Cursos que transformam sua vida financeira
Mais
    InícioCriptomoedaBitcoin movimenta R$ 27 bilhões em apenas três meses no Brasil

    Bitcoin movimenta R$ 27 bilhões em apenas três meses no Brasil

    4
    (1)

    Apesar das recentes perdas, o Bitcoin registrou a marca de R$ 27 bilhões em movimentação só no primeiro trimestre de 2021. Em relação ao primeiro trimestre de 2020, houve um aumento de 20,9% no volume de Bitcoins negociados.

    Publicidade

    Contudo, para quem investe em Bitcoin, principal criptomoeda do mundo, não tem monotonia. O mesmo vale para quem possui outras moedas alternativas, como o Ethereum ou o Cardano.

    Altas bruscas e quedas acentuadas fazem parte desse mercado. Algo que se repetiu na semana passada quando o Banco Central da China (PBOC).

    A instituição afirmou em comunicado que as instituições financeiras e de pagamento do país não possuem permissão para estipular preços de produtos em qualquer moeda digital.

    “O efeito manada preponderou e os especuladores se assustaram com a decisão de Pequim”, diz o co-fundador e sócio da Dynasty Global Investments AG, Fábio Asdurian, explicando que esse comportamento ocorre quando milhares de investidores se desfazem de um ativo.

    “Alguns chegam até mesmo a quebrar contratos”, ressalta o fundador e CEO da empresa, Eduardo Carvalho.

    Os executivos da Dynasty lembram que não é a primeira vez que a China adota uma postura contrária às criptomoedas. Isso já havia acontecido em 2017 e 2019, gerando quedas acentuadas no valor das moedas, normalmente seguidas de altas ainda mais fortes.

    Apesar da restrição, o governo chinês não proíbe que as pessoas mantenham as criptomoedas compradas anteriormente. Estranhamente, as declarações do Banco Central chinês, que geraram volatilidade, ocorreram ao mesmo tempo em que o país sinaliza pretender criar sua própria moeda digital.

    Publicidade

    Vale lembrar que o mercado cripto também foi impactado recentemente quando o empresário Elon Musk, que sempre respaldou o Bitcoin, decidiu não mais aceitá-lo como pagamento na compra de seus carros elétricos da marca Tesla.

    A decisão produziu queda no valor do Bitcoin, mas a moeda voltou a se recuperar.

    Altcoins registraram crescimento de 250%, ultrapassando Bitcoin

    Criptomoedas alternativas ao bitcoin estão com alta valorização no mercado. É o que mostra o levantamento da BitcoinTrade, plataforma de criptomoedas.

    De acordo com o estudo, o volume de negociações com altcoins foi de R$350 milhões em abril de 2021, ante os 50 a 100 milhões dos meses anteriores.

    “Por isso, este é um dado inédito aqui na BitcoinTrade e é reflexo de como o mercado brasileiro passou a se interessar por criptomoedas alternativas ao Bitcoin, como Ethereum, Ripple, Litecoin”, destaca Teixeira.

    Dado inédito para a empresa, que analisou a base de quase 500 mil clientes cadastrados. “Este volume de negociações total em Abril foi o terceiro maior da história, justamente devido ao cenário estar mais favorável para as altcoins”, explica o CEO da BitcoinTrade, Bernardo Teixeira.

    Publicidade
    gráfico mostra alta do Bitcoin
    Altcoins se tornam boas alternativas em relação ao Bitcoin

    O Bitcoin tem sido extremamente valorizado desde março de 2020. Ele é a criptomoeda mais dominante do mercado – no início de março de 2021, registrou 69% de dominância.

    + 3 criptomoedas que podem seguir alta do Ethereum

    Tendência é reflexo da expansão de conhecimento dos investidores

    Investir em criptomoedas em geral requer estudos constantes, já que as atualizações acontecem diariamente, exigindo mudanças no rumo das aplicações. A boa notícia é que os internautas brasileiros aparentam estar cada vez mais inteirados com o mundo cripto.

    De acordo com uma pesquisa da agência de marketing digital Conversion, encomendada pela BitcoinTrade, que consultou usuários da internet, 81,6% dos entrevistados sabem o que é Bitcoin e criptomoedas.

    “Este é o primeiro passo para entrar no universo dos investimentos em moedas digitais: ter conhecimento no que deseja investir”, explica Teixeira.

    Consequentemente, outro fator que implica nas negociações e investimentos é a confiança nos criptoativos, por ser um tipo de investimento que tem crescido recentemente no mercado brasileiro.

    Publicidade

    Ainda segundo a pesquisa, 33,33% afirmaram ter confiança alta ou muito alta para o Bitcoin e demais criptomoedas, sendo a maioria (41,18%) neutra.

    Um estudo em paralelo, realizado pela BitcoinTrade com a sua base de usuários, mostra que 33% dos usuários da plataforma negociam a menos de 6 meses, enquanto 15% já investem entre seis e 1 ano.

    Além disso, o levantamento aponta que apenas 12% estão há mais tempo nas negociações, entre 1 e 2 anos. Logo, entende-se que o interesse pelos investimentos em criptomoedas tem crescido ao longo do tempo no país.

    Ficou interessado nesse investimento? Veja motivos para aplicar na modalidade neste ano

    O que achou disso?

    Média da classificação 4 / 5. Número de votos: 1

    Seja o primeiro a avaliar este post.

    Lamentamos que este assunto não tenha sido útil para você!

    Diga-nos, como podemos melhorar?

    Rafael Massadar
    Rafael Massadar
    Carioca, amante de esportes e de viagens. Escolhi o jornalismo porque ele vive pelo mundo e conta histórias de pessoas e realidades distintas. Tenho experiência em redação e assessoria de imprensa. Atualmente, trabalho numa agência de marketing digital.

    Artigos Relacionados

    Assine nossa newsletter!

    Páginas Populares

    DEIXE UMA RESPOSTA

    Por favor digite seu comentário!
    Por favor, digite seu nome aqui

    InícioCriptomoedaBitcoin movimenta R$ 27 bilhões em apenas três meses no Brasil

    Bitcoin movimenta R$ 27 bilhões em apenas três meses no Brasil

    4
    (1)

    Apesar das recentes perdas, o Bitcoin registrou a marca de R$ 27 bilhões em movimentação só no primeiro trimestre de 2021. Em relação ao primeiro trimestre de 2020, houve um aumento de 20,9% no volume de Bitcoins negociados.

    Publicidade

    Contudo, para quem investe em Bitcoin, principal criptomoeda do mundo, não tem monotonia. O mesmo vale para quem possui outras moedas alternativas, como o Ethereum ou o Cardano.

    Altas bruscas e quedas acentuadas fazem parte desse mercado. Algo que se repetiu na semana passada quando o Banco Central da China (PBOC).

    A instituição afirmou em comunicado que as instituições financeiras e de pagamento do país não possuem permissão para estipular preços de produtos em qualquer moeda digital.

    “O efeito manada preponderou e os especuladores se assustaram com a decisão de Pequim”, diz o co-fundador e sócio da Dynasty Global Investments AG, Fábio Asdurian, explicando que esse comportamento ocorre quando milhares de investidores se desfazem de um ativo.

    “Alguns chegam até mesmo a quebrar contratos”, ressalta o fundador e CEO da empresa, Eduardo Carvalho.

    Os executivos da Dynasty lembram que não é a primeira vez que a China adota uma postura contrária às criptomoedas. Isso já havia acontecido em 2017 e 2019, gerando quedas acentuadas no valor das moedas, normalmente seguidas de altas ainda mais fortes.

    Apesar da restrição, o governo chinês não proíbe que as pessoas mantenham as criptomoedas compradas anteriormente. Estranhamente, as declarações do Banco Central chinês, que geraram volatilidade, ocorreram ao mesmo tempo em que o país sinaliza pretender criar sua própria moeda digital.

    Publicidade

    Vale lembrar que o mercado cripto também foi impactado recentemente quando o empresário Elon Musk, que sempre respaldou o Bitcoin, decidiu não mais aceitá-lo como pagamento na compra de seus carros elétricos da marca Tesla.

    A decisão produziu queda no valor do Bitcoin, mas a moeda voltou a se recuperar.

    Altcoins registraram crescimento de 250%, ultrapassando Bitcoin

    Criptomoedas alternativas ao bitcoin estão com alta valorização no mercado. É o que mostra o levantamento da BitcoinTrade, plataforma de criptomoedas.

    De acordo com o estudo, o volume de negociações com altcoins foi de R$350 milhões em abril de 2021, ante os 50 a 100 milhões dos meses anteriores.

    “Por isso, este é um dado inédito aqui na BitcoinTrade e é reflexo de como o mercado brasileiro passou a se interessar por criptomoedas alternativas ao Bitcoin, como Ethereum, Ripple, Litecoin”, destaca Teixeira.

    Dado inédito para a empresa, que analisou a base de quase 500 mil clientes cadastrados. “Este volume de negociações total em Abril foi o terceiro maior da história, justamente devido ao cenário estar mais favorável para as altcoins”, explica o CEO da BitcoinTrade, Bernardo Teixeira.

    Publicidade
    gráfico mostra alta do Bitcoin
    Altcoins se tornam boas alternativas em relação ao Bitcoin

    O Bitcoin tem sido extremamente valorizado desde março de 2020. Ele é a criptomoeda mais dominante do mercado – no início de março de 2021, registrou 69% de dominância.

    + 3 criptomoedas que podem seguir alta do Ethereum

    Tendência é reflexo da expansão de conhecimento dos investidores

    Investir em criptomoedas em geral requer estudos constantes, já que as atualizações acontecem diariamente, exigindo mudanças no rumo das aplicações. A boa notícia é que os internautas brasileiros aparentam estar cada vez mais inteirados com o mundo cripto.

    De acordo com uma pesquisa da agência de marketing digital Conversion, encomendada pela BitcoinTrade, que consultou usuários da internet, 81,6% dos entrevistados sabem o que é Bitcoin e criptomoedas.

    “Este é o primeiro passo para entrar no universo dos investimentos em moedas digitais: ter conhecimento no que deseja investir”, explica Teixeira.

    Consequentemente, outro fator que implica nas negociações e investimentos é a confiança nos criptoativos, por ser um tipo de investimento que tem crescido recentemente no mercado brasileiro.

    Publicidade

    Ainda segundo a pesquisa, 33,33% afirmaram ter confiança alta ou muito alta para o Bitcoin e demais criptomoedas, sendo a maioria (41,18%) neutra.

    Um estudo em paralelo, realizado pela BitcoinTrade com a sua base de usuários, mostra que 33% dos usuários da plataforma negociam a menos de 6 meses, enquanto 15% já investem entre seis e 1 ano.

    Além disso, o levantamento aponta que apenas 12% estão há mais tempo nas negociações, entre 1 e 2 anos. Logo, entende-se que o interesse pelos investimentos em criptomoedas tem crescido ao longo do tempo no país.

    Ficou interessado nesse investimento? Veja motivos para aplicar na modalidade neste ano

    O que achou disso?

    Média da classificação 4 / 5. Número de votos: 1

    Seja o primeiro a avaliar este post.

    Lamentamos que este assunto não tenha sido útil para você!

    Diga-nos, como podemos melhorar?