O que o profissional brasileiro espera do trabalho no futuro? | FinanceOne

O que o profissional brasileiro espera do trabalho no futuro?

Escrito por: Mateus Carvalho em 28 de julho de 2020

Você já parou para pensar o que o profissional brasileiro espera do trabalho no futuro? Você tem confiança no seu futuro profissional?

Foi pensando nisso que o LinkedIn lançou o Índice de Confiança do Trabalhador, após realizar essa pergunta a mais de 2.500 profissionais no país.

Esse índice é uma “fotografia” do grau de otimismo dos brasileiros quanto ao futuro da carreira e das finanças. O índice passará a ser publicado periodicamente para medir a confiança do trabalhador diante de persistentes turbulências e incertezas econômicas do Brasil.

investimentos para profissionais liberais Mudança na regra da LCA
O profissional brasileiro é otimista em relação ao futuro

O Índice de Confiança do Trabalhador mostrou que o profissional brasileiro com idade entre 40 e 54 anos, a geração X, são os mais otimistas quanto às perspectivas de evolução profissional e financeira do país.

Para se ter uma ideia, em uma escala de -100 a +100, o índice de confiança do grupo ficou em 56. Cinco pontos acima dos millennials, de 25 a 39 anos, e 12 pontos acima dos Baby Boomers acima dos 55 anos.

Mas independente da geração, o índice é de 55 pontos quanto à segurança do próprio emprego. Além de 43 pontos quanto às perspectivas financeiras e 54 em relação às oportunidades de ascensão profissional no Brasil.

Destaques do profissional brasileiro no Índice de Confiança

É importante ressaltar que a pesquisa foi realizada em duas etapas entre os dias 1º e 28 de junho no Brasil. Veja abaixo os destaques da primeira edição do Índice de Confiança do Trabalhador:

-> A Confiança Individual, que mede o otimismo com a segurança do próprio emprego, as perspectivas financeiras e a chance de progressão na carreira, é de 51 no Brasil. Em uma escala que vai de -100 a +100;

-> A geração X (com idade entre 40 e 54 anos) é a mais confiante, com 56 pontos. Já os mais pessimistas são os Baby Boomers (acima de 55 anos), com 44 pontos;

-> Somente 21% dos Baby Boomers acreditam que a renda vai aumentar nos próximos seis meses. A proporção é de 30% para a geração Z, com menos de 25 anos de idade;

-> Cerca de 30% dos brasileiros acreditam que as vagas de emprego irão diminuir nas próximas duas semanas. A porcentagem é mais alta entre os funcionários de instituições de grande porte, com 39%;

-> Os profissionais que trabalham em pequenos negócios são os mais confiantes quanto ao futuro dos seus empregados: 71% deles acreditam que a situação da empresa vai melhorar daqui um ano. Entre os funcionários de empresa de médio e grande porte, a proporção é de 65% e 62%, respectivamente.

O que o mercado de trabalho espera do profissional brasileiro?

Agora, e se a pergunta fosse invertida? Já parou para pensar, por exemplo, o que o mercado de trabalho pode estar esperando dos profissionais no futuro?

Quais são as expectativas e as principais diferenças do trabalhador de hoje e daquele que será no amanhã?

De acordo com a PUC Minas, os conhecimentos adquiridos em um curso de graduação podem ser considerados a base para uma vida profissional. Entretanto, a sociedade vive em constante mudança, o que sempre muda a forma com que os profissionais atuam.

Isso exige até mesmo mais conhecimento. Dessa forma, expõe-se que não necessariamente o profissional de hoje está preparado para as demandas dos próximos anos, mesmo que ele seja qualificado no presente. A mudança é constante.

“Pode-se dizer que o profissional do futuro deverá estar mais adaptado à era digital, na qual a tecnologia é preponderante para designar a forma de trabalho. É possível até que algumas profissões desaparecem em poucos anos, e outras surjam, adotando novas concepções e frentes de atuação”, dia a PUC Minas.

As seis habilidades do profissional do futuro, independentemente do ramo de atuação, segundo a pesquisa, são:

1. Flexibilidade cognitiva;
2. Negociação eficaz;
3. Orientação de serviço;
4. Precisão e agilidade na tomada de decisões;
5. Inteligência Emocional;
6. Trabalho em equipe.

Vale lembrar ainda que o mercado de trabalho no futuro tende a ficar ainda mais competitivo. Se hoje a necessidade de qualificação, conhecimento e habilidades são primordiais, isso se tornará ainda mais crucial.

O mercado não ficará mais exigente, mas sim disputado. E você, está pronto para encarar as mudanças no futuro. O que você espera está alinhado com as expectativas das empresas?

Aqui no FinanceOne você encontra diariamente conteúdos e um noticiário completo para te ajudar a encarar o mercado e se planejar de forma segura e eficaz.

Mateus Carvalho

Jornalista formado pela Unicarioca. Atualmente, repórter da Folha Dirigida e produtor de conteúdo no FinanceOne. Já fui colaborador do Torcedores.com.

Deixe uma resposta

Posts relacionados

FGTS
Brasileiros no Japão
O financiamento estudantil pode ser uma opção para conseguir o diploma de nível superior
Redução de salário