Início Notícias Investimentos O modelo de proteção do investidor no Brasil

O modelo de proteção do investidor no Brasil

0
(0)

Qualquer investimento apresenta risco. Em maior ou menor grau, mas apresenta. Por isso, se você decidiu investir, é bom entender o modelo de proteção do investidor adotado no Brasil.

Quanto maior a expectativa de retorno ou rentabilidade, maiores são também os riscos de perder parte ou todo o dinheiro investido. Não se trata da possibilidade de ser enganado ou cair em algum golpe. São os riscos naturais do mercado financeiro.

O primeiro passo para garantir a proteção do investidor é ser realista quanto a sua situação. É importante fazer uma avaliação fiel à realidade, analisando situação financeira atual e objetivos pretendidos. E isso a curto, médio e longo prazos.

Proteção do investidor

Um bom planejamento pode resolver isso. Assim você controla seu orçamento, analisa despesas e receitas, e identifica suas possibilidades de investimento. Escolher com cautela o melhor investimento para você (de acordo com seu perfil de investidor e o montante de dinheiro disponível) é o melhor caminho para estar seguro.

Outras dicas para você mesmo garantir sua proteção são equilibrar as finanças e formar uma reserva para emergências. No mais, muito cuidado onde e com quem você investe.

A Comissão de Valores Mobiliários (CVM) é quem regula o mercado de investimentos. O órgão recebe, constantemente, várias denúncias de ofertas irregulares, realizadas por pessoas não autorizadas a exercer essas atividades. Em muitos casos, o golpe é descoberto só depois da entrega do dinheiro, quando já não há como recuperá-lo.

Como garantir a proteção do investidor

A orientação da CVM é que, antes de investir ou sempre que receber uma oferta de investimento, você deve verificar:

  • Se a pessoa está autorizada a oferecer títulos ou valores mobiliários ao público;
  • Se esses investimentos, de fato, existem.

Geralmente, o contato com o investidor é feito por uma das entidades autorizadas a intermediar operações no mercado. São as corretoras, distribuidoras e bancos. E todos devem ser registrados junto à CVM para o exercício dessa atividade.

O mesmo vale para agentes autônomos de investimento. São pessoas contratadas por essas instituições para contatar investidores. Os autônomos também devem ter registro na CVM e possuir vínculo com a entidade que dizem representar. Lembrando que esses agentes fazem a ponte entre o investidor e a entidade. Eles são proibidos de receber os recursos do investidor e de administrar seus investimentos.

O registro de corretoras, distribuidoras, bancos e agentes autônomos pode ser consultado no site da CVM. Basta acessar “Participantes de Mercado” em “Acesso Rápido” e fazer a consulta.

A CVM alerta em seu site:

“Não acredite em promessas de ganhos fáceis ou muito elevados, nem leve em consideração boatos, dicas e informações de fontes não autorizadas a aconselhar investimentos. INVESTIGUE antes de INVESTIR.”

Mudanças no Fundo Garantidor de Crédito

empresa de sucessoO Fundo Garantidor de Crédito (FGC) protege os investidores em caso de empresas que quebram. Esse Fundo, criado em 1995, é uma entidade privada que existe para garantir a manutenção da estabilidade do Sistema Financeiro Nacional, protegendo o investidor e evitando um cenário de crise bancária no país.

Nos investimentos de Renda Fixa, havia uma cobertura de até R$250 mil por CPF e por instituição, em situações em que o emissor não consegue arcar com sua obrigação.

Mas no dia 21 de dezembro do ano passado, o Conselho Monetário Nacional aprovou a mudança do FGC. O limite passou a ser de R$1 milhão para cada credor, a cada quatro anos. Já o limite de garantia ordinária, de R$250 mil por instituição, permanece o mesmo.

A nova regra começou a valer no dia 22 de dezembro, para novos investimentos a partir daí. No caso de dos contratos feitos até o dia anterior, valem as regras antigas.

O período de quatro anos começa a ser contato a partir da data da liquidação ou intervenção nas instituições financeiras onde o investidor tem valores.

Foi aprovada também a extensão da garantia ordinária a credores não residentes no Brasil. Além disso, foram incluídas alterações no estatuto e no regulamento do Fundo. Segundo o Banco Central, o objetivo é aprimorar a governança.

O FGC cobre proteção de diversos produtos de investimento, como poupança, CDB, LCI e LCA.

O que achou disso?

Deixei sua classificação

Média da classificação 0 / 5. Número de votos: 0

Seja o primeiro a avaliar este post.

Redação
O FinanceOne é um site especializado em finanças. Desde 2003, publicamos conteúdos que buscam traduzir desde a influência do mercado financeiro no seu dia a dia até a simples economia dentro de casa. Nossa missão é mostrar que qualquer pessoa pode ter controle financeiro e fazer as escolhas certas. Assim como ter no dinheiro um aliado para viver bem e conquistar seus sonhos.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Auxílio emergencial: confira calendário para os reavaliados

O Ministério da Cidadania publicou nesta sexta-feira, 27, um novo calendário de pagamento para as parcelas do auxílio emergencial. Este calendário é...

4 carreiras promissoras no setor de beleza para 2021

O segmento da beleza não para de crescer no Brasil. Nosso país, por exemplo, é considerado o terceiro maior mercado consumidor do...

Nubank x Inter: compare os cartões sem anuidade

Os cartões sem anuidade estão ganhando cada vez mais espaço no mercado e no coração dos brasileiros. Com tantas opções pode ser...

Black Friday 2020: confira os melhores sites e ofertas

Você já se preparou para as ofertas da Black Friday 2020? Está com a lista de compras feita e separada para aproveitar...

5 dicas para saber se uma loja virtual é confiável

A pandemia da Covid-19 impulsionou o e-commerce e a Black Friday deve alavancar ainda mais as vendas online. Cerca de 80% dos...

Salário mínimo na Suíça chega a R$25 mil

Você já se perguntou quanto é o salário mínimo na Suíça, mesmo que seja só por curiosidade? Se a resposta é sim,...