Conversor de moedas

Veja a cotação do Dólar Hoje, Euro hoje e Bitcoin hoje.

Quanto custa demitir um funcionário?

Escrito por: Mateus Carvalho em 16 de agosto de 2018

Você já se perguntou quanto custa demitir um funcionário? Para uma empresa, demitir um empregado é uma decisão que requer planejamento financeiro e saldo suficiente na conta da instituição.

Isso porque essa ação tem custos elevados, além de um curto tempo para realizar o pagamento de todas as indenizações.

custa demitir um funcionário
O custo de demitir um funcionário varia de acordo com cada tipo de demissão

Qualquer empresa é obrigada a pagar os valores de indenização até o décimo dia corrido. Este deverá contar a partir do dia do aviso da demissão do funcionário, ou um dia útil, para o caso de o empregado cumprir aviso prévio. Aprenda como calcular a rescisão contratual.

Existem diversos casos que podem acarretar na dispensa de um empregado e, consequentemente, o custo de demitir um funcionário. Por isso, é importante que a empresa saiba o valor exato do custo, para que não seja multada.

Isso porque se a instituição não pagar tudo o que deve ao empregado, ela pode ser punida e ter que pagar mais um salário mínimo ao funcionário. Descubra quais são as 20 profissões em alta no Brasil em 2018

Quanto custa demitir um funcionário para cada tipo de dispensa

Cado tipo de rescisão pede alguns cuidados e obrigações diferentes. Se você quer saber quanto custa demitir um funcionário, confira abaixo os diferentes pagamentos que devem ser realizados para cada situação. Todas as ocasiões são de acordo com a Consolidação das Leis do Trabalho (CLT).

Demissão sem justa causa

Essa situação ocorre quando a empresa decide dispensar um funcionário em qualquer momento, sem causar nenhum tipo de prejuízo no salário do empregado.

Dessa forma, existem diversas obrigações, que são determinadas pela lei empregatícia, e que o funcionário precisa cumprir.

– 13º salário: este deve ser pago proporcional aos meses que o funcionário trabalhou na empresa, antes de ser demitido;

– Férias: deverão ser pagas as férias adquiridas, proporcionais, além de 1/3. É o que afirma a constituição.

– Salário: o empregado deve receber por todos os dias trabalhados. Estes deverão contar até a data em que foi demitido, além de serem incluídos a comissão e horas extras, caso existam.

– Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS): essa é uma das obrigações das instituições. É necessário que as empresas paguem uma multa que é equivalente a 50% dos depósitos do FGTS, que são realizados na conta do funcionário. Desse total, 40% da multa vai para o empregado e 10% são impostos.

Pedido de demissão

Esse caso ocorre quando o próprio empregado solicita a rescisão do contrato, por diversos motivos.

Para esse tipo de demissão, a empresa deverá arcar com os seguintes tópicos:

– Aviso prévio: o funcionário deverá cumprir o período de aviso prévio. É necessário realizar o aviso, para que a empresa possa admitir um novo empregado a tempo de substituir o antigo. Em caso de recusa do funcionário, este deverá pagar uma multa no valor de um mês trabalhado para a instituição. Porém, caso a empresa dispense o aviso prévio, não é necessário pagar pela multa.

– 13º salário: deverá ser pago proporcional ao período que o empregado esteve na empresa durante o ano.

– Férias: nesse caso deverão ser levadas em conta duas situações. A primeira é quando o funcionário passou menos de um ano na empresa. Dessa forma, a instituição deve somente pagar o valor proporcional ao período que permaneceu na empresa. Já a segunda é se o empregado trabalha há mais de um ano, aí é preciso pagar as férias adquiridas e as proporcionais.

– Salário: a empresa deverá pagar o salário proporcional aos dias trabalhados até a data da demissão.

Demissão por justa causa

Esse tipo de desligamento da empresa é considerado delicado, porque é necessário ter provas para comprovar o motivo da demissão do funcionário.

De acordo com a CLT, as demissões por justa causa podem ocorrer pelos seguintes motivos:

– Assédio sexual;

– Atos de desonestidade;

– Se o empregado for condenado por algum crime e não tenha cumprido a pena ainda;

– Realizar negociações sem a permissão da empresa, principalmente se ocorrer com as instituições concorrentes. Além dessas ações poderem causar prejuízos aos negócios da empresa;

– Se o funcionário estiver constantemente embriagado;

– Negligência na realização das atividades;

– Caso o trabalhador abandone o emprego;

– Se o funcionário cometer algum ato de indisciplina ou insubordinação;

–  Transmitir informações sigilosas da instituição, sem autorização da mesma;

– Práticas de jogos de azar;

– Agressões verbais e/ou físicas, praticadas contra qualquer outro funcionário da empresa, exceto para o caso de legítima defesa.

No caso de todas essas situações, a empresa precisa ter todas as provas em mãos para poder se precaver de qualquer processo judicial. Este também pode ser considerado mais um custo para a demissão. Saiba como funciona a nova CLT e os cálculos trabalhistas.

Nesses casos, o valor que custa demitir um funcionário será o salário proporcional aos dias trabalhados, férias proporcionais ou vencidas. Além de 1/3 do abono salarial.

Aprovado o saque do FGTS para quem pede demissão

O Senado já aprovou um projeto de lei permitindo o saque do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) aos trabalhadores que solicitam demissão. Mas é importante lembrar que a lei ainda não está em vigor.

Quer saber como vai funcionar a lei quando estiver em vigor? Além das mudanças que a Lei Trabalhista sofreu? Confira!

Mateus Carvalho

Jornalista formado pela Unicarioca. Atualmente, repórter da Folha Dirigida e produtor de conteúdo no FinanceOne. Já fui colaborador do Torcedores.com.

Deixe um comentário

Posts relacionados

pedir demissão
máquinas-de-cartão-GetNet-Santander
A Rede apresenta modelos de máquinas de cartão para cada empreendedor
Microfranquias
livros-para-pensar-fora-da-caixa