Conversor de moedas

Veja a cotação do Dólar Hoje, Euro hoje e Bitcoin hoje.

Taxa de custódia do Tesouro Direto: o que é e como funciona

Escrito por: Mateus Carvalho em 24 de junho de 2019

Você costuma investir no Tesouro Direto? Está pensando em investir nessa área? Talvez você já tenha escutado falar sobre a taxa de custódia do Tesouro Direto.

Mas sabe o que é? Como funciona? Quando e como essa taxa é cobrada?

É provável que se você investe no Tesouro Direto tenha visto propagandas de corretoras dizendo que é possível aplicar nesse tipo de investimento com taxa zero.

Porém, o custo da taxa de custódia é um que as corretoras não podem eliminar, para a sua própria segurança. Quer saber o motivo?

Antes disso, é importante entender o que é a taxa de custódia do Tesouro Direto.

Essa taxa é cobrada para custodiar os títulos públicos em que você investe pelo sistema do Tesouro Direto. Mantendo assim a aplicação vinculada ao seu CPF.

taxa-de-custódia-do-Tesouro-Direto
Entenda o que é a taxa de custódia do Tesouro Direto

Além disso, a taxa de custódia remunera a B3 (antiga BM&F Bovespa) pelos serviços de guarda dos títulos, manutenção do sistema e o envio de extratos mensais aos investidores.

Sendo assim, não importa a corretora pela qual você invista no Tesouro Direto, já que sempre terá a taxa de custódia da B3.

Vale ressaltar que a B3 é parceira operacional do Tesouro Nacional. Sendo assim, é possível oferecer títulos públicos para pessoas físicas por meio do programa Tesouro Direto.

E é a B3 que cuida de tudo para que o dinheiro esteja protegido.

Taxa de custódia do Tesouro Direto foi reduzida em 2019

Em janeiro deste ano, a taxa de custódia do Tesouro Direto foi reduzida para 0,25%, enquanto nos anos anteriores era de 30%.

Vale lembrar que a taxa não incide apenas sobre o rendimento, como é o tributo.

Essa redução é resultado da colaboração do Tesouro Nacional e a B3. E o principal objetivo da redução da taxa é incentivar os brasileiros a investirem, em vez de poupar ou guardar o dinheiro.

Ela também veio acompanhada de diversas melhorias no sistema de títulos públicos. Dessa forma, é possível promover um melhor entendimento e mais facilidade no momento de realizar a aplicação.

Como é cobrada a taxa de custódia do Tesouro Direto

Agora que você já sabe o que é a taxa de custódia do Tesouro Direto, deve estar se perguntando como ela é cobrada. Essa taxa é debitada automaticamente da sua conta na corretora.

Dessa forma, é importante ter recursos em caixa para que o débito seja realizado.

E para te ajudar a lembrar do débito, alguns dias antes de cobrar a taxa, o Tesouro Nacional envia um e-mail avisando qual valor será cobrado.

Além disso, a taxa de custódia do Tesouro Direto é calculada todos os dias, com base no saldo diário de títulos das pessoas que investem.

A taxa é de 0,25% ao ano, transformada em uma taxa diária pequena. Esta é equivalente ao valor da custódia de cada dia desde que os títulos foram comprados.

A cobrança também é feita semestralmente: metade do valor é pago no primeiro dia útil de janeiro, enquanto a outra metade no primeiro dia útil de julho.

Mas vale ressaltar que a cobrança pode ser antecipada na ocorrência dos seguintes eventos:

-> Pagamento de juros em títulos com juros semestrais;

-> Resgate antecipado do título;

-> Vencimento do título.

Como é calculada a taxa de custódia do Tesouro Direto

O cálculo da taxa de custódia do Tesouro Direto consiste em descontar 0,25% do total aplicado.

Para te ajudar a entender melhor, vamos a um exemplo prático. Pense que você investiu R$ 1.000 no Tesouro Selic.

Com a taxa a 6,50% ao ano, a rentabilidade bruta, em um ano, será de R$65,11.

Depois, é necessário multiplicar 0,25% sobre o R$1.065,11. Com isso, a taxa de custódia do Tesouro Direto da aplicação ficará em R$26,62.

Com a taxa de 0,30% ao ano, como era anteriormente, o resultado seria de R$31,95. Mesmo que a redução tenha sido pequena, em valores maiores, ela pode se tornar bastante significativa.

É importante frisar que a taxa de custódia é cobrada somente até o saldo limite de R$5 milhões em títulos públicos, por pessoa que investe e em cada instituição financeira.

Taxas do Tesouro Direto: quais são e quanto custam?

Tesouro Direto é um tipo de investimento de renda fixa. Isso significa que, ao aplicar nessa modalidade, você já saberá o valor da remuneração no momento da aplicação.

As regras vão determinar quanto tempo o dinheiro precisa ficar investido e quanto vai render.

Mas, assim como praticamente todos os investimentos, existem taxas do Tesouro Direto.

Quer saber quais são essas taxas, como elas são cobradas e o valor de cada uma delas? Confira quais são e quanto custam.

Mateus Carvalho

Jornalista formado pela Unicarioca. Atualmente, repórter da Folha Dirigida e produtor de conteúdo no FinanceOne. Já fui colaborador do Torcedores.com.

Deixe uma resposta

Posts relacionados

Mercado de debêntures cresce em 2018
financiar um imóvel
aplicativos para investidores
2019 melhor ano financeiro