Início Notícias Economia Brasil sobe 16 posições em ranking de ambiente de negócios

Brasil sobe 16 posições em ranking de ambiente de negócios

0
(0)

O Brasil melhorou seu ambiente de negócios. É o que diz o diagnóstico feito pelo Banco Mundial. O país subiu 16 posições em ranking do relatório Doing Business 2019.

O documento ainda mostra que o país saiu do 125º lugar para o 109º. No entanto, apesar da melhora do ambiente de negócios, o Brasil ainda está na metade de baixo da tabela.

Para o Banco Mundial, quatro reformas foram determinantes para a melhora do país no ranking. São elas: os certificados digitais para importação, melhora do acesso ao crédito, sistema online para abertura de empresas e sistema eletrônico para gestão de fornecimento de energia.

Apesar disso, o desempenho brasileiro ainda é ruim em diversos quesitos analisados pelo banco. É o caso da obtenção de alvará de construção, em que o país saiu da 170º e foi para 175º. Além da facilidade de pagamento de impostos, em que o país se mantém na posição 184, dos 190 países.

Os dados do relatório se baseiam nas regulamentações aplicáveis às pequenas e médias empresas locais em 11 áreas de seu ciclo de vida, entre as quais estão:

– a abertura de um negócio;
– a obtenção de eletricidade;
– o registro de propriedades;
– a conquista de crédito;
– a proteção de investidores.

Os dados foram colhidos em 190 países, entre 2 de junho de 2017 e 1º de maio de 2018. Nova Zelândia (1º), Cingapura (2º) e Dinamarca (3º) lideram a lista do Doing Business 2019.

ambiente de negócios

Nova Zelândia tem visto exclusivo para empreendedor social

Líder em ambiente de negócios, a Nova Zelândia foi o primeiro país a criar um visto exclusivo para empreendedores sociais. É o Global Impact Visa (GIVs).

A iniciativa está em ressonância com as características que o tornam um dos melhores lugares para empreender. O tempo médio de abertura de empresa é de um dia e o processo pode ser feito totalmente online. Além de impostos detalhados e trâmites burocráticos simples.

Para melhorar o ambiente de negócios o país atrai cada vez mais empreendedores de diversas partes do mundo. Consequentemente, além do visto, foi criada a bolsa Edmund Hillary Fellowship. Ela oferece um programa de até três anos para empreendedores desenvolverem seus protótipos sociais na Nova Zelândia.

O que o estudo diz dos nossos vizinhos da América Latina

As economias com as classificações mais baixas da América Latina foram a Venezuela (188º), o Haiti (182º) e o Suriname (165º). Argentina ficou atrás do Brasil, no 119º lugar.

No entanto, várias economias da América Latina e Caribe se classificaram entre as melhores do mundo em áreas específicas avaliadas pelo Doing Business. Colômbia, Porto Rico, México, Costa Rica, Honduras e Jamaica são algumas.

Esses países ficaram entre as 20 primeiras economias no indicador “Obtenção de Crédito”. Isso porque apresentam sistemas abrangentes de informações sobre o crédito.

A América Latina apresentou um desempenho mais baixo nas áreas referentes a “Pagamento de Impostos” (126º), “Registro de Propriedades” (121º) e “Proteção dos Investidores Minoritários” (116º).

Brasil bate recorde de abertura de empresas

O Indicador Serasa Experian aponta que o Brasil registrou 1,2 milhão de novas empresas no primeiro semestre de 2018. Esse é o maior número para o período desde 2010, quando teve início a série. Na comparação com o primeiro semestre de 2017 (1,1 milhão), o aumento foi de 10,5%.

Os dez ramos de atividades que mais tiveram empreendimentos abertos no primeiro semestre deste ano foram:

1 – Serviços de Alimentação – 8,1%
2 – Serviços de Higiene e Embelezamento Pessoal – 7,6%
3 – Reparos e Manutenções de Prédios e Instalações Elétricas – 7%
4 – Comércio de Confecções em Geral – 6,4%
5 – Serviço de Propaganda e Publicidade – 4,5%
6 – Comércio Varejista de Gêneros Alimentícios – 3,6%
7 – Curso preparatório e de especialização – 3,4%
8 – Transporte rodoviário de cargas – 2,3%
9 – Oficina mecânica – 2,1%
10 – Serviço de mão de obra especializada – 1,9%

O ambiente de negócios favorável também proporcionou a marca de um milhão de MEIs formalizados. Ou seja, 81,8% do total de novas empresas.

A participação referente ao acumulado do semestre foi a maior já conquistada pelos microempreendedores individuais, desde o início do levantamento, em 2010. Na comparação com o mesmo período do ano anterior (902.290), o crescimento foi de 14,5%.

No primeiro semestre de 2018, na comparação com o mesmo período do ano passado, o Sudeste e o Sul estão empatados com o maior crescimento (12,9%) no número de novos CNPJs. O Centro-Oeste avançou 7,9% e o Nordeste, 6,9%. Já o Norte apresentou queda de 4,6%.

O que achou disso?

Deixei sua classificação

Média da classificação 0 / 5. Número de votos: 0

Seja o primeiro a avaliar este post.

Rafael Massadar
Carioca, amante de esportes e de viagens. Escolhi o jornalismo porque ele vive pelo mundo e conta histórias de pessoas e realidades distintas. Tenho experiência em redação e assessoria de imprensa. Atualmente, trabalho numa agência de marketing digital.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

- Publicidade -

Eleições dos EUA: qual impacto para Economia do Brasil?

Faltam poucos dias para as eleições dos EUA. Na disputa estão: o republicano Donald Trump, atual presidente do país, e o democrata...

Dicas de planejamento financeiro para quem é autônomo

Ser um profissional autônomo não quer dizer que você pode ter as finanças bagunçadas. Mesmo que você não tenha uma renda fixa por mês,...

Conheça 10 franquias com investimentos de até R$10 mil

A pandemia do novo coronavírus fez com que a procura por microfranquias aumentasse. Em especial, as franquias de até R$10 mil.

Quais são os gastos para manter um carro próprio?

Muitos brasileiros sonham em ter o carro próprio, mas esquecem dos gastos que um veículo pode trazer. E isso acontece porque a...

Como escolher a rede social para seu negócio?

Você sabe como escolher a rede social ideal para o seu negócio? Qual irá fazer a sua empresa crescer e se tornar...

Cartões de crédito sem anuidade: veja os 14 melhores

Procurando por cartões de crédito sem anuidade? Eles conquistaram, definitivamente, espaço na economia brasileira. De acordo com a pesquisa realizada pelo SPC Brasil, cerca de...