Conversor de moedas Transferência internacional

Veja a cotação do Dólar Hoje, Euro hoje e Bitcoin hoje.

Teve o CPF clonado? Saiba o que fazer

Escrito por: Redação em 11 de junho de 2018

A cada 15 segundos um brasileiro é vítima de fraude, segundo dados do Serasa. Se você teve o CPF clonado, deve querer saber o que fazer mais do que tudo. Comunicar a fraude às autoridades, à polícia, é um passo essencial que logo deve ser tomado pela vítima.

Claro também que há formas de se prevenir e evitar momentos mais propensos em que a fraude pode ocorrer. Como durante o Carnaval, uma das épocas em que as pessoas mais perdem documentos e ficam suscetíveis à fraudes.

Em grandes aglomerações como a festa popular no Brasil, a possibilidade de roubos é também grande. Mais um cuidado que deve ser tomado.

Segundo o Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil), para evitar ser vítima de golpes em momentos de grande aglomeração de pessoas, você não deve levar documentos pessoais e importantes. Claro que não pode sair sem nada, por isso o importante é levar apenas o essencial.

Segundo uma pesquisa realizada pelo SPC Brasil mais recente – de 2018 -, 67% dos que perderam ou tiveram os documentos ou cartão roubados ou clonados no Carnaval 2017 fizeram boletim de ocorrência.

Enquanto isso, 28% dos entrevistados não fizeram nenhum registro. É importante fazer a ocorrência para que fique registrado que você não tem mais em mãos o cartão do qual era titular.

Na nota divulgada lá em 2015, a economista-chefe do SPC Brasil, Marcela Kawauti, já havia feito um alerta.

“O consumidor pode se precaver entrando em contato com o Procon [Instituto de Defesa do Consumidor] mais próximo e com o SPC Brasil de sua cidade. Com isso, os estabelecimentos comerciais são informados do problema ao consultarem o SPC Brasil, o que inibe a atuação de terceiros mal intencionados.”

o que fazer se você teve o CPF clonado
Se você teve o CPF clonado, o primeiro passo é registrar um boletim de ocorrência junto à polícia

Pesquisa revela que 83% das pessoas temiam sofrer fraude

Antes do Carnaval deste ano, o SPC Brasil e a Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) divulgaram a pesquisa indicando que 83% dos consumidores com intenção de gastar no Carnaval de 2018 temiam ser vítimas de fraude.

Essa percepção deu-se porque, durante o Carnaval de 2017, três em cada dez pessoas disseram que passaram por problemas ou transtornos durante as comemorações.

Confira alguns dos resultados que a pesquisa sobre fraudes no período do Carnaval registrou:

• 49% sofreram alguma tentativa de fraude usando o seu nome para saques de dinheiro, compras no cartão, financiamentos ou empréstimos;

• As situações de fraudes que acreditam que possam vivenciar no dia a dia são: compras usando o seu cartão de crédito (41%), utilização de seus documentos pessoais para atividades ilegais (37%), compras usando o seu cartão de débito (32%) e empréstimos usando seu nome (31%);

• A principal consequência para quem sofre fraude é ter compras feitas no nome de forma indevida (65%). Além desta, perder tempo tendo que regularizar a situação na polícia, bancos ou lojas (64%), ficar com o nome sujo e impedido de fazer compras com crédito (62%);

• 93% ficam preocupados com as possíveis consequências de uma fraude. Essa preocupação faz com que 58% fiquem mais cuidadosos com o uso de cartões e documentos. Ainda, 25% confiam na proteção de Deus e 23% cogitam contratar algum tipo de serviço antifraude.

O que fazer se você tiver o CPF clonado?

Se aconteceu de você ser vítima de CPF clonado, ou outro tipo de fraude, é indispensável fazer um boletim de ocorrência. Agora, se você perdeu ou teve seus documentos roubados ou extraviados, pode (e deve) notificar a ocorrência também no sistema do SPC Brasil.

Para isso, deve procurar a Câmara de Dirigentes Lojistas ou Associação Comercial mais próxima de você.

O SPC Brasil indica utilizar o serviço “SPC Alerta de Documentos”. Pelo sistema, quando um lojista consultar seu nome nos produtos SPC para vendas a prazo, conseguirá ver que os documentos foram furtados. Assim, é possível detectar caso alguém esteja querendo se passar pela pessoa, evitando fraudes.

Depois de registrar a ocorrência, as vítimas de perda, roubo, furto ou extravio de documentos pessoais, como CPF, devem comparecer até um balcão de atendimento do SPC Brasil com o B.O. em mãos. Assim, o risco de fraudes é reduzido, uma vez que os estabelecimentos comerciais são informados do problema.

O SPC ainda explica o caso de ter um registro irregular em seu nome. A responsabilidade pela realização e cancelamento é do credor. Ele o efetua direta e eletronicamente no sistema.

Se houver uma irregularidade de qualquer registro de inadimplência, o consumidor pode procurar o credor ou o SPC Brasil da sua localidade para solicitar a correção.

Esse atendimento só pode ser feito presencialmente, uma vez que só assim poderá ser feita a conferência dos documentos. Isso para que seja garantida a identidade e segurança dos dados do consumidor.

O consumidor deverá apresentar documentos que comprovem sua legitimidade e irregularidade da informação. Isso inclui:

– RGs e CPFs do consumidor e procurador;

– procuração hábil;

– documentos comprobatórios da irregularidade, nos termos solicitados pelo SPC Brasil da localidade.

Conclusão

Uma consulta ao SPC e Serasa permite saber se o seu CPF está com alguma restrição. Agora, é possível realizar a consulta até pelo celular.

Se por algum motivo seu nome está com algum impedimento, saiba como limpá-lo. Acompanhe nosso noticiário e fique por dentro do mundo das finanças para você.

Redação

Criado em 2003, o FinanceOne é um site especializado em finanças. Desde a influência do mercado financeiro no seu dia a dia até a simples economia dentro de casa.

Deixe um comentário

Precisa converter?

A calculadora de conversão do FinanceOne fornece os últimos valores cotados para diversas moedas. Acesse agora!

Converter agora

Posts relacionados

coach financeiro
escolhas que milionários fazem e você deveria seguir
Como economizar na ceia de natal
Problemas na Black Friday 2018
idosos sustentam a casa