InícioNotíciasFinanças PessoaisComo funciona o golpe do PIX em redes sociais? Saiba como se...

Como funciona o golpe do PIX em redes sociais? Saiba como se proteger

0
(0)

Diversas pessoas estão revelando estarem sendo vítimas de um golpe do PIX em redes sociais. O golpe funciona assim: criminosos invadem a conta da pessoa no Instagram e simulam vendas de celulares e outros produtos, como geladeira, fogão etc, a preços baixos para seus seguidores.

Além da denúncia feita no Twitter por internautas, o caso também foi noticiado no Fantástico, programa da Rede Globo, e mostra os perigos de ter sua conta invadida nas redes sociais.

Como funciona o golpe do PIX em redes sociais?

Na maioria dos casos, o golpe começa quando a vítima recebe uma mensagem no direct, conhecida como DM, em sua conta pessoal. Os criminosos enviam, normalmente, um link anunciando uma promoção de algo famoso.

Com isso, os hackers pedem que a vítima informe o seu número de celular e, via SMS, enviaram um link que deveria ser compartilhado de volta para confirmar a promoção.

Quando compartilhado o código e link, sua conta do Instagram foi sequestrada e passou a anunciar produtos para venda.

Seduzidos pelo preço abaixo do mercado, muitos seguidores acabam enviando mensagem para os criminosos sem saber que é, de fato, um golpe. Logo em seguida, ao convencer o potencial comprador, os criminosos passam os dados do PIX para que a vítima possa realizar o pagamento.

Depois do pagamento, o criminoso diz que enviará o produto para o endereço indicado, mas some. Com isso, quem fica com a fama de golpista é a pessoa que teve sua conta hackeada.

Mensagem de internauta no Twitter sobre o golpe PIX em redes sociais
Mensagem de internauta no Twitter sobre o golpe PIX em redes sociais

Como não cair no golpe do PIX no Instagram?

Além das vendas com preços irreais e fraudulentas, os criminosos ainda usam o perfil hackeado para invadir novas contas.

Funciona assim: os criminosos se passam pela pessoa hackeada e pedem aos seguidores que compartilhem o link de volta (o mesmo do início do golpe).

Entrevistado pelo Fantástico, o advogado especialista em crimes cibernéticos, José Antônio, recomenda que, ao perceber que um produto está sendo ofertado por um preço muito abaixo do normal, desconfie imediatamente. Além disso, o ideal também é conferir atentamente a fonte da oferta.

Para ele, com a proximidade das compras de Natal, esse golpe passará a ser muito difundido, inclusive em contas de pessoas jurídicas.

+ Conheça os golpes praticados com o Pix e como funcionam. Fique alerta!

+ 10 mudanças no Pix para evitar golpes e sequestros: veja o que muda

pessoa segurando um celular logado em um aplicativo de pix
Em novo golpe do PIX em redes sociais, criminosos se passam pela vítima e oferecem produtos com preços baixos

O PIX é seguro?

Em agosto, o Banco Central (BC) emitiu uma nota para garantir a segurança e eficiência do PIX. O BC afirmou que desde que chegou ao Brasil, o novo sistema de pagamento já beneficiou milhões de pessoas e empresas, reduzindo custos e incentivando novas transações financeiras.

A nota diz ainda que “o Banco Central e as instituições reguladas seguem trabalhando para implementar mecanismos adicionais de segurança o mais rápido possível, não somente no Pix, mas também aplicáveis a outros meios de pagamento digitais.”

Entre as novas medidas implementadas pelo Banco Central estão:

  • Limite de R$1 mil para transações entre pessoas físicas no período noturno (20h às 6h) via Pix, cartões de débito e TEDs;
  • Prazo mínimo de 24 horas e máximo de 48 horas para efetivação do pedido do usuário, impedindo o aumento imediato;
  • Autorizar que os participantes que recebem o PIX retenham uma transação por 30 minutos durante o dia ou por 60 minutos durante a noite para análise de risco da operação.

De acordo com Banco Central, essas medidas podem ajudar a aumentar a proteção dos clientes e empresas que utilizam o PIX, além de contribuir para a redução de crimes por meios de pagamentos digitais. 

Gostou deste texto? Quer continuar por dentro sobre tudo do mercado financeiro? Então continue nos acompanhando e assine agora mesmo a nossa newsletter.

O que achou disso?

Média da classificação 0 / 5. Número de votos: 0

Seja o primeiro a avaliar este post.

Lamentamos que este assunto não tenha sido útil para você!

Diga-nos, como podemos melhorar?

Camila Miranda
Camila Miranda
Nascida na Zona Oeste do Rio, me divido entre jornalismo e marketing digital. Com três anos de experiência em Comunicação, já trabalhei em redação de jornal impresso, webjornalismo e assessoria de imprensa. Hoje, faço gestão de mídias sociais e produção de conteúdo. Amo assuntos sobre as áreas cultural e política. Reclamo do transporte público.

Assine nossa newsletter!

Páginas Populares

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

InícioNotíciasFinanças PessoaisComo funciona o golpe do PIX em redes sociais? Saiba como se...

Como funciona o golpe do PIX em redes sociais? Saiba como se proteger

0
(0)

Diversas pessoas estão revelando estarem sendo vítimas de um golpe do PIX em redes sociais. O golpe funciona assim: criminosos invadem a conta da pessoa no Instagram e simulam vendas de celulares e outros produtos, como geladeira, fogão etc, a preços baixos para seus seguidores.

Além da denúncia feita no Twitter por internautas, o caso também foi noticiado no Fantástico, programa da Rede Globo, e mostra os perigos de ter sua conta invadida nas redes sociais.

Como funciona o golpe do PIX em redes sociais?

Na maioria dos casos, o golpe começa quando a vítima recebe uma mensagem no direct, conhecida como DM, em sua conta pessoal. Os criminosos enviam, normalmente, um link anunciando uma promoção de algo famoso.

Com isso, os hackers pedem que a vítima informe o seu número de celular e, via SMS, enviaram um link que deveria ser compartilhado de volta para confirmar a promoção.

Quando compartilhado o código e link, sua conta do Instagram foi sequestrada e passou a anunciar produtos para venda.

Seduzidos pelo preço abaixo do mercado, muitos seguidores acabam enviando mensagem para os criminosos sem saber que é, de fato, um golpe. Logo em seguida, ao convencer o potencial comprador, os criminosos passam os dados do PIX para que a vítima possa realizar o pagamento.

Depois do pagamento, o criminoso diz que enviará o produto para o endereço indicado, mas some. Com isso, quem fica com a fama de golpista é a pessoa que teve sua conta hackeada.

Mensagem de internauta no Twitter sobre o golpe PIX em redes sociais
Mensagem de internauta no Twitter sobre o golpe PIX em redes sociais

Como não cair no golpe do PIX no Instagram?

Além das vendas com preços irreais e fraudulentas, os criminosos ainda usam o perfil hackeado para invadir novas contas.

Funciona assim: os criminosos se passam pela pessoa hackeada e pedem aos seguidores que compartilhem o link de volta (o mesmo do início do golpe).

Entrevistado pelo Fantástico, o advogado especialista em crimes cibernéticos, José Antônio, recomenda que, ao perceber que um produto está sendo ofertado por um preço muito abaixo do normal, desconfie imediatamente. Além disso, o ideal também é conferir atentamente a fonte da oferta.

Para ele, com a proximidade das compras de Natal, esse golpe passará a ser muito difundido, inclusive em contas de pessoas jurídicas.

+ Conheça os golpes praticados com o Pix e como funcionam. Fique alerta!

+ 10 mudanças no Pix para evitar golpes e sequestros: veja o que muda

pessoa segurando um celular logado em um aplicativo de pix
Em novo golpe do PIX em redes sociais, criminosos se passam pela vítima e oferecem produtos com preços baixos

O PIX é seguro?

Em agosto, o Banco Central (BC) emitiu uma nota para garantir a segurança e eficiência do PIX. O BC afirmou que desde que chegou ao Brasil, o novo sistema de pagamento já beneficiou milhões de pessoas e empresas, reduzindo custos e incentivando novas transações financeiras.

A nota diz ainda que “o Banco Central e as instituições reguladas seguem trabalhando para implementar mecanismos adicionais de segurança o mais rápido possível, não somente no Pix, mas também aplicáveis a outros meios de pagamento digitais.”

Entre as novas medidas implementadas pelo Banco Central estão:

  • Limite de R$1 mil para transações entre pessoas físicas no período noturno (20h às 6h) via Pix, cartões de débito e TEDs;
  • Prazo mínimo de 24 horas e máximo de 48 horas para efetivação do pedido do usuário, impedindo o aumento imediato;
  • Autorizar que os participantes que recebem o PIX retenham uma transação por 30 minutos durante o dia ou por 60 minutos durante a noite para análise de risco da operação.

De acordo com Banco Central, essas medidas podem ajudar a aumentar a proteção dos clientes e empresas que utilizam o PIX, além de contribuir para a redução de crimes por meios de pagamentos digitais. 

Gostou deste texto? Quer continuar por dentro sobre tudo do mercado financeiro? Então continue nos acompanhando e assine agora mesmo a nossa newsletter.

O que achou disso?

Média da classificação 0 / 5. Número de votos: 0

Seja o primeiro a avaliar este post.

Lamentamos que este assunto não tenha sido útil para você!

Diga-nos, como podemos melhorar?