Cursos que transformam sua vida financeira
Mais
    InícioNotíciasEconomiaSenado aprova projeto que limita ICMS na gasolina e energia elétrica. Entenda!

    Senado aprova projeto que limita ICMS na gasolina e energia elétrica. Entenda!

    0
    (0)

    Na segunda-feira, 13 de junho, o Senado Federal aprovou o projeto de lei que limita as alíquotas de ICMS sobre alguns produtos e serviços. Com ela, o preço da gasolina e da energia elétrica poderão ser contidos. 

    Publicidade

    O PL quer impedir que a aplicação de alíquotas cobradas sobre bens e serviços essenciais, como gasolina e energia, seja igual às cobradas em supérfluos. A proposta também engloba gás natural, transporte coletivo e comunicações.

    O Projeto de Lei Complementar (PLP) 18/2022 recebeu 65 votos a favor e 12 contrários. Agora o texto volta para a Câmara para nova análise após as emendas inseridas no projeto.

    Quer entender o que é essa proposta e como ela afeta os preços de combustíveis e energia? Então continue lendo o artigo!

    O que é ICMS e como ele afeta o preço da gasolina e energia?

    ICMS é o Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços. Trata-se de um tributo estadual, portanto o seu valor é definido pelos estados e pelo Distrito Federal.

    Ele incide toda vez que um produto ou serviço circula entre cidades e estados. Ou ainda, em trocas comerciais de pessoas jurídicas para pessoas físicas (como compras em lojas, por exemplo). 

    Publicidade

    Na prática, o ICMS está presente em quase tudo no dia a dia do brasileiro: na compra de mercadorias, em serviços de transporte e telecomunicações etc. 

    O ICMS também afeta a gasolina e a conta de luz, porque ele incide sempre que há entrada de petróleo e de energia em um estado, não destinados à comercialização ou à industrialização. 

    Mas existem exceções! Operações com livros, insumos agrícolas e compra de veículos adaptados, por exemplo, são isentos da alíquota. Assim como outras situações previstas na lei que regulamenta o imposto.

    Homem abastecendo carro
    Proposta quer limitar alíquota do ICMS na gasolina

    Como o novo projeto de lei afeta o ICMS sobre a gasolina?

    O que o novo projeto de lei faz é estabelecer combustíveis, energia, gás natural, comunicações e transportes coletivos como bens e serviços essenciais. E, sendo essenciais, a alíquota cobrada sobre eles deve ser limitada.

    Portanto, com o projeto virando lei, os estados não poderão cobrar uma taxa superior à alíquota geral de ICMS, que varia entre 17% e 18%. 

    Publicidade

    Atualmente, esses percentuais podem passar de 30% em alguns estados. Portanto, se o projeto for para frente, o corte no imposto deve impactar o preço desses bens e serviços. 

    O relator do projeto no Senado, Fernando Bezerra, explicou que o PLP poderia derrubar em R$1,65 o preço da gasolina e em R$0,76 o preço do diesel. Mas isso não significa um barateamento direto para o consumidor, mas sim uma contenção a mais na alta dos preços.

    “Não estamos tabelando preço. Tem uma guerra na Ucrânia, a Rússia é responsável por 25% da produção de diesel no mundo, os preços estão tensionados. É evidente que pode haver elevação de preços. Mas, mesmo que haja, isso vai ajudar a não subir muito mais do que subiria.”

    Logicamente, essa limitação do imposto geraria uma perda de arrecadação para os estados – principalmente porque o ICMS é uma das principais fontes de arrecadação para eles. 

    Por isso, o PL prevê um regime de compensação. Ou seja, a União compensaria os entes que precisassem refinanciar dívidas e aderir ao Regime de Recuperação Fiscal (RRF) por causa dessa redução. 

    Publicidade

    Projeto de Lei ainda precisa passar pela Câmara

    A redução do ICMS sobre a gasolina e energia ainda não é lei. Para efetivamente virar uma lei, o texto ainda precisa ser analisado de novo na Câmara dos Deputados e depois ser sancionado pelo presidente Jair Bolsonaro.

    Todo esse processo ainda pode levar semanas, ainda que o projeto de lei tramite em regime de urgência. 

    Segundo informações da Folha, líderes de estados falam em barrar a proposta no STF – Supremo Tribunal Federal. Afinal, a perda de arrecadação não será vantajosa para eles. 

    O presidente do Comsefaz – Comitê Nacional dos Secretários de Fazenda dos Estados e do DF –, Décio Padilha, foi um dos que criticou a medida. De acordo com ele, o impacto do congelamento do ICMS nos combustíveis será de R$37 bilhões só neste ano.

    Ele ainda citou que a frustração de receita real gira em torno de R$17 bilhões.

    “Mesmo com essa significativa perda de receitas, a Câmara dos Deputados agora pretende aprovar projeto cujo impacto financeiro para os estados e o Distrito Federal poderá ser entre R$64,2 bilhões e R$83,5 bilhões por ano, o que torna impraticável levar este projeto adiante.”

    Do outro lado, o presidente da Câmara, Arthur Lira, e o ministro Paulo Guedes argumentam que os governadores estão com caixas cheios e que é preciso devolver essa receita à população. 

    A postura, dizem especialistas, tem a ver com o esforço de melhorar a popularidade de Bolsonaro para as eleições. 

    Gostou do conteúdo? Que tal aprender mais sobre o ICMS? Leia: entenda o que é, quem paga e como calcular o Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços.

    O que achou disso?

    Média da classificação 0 / 5. Número de votos: 0

    Seja o primeiro a avaliar este post.

    Lamentamos que este assunto não tenha sido útil para você!

    Diga-nos, como podemos melhorar?

    Tamires Silva
    Tamires Silva
    Jornalista e Redatora do FinanceOne, onde suas finanças começam.

    Artigos Relacionados

    Assine nossa newsletter!

    Páginas Populares

    DEIXE UMA RESPOSTA

    Por favor digite seu comentário!
    Por favor, digite seu nome aqui

    InícioNotíciasEconomiaSenado aprova projeto que limita ICMS na gasolina e energia elétrica. Entenda!

    Senado aprova projeto que limita ICMS na gasolina e energia elétrica. Entenda!

    0
    (0)

    Na segunda-feira, 13 de junho, o Senado Federal aprovou o projeto de lei que limita as alíquotas de ICMS sobre alguns produtos e serviços. Com ela, o preço da gasolina e da energia elétrica poderão ser contidos. 

    Publicidade

    O PL quer impedir que a aplicação de alíquotas cobradas sobre bens e serviços essenciais, como gasolina e energia, seja igual às cobradas em supérfluos. A proposta também engloba gás natural, transporte coletivo e comunicações.

    O Projeto de Lei Complementar (PLP) 18/2022 recebeu 65 votos a favor e 12 contrários. Agora o texto volta para a Câmara para nova análise após as emendas inseridas no projeto.

    Quer entender o que é essa proposta e como ela afeta os preços de combustíveis e energia? Então continue lendo o artigo!

    O que é ICMS e como ele afeta o preço da gasolina e energia?

    ICMS é o Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços. Trata-se de um tributo estadual, portanto o seu valor é definido pelos estados e pelo Distrito Federal.

    Ele incide toda vez que um produto ou serviço circula entre cidades e estados. Ou ainda, em trocas comerciais de pessoas jurídicas para pessoas físicas (como compras em lojas, por exemplo). 

    Publicidade

    Na prática, o ICMS está presente em quase tudo no dia a dia do brasileiro: na compra de mercadorias, em serviços de transporte e telecomunicações etc. 

    O ICMS também afeta a gasolina e a conta de luz, porque ele incide sempre que há entrada de petróleo e de energia em um estado, não destinados à comercialização ou à industrialização. 

    Mas existem exceções! Operações com livros, insumos agrícolas e compra de veículos adaptados, por exemplo, são isentos da alíquota. Assim como outras situações previstas na lei que regulamenta o imposto.

    Homem abastecendo carro
    Proposta quer limitar alíquota do ICMS na gasolina

    Como o novo projeto de lei afeta o ICMS sobre a gasolina?

    O que o novo projeto de lei faz é estabelecer combustíveis, energia, gás natural, comunicações e transportes coletivos como bens e serviços essenciais. E, sendo essenciais, a alíquota cobrada sobre eles deve ser limitada.

    Portanto, com o projeto virando lei, os estados não poderão cobrar uma taxa superior à alíquota geral de ICMS, que varia entre 17% e 18%. 

    Publicidade

    Atualmente, esses percentuais podem passar de 30% em alguns estados. Portanto, se o projeto for para frente, o corte no imposto deve impactar o preço desses bens e serviços. 

    O relator do projeto no Senado, Fernando Bezerra, explicou que o PLP poderia derrubar em R$1,65 o preço da gasolina e em R$0,76 o preço do diesel. Mas isso não significa um barateamento direto para o consumidor, mas sim uma contenção a mais na alta dos preços.

    “Não estamos tabelando preço. Tem uma guerra na Ucrânia, a Rússia é responsável por 25% da produção de diesel no mundo, os preços estão tensionados. É evidente que pode haver elevação de preços. Mas, mesmo que haja, isso vai ajudar a não subir muito mais do que subiria.”

    Logicamente, essa limitação do imposto geraria uma perda de arrecadação para os estados – principalmente porque o ICMS é uma das principais fontes de arrecadação para eles. 

    Por isso, o PL prevê um regime de compensação. Ou seja, a União compensaria os entes que precisassem refinanciar dívidas e aderir ao Regime de Recuperação Fiscal (RRF) por causa dessa redução. 

    Publicidade

    Projeto de Lei ainda precisa passar pela Câmara

    A redução do ICMS sobre a gasolina e energia ainda não é lei. Para efetivamente virar uma lei, o texto ainda precisa ser analisado de novo na Câmara dos Deputados e depois ser sancionado pelo presidente Jair Bolsonaro.

    Todo esse processo ainda pode levar semanas, ainda que o projeto de lei tramite em regime de urgência. 

    Segundo informações da Folha, líderes de estados falam em barrar a proposta no STF – Supremo Tribunal Federal. Afinal, a perda de arrecadação não será vantajosa para eles. 

    O presidente do Comsefaz – Comitê Nacional dos Secretários de Fazenda dos Estados e do DF –, Décio Padilha, foi um dos que criticou a medida. De acordo com ele, o impacto do congelamento do ICMS nos combustíveis será de R$37 bilhões só neste ano.

    Ele ainda citou que a frustração de receita real gira em torno de R$17 bilhões.

    “Mesmo com essa significativa perda de receitas, a Câmara dos Deputados agora pretende aprovar projeto cujo impacto financeiro para os estados e o Distrito Federal poderá ser entre R$64,2 bilhões e R$83,5 bilhões por ano, o que torna impraticável levar este projeto adiante.”

    Do outro lado, o presidente da Câmara, Arthur Lira, e o ministro Paulo Guedes argumentam que os governadores estão com caixas cheios e que é preciso devolver essa receita à população. 

    A postura, dizem especialistas, tem a ver com o esforço de melhorar a popularidade de Bolsonaro para as eleições. 

    Gostou do conteúdo? Que tal aprender mais sobre o ICMS? Leia: entenda o que é, quem paga e como calcular o Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços.

    O que achou disso?

    Média da classificação 0 / 5. Número de votos: 0

    Seja o primeiro a avaliar este post.

    Lamentamos que este assunto não tenha sido útil para você!

    Diga-nos, como podemos melhorar?