Conversor de moedas

Veja a cotação do Dólar Hoje, Euro hoje e Bitcoin hoje.

O que é Selic e por que se preocupar com ela

Escrito por: Bruna Somma em 18 de setembro de 2019

No mercado financeiro, é comum ouvir falar sobre a Selic. Mas, você sabe o que significa essa taxa e por que se preocupar com ela?

Por definição, Selic significa Sistema Especial de Liquidação de Custódia. O que nada mais é do que uma taxa básica da economia brasileira.

É a partir dela que derivam as outras taxas da economia, como da inflação, empréstimos, financiamentos e aplicações.

A Selic é usada pelo governo como um mecanismo para frear ou acelerar a economia, de forma a controlar os índices de inflação.

Quando a inflação está alta, o governo federal aumenta a Selic. E vice-versa.

Taxa-Selic
Taxa Selic, variável conforme os meses, influencia no dia a dia e nos investimentos

Com o objetivo de conter a inflação, uma das formas usadas é elevar a taxa básica de juros (a própria Selic).

Assim, o custo do dinheiro fica mais alto e a população contém os gastos, de maneira a reduzir a demanda.

Isso é capaz de provocar a retração na economia e redução nos preços dos serviços e produtos. Tudo isso faz a inflação reduzir.

Para os investidores, também é fundamental entender como a Selic se comporta frente a uma economia instável.

É rentável, por exemplo, aplicar em títulos vinculados à taxa Selic?

Ao longo deste artigo, responderemos a essa e outras perguntas sobre o assunto.

O que é a taxa Selic?

Criado em 1986, essa taxa é um sistema do Banco Central (Bacen) que captura as operações relacionadas aos títulos escriturais do Tesouro Nacional.

Em outras palavras, é um sistema informatizado que registra os dados de custódia e liquidação dos títulos públicos federais.

Como por exemplo, os emitidos pelo Tesouro Nacional.

A Selic é estabelecida pelo Comitê de Política Monetária (Copom), que se reúne a cada 45 dias para decidir os rumos da taxa básica de juros do período seguinte.

Ao todo, o piso de juros é definido oito vezes ao ano.

Essa taxa é parâmetro para que os bancos indiquem a taxa de juros dos empréstimos diários que realizam uns aos outros.

Com a lenta retomada da economia brasileira em 2018, a Selic fechou em 6,5% e a inflação em 3,75%.

O Copom, em julho deste ano, cortou a taxa Selic de 6,5% para 6%. O que foi o menor resultado desde sua criação, há 33 anos.

A depender das decisões do Copom, os diferentes modelos de investimentos podem se tornar mais ou menos atrativos.

Uma vez que a Selic determina as outras taxas de juros praticadas no Brasil.

Qual a importância da Selic no dia a dia?

A taxa Selic é uma forma do governo de controlar a inflação. É importante se preocupar com ela pois se está em alta, há menos dinheiro em circulação no mercado.

Da mesma maneira que há menor procura por serviços e bens de consumo. Uma vez que se a demanda é menor, os preços também tendem a cair.

É pela Selic que os bancos calculam o quanto de juros cobrarão pelos empréstimos, cheque especial e juros do cartão de crédito.

Quanto menor a taxa, mais barato o usuário poderá pegar um empréstimo ou comprar a prazo.

A alta na taxa é desfavorável ao consumo. Isso porque os juros dos empréstimos e financiamentos, além dos cartões de crédito, ficam elevados.

Por outro lado, se a Selic está em queda, o consumo leva vantagem. Os empréstimos e financiamentos ficam com menores juros.

Vale destacar que a Selic não é aplicada diretamente nos empréstimos para pessoas físicas e jurídicas.

Os bancos captam recursos por essa taxa. No entanto, ao emprestarem capital aos clientes, os juros aplicados acabam sendo maiores.

O motivo é que outras variáveis são embutidas na cobrança final, como por exemplo, os custos operacionais e o risco de não obter o valor emprestado de volta.

Como a Selic afeta os investimentos?

Os investimentos em títulos do Tesouro Direito são diretamente afetados pela taxa Selic. Eles são muitos utilizados por quem quer sair da poupança.

E, com isso, aplicar o dinheiro em uma fonte que tenha maior rentabilidade. Atualmente, os ativos disponibilizados são:

– Indexados à Selic;
– Indexados à Inflação;
– Pré-fixados.

Quando ocorre a compra de um título público no Tesouro Selic, por exemplo, o investidor está emprestando dinheiro ao governo.

Em troca, o governo paga juros ao aplicador. Esse valor, por sua vez, é determinado pela taxa Selic.

Considerando que a taxa pode variar, a rentabilidade dos títulos também é flexível. Seja para melhor ou pior.

Saber seu perfil de investidor
O perfil de investidor determina quais são os limites das suas aplicações

A lógica é simples: quanto maior a Selic, os rendimentos em renda fixa também tendem a ser maiores. Até mesmo a poupança melhora.

Confira os casos um a um a seguir.

Tesouro Selic

Esse é um modelo de investimento pós-fixado. Isto é, o aplicador só saberá o valor que receberá ao final do prazo contratado. Seu rendimento é diário.

A variação, porém, está atrelada à Selic.

Se comprar um título com vencimento em 2021, a rentabilidade será proporcional aos juros no período que o dinheiro esteve aplicado.

Se o indivíduo resolver retirar o dinheiro em seis meses, o título renderá o equivalente à taxa Selic nesse período.

Caso a Selic aumente, os rendimentos também sobem. A recíproca também é verdadeira.

IPCA

O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) também é uma alternativa de investimento pós-fixado.

A diferença é que os títulos são indexados ao IPCA e voltam ao investidor com a quantia corrigida pela inflação do período mais uma taxa pré-determinada.

Os títulos nesse caso estão sujeitos a flutuações entre a data de compra e de vencimento.

Ou seja, podem passar até mesmo por períodos de rentabilidade negativa.

Caso o aplicador queira retirar o título antes do prazo final.

O recomendado, por tanto, é que o investidor leve o título até a data combinada.

Com isso, terá como rentabilidade o IPCA mais a taxa definida na compra.

Investimentos pré-fixados

Há também as aplicações pré-fixadas. Isto é, o investidor sabe qual será rentabilidade no vencimento pois está determinada no ato do contrato.

É uma ótima alternativa para quem deseja saber quanto ganhará ao final da aplicação.

A depender das oscilações da taxa Selic, entretanto, a rentabilidade poderá ser maior ou menor.

Investir em títulos pré-fixados pode ser uma boa opção quando os juros estão em alta, com a perspectiva de queda na Selic.

CDI

O Certificado de Depósito Interbancário (CDI) é um título privado e interbancário.

O que indica que é usado somente entre as instituições bancárias em empréstimos de curto prazo.

O valor do CDI é definido com base nos juros praticados. A taxa Selic é o CDI são próximos.

A lógica é a seguinte: nas situações em que a Selic cai, o CDI também diminui. O que faz com que os rendimentos das aplicações sofram uma queda.

Esse indicador ainda é utilizado na taxa de rentabilidade de aplicações de renda fixa como:

  • LCI – Letras de Crédito Imobiliário;
  • LCA – Letras de Crédito do Agronegócio;
  • LC – Letras de Câmbio;
  • CDB – Certificado de Depósito Bancário;
  • CRI – Certificado de Recebíveis Imobiliários;
  • CRA – Certificado de Recebíveis do Agronegócio;
  • Debêntures.

Para não ter erro, antes de aplicar qualquer quantia, analise seu perfil de investidor e conheça melhor sobre o mercado financeiro com os artigos do FinanceOne.

Bruna Somma

Jornalista formada pela UFRRJ, com passagens por redações de jornais, sites e Assessoria de Comunicação.

Deixe uma resposta

Posts relacionados

Treasuries americanos são conhecidos como os títulos mais seguros do mundo
Bolsa de valores
visto de investidor nos EUA
3 investimentos que prometem boa rentabilidade em 2019
Selic