InícioNotíciasEconomiaRenda Cidadã: programa substituto da Bolsa Família

Renda Cidadã: programa substituto da Bolsa Família

Tempo de leitura: 3 minutos
()

O governo do presidente Jair Bolsonaro anunciou nesta segunda-feira, 28, o novo programa de transferência de renda: o Renda Cidadã, que vai substituir o atual Bolsa Família.

O novo programa está dentro da proposta de emenda à Constituição, a PEC emergencial, e terá pelo menos R$25 bilhões a mais que o Bolsa Família.

No pronunciamento à imprensa, porém, o governo não informou o valor a ser pago para cada beneficiário, tampouco quando começará a ser pago. 

De acordo com o blog do jornalista Gerson Camarotti, o valor deverá ficar entre R$ 200 e R$ 300.

O senador Márcio Bittar informou que o programa vai contar com recursos do Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica (Fundeb) e com verbas reservadas no Orçamento. Bittar é vice-líder do governo no Congresso Nacional.

“O valor ficará mais baixo. Ficará entre R$ 200 e R$ 300 neste primeiro momento. Para isso, tivemos que encontrar uma nova solução orçamentária. Mas não vamos furar o teto. Nesse debate, chegou a ser pensada numa solução extra-teto. Porém, não era ideal e a equipe econômica encontrou uma solução”, disse Bittar.

O que é o Fundeb

Fundeb significa Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação. O programa reúne recursos dos governos federal, estaduais e municipais para financiar a educação básica — da creche até o ensino médio.

No entanto, não é a primeira vez que o governo sugere usar recursos da educação para um programa de transferência de renda.

Em julho, por exemplo, durante a votação do Fundeb no Congresso, o governo tentou usar R$8 bilhões do fundo para financiar o Renda Brasil, como era chamado o programa na época.

A tentativa, no entanto, foi vista como manobra para driblar o teto de gastos.

+ Bolsonaro suspende Renda Brasil

Presidente Bolsonaro se encontrou com líderes do governo para falar sobre o Renda Cidadã, novo programa de transferência de renda

Antigo programa Renda Brasil virou Renda Cidadã

O novo programa social será, de acordo com o governo, como uma continuação do auxílio emergencial, criado para ajudar trabalhadores informais devido à pandemia do novo coronavírus.

Anteriormente, o programa vinha sendo chamado de Renda Brasil pela equipe econômica, que buscava formas de financiá-lo.

No entanto, a regra do teto de gastos determina que os gastos públicos são corrigidos apenas pela inflação anual. Ou seja, era necessário cortar despesas para conseguir criar o Renda Brasil.

Por isso, a equipe econômica do ministro Paulo Guedes cogitou medidas como o congelamento de aposentadorias e pensões para a elaboração do Renda Brasil. Mas, com a repercussão negativa, o presidente Bolsonaro foi a público para dizer que programa não mais existiria.

+ Renda Brasil: entenda por que Bolsonaro cancelou o programa

O vice-líder do governo, porém, informou que o presidente o autorizou para a criação de um novo programa social, parecido com o que vinha sendo desenhado anteriormente.

Segundo ele, o Renda Cidadã será apresentado na PEC Emergencial com duas fontes de receita. A primeira fonte são até 5% dos recursos novos do Fundeb, aprovados pelo Congresso em agosto.

A segunda são recursos destinados, atualmente, para o pagamento de precatórios. Os precatórios são valores devidos pelo governo a pessoas físicas ou empresas após sentença definitiva na Justiça.

Segundo o vice-líder do governo, Márcio Bittar, o governo passou as últimas semanas buscando uma fonte de financiamento para o novo programa. Segundo ele, “não foi fácil”.

Mas para que o novo programa entre em vigor, a proposta ainda deverá ser aprovada pelo Congresso Nacional.

Gostou do conteúdo? Confira também quem terá direito a receber o auxílio emergencial residual de R$300.

O que achou disso?

Média da classificação / 5. Número de votos:

Seja o primeiro a avaliar este post.

Lamentamos que este assunto não tenha sido útil para você!

Diga-nos, como podemos melhorar?

Tempo de leitura: 3 minutos
Camila Miranda
Nascida na Zona Oeste do Rio, me divido entre jornalismo e marketing digital. Com três anos de experiência em Comunicação, já trabalhei em redação de jornal impresso, webjornalismo e assessoria de imprensa. Hoje, faço gestão de mídias sociais e produção de conteúdo. Amo assuntos sobre as áreas cultural e política. Reclamo do transporte público.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Páginas Populares

Calculadora de Hora Extra

Calculadora de Rescisão Trabalhista

Correção do FGTS, vale a pena?

Conversor de Moedas

Rendimento Poupança 2021

5 Cartões de crédito sem consulta ao SPC e Serasa

8 plataformas para compra e venda de Bitcoin

Últimos Artigos