pode ter controle financeiro e fazer as escolhas certas. Assim como ter no dinheiro um aliado para viver bem e conquistar seus sonhos.

    Artigos Relacionados

    Assine nossa newsletter!

    Páginas Populares

    5 COMENTÁRIOS

      • Olá, Wagner. Tudo bem?
        O PIB brasileiro de 2019 foi de 1,80 trilhão de dólares. Para essa conta foi usada a cotação da moeda em 31 de dezembro de 2019, no valor de R$4,05.

    1. Em dólar corrente não se mede pib, só em dólar de paridade de poder de compra. Hoje por exemplo o dólar comercial está 5,765, mas em poder de compra está 2,308, o pib brasileiro gira em torno de 4 trilhões de dólares em ppc

    DEIXE UMA RESPOSTA

    Por favor digite seu comentário!
    Por favor, digite seu nome aqui

    InícioNotíciasEconomiaPIB: saiba o que é e como é calculado

    PIB: saiba o que é e como é calculado

    4.2
    (30)

    O PIB (Produto Interno Bruto) é o conjunto de riquezas gerado em um país. Trata-se de um índice econômico que engloba praticamente toda a cadeia produtiva brasileira.

    Publicidade

    O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) calcula trimestralmente o que o país produz num período, na agropecuária, indústria e serviços.

    Comparando o PIB atual com o dos anos anteriores, podemos saber se a atividade econômica está crescendo ou diminuindo. O índice também permite comparar o desempenho da nossa economia em relação ao desempenho de outros países.

    O Banco Central e o Governo Federal utilizam o PIB para tomar diversas decisões que influenciam diretamente a sua vida.

    Além disso, as empresas e os investidores estudam o PIB antes de tomar decisões de investimento, antes de contratar ou demitir, antes de ampliar ou retrair suas atividades.

    O primeiro cálculo de produção nacional foi publicado em 1953 nas Nações Unidas. Ele foi baseado em um documento do economista Richard Stone, que recebeu o Prêmio Nobel de Economia em 1984.

    Publicidade

    Como é feito o cálculo do PIB?

    Existem duas formas mais usadas para calcular o PIB e ambas chegam ao mesmo resultado. A primeira é contar tudo que se produz, na chamada “ótica da oferta”.

    Nessa conta, entram os resultados da agropecuária, da indústria e dos serviços. Aqui estão produtos finais, que é tudo aquilo que é vendido ao consumidor, como pães, carros e brinquedos.

    Também estão nessa conta os serviços, como o salão de beleza e os gastos com empregados domésticos. A segunda forma de calcular é somando o que se gastou no país. Esse método considera a visão da demanda.

    Entram nessa conta o consumo das famílias, os gastos do governo e os investimentos das empresas e do governo. De maneira simplificada o PIB é calculado através da fórmula:

    PIB = C + I + G + (X – M)

    Publicidade

    Onde:
    C = Gastos das empresas do setor privado
    I = Investimentos
    G = Gastos dos governos e empresas públicas
    X = Exportações
    M = Importações

    O que faz o PIB crescer?

    Um dos fatores que mais influencia o crescimento do PIB é o consumo das famílias. Ou seja, quanto mais as pessoas compram, mais as empresas precisam produzir e investir para produzir mais.

    Uma forma de estimular o crescimento do PIB é estimular o consumismo. Veja quando o PIB cresce:

    • A população compra mais e as empresas investem (constroem fábricas, inauguram lojas, compram máquinas, contratam mão de obra) para produzir mais e assim atender toda a demanda;
    • O governo gasta mais, constrói escolas, estradas, postos de saúde e etc;
    • As empresas exportam mais;
    • Quando importamos menos.
    pib
    Quanto mais as pessoas gastam, mais o PIB cresce

    Veja quais são os tipos de PIB

    1- PIB nominal

    Ele é calculado a preços correntes. Ou seja, considera os valores do ano em que o produto for produzido e comercializado. Já o PIB real exclui os efeitos da inflação.

    Publicidade

    2 – Per capita

    Esse é calculado a partir da divisão do PIB pelo número de habitantes da região. Portanto, indica quanto cada habitante produziu em determinado período.

    Qual a diferença para o Produto Nacional Bruto?

    No Produto Nacional Bruto (PNB) entra toda a produção nacional, em território do Brasil ou não. Assim, empresas brasileiras que tenham fábricas no exterior também se somam a este indicador.

    Em geral, países desenvolvidos possuem PNB maior do que o PIB.

    Mostrando assim que a soma da produção nacional é mais forte do que a soma da riqueza produzida em território nacional, que inclui as empresas estrangeiras localizadas ali.

    Onde investir com o PIB em alta?

    Com a economia aquecida, o governo encontra espaço para reduzir juros. Muitas pessoas resolvem empreender pela primeira vez.

    Investir em algo produtivo se torna mais lucrativo que deixar o dinheiro rendendo juros baixos no banco. São oportunidades para o investidor:

    • Empreendedorismo: abrir uma nova empresa assumindo riscos para ganhar mais;
    • Investimento no mercado em ações: você se torna sócio de uma empresa grande;
    • Investimento em imóveis: juros menores, renda maior e mais crédito aumentam a demanda por imóveis valorizando imóveis usados e imóveis na planta.

    Como o índice interfere nos seus investimentos?

    A alta ou a queda influencia os resultados dos seus investimentos em renda fixa e variável.

    Se você investe em títulos públicos, fundos de investimento, mercado de ações, previdência privada e até na poupança precisa aprender mais sobre o PIB.

    Portanto, é importante que você entenda como ele impacta positivamente ou negativamente nos resultados dos seus investimentos.

    Ou seja, antes de investir é muito importante observar o comportamento do PIB nos últimos anos e trimestres. Além de buscar informações publicadas por economistas e analistas que fazem previsões para o futuro do índice.

    Uma forma de saber a tendência do PIB (de queda ou de alta) é através da pesquisa feita pelo Banco Central que resulta em um relatório semanal chamado Boletim Focus.

    Como os dados do PIB interferem na economia

    Uma dúvida que muitas pessoas possuem é como os dados do PIB interferem na economia do Brasil. Para você entender melhor vamos a um exemplo: quando o PIB sobe muito acontece um superávit.

    Isso acontece quando o país está produzindo muito mais do que o esperado, arrecadando mais recursos do que gastando. E o mesmo ocorre quando o PIB cai, podendo levar ao déficit, que é quando o país gasta mais do que está produzindo.

    E com esses dados também é possível realizar uma comparação do cenário econômico do Brasil com o de outros países. Dessa forma, pode-se traçar soluções para estimular o desenvolvimento do país como um todo.

    + Estagflação: o que é, quando surge e como funciona

    O que entra na conta do PIB?

    Você já sabe que o PIB é calculado sob dois pontos de vista diferentes: o da demanda, que são as despesas, e o da oferta. E quando se olha para cada um deles, o resultado final deve ser o mesmo, em valores. 

    Na despesa é possível conhecer a soma de todos os gastos que levam à expansão da economia. E para isso, é preciso ter um panorama geral sobre tudo o que é produzido dentro de um país:

    No lado da demanda, estão os itens:

    -> O consumo das famílias: esse é o maior peso. Isso porque é a soma de todas as despesas da população no mercado interno, como por exemplo, transporte, aluguel de imóvel, supermercado e etc. 

    -> Investimento das empresas: mede o quanto as empresas estão investindo em máquinas e bens para produzir outros bens. É chamado de Formação Bruta de Capital Fixo (FBCF).

    -> Gastos do governo: tudo o que o governo gasta em bens e serviços, incluindo o salário de funcionários públicos. Além dos programas sociais e até da Previdência Social.

    -> Balança comercial: calcula o volume dos bens e serviços que o país exportou menos o que importou. 

    No lado das ofertas entram os seguintes itens:

    -> Serviços: é o maior peso, já que inclui as atividades como a educação, os transportes e o comércio.

    -> Indústria: é a soma de toda a produção de bens manufaturados no país.

    -> Agropecuária: mede as atividades de cultivo agrícola e a criação de animais.

    Qual foi o resultado do PIB brasileiro em 2019?

    Em 2019, o índice cresceu 1,1%, totalizando R$ 7,2 trilhões. Contudo, a alta foi menor do que nos anos de 2017 e 2018, quando o crescimento foi de 1,3%.

    A coordenadora das Contas Nacionais do IBGE, Rebeca Palis, explica que a maior contribuição para o avanço do PIB vem do consumo das famílias.

    “Ele cresceu 1,8%. Pelo lado da oferta, o destaque foi o setor de serviços, que representa dois terços da economia”, ressalta Rebeca Palis.

    Inicialmente, para 2020 a projeção era e alta. De acordo com o relatório Focus do Banco Central, o PIB brasileiro deveria ser de 2,24%.

    No entanto, o coronavírus continua se expandindo pelo mundo e afetando a economia global. No Brasil, o impacto será negativo, segundo o economista e professor da Fundação Getúlio Vargas (FGV) Mauro Rochlin.

    Ele aponta que o avanço da moeda estadunidense pode ser negativo para a economia brasileira porque pode resultar em um aumento da inflação e na queda nos investimentos.

    “Com a virtual paralisação da economia chinesa, o nível de exportações [brasileiras] pode sofrer um revés”, diz o professor da FGV. “A expectativa é de um PIB pior esse ano”.

    Gostou do nosso texto e acha que ele pode ser útil para outras pessoas? Então o compartilhe em suas redes sociais e ajude os seus amigos a também entenderem sobre o assunto!

    *Colaboração: Mateus Carvalho

    O que achou disso?

    Média da classificação 4.2 / 5. Número de votos: 30

    Seja o primeiro a avaliar este post.

    Lamentamos que este assunto não tenha sido útil para você!

    Diga-nos, como podemos melhorar?