Mais
    InícioNotíciasFinanças PessoaisSaiba quais são as barreiras para maior inclusão financeira

    Saiba quais são as barreiras para maior inclusão financeira

    0
    (0)

    Apesar de a inclusão financeira no Brasil ter evoluído, ainda existem pessoas que não conseguem acessar serviços básicos relacionados às finanças. Mas quais são as barreiras que impedem isso?

    Para compreender essa questão, é preciso entender o que é, afinal, essa inclusão. O termo pode ser interpretado como o acesso a produtos financeiros como conta corrente, poupança, pagamentos e crédito.

    No site do Guia dos Bancos Responsáveis — uma iniciativa do Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor (Idec) com o apoio da Oxfam Novib —, a entidade simplifica bem a ideia do termo.

    “A inclusão financeira pode contribuir para o desenvolvimento sustentável de países como instrumento de redução da pobreza, bem como um meio para combater a desigualdade”.

    Ainda ressalta que, a nível nacional, o governo possui o papel de regulador e facilitador nesse sentido.

    Já as instituições financeiras podem desempenhar um papel vital no fornecimento de acesso ao financiamento para todos os grupos de renda em uma sociedade.

    Partindo desta ideia, é possível começar a entender quais são as barreiras para um maior acesso a produtos financeiros no Brasil e no mundo.

    Principais barreiras para a inclusão financeira

    Uma das barreiras que ainda atrapalha esse processo se manifesta na série de exigências para abertura de contas, a burocracia.

    Isso acontece principalmente em intuições mais tradicionais.

    Pessoas que não cumprem todos os pré-requisitos acabam ficando de fora, o que é um problema mais comum nas classes C, D e E, de acordo com o banQi. E mesmo quando conseguem, ainda há as taxas.

    Esta é mais uma barreira que pode ser apontada. Em muitos bancos ainda é comum que se cobrem taxas de manutenção, transferências e outros serviços essenciais.

    São valores que, em um primeiro momento, parecem pequenos. Mas ao longo do tempo podem representar o comprometimento de uma boa parcela da renda de clientes com baixa renda.

    Isso porque muitos ainda não sabem que têm direito a conta corrente gratuita em qualquer banco.

    Mas a inclusão financeira não se resume à abertura de contas. Afinal, muitas pessoas que possuem suas contas ainda são, por diversas vezes, exploradas e mal informadas sobre seus direitos e possibilidades.

    Educação financeira é essencial para que as pessoas com acesso aos serviços tenham autonomia para fazer boas escolhas.

    A ausência disso resulta em milhões de brasileiros inadimplentes e outros muitos propensos a criar dívidas.

    “É necessário que as instituições financeiras evidenciem os direitos dos consumidores e riscos de produtos e serviços oferecidos a comunidades vulneráveis. Entretanto, faltam políticas nesse sentido por parte de todos os bancos”, consta em análise do Guia dos Bancos Responsáveis.

    De acordo com a organização, porém, quase todos os bancos alegam integrar a educação financeira em seus portais e produtos e serviços.

    Pote com moedas e uma etiqueta onde está escrito "emergência"
    Burocracia e desinformação são barreiras para a inclusão financeira

    Acesso a produtos financeiros cresceu no Brasil

    De acordo com a Associação Nacional das Corretoras e Distribuidoras de Títulos e Valores Mobiliários, Câmbio e Mercadorias (Ancord), em 2017, o Brasil ficou em segundo lugar no ranking da inclusão financeira e digital.

    O levantamento, que analisou a evolução desses aspectos em 26 países em desenvolvimento, foi realizado pelo Instituto Brookings a partir do ano de 2015.

    A pesquisa considerou quatro aspectos:

    . comprometimento do país com o assunto;
    . capacidade móvel;
    . ambiente regulatório; e
    . adoção de serviços financeiros tradicionais e digitais.

    Apesar disso, ainda há barreiras a serem vencidas, como mencionado anteriormente. Parte disso pode-se relacionar com as ações voltadas para a causa por parte de instituições financeiras.

    O Guia dos Bancos Responsáveis fez um ranking dos bancos com ações voltadas para a inclusão financeira. Em último lugar ficaram empatados o Safra e BTG Pactual. Em primeiro, ficou o BNDES.

    Gostou do conteúdo? Então compartilhe com seus amigos!

    O que achou disso?

    Média da classificação 0 / 5. Número de votos: 0

    Seja o primeiro a avaliar este post.

    Lamentamos que este assunto não tenha sido útil para você!

    Diga-nos, como podemos melhorar?

    Tamires Silva
    Tamires Silva
    Jornalista e Redatora do FinanceOne, onde suas finanças começam.

    Artigos Relacionados

    Assine nossa newsletter!

    Páginas Populares

    DEIXE UMA RESPOSTA

    Por favor digite seu comentário!
    Por favor, digite seu nome aqui

    InícioNotíciasFinanças PessoaisSaiba quais são as barreiras para maior inclusão financeira

    Saiba quais são as barreiras para maior inclusão financeira

    0
    (0)

    Apesar de a inclusão financeira no Brasil ter evoluído, ainda existem pessoas que não conseguem acessar serviços básicos relacionados às finanças. Mas quais são as barreiras que impedem isso?

    Para compreender essa questão, é preciso entender o que é, afinal, essa inclusão. O termo pode ser interpretado como o acesso a produtos financeiros como conta corrente, poupança, pagamentos e crédito.

    No site do Guia dos Bancos Responsáveis — uma iniciativa do Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor (Idec) com o apoio da Oxfam Novib —, a entidade simplifica bem a ideia do termo.

    “A inclusão financeira pode contribuir para o desenvolvimento sustentável de países como instrumento de redução da pobreza, bem como um meio para combater a desigualdade”.

    Ainda ressalta que, a nível nacional, o governo possui o papel de regulador e facilitador nesse sentido.

    Já as instituições financeiras podem desempenhar um papel vital no fornecimento de acesso ao financiamento para todos os grupos de renda em uma sociedade.

    Partindo desta ideia, é possível começar a entender quais são as barreiras para um maior acesso a produtos financeiros no Brasil e no mundo.

    Principais barreiras para a inclusão financeira

    Uma das barreiras que ainda atrapalha esse processo se manifesta na série de exigências para abertura de contas, a burocracia.

    Isso acontece principalmente em intuições mais tradicionais.

    Pessoas que não cumprem todos os pré-requisitos acabam ficando de fora, o que é um problema mais comum nas classes C, D e E, de acordo com o banQi. E mesmo quando conseguem, ainda há as taxas.

    Esta é mais uma barreira que pode ser apontada. Em muitos bancos ainda é comum que se cobrem taxas de manutenção, transferências e outros serviços essenciais.

    São valores que, em um primeiro momento, parecem pequenos. Mas ao longo do tempo podem representar o comprometimento de uma boa parcela da renda de clientes com baixa renda.

    Isso porque muitos ainda não sabem que têm direito a conta corrente gratuita em qualquer banco.

    Mas a inclusão financeira não se resume à abertura de contas. Afinal, muitas pessoas que possuem suas contas ainda são, por diversas vezes, exploradas e mal informadas sobre seus direitos e possibilidades.

    Educação financeira é essencial para que as pessoas com acesso aos serviços tenham autonomia para fazer boas escolhas.

    A ausência disso resulta em milhões de brasileiros inadimplentes e outros muitos propensos a criar dívidas.

    “É necessário que as instituições financeiras evidenciem os direitos dos consumidores e riscos de produtos e serviços oferecidos a comunidades vulneráveis. Entretanto, faltam políticas nesse sentido por parte de todos os bancos”, consta em análise do Guia dos Bancos Responsáveis.

    De acordo com a organização, porém, quase todos os bancos alegam integrar a educação financeira em seus portais e produtos e serviços.

    Pote com moedas e uma etiqueta onde está escrito "emergência"
    Burocracia e desinformação são barreiras para a inclusão financeira

    Acesso a produtos financeiros cresceu no Brasil

    De acordo com a Associação Nacional das Corretoras e Distribuidoras de Títulos e Valores Mobiliários, Câmbio e Mercadorias (Ancord), em 2017, o Brasil ficou em segundo lugar no ranking da inclusão financeira e digital.

    O levantamento, que analisou a evolução desses aspectos em 26 países em desenvolvimento, foi realizado pelo Instituto Brookings a partir do ano de 2015.

    A pesquisa considerou quatro aspectos:

    . comprometimento do país com o assunto;
    . capacidade móvel;
    . ambiente regulatório; e
    . adoção de serviços financeiros tradicionais e digitais.

    Apesar disso, ainda há barreiras a serem vencidas, como mencionado anteriormente. Parte disso pode-se relacionar com as ações voltadas para a causa por parte de instituições financeiras.

    O Guia dos Bancos Responsáveis fez um ranking dos bancos com ações voltadas para a inclusão financeira. Em último lugar ficaram empatados o Safra e BTG Pactual. Em primeiro, ficou o BNDES.

    Gostou do conteúdo? Então compartilhe com seus amigos!

    O que achou disso?

    Média da classificação 0 / 5. Número de votos: 0

    Seja o primeiro a avaliar este post.

    Lamentamos que este assunto não tenha sido útil para você!

    Diga-nos, como podemos melhorar?