Cursos que transformam sua vida financeira
Mais
    InícioNotíciasFinanças PessoaisQuase 78% das famílias brasileiras têm dívidas: o que fazer?

    Quase 78% das famílias brasileiras têm dívidas: o que fazer?

    0
    (0)

    O número de brasileiros endividados voltou a subir e chegou a um dos maiores patamares em 2022. O percentual de famílias brasileiras com dívidas chegou a 77,7% em abril deste ano.

    Publicidade

    Este percentual superou os 77,5% de março e é o maior patamar desde 2010.

    O aumento foi registrado por conta de inúmeros fatores. Esses dados são da pesquisa realizada pela Confederação Nacional do Comércio de Bens, serviços e Turismo (CNC).

    A Pesquisa de Endividamento e Inadimplência do Consumidor (Peic), divulgada recentemente, ainda comparou o mesmo período do ano passado.

    O presidente da CNC, José Roberto Tadros, explicou que essa alta consecutiva no percentual de famílias com dívidas pode ser explicada por meio de diversos aspectos.

    “A inflação alta, persistente e disseminada mantém a necessidade de crédito para recomposição da renda, fazendo com que as famílias encontrem nos recursos de terceiros uma saída para a manutenção do nível de consumo”, disse.

    No comparativo com 2021, o salto foi de 10,2 pontos percentuais. No mesmo período do ano passado, em abril, o percentual de endividados correspondia a 67,5% do total.

    Publicidade

    Outro fator importante foi a crescente marca da inadimplência da população. O número de famílias com dívidas em atrasos deu saltos significativos em um ano, afetando até mesmo o público mais jovem.

    dívidas
    Saiba como sair das dívidas

    A fatia de famílias que declara não ter condições de pagar as contas ou dívidas que estão em atraso também cresceu de março para abril, sendo de 10,9% atualmente. O patamar subiu 0,5% em um ano – sendo o maior desde dezembro de 2020.

    O CNC avalia que a expectativa é de que este número de endividados se mantenha por conta da inflação e juros elevados do mercado.

    As dívidas mais comuns são:

    • Cartões de créditos;
    • Carnês de lojas;
    • Financiamento automotivo;
    • Crédito pessoal; e
    • Financiamento de casa.

    Aprenda a sair das dívidas em 4 passos

    Com o aumento do número de famílias endividadas, muitas pessoas ficam se perguntando como reverter esse quadro e conseguir pagar todas as dívidas.

    Publicidade

    Para isso é necessário ter disciplina e esforço.

    E para te ajudar nessa missão de sair das dívidas, separamos quatro passos para você seguir e ficar no azul. Confira!

    1º passo: liste suas dívidas

    A primeira coisa a ser feita para sair do vermelho é dimensionar as dívidas.

    Para isso, faça uma tabela com todas as contas em atraso e anote os valores iniciais.

    Além disso, coloque as informações do credor de cada dívida e a taxa de juros que corresponde a cada uma.

    Publicidade

    Listando todas as suas dívidas você tem uma ideia do quanto está devendo no mercado.

    Além disso, ainda é possível saber por onde deve começar a se planejar para se reestruturar.

    Anote também as suas despesas mensais e diárias na planilha.

    2º passo: dê prioridade às dívidas com juros mais altos

    As dívidas com juros mais altos tendem a crescer mais rápido, porque o mecanismo de aplicação dos juros compostos faz com que a cada mês o valor dos juros seja maior.

    E são essas contas que estão levando você e sua família a se endividarem cada vez mais.

    Dessa forma, o valor da dívida inicial cresce ao longo do tempo e você acaba ficando com um débito muito maior.

    Por isso, é importante que você realize o pagamento das dívidas com os juros maiores.

    Se deixar essas contas de lado, quando resolver pagar a conta pode estar muito maior.

    3º passo: não faça novas dívidas e comece a cortar os gastos

    Para sair do vermelho é necessário fazer alguns sacrifícios, por isso é importante que você não faça novas dívidas.

    Vale ressaltar que em casos de extrema necessidade você poderá abrir mão disso.

    Mas evite fazer compras ou emprestar o cartão de crédito, bem como fazer empréstimos e usar o cheque especial.

    Além disso, é importante classificar as despesas que têm em casa e que você colocou no seu orçamento familiar em categorias:

    -> Indispensáveis: alimentação, luz, aluguel, mensalidade da escola, plano de saúde, água, luz, entre outros;

    -> Desejáveis: academia, viagens, entre outros;

    -> Supérfluas: TV a cabo, cinema, restaurantes, entre outros.

    Depois de organizar e classificar em categorias as despesas, comece a pensar quais desses gastos você pode eliminar.

    Você pode começar pelas coisas que não são essenciais na sua vida. Um exemplo é a academia, que você pode trocar por exercícios na rua ou até mesmo em casa.

    Se for necessário, cancele a TV a cabo, troque os restaurantes por comer em casa com os amigos.

    Se quiser ir ao cinema, vá em dias que são mais baratos, para isso pesquise quais cinemas estão mais em conta.

    Depois que conseguir quitar todas as suas dívidas, você poderá voltar, gradativamente, a realizar todas as suas atividades normalmente.

    Contando, claro, que não comprometa a sua renda.

    4º passo: negocie suas compras e pague à vista

    Antes de fazer uma compra, você deve negociar o valor do produto ou serviço que for adquirir.

    Você pode começar a negociar pela forma de pagamento, já que algumas lojas costumam dar desconto para os clientes que realizam pagamentos à vista.

    Outra dica é negociar pela quantidade de produtos que for comprar, se forem muitas peças você pode tentar um desconto.

    Para esses casos, convide amigos ou familiares para fazerem as compras com você. Esse caso acontece muito na hora de adquirir o material escolar das crianças, por exemplo.

    Gostou do conteúdo? Compartilhe com seu amigos e continue a sua leitura sobre o assuntos: entenda qual é a diferença entre inadimplência e endividamento.

    O que achou disso?

    Média da classificação 0 / 5. Número de votos: 0

    Seja o primeiro a avaliar este post.

    Lamentamos que este assunto não tenha sido útil para você!

    Diga-nos, como podemos melhorar?

    Mateus Carvalho
    Mateus Carvalho
    Jornalista de profissão e apaixonado por Marketing Digital. Já foi redator de jornal impresso, atualmente escrevo para o digital e tenho sede por empreender. Escrever é a minha maior paixão e quando não estou digitando estou pensando em digitar. Carioca, vascaíno e apaixonado por memes.

    Artigos Relacionados

    Assine nossa newsletter!

    Páginas Populares

    DEIXE UMA RESPOSTA

    Por favor digite seu comentário!
    Por favor, digite seu nome aqui

    InícioNotíciasFinanças PessoaisQuase 78% das famílias brasileiras têm dívidas: o que fazer?

    Quase 78% das famílias brasileiras têm dívidas: o que fazer?

    0
    (0)

    O número de brasileiros endividados voltou a subir e chegou a um dos maiores patamares em 2022. O percentual de famílias brasileiras com dívidas chegou a 77,7% em abril deste ano.

    Publicidade

    Este percentual superou os 77,5% de março e é o maior patamar desde 2010.

    O aumento foi registrado por conta de inúmeros fatores. Esses dados são da pesquisa realizada pela Confederação Nacional do Comércio de Bens, serviços e Turismo (CNC).

    A Pesquisa de Endividamento e Inadimplência do Consumidor (Peic), divulgada recentemente, ainda comparou o mesmo período do ano passado.

    O presidente da CNC, José Roberto Tadros, explicou que essa alta consecutiva no percentual de famílias com dívidas pode ser explicada por meio de diversos aspectos.

    “A inflação alta, persistente e disseminada mantém a necessidade de crédito para recomposição da renda, fazendo com que as famílias encontrem nos recursos de terceiros uma saída para a manutenção do nível de consumo”, disse.

    No comparativo com 2021, o salto foi de 10,2 pontos percentuais. No mesmo período do ano passado, em abril, o percentual de endividados correspondia a 67,5% do total.

    Publicidade

    Outro fator importante foi a crescente marca da inadimplência da população. O número de famílias com dívidas em atrasos deu saltos significativos em um ano, afetando até mesmo o público mais jovem.

    dívidas
    Saiba como sair das dívidas

    A fatia de famílias que declara não ter condições de pagar as contas ou dívidas que estão em atraso também cresceu de março para abril, sendo de 10,9% atualmente. O patamar subiu 0,5% em um ano – sendo o maior desde dezembro de 2020.

    O CNC avalia que a expectativa é de que este número de endividados se mantenha por conta da inflação e juros elevados do mercado.

    As dívidas mais comuns são:

    • Cartões de créditos;
    • Carnês de lojas;
    • Financiamento automotivo;
    • Crédito pessoal; e
    • Financiamento de casa.

    Aprenda a sair das dívidas em 4 passos

    Com o aumento do número de famílias endividadas, muitas pessoas ficam se perguntando como reverter esse quadro e conseguir pagar todas as dívidas.

    Publicidade

    Para isso é necessário ter disciplina e esforço.

    E para te ajudar nessa missão de sair das dívidas, separamos quatro passos para você seguir e ficar no azul. Confira!

    1º passo: liste suas dívidas

    A primeira coisa a ser feita para sair do vermelho é dimensionar as dívidas.

    Para isso, faça uma tabela com todas as contas em atraso e anote os valores iniciais.

    Além disso, coloque as informações do credor de cada dívida e a taxa de juros que corresponde a cada uma.

    Publicidade

    Listando todas as suas dívidas você tem uma ideia do quanto está devendo no mercado.

    Além disso, ainda é possível saber por onde deve começar a se planejar para se reestruturar.

    Anote também as suas despesas mensais e diárias na planilha.

    2º passo: dê prioridade às dívidas com juros mais altos

    As dívidas com juros mais altos tendem a crescer mais rápido, porque o mecanismo de aplicação dos juros compostos faz com que a cada mês o valor dos juros seja maior.

    E são essas contas que estão levando você e sua família a se endividarem cada vez mais.

    Dessa forma, o valor da dívida inicial cresce ao longo do tempo e você acaba ficando com um débito muito maior.

    Por isso, é importante que você realize o pagamento das dívidas com os juros maiores.

    Se deixar essas contas de lado, quando resolver pagar a conta pode estar muito maior.

    3º passo: não faça novas dívidas e comece a cortar os gastos

    Para sair do vermelho é necessário fazer alguns sacrifícios, por isso é importante que você não faça novas dívidas.

    Vale ressaltar que em casos de extrema necessidade você poderá abrir mão disso.

    Mas evite fazer compras ou emprestar o cartão de crédito, bem como fazer empréstimos e usar o cheque especial.

    Além disso, é importante classificar as despesas que têm em casa e que você colocou no seu orçamento familiar em categorias:

    -> Indispensáveis: alimentação, luz, aluguel, mensalidade da escola, plano de saúde, água, luz, entre outros;

    -> Desejáveis: academia, viagens, entre outros;

    -> Supérfluas: TV a cabo, cinema, restaurantes, entre outros.

    Depois de organizar e classificar em categorias as despesas, comece a pensar quais desses gastos você pode eliminar.

    Você pode começar pelas coisas que não são essenciais na sua vida. Um exemplo é a academia, que você pode trocar por exercícios na rua ou até mesmo em casa.

    Se for necessário, cancele a TV a cabo, troque os restaurantes por comer em casa com os amigos.

    Se quiser ir ao cinema, vá em dias que são mais baratos, para isso pesquise quais cinemas estão mais em conta.

    Depois que conseguir quitar todas as suas dívidas, você poderá voltar, gradativamente, a realizar todas as suas atividades normalmente.

    Contando, claro, que não comprometa a sua renda.

    4º passo: negocie suas compras e pague à vista

    Antes de fazer uma compra, você deve negociar o valor do produto ou serviço que for adquirir.

    Você pode começar a negociar pela forma de pagamento, já que algumas lojas costumam dar desconto para os clientes que realizam pagamentos à vista.

    Outra dica é negociar pela quantidade de produtos que for comprar, se forem muitas peças você pode tentar um desconto.

    Para esses casos, convide amigos ou familiares para fazerem as compras com você. Esse caso acontece muito na hora de adquirir o material escolar das crianças, por exemplo.

    Gostou do conteúdo? Compartilhe com seu amigos e continue a sua leitura sobre o assuntos: entenda qual é a diferença entre inadimplência e endividamento.

    O que achou disso?

    Média da classificação 0 / 5. Número de votos: 0

    Seja o primeiro a avaliar este post.

    Lamentamos que este assunto não tenha sido útil para você!

    Diga-nos, como podemos melhorar?