Conversor de moedas

Veja a cotação do Dólar Hoje, Euro hoje e Bitcoin hoje.

Desigualdade: 50% dos salários no mundo vão para 10% dos trabalhadores

Escrito por: Rafael Massadar em 15 de julho de 2019

Quanto maior a pobreza em um país, maior é a desigualdade salarial. É o que mostra a Organização Mundial do Trabalho (OIT).

O Relatório Trabalho e Remuneração Salarial comparou os salários dos trabalhadores mundiais entre 2004 e 2017. Ele usou estatísticas relativas a 189 países.

A OIT revela que metade das remunerações pagas em todo o mundo fica nas mãos de 10% dos trabalhadores. Já aqueles que têm os salários baixos ficam apenas com 6,4% desse bolo.

Já a desigualdade salarial média entre os 10% trabalhadores mais pobres e os ordenados dos 10% do topo da pirâmide também é grande.

Enquanto os primeiros recebem, em média, 22 dólares mensais, os últimos receberam 7.445 dólares por mês.

Portanto, em termos absolutos, isso significa que 20% dos trabalhadores com ordenados inferiores – 650 milhões de pessoas – recebem menos de 1% do total de salários pagos em todo o mundo.

Desigualdade salarial

Enquanto 69% do total de rendimentos do trabalho vão para 20% dos trabalhadores, os outros 80% ficam com os restantes 31% da distribuição salarial.

“Os 10% mais pobres precisariam de trabalhar mais de três séculos para ganhar o que os 10% mais ricos ganham num ano”, disse o economista da OIT, Roger Gomis.

Por países, o relatório indica que os menos desenvolvidos são os que apresentam maior concentração salarial nas partes mais altas da tabela. São nações como a RD Congo, Costa do Marfim, Libéria, Níger ou Uganda.

Nesses países, 10% dos trabalhadores mais ricos concentram entre 70% e 80% do total de salários pagos.

Como é a desigualdade salarial no Brasil?

No Brasil, a desigualdade salarial vinha em tendência de queda, segundo os dados da OIT. No entanto, essa melhora foi interrompida pela crise.

De 2004 a 2016, a renda percebida pelos 10% mais ricos recuou de 47,75% a 40,91%. Em 2017, no entanto, voltou a subir, atingindo 41,36%.

Já o rendimento dos 10% mais pobres subiu de 0,49% a 1,11% entre 2004 e 2016, mas mostrou um recuo em 2017, para 1,04% do total.

Concentração de riqueza no mundo também é grande

As 26 pessoas mais ricas do mundo detêm a mesma riqueza dos 3,8 bilhões mais pobres, que correspondem a 50% da humanidade.

É o que mostra o relatório internacional divulgado pela Organização Não Governamental (ONG) Oxfam.

A fortuna dos bilionários aumentou 12% em 2018. Isso é o equivalente a US$ 900 bilhões (cerca de R$ 3,37 trilhões), ou US$ 2,5 bilhões por dia, conforme a Oxfam.

A metade mais pobre do planeta, por outro lado, teve seu patrimônio reduzido em 11% no mesmo período.

Além disso, desde a crise econômica iniciada em 2007, o número de bilionários dobrou no mundo. Eles passaram de 1.125 em 2008 para 2.208 no ano passado.

O relatório indica ainda que os homens têm 50% mais do total de riqueza do mundo do que as mulheres.

O documento chama atenção também para a necessidade de investimentos em serviços públicos. Destaque para educação e saúde, como forma de diminuir as desigualdades no mundo.

Rafael Massadar

Jornalista com experiência em redação com pós-graduação em Comunicação Empresarial e Transmídia. Atualmente trabalho como assessor de imprensa.

Deixe uma resposta

Precisa converter?

A calculadora de conversão do FinanceOne fornece os últimos valores cotados para diversas moedas. Acesse agora!

Converter agora

Posts relacionados

Novas regras para aposentadoria
golpes com cartão de crédito
Cartões de crédito sem anuidade
Aéreas de baixo custo
comparação de preços em supermercados