Mais
    InícioNotíciasCarreirasEntenda como calcular sua rescisão trabalhista completa de forma descomplicada

    Entenda como calcular sua rescisão trabalhista completa de forma descomplicada

    5
    (2)

    O cálculo de uma rescisão contratual envolve diversos valores até o total a se receber. Seja para patrão ou funcionário, é importante conhecer como é feito o cálculo de uma rescisão e quais são as principais informações.

    Assim, se evita qualquer possibilidade de erro na soma dos valores. Calcular a rescisão em um contrato de trabalho não é uma tarefa complicada.

    No entanto, exige paciência, ainda mais pelo fato de lidar com dinheiro e dados importantes.

    Para ajudar ainda mais, alguns sites disponibilizam ferramentas para calcular os valores online. Contudo, esteja por dentro do que significa cada item de uma rescisão.

    É muito importante estar por dentro dos termos e saber os seus significados para aplicar no momento do cálculo. A rescisão de um contrato envolve:

    Qual o motivo da sua rescisão de contrato?

    Antes mesmo de começar a simular o cálculo completo da sua rescisão é preciso entender que existem vários motivos que levam a esse ato. Geralmente isso ocorre quando os contratos são feitos por tempo indeterminado. Confira os principais motivos:

    • Empregado pede demissão;
    • Demissão por justa causa;
    • Dispensa sem justa causa;
    • Empresa e empregado decidem a rescisão em comum acordo.

    O motivo da rescisão acarretará os tipos de benefícios e valores que serão pagos pela empresa ao funcionário.

    Conheça os tipos de rescisão contratual que existem

    1) Rescisão por iniciativa do colaborador

    Esse tipo de rescisão contratual é quando o trabalhador pede demissão. Sendo assim, ele terá direito a receber: 

    • Saldo de salário;
    • Férias vencidas com adicional de ⅓;
    • Férias proporcionais com adicional de ⅓; 
    • O 13º salário proporcional.

    Para esses casos, você deverá cumprir aviso prévio, podendo ser dispensado pelo empregador, e se indenizado deverá constar no cálculo de férias e 13º proporcionais e no depósito do FGTS. Porém, o trabalhador não poderá sacar o FGTS e nem requerer o seguro-desemprego.

    2) Rescisão, sem justa causa, por iniciativa do empregador

    Se você foi dispensado sem justa causa, terá direito às seguintes verbas:

    • O saldo de salário;
    • As férias vencidas com adicional de ⅓;
    • As férias proporcionais com adicional de ⅓;
    • O 13º salário proporcional;
    • Aviso prévio;
    • Saque e multa do FGTS;
    • Guias do seguro-desemprego.

    Vale ressaltar que o tempo de aviso prévio deverá integrar o cálculo das férias e do 13º salário proporcionais, além do FGTS e da multa de 40% do Fundo de Garantia.

    3) Rescisão por iniciativa do empregador, com justa causa

    Para esses casos, o trabalhador só terá direito ao saldo de salário e as férias vencidas com adicional de 1/3. Além disso, não poderá movimentar a conta do FGTS e nem requerer seguro-desemprego.

    Como sacar FGTS e outras dúvidas
    O trabalhador tem direito a sacar o FGTS dependendo do tipo de rescisão contratual

    4) Rescisão por iniciativa do colaborador, com justa causa

    Se o empregador descumprir os termos do contrato e justificar a rescisão indireta, o trabalhador terá direito às mesmas verbas do caso de demissão por iniciativa do empregador, sem justa causa. São elas:

    • Saldo de salário;
    • Férias vencidas com adicional de ⅓;
    • Férias proporcionais com adicional de ⅓; 
    • 13º salário proporcional;
    • Aviso prévio;
    • Saque e multa do FGTS;
    • Guias do seguro-desemprego.

    E as causas possíveis para esse tipo de rescisão se dão por condutas abusivas do empregador, como assédio moral, tratamento com rigor excessivo e exigência de serviços superiores à força do trabalhador. 

    Para esses casos, o funcionário deve notificar a empresa e entrar com ação judicial, pedindo a rescisão.

    5) Rescisão por culpa recíproca

    De acordo com o Tribunal Superior do Trabalho (TST), nesses casos, a culpa recíproca é declarada judicialmente e o colaborador terá direito a 50% do valor do aviso prévio, das férias proporcionais e do 13º salário, cabendo ao juiz definir os demais itens.

    6) Rescisão por término contratual

    Ao fim dos contratos por tempo determinado ou de experiência, o colaborador terá direito às seguintes verbas:

    • Saldo de salário;
    • Férias vencidas com adicional de ⅓;
    • Férias proporcionais com adicional de ⅓;
    • E o 13º salário.

    O funcionário também passa a ter o direito de sacar seu FGTS. Caso a rescisão aconteça por iniciativa do empregador ou do empregado, com justa causa, também deverá ocorrer o pagamento da multa de 40% sobre o FGTS e uma indenização de 50% dos salários que o colaborador receberia até o fim do contrato.

    7) Rescisão de comum acordo

    Essa rescisão foi implementada com a Reforma Trabalhista de 2017. E ela garante ao empregado todas as verbas a que teria direito no caso de uma demissão por iniciativa do empregado, sem justa causa. Com apenas três alterações:

    • o aviso prévio será dividido pela metade;
    • a multa do FGTS será dividida pela metade, podendo movimentar a conta;
    • não poderá receber o seguro desemprego.

    Sendo assim, sempre que a rescisão acontecer por iniciativa do colaborador, nos 30 dias que antecedem a data-base da categoria, ele terá direito a receber uma indenização adicional no valor de um salário.

    Vale ressaltar que em todos os casos de rescisão, é importante verificar os acordos ou convenções coletivas de trabalho, que podem prever outras verbas e obrigações.

    + Entenda a nova CLT e cálculos trabalhistas

    Você cumprirá o aviso prévio?

    Outra pergunta importante a ser respondida para calcular o valor da rescisão é a respeito do cumprimento de aviso prévio. Ele consiste em um período de trabalho após saber ou comunicar sobre a dispensa.

    A sua execução, no entanto, não é obrigatória. Mas acarreta e interfere em possíveis indenizações. O aviso prévio acaba sendo vantajoso para ambas as partes, de uma maneira consensual.

    empresas fechadas
    O cálculo da rescisão contratual leva diversos fatores em consideração

    Isso porque o empregado terá mais tempo para procurar uma outra oportunidade de trabalho, enquanto o empregador terá tempo hábil para repor a vaga e, também, capacitar a pessoa que chegar para o lugar do que está saindo.

    Se o empregado é demitido, o aviso prévio pode ser trabalhado ou indenizado. No primeiro caso, continua trabalhando e recebe o salário após o término do aviso prévio. O indenizado consiste no encerramento do vínculo e o empregador pagará o valor correspondente.

    + Saiba como solicitar a aposentadoria para o INSS pela internet.

    Se for o inverso, muda a dinâmica. Caso o empregado peça demissão e opte por não cumprir o aviso prévio será ele que indenizará.

    Por isso é importante saber o motivo e conhecer sobre o aviso prévio, pois impacta no valor da rescisão.

    Como fazer o cálculo de rescisão?

    Confira um exemplo prático do cálculo da rescisão trabalhista de uma dispensa sem justa causa. No caso de um colaborador com o seguinte padrão salarial:

    – Recebe um salário de R$ 1.200;
    – Não faz jus a adicionais ou horas extras.

    1. Saldo de salário

    O primeiro cálculo a ser feito é o do saldo de salário, que corresponde ao valor que lhe deve pelo tempo trabalhado. Por exemplo, os dias do mês no qual prestou seus serviços, podendo ser o mês inteiro ou não.

    O cálculo é simples. Você vai pegar o valor do seu salário e dividir por 30 para descobrir o valor diário. Feito isso, multiplique pela quantidade de dias trabalhados e obtenha o valor do seu saldo de salário.

    Exemplo: Salário (R$1.200) / 30 dias = R$ 40 (Salário do dia)
    R$ 40 x 28 (nº de dias trabalhados no mês da rescisão)  = R$ 1.120 (Saldo de salário)

    Uma informação importante é que se o último dia cair numa sexta, e o sábado for compensado, o domingo também contará para o cálculo. Após isso, preste atenção no quesito aviso prévio.

    Lembre-se das opções: se você pediu demissão deve 30 dias para a empresa, se for por justa causa não tem direito a aviso prévio, enquanto se você foi demitido sem justa causa pode ter aviso prévio trabalhado ou indenizado.

    2. Férias Vencidas:

    Salário (R$ 1.200) + 1/3 de R$ 1.200 (R$ 400) = R$ 1.600 (Férias vencidas)

    3. Férias Proporcionais:

    Salário (R$1.200) / 12 = R$100 (Valor mensal)
    R$100 x 6 (nº de meses trabalhados do período aquisitivo) = R$600
    R$600 + 1/3 de R$600 (R$200) = R$800 (Férias proporcionais)

    4. Décimo Terceiro Proporcional:

    Salário (R$1.200) / 12 = R$100 (Valor mensal)
    R$100 x 5 (nº de meses trabalhados no ano) = R$500 (Décimo terceiro proporcional)

    5. Aviso Prévio:

    É igual ao valor do salário de 1 mês, portanto, R$1.200.
    Fundo de garantia por tempo de serviço (FGTS) e multa de 40%

    O valor da contribuição mensal de FGTS equivale a 8% da remuneração do empregado. Considerando que o salário do colaborador é R$1.200, o recolhimento mensal deverá ser:

    R$ 1.200 (salário) x 8% = R$ 96

    Suponhamos que o empresário havia depositado R$960 de FGTS para o empregado até a data da rescisão. Portanto, o colaborador receberá:

    R$960 (Saldo do FGTS) + 40% de R$ 960 (R$384) = R$1.344

    Valor Total da Rescisão:

    Saldo de salário: R$1.120
    Férias vencidas: R$1.600
    Férias proporcionais: R$800
    Décimo terceiro proporcional: R$500
    Aviso prévio: R$1.200
    Saldo do FGTS e multa de 40%: R$1.344

    TOTAL: R$6.564

    Complementos da remuneração

    Caso o empregado receba complementos junto a remuneração, eles também devem ser levados em consideração. Entre os mais comuns podemos citar o adicional noturno e o de insalubridade.

    Mas atenção! Só devem ser contabilizados os adicionais dos últimos 12 meses e que são recorrentes.

    Digamos que no último mês o funcionário ganhou uma premiação de R$200. Ela não será contabilizada no cálculo de rescisão, pois só foi concedida no último mês.

    Achou o cálculo difícil? Acesse a nossa calculadora de cálculo de rescisão trabalhista!

    Como são as regras no contrato Verde e Amarelo

    Caso ocorra a rescisão contratual do trabalhador com o contrato Verde e Amarelo, o empregador deve pagar:

    – o saldo de salário e demais parcelas salariais, com base no valor do salário mensal no mês da rescisão;

    – as parcelas de férias proporcionais com acréscimo de um terço e do décimo-terceiro que não tenham sido antecipadas;

    – aviso prévio indenizado, quando for o caso e indenização sobre o saldo do FGTS, em conta vinculada do trabalhador, em caso de rescisão antes do término da vigência do contrato, por iniciativa do empregador.

    5 dicas finais para o seu cálculo de rescisão contratual

    Você já conheceu os principais pontos que envolvem o cálculo de uma rescisão contratual, no entanto, não são apenas esses os detalhes importantes.

    Não saber como funciona esses cálculos é o que gera confusão entre empresas e empregados. Essa tarefa, portanto, é fácil de aprender.

    – A primeira dica é compreender o que chamamos de motivos de rescisão. Tenha isso bem definido, quanto ao que acontece se você pedir, se a empresa mandar embora ou quando for por justa causa.

    – Entenda tudo o que você precisa receber, de preferência pesquise e busque valores com a empresa, detalhadamente.

    – Não esqueça dos descontos. Além de receber, ao final do cálculo é preciso abater alguns valores que não são deduzidos, como o FGTS e o Imposto de Renda Retido na Fonte.

    – O valor da rescisão é a soma de todos os valores pagos. Por isso, investigue o quanto recebe, também, por cada benefício: comissões, gratificações, premiações, abonos e adicionais noturnos, de periculosidade ou de insalubridade.

    – Conheça bem os prazos para pagamentos, monitore e, se necessário, cobre ao empregador.

    Gostou do conteúdo? Compartilhe com seus amigos e deixe um comentário”. “Leia também sobre Rescisão trabalhista: tire 7 dúvidas sobre o fim do contrato.

    O que achou disso?

    Média da classificação 5 / 5. Número de votos: 2

    Seja o primeiro a avaliar este post.

    Lamentamos que este assunto não tenha sido útil para você!

    Diga-nos, como podemos melhorar?

    Redação
    Redação
    O FinanceOne é um site especializado em finanças. Desde 2003, publicamos conteúdos que buscam traduzir desde a influência do mercado financeiro no seu dia a dia até a simples economia dentro de casa. Nossa missão é mostrar que qualquer pessoa pode ter controle financeiro e fazer as escolhas certas. Assim como ter no dinheiro um aliado para viver bem e conquistar seus sonhos.

    Artigos Relacionados

    Assine nossa newsletter!

    Páginas Populares

    DEIXE UMA RESPOSTA

    Por favor digite seu comentário!
    Por favor, digite seu nome aqui

    InícioNotíciasCarreirasEntenda como calcular sua rescisão trabalhista completa de forma descomplicada

    Entenda como calcular sua rescisão trabalhista completa de forma descomplicada

    5
    (2)

    O cálculo de uma rescisão contratual envolve diversos valores até o total a se receber. Seja para patrão ou funcionário, é importante conhecer como é feito o cálculo de uma rescisão e quais são as principais informações.

    Assim, se evita qualquer possibilidade de erro na soma dos valores. Calcular a rescisão em um contrato de trabalho não é uma tarefa complicada.

    No entanto, exige paciência, ainda mais pelo fato de lidar com dinheiro e dados importantes.

    Para ajudar ainda mais, alguns sites disponibilizam ferramentas para calcular os valores online. Contudo, esteja por dentro do que significa cada item de uma rescisão.

    É muito importante estar por dentro dos termos e saber os seus significados para aplicar no momento do cálculo. A rescisão de um contrato envolve:

    Qual o motivo da sua rescisão de contrato?

    Antes mesmo de começar a simular o cálculo completo da sua rescisão é preciso entender que existem vários motivos que levam a esse ato. Geralmente isso ocorre quando os contratos são feitos por tempo indeterminado. Confira os principais motivos:

    • Empregado pede demissão;
    • Demissão por justa causa;
    • Dispensa sem justa causa;
    • Empresa e empregado decidem a rescisão em comum acordo.

    O motivo da rescisão acarretará os tipos de benefícios e valores que serão pagos pela empresa ao funcionário.

    Conheça os tipos de rescisão contratual que existem

    1) Rescisão por iniciativa do colaborador

    Esse tipo de rescisão contratual é quando o trabalhador pede demissão. Sendo assim, ele terá direito a receber: 

    • Saldo de salário;
    • Férias vencidas com adicional de ⅓;
    • Férias proporcionais com adicional de ⅓; 
    • O 13º salário proporcional.

    Para esses casos, você deverá cumprir aviso prévio, podendo ser dispensado pelo empregador, e se indenizado deverá constar no cálculo de férias e 13º proporcionais e no depósito do FGTS. Porém, o trabalhador não poderá sacar o FGTS e nem requerer o seguro-desemprego.

    2) Rescisão, sem justa causa, por iniciativa do empregador

    Se você foi dispensado sem justa causa, terá direito às seguintes verbas:

    • O saldo de salário;
    • As férias vencidas com adicional de ⅓;
    • As férias proporcionais com adicional de ⅓;
    • O 13º salário proporcional;
    • Aviso prévio;
    • Saque e multa do FGTS;
    • Guias do seguro-desemprego.

    Vale ressaltar que o tempo de aviso prévio deverá integrar o cálculo das férias e do 13º salário proporcionais, além do FGTS e da multa de 40% do Fundo de Garantia.

    3) Rescisão por iniciativa do empregador, com justa causa

    Para esses casos, o trabalhador só terá direito ao saldo de salário e as férias vencidas com adicional de 1/3. Além disso, não poderá movimentar a conta do FGTS e nem requerer seguro-desemprego.

    Como sacar FGTS e outras dúvidas
    O trabalhador tem direito a sacar o FGTS dependendo do tipo de rescisão contratual

    4) Rescisão por iniciativa do colaborador, com justa causa

    Se o empregador descumprir os termos do contrato e justificar a rescisão indireta, o trabalhador terá direito às mesmas verbas do caso de demissão por iniciativa do empregador, sem justa causa. São elas:

    • Saldo de salário;
    • Férias vencidas com adicional de ⅓;
    • Férias proporcionais com adicional de ⅓; 
    • 13º salário proporcional;
    • Aviso prévio;
    • Saque e multa do FGTS;
    • Guias do seguro-desemprego.

    E as causas possíveis para esse tipo de rescisão se dão por condutas abusivas do empregador, como assédio moral, tratamento com rigor excessivo e exigência de serviços superiores à força do trabalhador. 

    Para esses casos, o funcionário deve notificar a empresa e entrar com ação judicial, pedindo a rescisão.

    5) Rescisão por culpa recíproca

    De acordo com o Tribunal Superior do Trabalho (TST), nesses casos, a culpa recíproca é declarada judicialmente e o colaborador terá direito a 50% do valor do aviso prévio, das férias proporcionais e do 13º salário, cabendo ao juiz definir os demais itens.

    6) Rescisão por término contratual

    Ao fim dos contratos por tempo determinado ou de experiência, o colaborador terá direito às seguintes verbas:

    • Saldo de salário;
    • Férias vencidas com adicional de ⅓;
    • Férias proporcionais com adicional de ⅓;
    • E o 13º salário.

    O funcionário também passa a ter o direito de sacar seu FGTS. Caso a rescisão aconteça por iniciativa do empregador ou do empregado, com justa causa, também deverá ocorrer o pagamento da multa de 40% sobre o FGTS e uma indenização de 50% dos salários que o colaborador receberia até o fim do contrato.

    7) Rescisão de comum acordo

    Essa rescisão foi implementada com a Reforma Trabalhista de 2017. E ela garante ao empregado todas as verbas a que teria direito no caso de uma demissão por iniciativa do empregado, sem justa causa. Com apenas três alterações:

    • o aviso prévio será dividido pela metade;
    • a multa do FGTS será dividida pela metade, podendo movimentar a conta;
    • não poderá receber o seguro desemprego.

    Sendo assim, sempre que a rescisão acontecer por iniciativa do colaborador, nos 30 dias que antecedem a data-base da categoria, ele terá direito a receber uma indenização adicional no valor de um salário.

    Vale ressaltar que em todos os casos de rescisão, é importante verificar os acordos ou convenções coletivas de trabalho, que podem prever outras verbas e obrigações.

    + Entenda a nova CLT e cálculos trabalhistas

    Você cumprirá o aviso prévio?

    Outra pergunta importante a ser respondida para calcular o valor da rescisão é a respeito do cumprimento de aviso prévio. Ele consiste em um período de trabalho após saber ou comunicar sobre a dispensa.

    A sua execução, no entanto, não é obrigatória. Mas acarreta e interfere em possíveis indenizações. O aviso prévio acaba sendo vantajoso para ambas as partes, de uma maneira consensual.

    empresas fechadas
    O cálculo da rescisão contratual leva diversos fatores em consideração

    Isso porque o empregado terá mais tempo para procurar uma outra oportunidade de trabalho, enquanto o empregador terá tempo hábil para repor a vaga e, também, capacitar a pessoa que chegar para o lugar do que está saindo.

    Se o empregado é demitido, o aviso prévio pode ser trabalhado ou indenizado. No primeiro caso, continua trabalhando e recebe o salário após o término do aviso prévio. O indenizado consiste no encerramento do vínculo e o empregador pagará o valor correspondente.

    + Saiba como solicitar a aposentadoria para o INSS pela internet.

    Se for o inverso, muda a dinâmica. Caso o empregado peça demissão e opte por não cumprir o aviso prévio será ele que indenizará.

    Por isso é importante saber o motivo e conhecer sobre o aviso prévio, pois impacta no valor da rescisão.

    Como fazer o cálculo de rescisão?

    Confira um exemplo prático do cálculo da rescisão trabalhista de uma dispensa sem justa causa. No caso de um colaborador com o seguinte padrão salarial:

    – Recebe um salário de R$ 1.200;
    – Não faz jus a adicionais ou horas extras.

    1. Saldo de salário

    O primeiro cálculo a ser feito é o do saldo de salário, que corresponde ao valor que lhe deve pelo tempo trabalhado. Por exemplo, os dias do mês no qual prestou seus serviços, podendo ser o mês inteiro ou não.

    O cálculo é simples. Você vai pegar o valor do seu salário e dividir por 30 para descobrir o valor diário. Feito isso, multiplique pela quantidade de dias trabalhados e obtenha o valor do seu saldo de salário.

    Exemplo: Salário (R$1.200) / 30 dias = R$ 40 (Salário do dia)
    R$ 40 x 28 (nº de dias trabalhados no mês da rescisão)  = R$ 1.120 (Saldo de salário)

    Uma informação importante é que se o último dia cair numa sexta, e o sábado for compensado, o domingo também contará para o cálculo. Após isso, preste atenção no quesito aviso prévio.

    Lembre-se das opções: se você pediu demissão deve 30 dias para a empresa, se for por justa causa não tem direito a aviso prévio, enquanto se você foi demitido sem justa causa pode ter aviso prévio trabalhado ou indenizado.

    2. Férias Vencidas:

    Salário (R$ 1.200) + 1/3 de R$ 1.200 (R$ 400) = R$ 1.600 (Férias vencidas)

    3. Férias Proporcionais:

    Salário (R$1.200) / 12 = R$100 (Valor mensal)
    R$100 x 6 (nº de meses trabalhados do período aquisitivo) = R$600
    R$600 + 1/3 de R$600 (R$200) = R$800 (Férias proporcionais)

    4. Décimo Terceiro Proporcional:

    Salário (R$1.200) / 12 = R$100 (Valor mensal)
    R$100 x 5 (nº de meses trabalhados no ano) = R$500 (Décimo terceiro proporcional)

    5. Aviso Prévio:

    É igual ao valor do salário de 1 mês, portanto, R$1.200.
    Fundo de garantia por tempo de serviço (FGTS) e multa de 40%

    O valor da contribuição mensal de FGTS equivale a 8% da remuneração do empregado. Considerando que o salário do colaborador é R$1.200, o recolhimento mensal deverá ser:

    R$ 1.200 (salário) x 8% = R$ 96

    Suponhamos que o empresário havia depositado R$960 de FGTS para o empregado até a data da rescisão. Portanto, o colaborador receberá:

    R$960 (Saldo do FGTS) + 40% de R$ 960 (R$384) = R$1.344

    Valor Total da Rescisão:

    Saldo de salário: R$1.120
    Férias vencidas: R$1.600
    Férias proporcionais: R$800
    Décimo terceiro proporcional: R$500
    Aviso prévio: R$1.200
    Saldo do FGTS e multa de 40%: R$1.344

    TOTAL: R$6.564

    Complementos da remuneração

    Caso o empregado receba complementos junto a remuneração, eles também devem ser levados em consideração. Entre os mais comuns podemos citar o adicional noturno e o de insalubridade.

    Mas atenção! Só devem ser contabilizados os adicionais dos últimos 12 meses e que são recorrentes.

    Digamos que no último mês o funcionário ganhou uma premiação de R$200. Ela não será contabilizada no cálculo de rescisão, pois só foi concedida no último mês.

    Achou o cálculo difícil? Acesse a nossa calculadora de cálculo de rescisão trabalhista!

    Como são as regras no contrato Verde e Amarelo

    Caso ocorra a rescisão contratual do trabalhador com o contrato Verde e Amarelo, o empregador deve pagar:

    – o saldo de salário e demais parcelas salariais, com base no valor do salário mensal no mês da rescisão;

    – as parcelas de férias proporcionais com acréscimo de um terço e do décimo-terceiro que não tenham sido antecipadas;

    – aviso prévio indenizado, quando for o caso e indenização sobre o saldo do FGTS, em conta vinculada do trabalhador, em caso de rescisão antes do término da vigência do contrato, por iniciativa do empregador.

    5 dicas finais para o seu cálculo de rescisão contratual

    Você já conheceu os principais pontos que envolvem o cálculo de uma rescisão contratual, no entanto, não são apenas esses os detalhes importantes.

    Não saber como funciona esses cálculos é o que gera confusão entre empresas e empregados. Essa tarefa, portanto, é fácil de aprender.

    – A primeira dica é compreender o que chamamos de motivos de rescisão. Tenha isso bem definido, quanto ao que acontece se você pedir, se a empresa mandar embora ou quando for por justa causa.

    – Entenda tudo o que você precisa receber, de preferência pesquise e busque valores com a empresa, detalhadamente.

    – Não esqueça dos descontos. Além de receber, ao final do cálculo é preciso abater alguns valores que não são deduzidos, como o FGTS e o Imposto de Renda Retido na Fonte.

    – O valor da rescisão é a soma de todos os valores pagos. Por isso, investigue o quanto recebe, também, por cada benefício: comissões, gratificações, premiações, abonos e adicionais noturnos, de periculosidade ou de insalubridade.

    – Conheça bem os prazos para pagamentos, monitore e, se necessário, cobre ao empregador.

    Gostou do conteúdo? Compartilhe com seus amigos e deixe um comentário”. “Leia também sobre Rescisão trabalhista: tire 7 dúvidas sobre o fim do contrato.

    O que achou disso?

    Média da classificação 5 / 5. Número de votos: 2

    Seja o primeiro a avaliar este post.

    Lamentamos que este assunto não tenha sido útil para você!

    Diga-nos, como podemos melhorar?