InícioNotíciasEconomiaComo a alta da inflação influencia no dia a dia?

Como a alta da inflação influencia no dia a dia?

Tempo de leitura: 4 minutos
()

Antes de explicarmos como a inflação influencia no seu dia a dia, vamos esclarecer o que é esse termo tão falado. Talvez, você até já saiba e sinta os efeitos no bolso, mas vamos te ajudar a compreender melhor.

A inflação é muito associada aos “produtos mais caros” e, basicamente, é isso que acontece. Com a desvalorização, os preços sobem porque o mesmo dinheiro de antes, agora, tem menos valor.

Na economia, o conjunto dessas categorias é chamado de “cesta de produtos”. Ela inclui despesas relacionadas à alimentação, moradia, vestuário, transporte, saúde, despesas pessoais, educação entre outros.

No Brasil, existem quatro tipos de índices para medir o índice. Isso porque a inflação não atinge todos os consumidores da mesma forma.

1 – Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA): medido pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), este índice considera os preços de bens adquiridos por famílias com renda entre 1 e 40 salários mínimos em 11 regiões metropolitanas.

2 – Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC): semelhante ao IPCA, este índice considera a inflação para famílias com renda entre 1 e 5 salários mínimos.

3 – Índice Geral de Preços – Mercado (IGP-M): medido pela Fundação Getúlio Vargas (FGV), este índice considera preços do comércio atacadista, varejista e da construção civil. Os dados são recolhidos entre o dia 21 do mês anterior e 20 do mês de referência.

4 – Índice Geral de Preços – Disponibilidade Interna (IGP-DI): semelhante ao IGP-M, este índice mede a variação de preços desde as matérias-primas agrícolas e industriais até de bens e serviços para o consumidor final. A diferença está na data de recolhimento, que acontece entre o primeiro e último dia do mês.

Qual foi a inflação de 2020 e como será em 2021?

O IPCA fechou 2020 em 4,52%, de acordo com o IBGE. Um pouco acima do centro da meta para o ano, que era de 4%.

A principal vilã da inflação em 2020 foi a alimentação. Os preços do conjunto de alimentos e bebidas tiveram alta acumulada de 14,09% ao longo do ano, o maior aumento desde 2002 (19,47%).

O segundo maior impacto partiu da habitação, que acumulou alta de 5,25% no ano. Já o terceiro maior impacto partiu de artigos de residência, que acumularam alta de 6% no ano.

Para 2021, o mercado financeiro prevê uma subida de 3,32% para 3,34% de inflação. Contudo, alguns especialistas já esperaram números um pouco mais elevados.

Quais as causas para o aumento da inflação?

Existem diversos fatores que podem ocasionar a inflação de preços em um país. Uma das principais causas é a desvalorização da moeda, que ocorre principalmente quando o governo imprime mais dinheiro sem possuir o lastro necessário.

Porém existem diversos outros fatores. Uma delas decorre de uma diferença entre oferta e demanda.

Inflação
A principal vilã da inflação em 2020 foi a alimentação

Um exemplo é quando existe uma procura muito maior por produtos e serviços do que os produtores e prestadores podem atender. Ou até mesmo uma falta de produtos e serviços ou por falta de matéria prima.

Não apenas a falta da matéria prima, mas também outros motivos podem surgir que acabam dificultando a produção, como obstáculos fiscais ou físicos para os prestadores de serviços ou produtores.

Outro caso é quando a infraestrutura para as atividades econômicas não está correta. Por exemplo, a falta mão de obra especializada ou até mesmo por questões climáticas, como uma quebra de uma safra.

Esses problemas fazem com que a produção seja encarecida e essa alta nos custos deve ser repassada ao consumidor final.

Também podemos citar a alta do dólar como um fator que influência para a inflação. Afinal, sua variação pode elevar todos os preços dos produtos importados, ou até mesmo produtos nacionais que possuem algum derivado ou componente importado.

Por fim, podemos citar a elevação de tarifas públicas, a alta de impostos, aumento da luz e água, novas regulamentação tributárias e a correção monetária conhecida como indexação.

Por que a alta da inflação afeta o seu bolso?

Já vimos que a alta da inflação é sinônimo de elevação de preços. Ou seja, o resultado pode não ser positivo para quem vive de salário e não vê a sua renda aumentar.

Exemplo: se um profissional ganha hoje o mesmo que ganhava há três anos, ele perdeu poder de compra, porque as coisas estão mais caras.

Em outras palavras, a inflação faz com que o seu dinheiro perca valor, já que ele não acompanha as altas dos preços.

Vale destacar que o o reajuste do salário mínimo anunciado pelo governo federal não repõe a inflação do ano passado. O motivo é simples: o INPC acumulou alta de 5,45% no ano passado, já o aumento foi foi menor, de 5,26%.

Descubra ainda como a inflação pode influenciar seus investimentos!

O que achou disso?

Média da classificação / 5. Número de votos:

Seja o primeiro a avaliar este post.

Lamentamos que este assunto não tenha sido útil para você!

Diga-nos, como podemos melhorar?

Tempo de leitura: 4 minutos
Rafael Massadar
Carioca, amante de esportes e de viagens. Escolhi o jornalismo porque ele vive pelo mundo e conta histórias de pessoas e realidades distintas. Tenho experiência em redação e assessoria de imprensa. Atualmente, trabalho numa agência de marketing digital.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Páginas Populares

Calculadora de Hora Extra

Calculadora de Rescisão Trabalhista

Correção do FGTS, vale a pena?

Conversor de Moedas

Rendimento Poupança 2021

5 Cartões de crédito sem consulta ao SPC e Serasa

8 plataformas para compra e venda de Bitcoin

Últimos Artigos