7 acontecimentos que marcaram o mercado financeiro em 2021

0
1126
Moedas empilhadas com gráfico ao fundo
5
(2)

O mercado financeiro em 2021 continua sofrendo as consequências da pandemia do coronavírus. No Brasil, os últimos indicadores divulgados apontam para o aprofundamento da recessão que deve perdurar no ano que vem.

Anúncios

O principal destaque negativo é o aumento da inflação. O índice sofreu altas constantes durante o ano. Principalmente, pelo aumento desenfreado do preço da gasolina.

Aliado a isso, o desempenho do Produto Interno Bruto (PIB) foi abaixo do esperado. E o desemprego está elevado, o que leva ao endividamento e a uma queda da renda real das famílias brasileiras.

Anúncios

Por isso, muitos, certamente, gostariam de esquecer o que aconteceu neste ano: coronavírus, perdas, economia em recessão. No entanto, alguns problemas seguem conosco em 2022 e muitos efeitos do que se passou ainda serão sentidos por algum tempo.

Além disso, existem também algumas mudanças que vieram para ficar. Ou seja, olhar para a retrospectiva 2021 é muito importante, pois ela também nos traz bastante aprendizado.

Retrospectiva: fatos que marcaram o mercado financeiro em 2021

1 – Covid-19

O ciclo de vacinação mesmo que lento permitiu a redução nas restrições de circulação. Algo que foi positivo para as empresas e para o consumo.

Anúncios

A expectativa se tornou tão positiva que, em junho deste ano, o Ibovespa atingiu a máxima histórica, cotado acima dos 130 mil pontos.

No entanto, uma série de notícias políticas reverteram o cenário e trouxeram uma desvalorização acima de 20% para o índice desde junho.

Para piorar, os mercados financeiros reagiram com nervosismo após o anúncio de uma nova cepa do coronavírus, chamada de ômicron.

Classificada pela Organização Mundial de Saúde (OMS) como uma “variante de preocupação”, lança incertezas sobre a trajetória da economia mundial.

2 – Inflação

A protagonista da economia brasileira em 2021 é a inflação. Diversos fatores ajudam a explicar a elevação do custo dos produtos e serviços, medido oficialmente pelo Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA).

A começar pela redução do ritmo de produção em função da pandemia. Algo que fez com que a oferta não fosse suficiente para cobrir a demanda — uma relação clássica na definição de preços.

O aumento do dólar é outro problema. Muitas commodities são precificadas na moeda americana.

É o caso da gasolina, por exemplo, que além de ser utilizada como combustível, também é matéria-prima para outros mercados. O mercado de alimentos é outro que sofre nesse ambiente de dólar elevado.

Por fim, a injeção de liquidez na economia promovida pelo governo por meio do Auxílio Emergencial é outro fator que contribui para o efeito inflacionário.

Tudo isso, em conjunto, sinaliza que a inflação brasileira em 2021 deve fechar acima de 10%, bem acima da meta oficial do governo.

3 – Selic e Juros

O principal instrumento do governo para tentar controlar a inflação é aumentar a taxa de juros, tornando o custo da dívida maior e reduzindo o incentivo ao consumo.

Diante do aumento dos preços em 2021, o Banco Central optou pela reversão do ciclo de baixa dos juros no país.

Vale lembrar que, pouco antes da pandemia explodir, a Taxa Selic foi fixada no menor percentual histórico: 4,0% ao ano. Pouco depois, em razão da necessidade de estimular a economia diante do isolamento social, ela foi reduzida ainda mais.

No entanto, como sabemos, essa ainda não é a realidade do nosso país e, diante do desafio inflacionário, o aumento das taxas de juros foi necessário e segue em andamento. Em dezembro, devemos ter uma nova elevação definida pelo Comitê de Política Monetária (Copom). Hoje, ela encontra-se em 9,25%.

Ou seja, o ciclo de alta prejudica a recuperação das empresas, pois torna o endividamento mais caro.

Por outro lado, pensando no mercado financeiro em 2021, favorece os ativos de renda fixa atrelados à Taxa Selic ou ao CDI, que se tornam mais atrativos.

4 – PIB em baixa

Algumas notas de cem reais em cima de outras de cinquenta reais
O mercado financeiro em 2021 foi impactado diretamente pela Covid-19 e Inflação

O Banco Central (BC) revisou para baixo a previsão de desempenho do Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro para 2021 e 2022.

A estimativa de crescimento do PIB de 2021, em relação ao verificado em 2020, está em 4,65%. A previsão ficou 0,06 ponto percentual abaixo do número divulgado no final de novembro (4,71%).

Antes, a variação do PIB neste ano chegou a ser prevista em 4,78%, em meados de novembro, e em 4,88%, no final de outubro.

Para 2022, a previsão de variação do PIB também sofreu ligeira revisão para baixo, e está projetada em 0,5%. No final de novembro, esse número era estimado pelo BC em 0,51.

5 – Política

O ambiente político se manteve agitado com a anulação da condenação do ex-presidente Lula. Com isso, ele voltou a se tornar elegível e é, inclusive, um dos possíveis candidatos para a eleição de 2022.

Uma consequência da elegibilidade do Lula foi uma aproximação do atual presidente, Jair Bolsonaro, com os candidatos de centro.

Aliado a isso, desde então, a preocupação com os gastos públicos ganhou destaque no noticiário econômico. Afinal, com queda na popularidade, Bolsonaro começou a abrir mão do teto de gastos para tentar ganhar votos que poderiam ser perdidos no meio do caminho.

O que aconteceu nos caso da votação da PEC dos Precatórios visando a manutenção do Auxílio Emergencial.

6 – Crise Hídrica

Se não bastassem os episódios políticos para conturbar a economia brasileira, quis o destino que fatores naturais também não colaborassem. Com a escassez de chuvas no país, diversos reservatórios de água passaram a ter níveis preocupantes.

A crise hídrica retomou discussões sobre um possível racionamento de energia. Cenário que, pelo menos até a última revisão deste artigo, não se confirmou.

Entretanto, esse fato já foi suficiente para trazer nova instabilidade econômica. Em primeiro lugar, visando evitar o desperdício, a cobrança de energia sofreu reajustes consideráveis.

O custo da conta de luz, para o consumidor final, ficou elevado. Além disso, o segundo semestre foi desafiador para as companhias de geração de energia, com impacto direto nos seus resultados.

7 – Preço dos combustíveis

O preço da gasolina sempre foi uma preocupação do brasileiro, mas os aumentos frequentes de 2021 deixou os trabalhadores ainda mais preocupados. Afinal, o combustível teve aumentos frequentes.

Contudo, iso acontece porque o Brasil alinhou esse preço ao valor internacional em dólar em 2016 com o Preço de Paridade de Importação (PPI). E graças a crise econômica que o país passa atualmente, o real está extremamente desvalorizado. Essa já é a justificativa da frequência dos aumentos.

Quer continuar se atualizando sobre a economia brasileira? Então continue navegando em nosso site e assine agora mesmo a nossa newsletter para ficar por dentro de tudo sobre o mercado financeiro.

O que achou disso?

Média da classificação 5 / 5. Número de votos: 2

Seja o primeiro a avaliar este post.

Lamentamos que este assunto não tenha sido útil para você!

Diga-nos, como podemos melhorar?

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui