Mais
    InícioNotíciasViagemQue tal morar na Itália e ainda ganhar por isso?

    Que tal morar na Itália e ainda ganhar por isso?

    4.5
    (2)

    Já pensou em morar na Itália e receber 9 mil euros? Sim, é possível, em Locana, comuna no norte do país próximo às fronteiras com a França e a Suíça.

    Os governantes locais estão dispostos a pagar essa quantia por ano, durante um período de três anos. Para isso, basta que as famílias que tenham ao menos um filho e rendimento mínimo anual de 6 mil euros.

    De acordo com os políticos, a medida deve-se à redução da população no local. Segundo dados da câmara de Locana, o número de habitantes diminuiu de 7 mil pessoas no século passado para os atuais 1.500 habitantes.

    Portanto, o objetivo é atrair jovens que desejem viver nas montanhas e começar uma família. Tudo isso com incentivos que permitam trabalhar em casa ou começar um novo negócio na região.

    Outro caso surpreendente, um pouco mais ao norte, é a comuna italiana Borgomezzavalle, que possui apenas 320 habitantes. As casas da região estão sendo vendidas pelo valor simbólico de 1 euro.

    Além disso, são oferecidos mil euros para cada recém nascido. E outros 2 mil euros para qualquer pessoa que deseje iniciar um negócio no local.

    morar na Itália

    Desemprego em queda na Itália

    Uma notícia boa para quem deseja morar na Itália é que o desemprego está em queda. Dados do Instituto Nacional de Estatística (Istat) apontam que a taxa caiu 0,2 ponto percentual em dezembro de 2018 e chegou a 10,3%.

    No entanto, a situação para os jovens ainda não é nada boa. A taxa entre os jovens de 15 a 24 anos subiu 0,1 ponto e atingiu 31,9%.

    Já o índice de ocupação em dezembro de 2018, por outro lado, subiu 0,1 ponto. Ele chegou a 58,8%, o nível mais alto desde o início da crise de 2008.

    Em relação ao salário, a Itália possui uma regra diferente do Brasil. Lá, eles seguem a lógica do mercado de trabalho.

    Portanto, as remunerações variam de acordo com a profissão, a formação do empregado e o nível do italiano, no caso de estrangeiros.

    No país, os sindicatos ou categorias profissionais são quem determinam a faixa salarial mínima que cada trabalhador deve receber pelos seus serviços prestados.

    As médias salariais são:

    – trabalhador pouco qualificado: de €1.100 a €1.590;
    – trabalhador com qualificação média: de €1.400 a €1.850;
    – trabalhador altamente qualificado: €1.900 a €2.500.

    Tipos de contrato de trabalho

    As empresas italianas costumam adotar um modelo de contrato de trabalho por tempo determinado. Assim, o funcionário desempenha uma atividade por um período específico e pode ser recontratado.

    Há, em média, nove tipos de contrato de trabalho na Itália. O mais cobiçado por estrangeiros e italianos é o contrato por tempo indeterminado, equivalente a uma carteira de trabalho assinada.

    As empresas italianas utilizam o contrato de trabalho por tempo determinado de até 36 meses. A prorrogação, por sua vez, pode acontecer até cinco vezes.

    Há ainda subcategorias dentro dessa modalidade. Os contratos podem durar 12 meses, 7 meses, 12 dias e até mesmo 3 dias.

    Outro contrato comum na Itália é o de trabalho intermitente. Ao assinar esse documento, você se coloca à disposição da empresa durante uma quantidade determinada de horas.

    Também existe o contrato por tempo parcial, praticado em caso de contratação para trabalhar poucas horas por dia.

    Outra possibilidade para quem deseja morar na Itália é assinar um contrato como aprendiz. Ele funciona como uma espécie de estágio.

    A experiência é boa principalmente para quem busca títulos na Itália, como mestrado e doutorado.

    No entanto, todos os contratos asseguram benefícios ao trabalhador, como 13º salário. E mais ainda: 14º salário e férias.

    Sonho de morar na Itália faz busca por cidadania crescer

    morar na ItáliaO número de brasileiros com passaporte italiano subiu 300%. Os dados são do Instituto Nacional de Estatística.

    A pesquisa, realizada em 2017, revela que o Brasil já é o sétimo país no ranking de nacionalidades com passaporte italianos.

    Portanto, ficamos atrás apenas de Albânia, Marrocos, Índia, Bangladesh, Paquistão e Macedônia.

    Segundo o Consolato Generale d’Italia San Paolo, a cidadania mais pedida é a jus sanguini.

    Afinal, de acordo com a Constituição Italiana, todo descendente, sem limites de geração, possui direito à cidadania italiana.

    Dessa maneira, o familiar antepassado pode dar origem à cidadania. Casar com uma pessoa cidadã da Itália também dá o direito ao reconhecimento de cidadania.

    Para consegui-la são necessárias as certidões de nascimento, casamento e óbito dos antepassados italianos. Os documentos devem ser traduzidos por tradutores juramentados, apostilados nos termos da Convenção de Haia, e apresentados ao Consulado Italiano.

    Entretanto, recentemente, 1.188 brasileiros tiveram a cidadania italiana cancelada. Eles abriram seus processos entre julho de 2015 e 2017, indicando residência na cidade de Ospedaletto Lodigiano.

    A justificativa para o cancelamento foi não terem apresentado as condições estabelecidas em lei para o reconhecimento da cidadania italiana, entre as quais, a residência.

    Xenofobia é um ponto negativo

    Apesar do número de desembarque de imigrantes ilegais na Itália ter caído, o país ainda registra diversos casos de xenofobia. Para que você não sofra consequências é ideal que consiga antecipadamente algum tipo de visto.

    Falar italiano é fundamental para aumentar suas chances de trabalho na Itália. Conheça também as diferenças culturais.

    Outra dica importante para quem vai morar na Itália é buscar oportunidades nas agências de emprego. Elas são responsáveis por intermediar a contratação de profissionais e divulgar as vagas abertas em diferentes regiões do país.

    No entanto, não esqueça de criar um currículo com padrão europeu. Informações sobre nacionalidade, idiomas e experiência profissional não podem faltar no documento.

    O que achou disso?

    Média da classificação 4.5 / 5. Número de votos: 2

    Seja o primeiro a avaliar este post.

    Lamentamos que este assunto não tenha sido útil para você!

    Diga-nos, como podemos melhorar?

    Rafael Massadar
    Rafael Massadar
    Carioca, amante de esportes e de viagens. Escolhi o jornalismo porque ele vive pelo mundo e conta histórias de pessoas e realidades distintas. Tenho experiência em redação e assessoria de imprensa. Atualmente, trabalho numa agência de marketing digital.

    Artigos Relacionados

    Assine nossa newsletter!

    Páginas Populares

    DEIXE UMA RESPOSTA

    Por favor digite seu comentário!
    Por favor, digite seu nome aqui

    InícioNotíciasViagemQue tal morar na Itália e ainda ganhar por isso?

    Que tal morar na Itália e ainda ganhar por isso?

    4.5
    (2)

    Já pensou em morar na Itália e receber 9 mil euros? Sim, é possível, em Locana, comuna no norte do país próximo às fronteiras com a França e a Suíça.

    Os governantes locais estão dispostos a pagar essa quantia por ano, durante um período de três anos. Para isso, basta que as famílias que tenham ao menos um filho e rendimento mínimo anual de 6 mil euros.

    De acordo com os políticos, a medida deve-se à redução da população no local. Segundo dados da câmara de Locana, o número de habitantes diminuiu de 7 mil pessoas no século passado para os atuais 1.500 habitantes.

    Portanto, o objetivo é atrair jovens que desejem viver nas montanhas e começar uma família. Tudo isso com incentivos que permitam trabalhar em casa ou começar um novo negócio na região.

    Outro caso surpreendente, um pouco mais ao norte, é a comuna italiana Borgomezzavalle, que possui apenas 320 habitantes. As casas da região estão sendo vendidas pelo valor simbólico de 1 euro.

    Além disso, são oferecidos mil euros para cada recém nascido. E outros 2 mil euros para qualquer pessoa que deseje iniciar um negócio no local.

    morar na Itália

    Desemprego em queda na Itália

    Uma notícia boa para quem deseja morar na Itália é que o desemprego está em queda. Dados do Instituto Nacional de Estatística (Istat) apontam que a taxa caiu 0,2 ponto percentual em dezembro de 2018 e chegou a 10,3%.

    No entanto, a situação para os jovens ainda não é nada boa. A taxa entre os jovens de 15 a 24 anos subiu 0,1 ponto e atingiu 31,9%.

    Já o índice de ocupação em dezembro de 2018, por outro lado, subiu 0,1 ponto. Ele chegou a 58,8%, o nível mais alto desde o início da crise de 2008.

    Em relação ao salário, a Itália possui uma regra diferente do Brasil. Lá, eles seguem a lógica do mercado de trabalho.

    Portanto, as remunerações variam de acordo com a profissão, a formação do empregado e o nível do italiano, no caso de estrangeiros.

    No país, os sindicatos ou categorias profissionais são quem determinam a faixa salarial mínima que cada trabalhador deve receber pelos seus serviços prestados.

    As médias salariais são:

    – trabalhador pouco qualificado: de €1.100 a €1.590;
    – trabalhador com qualificação média: de €1.400 a €1.850;
    – trabalhador altamente qualificado: €1.900 a €2.500.

    Tipos de contrato de trabalho

    As empresas italianas costumam adotar um modelo de contrato de trabalho por tempo determinado. Assim, o funcionário desempenha uma atividade por um período específico e pode ser recontratado.

    Há, em média, nove tipos de contrato de trabalho na Itália. O mais cobiçado por estrangeiros e italianos é o contrato por tempo indeterminado, equivalente a uma carteira de trabalho assinada.

    As empresas italianas utilizam o contrato de trabalho por tempo determinado de até 36 meses. A prorrogação, por sua vez, pode acontecer até cinco vezes.

    Há ainda subcategorias dentro dessa modalidade. Os contratos podem durar 12 meses, 7 meses, 12 dias e até mesmo 3 dias.

    Outro contrato comum na Itália é o de trabalho intermitente. Ao assinar esse documento, você se coloca à disposição da empresa durante uma quantidade determinada de horas.

    Também existe o contrato por tempo parcial, praticado em caso de contratação para trabalhar poucas horas por dia.

    Outra possibilidade para quem deseja morar na Itália é assinar um contrato como aprendiz. Ele funciona como uma espécie de estágio.

    A experiência é boa principalmente para quem busca títulos na Itália, como mestrado e doutorado.

    No entanto, todos os contratos asseguram benefícios ao trabalhador, como 13º salário. E mais ainda: 14º salário e férias.

    Sonho de morar na Itália faz busca por cidadania crescer

    morar na ItáliaO número de brasileiros com passaporte italiano subiu 300%. Os dados são do Instituto Nacional de Estatística.

    A pesquisa, realizada em 2017, revela que o Brasil já é o sétimo país no ranking de nacionalidades com passaporte italianos.

    Portanto, ficamos atrás apenas de Albânia, Marrocos, Índia, Bangladesh, Paquistão e Macedônia.

    Segundo o Consolato Generale d’Italia San Paolo, a cidadania mais pedida é a jus sanguini.

    Afinal, de acordo com a Constituição Italiana, todo descendente, sem limites de geração, possui direito à cidadania italiana.

    Dessa maneira, o familiar antepassado pode dar origem à cidadania. Casar com uma pessoa cidadã da Itália também dá o direito ao reconhecimento de cidadania.

    Para consegui-la são necessárias as certidões de nascimento, casamento e óbito dos antepassados italianos. Os documentos devem ser traduzidos por tradutores juramentados, apostilados nos termos da Convenção de Haia, e apresentados ao Consulado Italiano.

    Entretanto, recentemente, 1.188 brasileiros tiveram a cidadania italiana cancelada. Eles abriram seus processos entre julho de 2015 e 2017, indicando residência na cidade de Ospedaletto Lodigiano.

    A justificativa para o cancelamento foi não terem apresentado as condições estabelecidas em lei para o reconhecimento da cidadania italiana, entre as quais, a residência.

    Xenofobia é um ponto negativo

    Apesar do número de desembarque de imigrantes ilegais na Itália ter caído, o país ainda registra diversos casos de xenofobia. Para que você não sofra consequências é ideal que consiga antecipadamente algum tipo de visto.

    Falar italiano é fundamental para aumentar suas chances de trabalho na Itália. Conheça também as diferenças culturais.

    Outra dica importante para quem vai morar na Itália é buscar oportunidades nas agências de emprego. Elas são responsáveis por intermediar a contratação de profissionais e divulgar as vagas abertas em diferentes regiões do país.

    No entanto, não esqueça de criar um currículo com padrão europeu. Informações sobre nacionalidade, idiomas e experiência profissional não podem faltar no documento.

    O que achou disso?

    Média da classificação 4.5 / 5. Número de votos: 2

    Seja o primeiro a avaliar este post.

    Lamentamos que este assunto não tenha sido útil para você!

    Diga-nos, como podemos melhorar?