InícioCriptomoedaEl Salvador é o 1º país a adotar Bitcoin como moeda legal....

El Salvador é o 1º país a adotar Bitcoin como moeda legal. Saiba mais!

0
(0)

El Salvador, um pequeno país da América Central, deu o que falar no último dia 7 de setembro. Isso porque se tornou o primeiro país do mundo a adotar o Bitcoin como uma moeda legal.

A criptomoeda foi estabelecida como forma oficial de realizar pagamentos e transações. Ou seja, ela poderá ser usada normalmente em transações diárias juntamente com o dólar americano, que é a moeda do país desde 2001.

O presidente, Nayib Bukele, defendeu que o Bitcoin vai ajudar os salvadorenhos a economizarem cerca de 400 milhões de dólares por ano em comissões para remessas de dinheiro.

Isso porque desde que o dólar foi adotado como moeda, são feitos gastos milionários com essas remessas. Isso tornou a economia do país dependente de instituições americanas intermediárias.

Além disso, a expectativa do governo local é que a adoção da criptomoeda aumente o acesso a serviços financeiros para quem não tem conta bancária. Ou seja, contribua para uma maior inclusão financeira.

Mas a mudança não aconteceu da noite para o dia. Na verdade, um projeto para a adoção da cripto como moeda oficial já havia sido apresentado.

Em julho, a Assembleia Legislativa de El Salvador aprovou a proposta que estabelece o Bitcoin como moeda oficial

Bitcoin como moeda oficial de El Salvador: o que isso significa

O próprio conceito de criptomoeda pode ser nebuloso para algumas pessoas. Por isso existem muitas dúvidas sobre como essa medida vai impactar no país.

Então, o que significa, exatamente, El Salvador ter um criptoativo como moeda oficial?

Um ponto que é importante entender: o Bitcoin é uma moeda virtual e limitada.

Ou seja, diferentemente de moedas comuns, que podem ser emitidas conforme a necessidade de cada país, ele tem um limite.

O ativo digital só pode ser gerado até alcançar 21 milhões de Bitcoins. Até início de setembro de 2021, já existiam quase 19 milhões emitidos.

Por conta desta característica, El Salvador não poderá interferir na cotação da cripto. Ou seja, o preço do Bitcoin vai continuar flutuando de acordo com os movimentos do mercado.

Assim como outras criptomoedas, o ativo não é regulado por nenhum banco central.

Na verdade, o seu preço é formado, principalmente, pela lei da oferta e demanda: quanto mais pessoas interessadas em comprar, mais caro fica.

Pessoa segurando uma moeda de bitcoin
Bitcoin passa a ser moeda oficial em El Salvador

Como vai funcionar a circulação da criptomoeda no país?

Em termos práticos, o que acontece é que agora as empresas devem aceitar pagamentos em Bitcoin, assim como aceitam dólar americano. A antiga moeda oficial não deixará de ser usada, ela permanecerá com curso legal.

Qualquer tipo de transação poderá ser feita com a cripto, entre pessoas físicas e jurídicas.

Ou seja, pagamentos de bens e serviços e quaisquer transações financeiras em seu dia a dia, como se fosse uma moeda comum.

Os Bitcoins, no entanto, são moedas virtuais. Portanto, não vão circular como dinheiro tradicional.

Cada usuário poderá armazenar suas criptos nas chamadas carteiras digitais, por onde é possível acessar as criptomoedas e realizar transações.

Essas carteiras são programas e softwares instalados em computadores e celulares. Em El Salvador, será utilizada a carteira digital Chivo, que o próprio governo promoveu, prometendo 30 dólares em Bitcoin para cada usuário.

No entanto, algumas falhas aconteceram de início, já que o app não estava disponível em lojas de aplicativos populares.

O presidente, Bukele, tuitou que o governo havia desconectado temporariamente a carteira para lidar com a demanda.

Segundo informações da Agência Brasil, ainda não está claro se as empresas serão penalizadas se não aceitarem o Bitcoin.

Quais serão os impactos do Bitcoin como moeda oficial?

Antes do lançamento, El Salvador comprou 400 Bitcoins no valor de cerca de 20 milhões de dólares. Isso ajudou a elevar o preço da moeda digital para US$52 mil (R$274 mil) pela primeira vez desde maio.

No entanto, horas depois, o ativo já havia enfraquecido cerca de 4%, para US$43 mil (R$227 mil). Estima-se que a queda fez o país perder cerca de US$3 milhões.

Essa flutuação é esperada de uma moeda que, como já mencionado, não é regulada por um órgão central.

Por essas e outras questões, algumas pesquisas feitas no país apontam que o sentimento entre alguns salvadorenhos é de preocupação Afinal, a volatilidade da criptomoeda faz com que ela possa perder centenas de dólares em valor por dia.

Uma das justificativas do governo é que isso vai ajudar a contribuir para uma maior inclusão financeira da população. Mas algumas entidades internacionais, como o Banco Mundial e o Fundo Monetário Internacional (FMI), criticam a medida.

Além da instabilidade da moeda, outro apontamento é a questão da acessibilidade. Isso porque em El Salvador quase metade da população não tem internet e muitos têm acesso esporádico.

Ou seja, os mais pobres podem ter dificuldade em acessar a tecnologia necessária para fazer a circulação do Bitcoin funcionar. Outro receio é que a mudança alimente a lavagem de dinheiro e a instabilidade financeira.

Gostou do conteúdo? Então compartilhe com seus amigos e deixe um comentário!

O que achou disso?

Média da classificação 0 / 5. Número de votos: 0

Seja o primeiro a avaliar este post.

Lamentamos que este assunto não tenha sido útil para você!

Diga-nos, como podemos melhorar?

Assine nossa newsletter!

Páginas Populares

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui