Pagamento de dívidas: como fugir da cilada dos bancos na crise | FinanceOne

Pagamento de dívidas: como fugir da cilada dos bancos na crise

Escrito por: Mateus Carvalho em 24 de abril de 2020

As instituições financeiras tomaram diversas medidas para ajudar os clientes no pagamento de dívidas, o que pode ser considerado um alívio no momento de crise. Um exemplo foi a possibilidade de prorrogar o pagamento das contas durante a pandemia.

Essa medida foi anunciada pelos maiores bancos do país, sendo eles: o Itaú, Santander, Bradesco, Banco do Brasil e Caixa Econômica Federal. As pessoas podem adiar o pagamento de dívidas por até 60 dias do vencimento. Mas será que isso é mesmo uma boa ideia?

A resposta é depende. Isso porque ao realizar o adiamento do pagamento de dívidas, você pode acabar pagando juros por tomar essa decisão.

renegociar a dívida
Antes de aceitar a proposta do banco, é recomendado analisar a taxa de juros

Além disso, os consumidores que resolveram adiar o pagamento das contas encontraram canais de atendimentos sobrecarregados. E isso ocorreu apenas para receber uma proposta de renegociação do débito com os valores superiores ao do contrato atual.

É importante deixar claro que o comunicado da Federação Brasileira de Bancos (Febraban) estabelece que pessoas físicas, micro e pequenas empresas com pagamentos em dia poderão adiar as parcelas de empréstimos e financiamentos em andamento.

+ Como renegociar dívidas e reduzir contas na quarentena?

Bancos haviam prometido adiar pagamento de dívidas sem multa

Quando foi divulgado que os consumidores poderiam adiar o pagamento das dívidas, algumas instituições não falaram que teria cobranças de juros por isso.

É o caso do Itaú, que está renegociando os contratos de empréstimos, porém na propaganda não informava que seriam cobrados mais juros por isso.

Os clientes também estão com dificuldades em obter as informações de como prorrogar o pagamento das contas e outros ainda tiveram o pedido negado.

Vale ressaltar que não existe um padrão de regras entre os pagamentos para o adiamento das dívidas. Por isso, ao ligar para solicitar a pausa do pagamento de prestações e/ou contas, verifique quais são as condições oferecidas pelas instituições financeiras.

Isso porque os bancos estão realizando a renegociação do contrato e ajustando as parcelas com juros. E é importante lembrar que os juros do crédito no Brasil são elevados e devem ser evitados.

Caso o adiamento do pagamento das contas tenha juros, esta decisão deverá ser a última opção. Procure por alternativas para não acabar pagando muito mais do que você devia antes.

Uma dica é realizar o levantamento de todas as suas despesas atuais para saber quais mudanças poderão ser feitas para que você consiga pagar as parcelas das suas dívidas. Lembre-se que o isolamento social altera o orçamento das famílias.

Muitas pessoas podem estar economizando com combustível e transporte, porém gastando mais com comida e luz por exemplo.

+ Bancos adotam medidas para minimizar impacto do coronavírus

Evite o acúmulo de parcelas para o pagamento de dívidas

É evidente o momento de crise que o país tem enfrentado. A pandemia do coronavírus afetou em cheio a Saúde Pública, mas também tem sido um alarmante em várias outras áreas, do comércio à economia.

As empresas têm passado por dificuldades em manter todos os seus funcionários. Os autônomos não têm tido o mesmo sucesso como antigamente para realizarem seus serviços. Dessa forma, as despesas aumentam.

Nesse atual cenário, a prioridade para o brasileiro deve ser em manter o essencial para o dia a dia. É muito difícil alguém já vir se preparando para enfrentar uma crise como essa em questões financeiras, embora fosse o certo.

Muitas pessoas não tem dinheiro em reserva para que se mantenham seguros durante essa pandemia e lhe permitam uma tranquilidade. É viver um dia de cada vez e se resguardar. Com isso, o momento é o de evitar muitas compras, dívidas e principalmente as parceladas.

Dar uma desafogada nas contas será essencial nesse momento para ajustar as dívidas e tentar manter apenas o essencial dentro do orçamento. Além disso, nesse cenário de bancos cobrando juros por adiamento, quanto menor for o seu acúmulo de dívidas melhor.

Bancos digitais também adotam medidas em época de pandemia

Além das principais grandes instituições, alguns bancos digitais também adotaram medidas para minimizar os impactos do novo coronavírus. Entre eles, o Nubank.

O Nubank criou um fundo de 20 milhões de reais para o período da pandemia, oriundos de marketing e fintech.

De acordo com a empresa, o objetivo é ajudar seus usuários com atendimento médico e psicológico. Além de compras em supermercados, farmácia e mais necessidades consideradas por eles como ‘básicas e essenciais’.

O Nubank fez algumas parcerias para essa medidas com as empresas de delivery iFood e Rappi, além do aplicativo de pet shop Zee Dog e do Hospital Sírio-Libanês. Para obter alguma das vantagens, o cliente precisa entrar em contato com o Nubank, que treinou sua equipe para suporte nesse período.

Mateus Carvalho

Jornalista formado pela Unicarioca. Atualmente, repórter da Folha Dirigida e produtor de conteúdo no FinanceOne. Já fui colaborador do Torcedores.com.

Deixe uma resposta

Precisa converter?

A calculadora de conversão do FinanceOne fornece os últimos valores cotados para diversas moedas. Acesse agora!

Converter agora

Posts relacionados

cartão de crédito
falar de dinheiro em casa
Homem mexendo no celular para consultar as plataformas de afiliados
FGTS rende mais que a Selic