Cursos que transformam sua vida financeira
Mais
    InícioNotíciasEconomiaSaiba o que muda com a chegada do Open Banking

    Saiba o que muda com a chegada do Open Banking

    0
    (0)

    O Banco Central inicia, em fevereiro, a primeira fase do open banking. Ela consiste no compartilhamento de dados bancários para melhorar a oferta de serviços financeiros.

    Publicidade

    Essa fase começaria a vigorar no fim de novembro de 2020, mas foi adiada para este mês a pedido das instituições financeiras. Com isso, apenas o Pix entrou em uso.

    Consequentemente, o cronograma do open banking que tem quatro etapas também sofreu ajustes.

    A segunda fase passou de 31 de maio para 15 de julho. A terceira foi mantida para 30 de agosto. A quarta e última fase foi transferida de 25 de outubro para 15 de dezembro.

    Na etapa final, as instituições financeiras poderão trocar informações entre si para oferecer produtos personalizados a cada cliente.

    Mudanças com a chegada do Open Banking

    A chegada do Open Banking abre um horizonte de crescimento para o setor financeiro. É o que diz o product manager da fintech Juno, especializada em desburocratização de serviços financeiros, Gabriel Falk.

    Publicidade

    Ele ressalta que o modelo vai incluir ainda mais fintechs no sistema bancário. O que, segundo o especialista, aumentará o campo de atuação dessas empresas e tornará o mercado bancário/financeiro ainda mais digital.

    Isso porque, no Brasil, cerca de cinco bancos concentram 85% dos ativos do segmento. De 2019 para 2020, houve aumento de 34% de fintechs, saltando de 553 para 742, conforme o Distrito Fintech Report do ano passado.

    Gabriel Falk afirma ainda que uma das grandes novidades é que haverá visibilidade entre as instituições. Na sua percepção, isso permitirá a comparação de taxas, algo mais complexo atualmente.

    “Essa transparência vai impedir a manutenção de preços muito elevados. Como haverá uma competitividade entre os preços, são grandes as possibilidades de que os preços de produtos caiam”, explica.

    O que vem por aí?

    No ano passado, de acordo com números do Banco Central, o maior volume de uso do Pix foi na modalidade entre pessoas físicas – 85% em novembro e dezembro.

    Publicidade

    Para Gabriel Falk, há duas novidades do Pix que devem fazer com que o sistema seja mais usado também entre empresas, aumentando o seu potencial de aplicações ao longo do ano.

    Open Banking
    Próximos passos do Open Banking: “Pix Cobrança” e “Pix Garantido” devem aumentar volume de transações do sistema em 2021

    A partir de março, será possível incluir juros, multas, desconto e data de vencimento – a exemplo dos boletos bancários. Será o chamado “Pix Cobrança”.

    “Por enquanto, o Pix tem sido usado mais como transferência bancária. Até março, espera-se que essas melhorias façam com que o Pix Cobrança se torne mais aplicado por empresas”, explica Falk.

    A segunda inovação do Open Banking está relacionada ao que se convém chamar de “Pix Garantido”, que visa simular o funcionamento de um cartão de crédito. Trata-se de uma compra que será paga em parcelas e cuja projeção é para entrar em vigor ainda no primeiro semestre.

    “A ideia é pegar este recurso disponível e congelá-lo em algumas parcelas, como se fosse uma transação parcelada”, ressalta o especialista.

    Publicidade

    A diferença está no fato de que, com o Pix, é preciso ter o dinheiro disponível, enquanto com o cartão de crédito se trabalha com a possibilidade de receber aquele recurso no futuro. “Será um formato seguro, considerando que se faz uma reserva do recurso”, acrescenta.

    Não é segredo que o pagamento em parcelas é do gosto do brasileiro. “A expectativa é que o Pix ganhe mais este método de uso, com a possibilidade de transações à vista ou a prazo”, diz Falk.

    Em 2019, mais da metade dos brasileiros adultos – 53% – realizou compras parceladas, segundo pesquisa da Confederação Nacional dos Dirigentes Lojistas (CNDL) e SPC Brasil.

    O país contava com 122 milhões de cartões de créditos ativos – mais de 221 milhões emitidos – no fim de 2019, segundo o último dado disponibilizado pelo BC.

    Você tem dúvida em distinguir o Open Banking dos bancos digitais? O FinanceOne traz as principais diferenças entre eles. Confira!

    O que achou disso?

    Média da classificação 0 / 5. Número de votos: 0

    Seja o primeiro a avaliar este post.

    Lamentamos que este assunto não tenha sido útil para você!

    Diga-nos, como podemos melhorar?

    Rafael Massadar
    Rafael Massadar
    Carioca, amante de esportes e de viagens. Escolhi o jornalismo porque ele vive pelo mundo e conta histórias de pessoas e realidades distintas. Tenho experiência em redação e assessoria de imprensa. Atualmente, trabalho numa agência de marketing digital.

    Artigos Relacionados

    Assine nossa newsletter!

    Páginas Populares

    DEIXE UMA RESPOSTA

    Por favor digite seu comentário!
    Por favor, digite seu nome aqui

    InícioNotíciasEconomiaSaiba o que muda com a chegada do Open Banking

    Saiba o que muda com a chegada do Open Banking

    0
    (0)

    O Banco Central inicia, em fevereiro, a primeira fase do open banking. Ela consiste no compartilhamento de dados bancários para melhorar a oferta de serviços financeiros.

    Publicidade

    Essa fase começaria a vigorar no fim de novembro de 2020, mas foi adiada para este mês a pedido das instituições financeiras. Com isso, apenas o Pix entrou em uso.

    Consequentemente, o cronograma do open banking que tem quatro etapas também sofreu ajustes.

    A segunda fase passou de 31 de maio para 15 de julho. A terceira foi mantida para 30 de agosto. A quarta e última fase foi transferida de 25 de outubro para 15 de dezembro.

    Na etapa final, as instituições financeiras poderão trocar informações entre si para oferecer produtos personalizados a cada cliente.

    Mudanças com a chegada do Open Banking

    A chegada do Open Banking abre um horizonte de crescimento para o setor financeiro. É o que diz o product manager da fintech Juno, especializada em desburocratização de serviços financeiros, Gabriel Falk.

    Publicidade

    Ele ressalta que o modelo vai incluir ainda mais fintechs no sistema bancário. O que, segundo o especialista, aumentará o campo de atuação dessas empresas e tornará o mercado bancário/financeiro ainda mais digital.

    Isso porque, no Brasil, cerca de cinco bancos concentram 85% dos ativos do segmento. De 2019 para 2020, houve aumento de 34% de fintechs, saltando de 553 para 742, conforme o Distrito Fintech Report do ano passado.

    Gabriel Falk afirma ainda que uma das grandes novidades é que haverá visibilidade entre as instituições. Na sua percepção, isso permitirá a comparação de taxas, algo mais complexo atualmente.

    “Essa transparência vai impedir a manutenção de preços muito elevados. Como haverá uma competitividade entre os preços, são grandes as possibilidades de que os preços de produtos caiam”, explica.

    O que vem por aí?

    No ano passado, de acordo com números do Banco Central, o maior volume de uso do Pix foi na modalidade entre pessoas físicas – 85% em novembro e dezembro.

    Publicidade

    Para Gabriel Falk, há duas novidades do Pix que devem fazer com que o sistema seja mais usado também entre empresas, aumentando o seu potencial de aplicações ao longo do ano.

    Open Banking
    Próximos passos do Open Banking: “Pix Cobrança” e “Pix Garantido” devem aumentar volume de transações do sistema em 2021

    A partir de março, será possível incluir juros, multas, desconto e data de vencimento – a exemplo dos boletos bancários. Será o chamado “Pix Cobrança”.

    “Por enquanto, o Pix tem sido usado mais como transferência bancária. Até março, espera-se que essas melhorias façam com que o Pix Cobrança se torne mais aplicado por empresas”, explica Falk.

    A segunda inovação do Open Banking está relacionada ao que se convém chamar de “Pix Garantido”, que visa simular o funcionamento de um cartão de crédito. Trata-se de uma compra que será paga em parcelas e cuja projeção é para entrar em vigor ainda no primeiro semestre.

    “A ideia é pegar este recurso disponível e congelá-lo em algumas parcelas, como se fosse uma transação parcelada”, ressalta o especialista.

    Publicidade

    A diferença está no fato de que, com o Pix, é preciso ter o dinheiro disponível, enquanto com o cartão de crédito se trabalha com a possibilidade de receber aquele recurso no futuro. “Será um formato seguro, considerando que se faz uma reserva do recurso”, acrescenta.

    Não é segredo que o pagamento em parcelas é do gosto do brasileiro. “A expectativa é que o Pix ganhe mais este método de uso, com a possibilidade de transações à vista ou a prazo”, diz Falk.

    Em 2019, mais da metade dos brasileiros adultos – 53% – realizou compras parceladas, segundo pesquisa da Confederação Nacional dos Dirigentes Lojistas (CNDL) e SPC Brasil.

    O país contava com 122 milhões de cartões de créditos ativos – mais de 221 milhões emitidos – no fim de 2019, segundo o último dado disponibilizado pelo BC.

    Você tem dúvida em distinguir o Open Banking dos bancos digitais? O FinanceOne traz as principais diferenças entre eles. Confira!

    O que achou disso?

    Média da classificação 0 / 5. Número de votos: 0

    Seja o primeiro a avaliar este post.

    Lamentamos que este assunto não tenha sido útil para você!

    Diga-nos, como podemos melhorar?