Veja a cotação do Dólar Hoje, Euro hoje e Bitcoin hoje.

Setembro tem deflação de 0,04%: o que significa?

Escrito por: Rafael Massadar em 15 de outubro de 2019

O país teve deflação de 0,04% em setembro. Esse é o menor resultado para o mês desde 1998, quando o índice ficou em -0,22%.

A queda foi proporcionada, principalmente, pela redução de 0,43% nos preços dos alimentos e bebidas. Eles caíram pelo segundo mês seguido.

Os dados são do Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), divulgado pelo IBGE.

No acumulado do ano, o IPCA registrou 2,49% e, nos últimos 12 meses, ficou em 2,89%.

deflação
O índice de deflação fechou em 0.04% em setembro. O que isso significa na prática?

A alimentação fora de casa desacelerou de 0,53% em agosto para 0,04% em setembro, devido à variação de -0,04% no item refeição.

No entanto, a alimentação no domicílio teve queda de 0,70% nos preços. Destaques para o tomate (-16,17%), a batata-inglesa (-8,42%), a cebola (-9,89%) e as frutas (-1,79%).

Artigos de residência e comunicação também tiveram deflação, de 0,76% e 0,01%, respectivamente.

A queda nos preços de artigos de residência foi proporcionada pelos preços dos eletrodomésticos e equipamentos (-2,26%) e de TV, som e informática (-0,90%).

Por outro lado, outros setores registraram aumento nos preços, como saúde e cuidados pessoais (0,58%) e vestuário (0,27%). O que deixou a deflação próxima de zero.

Dez localidades tiveram deflação

Entre os 16 locais pesquisados pelo IPCA, dez tiveram deflação. Destaque para São Luís (-0,22%), em função da queda observada na energia elétrica (-6,97%).

Também tiveram quedas acentuadas Belo Horizonte (-0,18%), Brasília (-0,17%) e Rio de Janeiro (-0,13%).

Contudo, a maior variação positiva ficou com Goiânia (0,41%). Principalmente por conta da alta no preço da gasolina (2,80%).

Mas, o que isso significa na prática?

Em termos gerais, deflação é o processo inverso da inflação. Ou seja, uma diminuição do índice de preços ao consumidor ou de uma queda de preços.

Portanto, o valor da inflação assumiu um valor negativo.

Uma das principais causas de deflações prolongadas é a recessão, ou seja, as crises econômicas. Nesses períodos, os consumidores compram menos e forçam as empresas a produzirem menos.

Na história recente do Brasil, o IPCA registrou deflação pelo período de três meses – entre julho e setembro de 1998.

Na época, houve uma desvalorização das commodities e diversas crises financeiras pelo mundo.

O que, portanto, acabou impactando a nossa economia.

O resultado é bom ou ruim?

Em um primeiro momento, a deflação é favorável ao consumidor. Contudo, a longo prazo, pode ser um problema.

Isso porque a deflação pode ser pior do que a inflação tendo em vista que desincentiva a produção. Ou seja, o produtor que não há consumidor.

Para o economista André Braz, professor do Instituto Brasileiro de Economia da FGV, isso é um risco que pode criar um efeito dominó. Segundo ele, se não produz, não contrata, ou até demite.

Em relação a deflação, Braz diz que o resultado de setembro foi muito próximo de zero e não aconteceu em todos os setores.

Dessa forma, de acordo com economista da FGV, não há motivo para grande preocupação.

Afinal, ele afirma que a inflação fechará o ano dentro da meta. Principalmente pelos resultados dos meses de novembro e dezembro, que têm projeção de alta de preços.

Rafael Massadar

Jornalista com experiência em redação com pós-graduação em Comunicação Empresarial e Transmídia. Atualmente trabalho como assessor de imprensa.

Deixe uma resposta

Precisa converter?

A calculadora de conversão do FinanceOne fornece os últimos valores cotados para diversas moedas. Acesse agora!

Converter agora

Posts relacionados

13º salário
Dicas para economizar no supermercado
Economia brasileira
Aumentos salariais em 2019
13° salário