InícioNotíciasMercado CambialConfira todas as mudanças da nova lei cambial e os impactos para...

Confira todas as mudanças da nova lei cambial e os impactos para o dólar

5
(2)

No último dia 8 de dezembro o Senado Federal aprovou as novas regras para o mercado de câmbio. É a nova lei cambial, que vai facilitar transações com moedas internacionais e também do Real em outros países. 

Baseada na livre movimentação de capitais e operações mais simples, a lei segue para sanção presidencial. Embora ainda precise ser regulamentada, já é importante ficar de olho nas mudanças.

Isso porque, embora algumas das novas regras não digam respeito ao consumidor diretamente, outras vão afetá-los diretamente. Principalmente quem viaja. 

Continue lendo o artigo para saber tudo!

O que diz a nova lei cambial?

A nova lei cambial, como já mencionado, é baseada na livre movimentação. Na prática, ela deverá tornar as operações no mercado de câmbio menos burocráticas.

Um dos principais pontos é que ela abre caminho para a implementação PIX internacional. Ou seja, brasileiros poderão fazer a transferência instantânea para o exterior.

Essa funcionalidade já está em estudo pelo Banco Central e a sua implementação será possibilitada pela nova lei.

Mas não é só isso. A nova legislação sobre o câmbio também favorece a implantação do real digital, a moeda digital brasileira que facilitará os pagamentos e compras no exterior. 

A expectativa do BC é que ela esteja disponível em até três anos. Mas ela tem algumas particularidades: a cotação em relação a outras moedas poderá ser diferente do real tradicional. 

Além disso, ao contrário das criptomoedas, elas serão asseguradas pelos bancos centrais e terão menos volatilidade.

Fora que com ela, provavelmente, será mais barato transferir recursos ao exterior ou realizar pagamento de serviços e produtos contratados em outros países.

Mais um ponto do novo marco cambial é que será permitida a compra e a venda de moedas estrangeiras entre pessoas físicas. Hoje, essa prática atualmente é vedada.

Com a nova lei cambial, esse tipo de transação passará a ser permitida, desde que respeite o limite de US$500. 

Mas atenção: transações recorrentes realizadas de forma profissional pelos chamados “doleiros” continuam proibidas.

Outras mudanças

  • Bancos brasileiros poderão financiar a compra de exportações brasileiras no exterior 
  • Pessoas físicas e empresas poderão pagar contas no Brasil em moeda estrangeira (em algumas situações)
  • Transferências em reais para fora do Brasil 
  • Importações poderão ser pagas mesmo sem o ingresso dos bens no Brasil
  • Entrada de investidores estrangeiros no Brasil com burocracia reduzida
  • Exportadores brasileiros que recebem recursos no exterior poderão emprestá-los a uma subsidiária da empresa fora do país
  • A declaração de moeda em espécie para viagens internacionais passará a ser obrigatória a partir de US$10 mil
Várias cédulas de euro, dólar e real
Nova lei cambial vai facilitar transações com dólar, PIX Internacional e Real Digital

Como a nova lei cambial vai afetar o dólar?

O principal impacto da nova lei cambial em relação à moeda americana é que ela vai facilitar a transação dessa moeda no Brasil. Então haverá mais dólar circulando aqui e também mais Real circulando fora do país. 

Um exemplo é a questão da compra e venda de dólar entre pessoas físicas. Essa prática, que hoje é proibida, será permitida desde que respeite o limite de 500 dólares.

Então se você for viajar para os Estados Unidos e sobrar moeda estrangeira ao final da viagem, por exemplo, poderá vendê-las a outra pessoa. 

Em resumo, será uma grande desburocratização do mercado de câmbio. E ela vai afetar desde os bancos e importadores, até as pessoas físicas.

Quando a nova lei cambial começa a valer?

O Projeto de Lei que estabelece um novo marco legal para o mercado de câmbio (PL 5.387/2019) foi aprovado pelo Senado no último dia 8 de dezembro. Mas ele ainda precisa ser sancionado pelo presidente para se tornar lei. 

Depois disso, o Conselho Monetário Nacional (CMN) e o Banco Central ainda terão que regulamentar essa lei. Ou seja, definir todas as regras, dando mais especificidade e estabelecendo um prazo de adaptação para o mercado. 

Portanto, as regras da nova lei cambial podem demorar um pouco até entrarem em vigor, até um ano. E depois que isso acontecer ainda haverá um período de adaptação. 

Vale destacar que a legislação de câmbio atual começou a ser estruturada cem anos atrás, em 1920. Naquela época, o contexto socioeconômico era completamente diferente e incluía escassez de moeda estrangeira.

Isso não é mais condizente com uma economia globalizada. Por isso, o Banco Central defende que a nova legislação representa um “passo importante na direção de aumentar a conversibilidade internacional da moeda nacional”

Na prática, vai simplificar tanto o uso do Real no exterior, quanto seu uso pelos agentes internacionais no Brasil.

O conteúdo foi útil? Então compartilhe com seus amigos e deixe um comentário!

O que achou disso?

Média da classificação 5 / 5. Número de votos: 2

Seja o primeiro a avaliar este post.

Lamentamos que este assunto não tenha sido útil para você!

Diga-nos, como podemos melhorar?

Tamires Silva
Tamires Silva
Jornalista e Redatora do FinanceOne, onde suas finanças começam.

Assine nossa newsletter!

Páginas Populares

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

InícioNotíciasMercado CambialConfira todas as mudanças da nova lei cambial e os impactos para...

Confira todas as mudanças da nova lei cambial e os impactos para o dólar

5
(2)

No último dia 8 de dezembro o Senado Federal aprovou as novas regras para o mercado de câmbio. É a nova lei cambial, que vai facilitar transações com moedas internacionais e também do Real em outros países. 

Baseada na livre movimentação de capitais e operações mais simples, a lei segue para sanção presidencial. Embora ainda precise ser regulamentada, já é importante ficar de olho nas mudanças.

Isso porque, embora algumas das novas regras não digam respeito ao consumidor diretamente, outras vão afetá-los diretamente. Principalmente quem viaja. 

Continue lendo o artigo para saber tudo!

O que diz a nova lei cambial?

A nova lei cambial, como já mencionado, é baseada na livre movimentação. Na prática, ela deverá tornar as operações no mercado de câmbio menos burocráticas.

Um dos principais pontos é que ela abre caminho para a implementação PIX internacional. Ou seja, brasileiros poderão fazer a transferência instantânea para o exterior.

Essa funcionalidade já está em estudo pelo Banco Central e a sua implementação será possibilitada pela nova lei.

Mas não é só isso. A nova legislação sobre o câmbio também favorece a implantação do real digital, a moeda digital brasileira que facilitará os pagamentos e compras no exterior. 

A expectativa do BC é que ela esteja disponível em até três anos. Mas ela tem algumas particularidades: a cotação em relação a outras moedas poderá ser diferente do real tradicional. 

Além disso, ao contrário das criptomoedas, elas serão asseguradas pelos bancos centrais e terão menos volatilidade.

Fora que com ela, provavelmente, será mais barato transferir recursos ao exterior ou realizar pagamento de serviços e produtos contratados em outros países.

Mais um ponto do novo marco cambial é que será permitida a compra e a venda de moedas estrangeiras entre pessoas físicas. Hoje, essa prática atualmente é vedada.

Com a nova lei cambial, esse tipo de transação passará a ser permitida, desde que respeite o limite de US$500. 

Mas atenção: transações recorrentes realizadas de forma profissional pelos chamados “doleiros” continuam proibidas.

Outras mudanças

  • Bancos brasileiros poderão financiar a compra de exportações brasileiras no exterior 
  • Pessoas físicas e empresas poderão pagar contas no Brasil em moeda estrangeira (em algumas situações)
  • Transferências em reais para fora do Brasil 
  • Importações poderão ser pagas mesmo sem o ingresso dos bens no Brasil
  • Entrada de investidores estrangeiros no Brasil com burocracia reduzida
  • Exportadores brasileiros que recebem recursos no exterior poderão emprestá-los a uma subsidiária da empresa fora do país
  • A declaração de moeda em espécie para viagens internacionais passará a ser obrigatória a partir de US$10 mil
Várias cédulas de euro, dólar e real
Nova lei cambial vai facilitar transações com dólar, PIX Internacional e Real Digital

Como a nova lei cambial vai afetar o dólar?

O principal impacto da nova lei cambial em relação à moeda americana é que ela vai facilitar a transação dessa moeda no Brasil. Então haverá mais dólar circulando aqui e também mais Real circulando fora do país. 

Um exemplo é a questão da compra e venda de dólar entre pessoas físicas. Essa prática, que hoje é proibida, será permitida desde que respeite o limite de 500 dólares.

Então se você for viajar para os Estados Unidos e sobrar moeda estrangeira ao final da viagem, por exemplo, poderá vendê-las a outra pessoa. 

Em resumo, será uma grande desburocratização do mercado de câmbio. E ela vai afetar desde os bancos e importadores, até as pessoas físicas.

Quando a nova lei cambial começa a valer?

O Projeto de Lei que estabelece um novo marco legal para o mercado de câmbio (PL 5.387/2019) foi aprovado pelo Senado no último dia 8 de dezembro. Mas ele ainda precisa ser sancionado pelo presidente para se tornar lei. 

Depois disso, o Conselho Monetário Nacional (CMN) e o Banco Central ainda terão que regulamentar essa lei. Ou seja, definir todas as regras, dando mais especificidade e estabelecendo um prazo de adaptação para o mercado. 

Portanto, as regras da nova lei cambial podem demorar um pouco até entrarem em vigor, até um ano. E depois que isso acontecer ainda haverá um período de adaptação. 

Vale destacar que a legislação de câmbio atual começou a ser estruturada cem anos atrás, em 1920. Naquela época, o contexto socioeconômico era completamente diferente e incluía escassez de moeda estrangeira.

Isso não é mais condizente com uma economia globalizada. Por isso, o Banco Central defende que a nova legislação representa um “passo importante na direção de aumentar a conversibilidade internacional da moeda nacional”

Na prática, vai simplificar tanto o uso do Real no exterior, quanto seu uso pelos agentes internacionais no Brasil.

O conteúdo foi útil? Então compartilhe com seus amigos e deixe um comentário!

O que achou disso?

Média da classificação 5 / 5. Número de votos: 2

Seja o primeiro a avaliar este post.

Lamentamos que este assunto não tenha sido útil para você!

Diga-nos, como podemos melhorar?