Cursos que transformam sua vida financeira
Mais
    InícioNotíciasCarreirasDesafios da comunidade LGBTQIA+ no mercado de trabalho

    Desafios da comunidade LGBTQIA+ no mercado de trabalho

    0
    (0)

    No dia 28 de junho, celebra-se em todo o mundo o Dia do Orgulho LGBTQIA+. A princípio, a data remonta a Revolta de Stonewall e marca o início de uma revolução nos Estados Unidos para o reconhecimento de direitos e libertação da comunidade.

    Publicidade

    Após o episódio de arbitrariedade policial no Bar Stonewall Inn no ano de 1969, a comunidade passou a se reunir para realizar marchas do orgulho LGBTQIA+ por todo os Estados Unidos.

    Cidades como Nova York, Los Angeles, San Francisco e Chicago foram apenas algumas das que participaram ativamente em protestos e marchas.

    Voltando para os dias de hoje, 53 anos após Stonewall, é possível perceber o quanto as coisas mudaram. Mas, também é fácil reconhecer que ainda falta muito pela frente para a comunidade LGBTQIA+, principalmente quanto ao mercado de trabalho.

    Hoje o mercado de trabalho possui muito mais abertura para a contratação de pessoas LGBTQIA+. No entanto, ainda existem empresas que possuem resistência ao contratar pessoas que pertencem à comunidade.

    E essa resistência é no mínimo irônica, já que a orientação sexual não interfere em nada na qualidade do serviço prestado à empresa.

    Publicidade

    Por isso, é comum ver pessoas da comunidade LGBTQIA+ viverem às margens da sociedade. Conforme pesquisa realizada pelo coletivo #VOTELGBT mostrou que, pessoas LGBTQIA+ passaram por mais dificuldades financeiras e problemas de saúde durante a pandemia.

    Então, faz-se necessário lembrar quais são os motivos de tanta dificuldade para a comunidade em ingressar ao mercado de trabalho e o que você pode fazer para ajudar LGBTQIA+ nesse momento.

    Mão com a sigla LGBTQIA+
    LGBTQIA+ corresponde a Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis, Transexuais e Transgêneros, Queer, Intersexuais, Assexuais e o + representa as demais expressões de gênero.

    Empresas se negam a contratar LGBTQIA+

    Em junho de 2019, o Supremo Tribunal Federal (STF) chegou a enquadrar os atos de homofobia e transfobia na Lei do Racismo (7.716/1989). No entanto, a medida não foi suficiente para inibir o preconceito que essas pessoas sofrem diariamente.

    De acordo com uma pesquisa elaborada pela Coqual (Center for Talent Innovation), 33% das empresas brasileiras não contratariam pessoas LGBTQIA+ para cargos de chefia.

    Em contrapartida, 41% dos funcionários já sofreram discriminação no ambiente de trabalho por conta de sua orientação sexual ou identidade de gênero.

    Publicidade

    Esse é um dado que reflete diretamente em o quanto o mercado de trabalho ainda é um ambiente que precisa evoluir em questões de diversidade: tanto para LGBTQIA+, quanto para negros.

    Por isso, é muito comum trabalhar com pessoas que mantenham sua orientação sexual e identidade de gênero em segredo para não serem vítimas de preconceito por parte dos colegas de trabalho.

    É muito ruim ter que esconder quem você é. E viver nesse dilema traz problemas sérios de saúde a quem sofre. Para se ter uma ideia, pessoas LGBTQIA+ possuem mais riscos de desenvolverem depressão.

    Ou seja, essa dificuldade de ingressar no mercado de trabalho se alia a outros problemas como, por exemplo, uma não-aceitação de familiares e rejeição. O que torna essa comunidade muito mais propensa a casos de depressão severa.

    Portanto, urge a necessidade de criar ambientes mais diversos e preparados para a recepção de pessoas LGBTQIA+ para integrarem seu quadro de funcionários. Além disso, há também a urgência de que as pessoas sejam menos preconceituosas e tenham uma mentalidade mais madura e respeitosa para pessoas que fujam dos padrões.

    Publicidade

    Melhores empresas para pessoas LGBTQIA+ trabalharem no Brasil

    A Human Rights Campaing (HRC), em parceria ao Instituto Mais Diversidade e com o Fórum de Empresas e Direitos LGBTI+, lançou a pesquisa “Fórum de empresas e direitos LGBTI+” que aponta as melhores empresas para o público LGBTQIA+.

    A pesquisa surgiu nos Estados Unidos em 2002, mas apenas 20 anos depois foi aplicada aqui no Brasil. As análises foram feitas no período entre dezembro de 2021 e fevereiro de 2022.

    “Trazer o índice para o Brasil é uma conquista importante. Sonhávamos com isso há um tempo e, finalmente, foi possível concretizá-lo”, disse Reinaldo Bulgarelli, secretário-executivo do Fórum de Empresas e Direitos LGBTI+.

    A pesquisa avaliou diferentes aspectos das empresas, como:

    • Visão demográfica e setorial;
    • Políticas e documentações formais;
    • Governança em Diversidade e Inclusão;
    • Protagonismo das pessoas LGBTI+ empregadas;
    • Educação para a diversidade LGBTI+;
    • Compromissos Públicos; e
    • Monitoramento da Inclusão LGBTI+.

    Foram certificadas 38 empresas, das 60 avaliadas. Entre elas: 3M, Accenture, Adidas, Alcoa, Atento, Bain & Company, BASF AS, Becton Dickinson S.A, C6 Bank, Carrefour, Chubb, CI&T, Corteva Agriscience do Brasil, Cummins, Demarest Advogados, Flex, GE e Gerdau.

    Também foram reconhecidas por suas boas práticas as empresas: J.P. Morgan, Kearney, Lexmark International, Localiza, Mondelez, NielsenIQ, Novo Nordisk Produção Farmacêutica, Oracle e Philip Morris.

    E ainda: Pricewaterhousecoopers Auditores Independentes, Renaissance São Paulo Hotel.SAP, Symrise Aromas e Fragrâncias Ltda, TE Connectivity Brasil, Thomson Reuters, TozziniFreire Advogados, Trench Rossi Watanabe, Veirano Advogados, Via e Yara Brasil Fertilizantes.

    Como tornar sua empresa um ambiente mais inclusivo?

    Ser inclusivo vai muito além de contratar LGBTQIA+. Se esse for um ambiente tóxico, ou seja, um ambiente nocivo para pessoas da comunidade, você só vai piorar o que essa pessoa sente. Você precisa proporcionar um ambiente mais acolhedor e livre de preconceitos!

    Por isso, tente realizar palestras que levem especialistas para conversar com seus colaboradores e incentive uma mudança de mentalidade.

    Muitas pessoas pessoas com uma perspectiva mais conservadora possuem dificuldade para aceitar orientações sexuais e expressões de gênero. Então o primeiro passo é fazer com que essas pessoas respeitem os demais no ambiente de trabalho.

    Um outro passo muito importante é a punição no caso de preconceito. Muitos episódios de preconceito contra LGBTQIA+ no ambiente de trabalho são relatados por pessoas da comunidade, mas as denúncias nunca avançam e as pessoas continuam a praticar esse ato.

    Ao advertir essas pessoas, você cria um ambiente mais sério e favorável para que LGBTQIA+ sintam-se livres para ser quem são, sem medo do preconceito.

    Gostou do nosso conteúdo? Então não perca tempo, compartilhe com suas redes sociais!

    Colaboração: Letícia de Jesus

    Veja também no FinanceOne:

    O que achou disso?

    Média da classificação 0 / 5. Número de votos: 0

    Seja o primeiro a avaliar este post.

    Lamentamos que este assunto não tenha sido útil para você!

    Diga-nos, como podemos melhorar?

    Loyane Lapa
    Loyane Lapa
    Carioquíssima de Campo Grande, com um pézinho em São Paulo. Jornalista, Produtora de Conteúdo e [insira aqui outras funcionalidades de um jornalista]. Apaixonada por livros, filmes e pelo universo cultural. Curiosa e antenada nas novidades do mercado financeiro.

    Artigos Relacionados

    Assine nossa newsletter!

    Páginas Populares

    DEIXE UMA RESPOSTA

    Por favor digite seu comentário!
    Por favor, digite seu nome aqui

    InícioNotíciasCarreirasDesafios da comunidade LGBTQIA+ no mercado de trabalho

    Desafios da comunidade LGBTQIA+ no mercado de trabalho

    0
    (0)

    No dia 28 de junho, celebra-se em todo o mundo o Dia do Orgulho LGBTQIA+. A princípio, a data remonta a Revolta de Stonewall e marca o início de uma revolução nos Estados Unidos para o reconhecimento de direitos e libertação da comunidade.

    Publicidade

    Após o episódio de arbitrariedade policial no Bar Stonewall Inn no ano de 1969, a comunidade passou a se reunir para realizar marchas do orgulho LGBTQIA+ por todo os Estados Unidos.

    Cidades como Nova York, Los Angeles, San Francisco e Chicago foram apenas algumas das que participaram ativamente em protestos e marchas.

    Voltando para os dias de hoje, 53 anos após Stonewall, é possível perceber o quanto as coisas mudaram. Mas, também é fácil reconhecer que ainda falta muito pela frente para a comunidade LGBTQIA+, principalmente quanto ao mercado de trabalho.

    Hoje o mercado de trabalho possui muito mais abertura para a contratação de pessoas LGBTQIA+. No entanto, ainda existem empresas que possuem resistência ao contratar pessoas que pertencem à comunidade.

    E essa resistência é no mínimo irônica, já que a orientação sexual não interfere em nada na qualidade do serviço prestado à empresa.

    Publicidade

    Por isso, é comum ver pessoas da comunidade LGBTQIA+ viverem às margens da sociedade. Conforme pesquisa realizada pelo coletivo #VOTELGBT mostrou que, pessoas LGBTQIA+ passaram por mais dificuldades financeiras e problemas de saúde durante a pandemia.

    Então, faz-se necessário lembrar quais são os motivos de tanta dificuldade para a comunidade em ingressar ao mercado de trabalho e o que você pode fazer para ajudar LGBTQIA+ nesse momento.

    Mão com a sigla LGBTQIA+
    LGBTQIA+ corresponde a Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis, Transexuais e Transgêneros, Queer, Intersexuais, Assexuais e o + representa as demais expressões de gênero.

    Empresas se negam a contratar LGBTQIA+

    Em junho de 2019, o Supremo Tribunal Federal (STF) chegou a enquadrar os atos de homofobia e transfobia na Lei do Racismo (7.716/1989). No entanto, a medida não foi suficiente para inibir o preconceito que essas pessoas sofrem diariamente.

    De acordo com uma pesquisa elaborada pela Coqual (Center for Talent Innovation), 33% das empresas brasileiras não contratariam pessoas LGBTQIA+ para cargos de chefia.

    Em contrapartida, 41% dos funcionários já sofreram discriminação no ambiente de trabalho por conta de sua orientação sexual ou identidade de gênero.

    Publicidade

    Esse é um dado que reflete diretamente em o quanto o mercado de trabalho ainda é um ambiente que precisa evoluir em questões de diversidade: tanto para LGBTQIA+, quanto para negros.

    Por isso, é muito comum trabalhar com pessoas que mantenham sua orientação sexual e identidade de gênero em segredo para não serem vítimas de preconceito por parte dos colegas de trabalho.

    É muito ruim ter que esconder quem você é. E viver nesse dilema traz problemas sérios de saúde a quem sofre. Para se ter uma ideia, pessoas LGBTQIA+ possuem mais riscos de desenvolverem depressão.

    Ou seja, essa dificuldade de ingressar no mercado de trabalho se alia a outros problemas como, por exemplo, uma não-aceitação de familiares e rejeição. O que torna essa comunidade muito mais propensa a casos de depressão severa.

    Portanto, urge a necessidade de criar ambientes mais diversos e preparados para a recepção de pessoas LGBTQIA+ para integrarem seu quadro de funcionários. Além disso, há também a urgência de que as pessoas sejam menos preconceituosas e tenham uma mentalidade mais madura e respeitosa para pessoas que fujam dos padrões.

    Publicidade

    Melhores empresas para pessoas LGBTQIA+ trabalharem no Brasil

    A Human Rights Campaing (HRC), em parceria ao Instituto Mais Diversidade e com o Fórum de Empresas e Direitos LGBTI+, lançou a pesquisa “Fórum de empresas e direitos LGBTI+” que aponta as melhores empresas para o público LGBTQIA+.

    A pesquisa surgiu nos Estados Unidos em 2002, mas apenas 20 anos depois foi aplicada aqui no Brasil. As análises foram feitas no período entre dezembro de 2021 e fevereiro de 2022.

    “Trazer o índice para o Brasil é uma conquista importante. Sonhávamos com isso há um tempo e, finalmente, foi possível concretizá-lo”, disse Reinaldo Bulgarelli, secretário-executivo do Fórum de Empresas e Direitos LGBTI+.

    A pesquisa avaliou diferentes aspectos das empresas, como:

    • Visão demográfica e setorial;
    • Políticas e documentações formais;
    • Governança em Diversidade e Inclusão;
    • Protagonismo das pessoas LGBTI+ empregadas;
    • Educação para a diversidade LGBTI+;
    • Compromissos Públicos; e
    • Monitoramento da Inclusão LGBTI+.

    Foram certificadas 38 empresas, das 60 avaliadas. Entre elas: 3M, Accenture, Adidas, Alcoa, Atento, Bain & Company, BASF AS, Becton Dickinson S.A, C6 Bank, Carrefour, Chubb, CI&T, Corteva Agriscience do Brasil, Cummins, Demarest Advogados, Flex, GE e Gerdau.

    Também foram reconhecidas por suas boas práticas as empresas: J.P. Morgan, Kearney, Lexmark International, Localiza, Mondelez, NielsenIQ, Novo Nordisk Produção Farmacêutica, Oracle e Philip Morris.

    E ainda: Pricewaterhousecoopers Auditores Independentes, Renaissance São Paulo Hotel.SAP, Symrise Aromas e Fragrâncias Ltda, TE Connectivity Brasil, Thomson Reuters, TozziniFreire Advogados, Trench Rossi Watanabe, Veirano Advogados, Via e Yara Brasil Fertilizantes.

    Como tornar sua empresa um ambiente mais inclusivo?

    Ser inclusivo vai muito além de contratar LGBTQIA+. Se esse for um ambiente tóxico, ou seja, um ambiente nocivo para pessoas da comunidade, você só vai piorar o que essa pessoa sente. Você precisa proporcionar um ambiente mais acolhedor e livre de preconceitos!

    Por isso, tente realizar palestras que levem especialistas para conversar com seus colaboradores e incentive uma mudança de mentalidade.

    Muitas pessoas pessoas com uma perspectiva mais conservadora possuem dificuldade para aceitar orientações sexuais e expressões de gênero. Então o primeiro passo é fazer com que essas pessoas respeitem os demais no ambiente de trabalho.

    Um outro passo muito importante é a punição no caso de preconceito. Muitos episódios de preconceito contra LGBTQIA+ no ambiente de trabalho são relatados por pessoas da comunidade, mas as denúncias nunca avançam e as pessoas continuam a praticar esse ato.

    Ao advertir essas pessoas, você cria um ambiente mais sério e favorável para que LGBTQIA+ sintam-se livres para ser quem são, sem medo do preconceito.

    Gostou do nosso conteúdo? Então não perca tempo, compartilhe com suas redes sociais!

    Colaboração: Letícia de Jesus

    Veja também no FinanceOne:

    O que achou disso?

    Média da classificação 0 / 5. Número de votos: 0

    Seja o primeiro a avaliar este post.

    Lamentamos que este assunto não tenha sido útil para você!

    Diga-nos, como podemos melhorar?