RJ é o estado que mais sofre os efeitos da Covid-19

Escrito por: Rafael Massadar em 9 de junho de 2020

A pandemia do novo coronavírus (Covid-19) fez com que a economia do estado do Rio de Janeiro perdesse o fôlego que ganhou em 2019. Ano em que a região apresentou um crescimento de 1,5%.

Para este ano, as expectativas eram mais positivas, de um crescimento maior do que no ano passado, em linha com as projeções para a economia brasileira em 2020, de algo próximo a 2%.

É o que aponta o estudo do economista e pesquisador do FGV IBRE, Marcel Balassiano.

covid-19
Rio de Janeiro é o estado que mais sofre economicamente com a pandemia do coronavírus

Porém, com a crise de saúde que tem impactos na economia, as projeções econômicas desabaram, no mundo, no Brasil e também no Rio de Janeiro. Agora, a dúvida é de quanto será a recessão.

De acordo com o governo, pelo menos R$4 bilhões são provenientes de perdas em receitas de royalties e participações especiais de petróleo. Já R$11,7 bilhões de arrecadação em ICMS, com a desaceleração da atividade econômica.

Efeitos da Covid-19 na economia do Rio de Janeiro

O estudo do economista Marcel Balassiano aponta que o primeiro trimestre foi afetado somente no final com a crise do coronavírus. Afinal, somente na segunda quinzena de março houve um agravamento da crise no Brasil.

Com isso, o Indicador de Atividade Econômica (IBCR-RJ), divulgado pelo Banco Central, recuou, em termos reais, 1,7%, em comparação com o quarto trimestre de 2019. Contudo, a produção industrial ainda conseguiu um crescimento positivo, de 1,4%, na mesma base de comparação.

Já o setor de serviços, que corresponde a 80% da economia fluminense, recuou 2,8%. As vendas no varejo recuaram 0,7% no primeiro trimestre de 2020 em comparação ao final do ano passado.

“O Estado do Rio de Janeiro estava num processo de recuperação, lenta e gradual, mas de fortalecimento, da atividade econômica. Porém, com esta crise, a economia ainda vai piorar antes de melhorar. Voltar aos níveis anteriores da crise da recessão brasileira de 2014/16 ainda vai demorar algum tempo, infelizmente”, afirma Marcel Balassiano.

O que esperar até o final de 2020?

O economista Marcel Balassiano diz que o estado do Rio de Janeiro estava em um processo lento e gradual de recuperação, mas de fortalecimento da atividade econômica.

De acordo com o especialista, com a crise da Covid-19, a economia vai piorar ainda mais e só depois ganhar fôlego.

“Vamos voltar aos níveis anteriores da crise da recessão brasileira de 2014/16. Ainda vai demorar algum tempo, infelizmente, para nos recuperarmos”, ressalta o economista do FGV IBRE.

Segundo ele, as perdas acumuladas em março de 2020, já com os primeiros efeitos da Covid-19, em comparação com os respectivos picos pré-crise, mostram que a perda acumulada de atividade econômica estava diminuindo.

No caso da indústria, que cresceu no primeiro trimestre deste ano, a perda acumulada diminuiu de -6,4% (em dezembro de 2019) para -4,8%, em relação à março de 2014. Mas, nos setores de serviços e comércio, os gaps aumentaram mais ainda.

O setor de serviços, principal locomotiva da economia fluminense, está quase 30% abaixo do pico de junho de 2014. E as vendas no varejo estão 14,6% abaixo do pico prévio de outubro de 2014.

Rio é a cidade com maior índice de informalidade

Dados da Fundação Getúlio Vargas (FGV Social) mostram que a cidade do Rio de Janeiro tem o maior índice de informalidade do Brasil.

De acordo como Marcelo Neri, responsável pelo levantamento e diretor da FGV Social, a falta de trabalho em função das medidas de isolamento para combater a Covid-19 é uma das causas.

Aliado a isso, Neri inclui como causa a dificuldade para conseguir o auxílio financeiro do governo, são fatores decisivos que aumentam.

Segundo o estudo da FGV, o índice de informalidade no Rio é próximo de capitais como Aracaju, em Sergipe, e Belém, no Paraná. No entanto, distante da capital paulista.

“Existem três Rios. Tem o estado, tem o município e tem a Região Metropolitana. Todos eles, com as suas respectivas categorias, tem níveis quase nordestinos e nortistas de informalidade, sendo que aumentou muito nos últimos anos. Aumentou quase 7 pontos de porcentagem, o que é muito, é um crescimento três vezes maior que a média nacional”, explica o economista da FGV, Marcelo Néri.

Ainda segundo a pesquisa, o Rio é a cidade com a maior periferia do Brasil e a metrópole com a maior concentração de idosos nessa região.

Leia também: Como profissionais liberais podem lidar com a crise do coronavírus?

Rafael Massadar

Jornalista com experiência em redação com pós-graduação em Comunicação Empresarial e Transmídia. Atualmente trabalho como assessor de imprensa.

Deixe uma resposta

Precisa converter?

A calculadora de conversão do FinanceOne fornece os últimos valores cotados para diversas moedas. Acesse agora!

Converter agora

Posts relacionados

saída de Sérgio Moro
FED
pix
nuvem de gafanhotos