Cursos que transformam sua vida financeira
Mais
    InícioCriptomoedaAtaque 51% em criptomoedas: descubra o que é e o que pode...

    Ataque 51% em criptomoedas: descubra o que é e o que pode acontecer

    5
    (1)

    Quem está por dentro do noticiário sobre ativos digitais já deve ter ouvido falar do ataque 51% em criptomoedas ou ataque da maioria. Mas, você sabe o que isso significa e como acontece na prática? Então, confira!

    Publicidade

    Para entender o que é o ataque da maioria é preciso relembrar como funciona a tecnologia por trás das transações de ativos digitais. A blockchain ganhou popularidade, justamente, por conta de sua segurança e confiabilidade.

    A tecnologia é como um livro-razão (ou livro contábil) que faz um registro criptografado das informações. Todos esses registros são compartilhados e imutáveis. 

    Dessa forma eliminam-se os riscos de atividades duplicadas, elevando o nível de segurança das transações. Além disso, os registros ocorrem em blocos e durante um determinado período de tempo. 

    No caso do Bitcoin, por exemplo, um novo bloco é iniciado, aproximadamente, a cada 10 minutos. Quando cada bloco é finalizado, não há como fazer alterações. 

    Esses blocos são identificados por uma impressão digital, chamada Hash, um código matemático único. Assim, se houver uma tentativa de alteração no bloco, essa seria facilmente identificada e rejeitada pela rede, constituída por mineradores e nodes (nós). 

    Publicidade

    + 7 golpes com criptomoedas mais praticados

    São esses os responsáveis por aprovar as transações e ajudar a manter a rede segura contra falhas. 

    O que é o ataque 51% em criptomoedas?

    Outra característica importante das redes blockchain é a descentralização. Mesmo as grandes mineradoras não detêm controle absoluto delas.

    Assim, o ataque 51% em criptomoedas acontece quando um grupo assume o controle de mais de 50% da rede, o que caracteriza um domínio. Dessa forma, o grupo teria maior autonomia para interferir no registro de novos blocos. 

    Além disso, poderia impedir as ações de outros mineradores, construindo um monopólio da mineração. Também seria possível, por exemplo, liberar o chamado gasto-duplo, que nada mais é do que gastar duas vezes a mesma criptomoeda.

    Publicidade

    Vale destacar que o ataque da maioria está mais atrelado ao controle da rede, do que necessariamente ao poder de implementar modificações. Isso porque a alteração de blocos mais antigos é muito difícil. 

    O grupo também não poderia reverter transações de outros usuários, impedir a criação e transmissão de novas transações, criar novas moedas, mudar a recompensa dos blocos ou roubar outras moedas virtuais que não os pertencessem.

    Ou seja, a estrutura da rede seria preservada. Mas, a segurança e confiabilidade estariam comprometidas.

    Três monitores abertos em páginas de Bitcoin e gráficos
    Ataque 51% em criptomoedas exige conhecimento técnico e tem custos elevados

    Quais são as reais chances de um ataque da maioria?

    Embora haja registros de recentes ataques a ecossistemas blockchain relacionados à moedas digitais, um ataque 51% em criptomoedas exige conhecimento técnico e custos elevados. Quanto maior a rede, maior o valor do investimento para realizar a invasão.

    Além disso, como já mencionado anteriormente, os próprios mineradores e nós, cooperam para a proteção da rede. Assim, quanto maior o número de usuários de um ecossistema blockchain, mais difícil a possibilidade de um ataque.

    Publicidade

    No último ataque direcionado à Coinbase, por exemplo, um invasor (ou invasores) assumiu mais da metade do sistema de verificação das transações. A plataforma trabalha no armazenamento, compra e venda de grandes criptomoedas, como Bitcoin e Ethereum.

    Na ação, diversos computadores foram usados remotamente para reescrever operações, direcionando-as a outros destinatários. Mas, no fim, o hacker não teve sucesso em sua investida. 

    Isso porque para ser bem sucedido, o grupo precisaria de um poder computacional muito forte para dominar os outros participantes. Outro fator importante é que quanto mais a rede cresce, mais difícil se torna alterar transações antigas.

    Assim, os atacantes, provavelmente, só teriam capacidade de alterar blocos mais recentes e em um curto período de tempo, o que não justifica os custos de um ataque.

    + Por que você perde dinheiro com o Bitcoin?

    Um ataque 51% em criptomoedas poderia ter custos menores, no entanto, em outras redes com menor notoriedade. Ainda assim, não há garantias de que os lucros possam compensar a ação. 

    Do ponto de vista dos investidores, a melhor opção é sempre optar por redes robustas, bem descentralizadas e com alta capacidade de proteção.

    Gostou do nosso conteúdo sobre criptomoedas? Então compartilhe com os amigos e deixe sua dúvida nos comentários!

    O que achou disso?

    Média da classificação 5 / 5. Número de votos: 1

    Seja o primeiro a avaliar este post.

    Lamentamos que este assunto não tenha sido útil para você!

    Diga-nos, como podemos melhorar?

    Redação
    Redação
    O FinanceOne é um site especializado em finanças. Desde 2003, publicamos conteúdos que buscam traduzir desde a influência do mercado financeiro no seu dia a dia até a simples economia dentro de casa. Nossa missão é mostrar que qualquer pessoa pode ter controle financeiro e fazer as escolhas certas. Assim como ter no dinheiro um aliado para viver bem e conquistar seus sonhos.

    Artigos Relacionados

    Assine nossa newsletter!

    Páginas Populares

    DEIXE UMA RESPOSTA

    Por favor digite seu comentário!
    Por favor, digite seu nome aqui

    InícioCriptomoedaAtaque 51% em criptomoedas: descubra o que é e o que pode...

    Ataque 51% em criptomoedas: descubra o que é e o que pode acontecer

    5
    (1)

    Quem está por dentro do noticiário sobre ativos digitais já deve ter ouvido falar do ataque 51% em criptomoedas ou ataque da maioria. Mas, você sabe o que isso significa e como acontece na prática? Então, confira!

    Publicidade

    Para entender o que é o ataque da maioria é preciso relembrar como funciona a tecnologia por trás das transações de ativos digitais. A blockchain ganhou popularidade, justamente, por conta de sua segurança e confiabilidade.

    A tecnologia é como um livro-razão (ou livro contábil) que faz um registro criptografado das informações. Todos esses registros são compartilhados e imutáveis. 

    Dessa forma eliminam-se os riscos de atividades duplicadas, elevando o nível de segurança das transações. Além disso, os registros ocorrem em blocos e durante um determinado período de tempo. 

    No caso do Bitcoin, por exemplo, um novo bloco é iniciado, aproximadamente, a cada 10 minutos. Quando cada bloco é finalizado, não há como fazer alterações. 

    Esses blocos são identificados por uma impressão digital, chamada Hash, um código matemático único. Assim, se houver uma tentativa de alteração no bloco, essa seria facilmente identificada e rejeitada pela rede, constituída por mineradores e nodes (nós). 

    Publicidade

    + 7 golpes com criptomoedas mais praticados

    São esses os responsáveis por aprovar as transações e ajudar a manter a rede segura contra falhas. 

    O que é o ataque 51% em criptomoedas?

    Outra característica importante das redes blockchain é a descentralização. Mesmo as grandes mineradoras não detêm controle absoluto delas.

    Assim, o ataque 51% em criptomoedas acontece quando um grupo assume o controle de mais de 50% da rede, o que caracteriza um domínio. Dessa forma, o grupo teria maior autonomia para interferir no registro de novos blocos. 

    Além disso, poderia impedir as ações de outros mineradores, construindo um monopólio da mineração. Também seria possível, por exemplo, liberar o chamado gasto-duplo, que nada mais é do que gastar duas vezes a mesma criptomoeda.

    Publicidade

    Vale destacar que o ataque da maioria está mais atrelado ao controle da rede, do que necessariamente ao poder de implementar modificações. Isso porque a alteração de blocos mais antigos é muito difícil. 

    O grupo também não poderia reverter transações de outros usuários, impedir a criação e transmissão de novas transações, criar novas moedas, mudar a recompensa dos blocos ou roubar outras moedas virtuais que não os pertencessem.

    Ou seja, a estrutura da rede seria preservada. Mas, a segurança e confiabilidade estariam comprometidas.

    Três monitores abertos em páginas de Bitcoin e gráficos
    Ataque 51% em criptomoedas exige conhecimento técnico e tem custos elevados

    Quais são as reais chances de um ataque da maioria?

    Embora haja registros de recentes ataques a ecossistemas blockchain relacionados à moedas digitais, um ataque 51% em criptomoedas exige conhecimento técnico e custos elevados. Quanto maior a rede, maior o valor do investimento para realizar a invasão.

    Além disso, como já mencionado anteriormente, os próprios mineradores e nós, cooperam para a proteção da rede. Assim, quanto maior o número de usuários de um ecossistema blockchain, mais difícil a possibilidade de um ataque.

    Publicidade

    No último ataque direcionado à Coinbase, por exemplo, um invasor (ou invasores) assumiu mais da metade do sistema de verificação das transações. A plataforma trabalha no armazenamento, compra e venda de grandes criptomoedas, como Bitcoin e Ethereum.

    Na ação, diversos computadores foram usados remotamente para reescrever operações, direcionando-as a outros destinatários. Mas, no fim, o hacker não teve sucesso em sua investida. 

    Isso porque para ser bem sucedido, o grupo precisaria de um poder computacional muito forte para dominar os outros participantes. Outro fator importante é que quanto mais a rede cresce, mais difícil se torna alterar transações antigas.

    Assim, os atacantes, provavelmente, só teriam capacidade de alterar blocos mais recentes e em um curto período de tempo, o que não justifica os custos de um ataque.

    + Por que você perde dinheiro com o Bitcoin?

    Um ataque 51% em criptomoedas poderia ter custos menores, no entanto, em outras redes com menor notoriedade. Ainda assim, não há garantias de que os lucros possam compensar a ação. 

    Do ponto de vista dos investidores, a melhor opção é sempre optar por redes robustas, bem descentralizadas e com alta capacidade de proteção.

    Gostou do nosso conteúdo sobre criptomoedas? Então compartilhe com os amigos e deixe sua dúvida nos comentários!

    O que achou disso?

    Média da classificação 5 / 5. Número de votos: 1

    Seja o primeiro a avaliar este post.

    Lamentamos que este assunto não tenha sido útil para você!

    Diga-nos, como podemos melhorar?