Conversor de moedas

Veja a cotação do Dólar Hoje, Euro hoje e Bitcoin hoje.

Os 10 maiores riscos para o mundo em 2019

Escrito por: Mateus Carvalho em 9 de janeiro de 2019

Se você é investidor sabe que é importante estar atento às notícias do mundo. Isso porque elas podem refletir diretamente no mercado financeiro. E você já parou para pensar quais são os maiores riscos para o mundo em 2019?

No dia 7 de janeiro, o Banco Fibra publicou o relatório mensal sobre os 10 maiores riscos para o mundo em 2019. Estas ameaças têm o potencial de alterar os preços dos ativos financeiros para este ano.

maiores-riscos-para-o-mundo-em-2019

Se você já investe é necessário ter uma atenção especial aos temas abaixo. E se você vai começar a aplicar o seu dinheiro, deve redobrar os cuidados para que não acabe sendo prejudicado com as variações que os preços dos ativos financeiros podem ter durante 2019.

Maiores riscos para o mundo este ano

1) Guerra comercial entre Estados Unidos e China

A relação comercial entre os Estados Unidos e a China não é das melhores. E mesmo com a trégua declarada entre os dois países ainda não existe uma previsão de que essa guerra está para acabar. 

Além disso, os democratas e os republicanos acreditam que a China pode ser uma ameaça aos Estados Unidos. E essa guerra comercial pode se agravar ainda mais com a desaceleração da indústria chinesa. O que irá exigir a implementação de medidas adicionais a estímulos fiscais e monetários.

A tendência é que tanto os Estados Unidos quanto a China trabalhem para se tornarem menos vulneráveis um ao outro, reduzindo as conexões que até agora os uniram.

2) Desaceleração da economia mundial

Esse é mais um dos maiores riscos para o mundo em 2019. Isso porque com a desaceleração da China e da Zona do Euro, o mercado internacional está de olho no crescimento dos Estados Unidos.

Mas por que esse é um dos maiores riscos para 2019? Porque o risco está na influência que certos países em desaceleração têm sobre a economia mundial.

E como consequência isso impacta no mercado norte-americano, revertendo o “tightening monetário”. Com isso, é possível que ocorra uma valorização do dólar em meio à desaceleração globalizada.

3) Lutas cibernéticas

Com a internet o avanço dos hackers é cada vez mais comum. Sendo assim, os hackers desenvolvem novas habilidades, ao mesmo tempo que a dependência digital das pessoas aumenta.

Porém, ainda não existem regras concretas para ajudar a combater os hackers e os conflitos cibernéticos. Além disso, é difícil saber quem está por trás dos conflitos que surgem. Por isso, é importante estar atento a esses ataques.

4) Reforma da Previdência

Especialistas acreditam que Bolsonaro tenha a aprovação do Congresso Nacional para realizar a Reforma da Previdência nos primeiros nove meses do ano. A PEC, que está em tramitação desde o governo Temer, também deve ser aprovada.

Porém, o que ainda não se sabe é se a Reforma da Previdência será enfraquecida ou aperfeiçoada. Esse é um dos maiores riscos para o mundo em 2019 e você precisa ficar de olho.

5) Redução da taxa de juros neutra

As medidas a serem adotadas pelo governo Bolsonaro podem acabar reduzindo a taxa de juros neutra do país.

Essa taxa atualmente está em 4,5%, de acordo com o Banco Fibra. Se isso se confirmar, a possibilidade de o Copom, que é do Banco Central, cortar a taxa Selic em 2019 e 2020 é ainda maior.

6) Brexit

Três anos depois da votação sobre o Brexit, quase todos os resultados permanecem os mesmos. Existe ainda o risco de que nenhum acordo seja realizado até o primeiro trimestre do ano de 2019.

Caso isso ocorra, esse fato não irá impactar somente a economia inglesa, mas também a de todo o continente europeu.

7) Tensões geopolíticas entre Rússia e Europa Ocidental

Você deve estar se perguntando por que as tensões entre a Rússia e a Europa Ocidental são um dos maiores riscos para o mundo em 2019. É porque existe a possibilidade de que os dois países comecem um conflito.

As tensões têm como motivo a “independência” da Igreja Ortodoxa Ucraniana sobre o Patriarcado de Moscou, e este é um risco a ser considerado.

Outra ameaça é o interesse de alguns países que faziam parte da União Soviética em se associar à Otan.

8) Política monetária norte-americana

A possibilidade de pausa no ciclo atual de alta da taxa de juros pode trazer dois riscos. O primeiro é a reversão do quadro de valorização do dólar. Enquanto o segundo é a “desancoragem” das expectativas inflacionárias.

Estas deverão acontecer caso o Federal Open Market (FOMC) ignore a pressão inflacionária na aceleração de diversas medidas de custo do trabalho/salário que implicam no retorno real dos investimentos.

9) Política norte-americana

O Partido Democrata é maioria nas cadeiras da Câmara, o que mantém o presidente norte-americano mais próximo de sofrer uma abertura de impeachment.

Além disso, o descontentamento da população dos EUA em relação ao governo dos republicanos aumenta.

Esses fatores podem acabar estressando o mercado e, consequentemente, a moeda norte-americana.

10) Política brasileira

A expectativa no governo Bolsonaro é alta. Por isso, é importante estar atento aos próximos meses, que é quando será possível entender o direcionamento adotado pelo presidente para governar o Brasil.

Além disso, ainda existe muita incerteza sobre a reação dos diversos núcleos políticos em relação à agenda e ao governo do novo presidente.

O que esperar da economia em 2019?

Governo novo e o que esperar da economia em 2019? Ainda é cedo para falar. No entanto, algumas projeções apontam para um cenário melhor do que 2018.

O último Boletim Focus de 2018 aumentou as previsões para o Produto Interno Bruto (PIB) e reduziu as da inflação para 2019.

O relatório divulgado pelo Banco Central (BC) é resultado de levantamento feito na última semana de 2018 com mais de 100 instituições financeiras. Saiba o que esperar da economia em 2019!

Mateus Carvalho

Jornalista formado pela Unicarioca. Atualmente, repórter da Folha Dirigida e produtor de conteúdo no FinanceOne. Já fui colaborador do Torcedores.com.

Deixe uma resposta

Posts relacionados

Mercado de debêntures cresce em 2018
financiar um imóvel
aplicativos para investidores
2019 melhor ano financeiro