Veja a cotação do Dólar Hoje, Euro hoje e Bitcoin hoje.

Como está a saúde financeira da sua cidade?

Escrito por: Rafael Massadar em 22 de novembro de 2019

A saúde financeira de 4 mil prefeituras é difícil ou crítica. Ou seja, têm dificuldade para fechar as contas.

Essas cidades não têm condições de financiar a estrutura administrativa com recursos da economia local. Sobretudo com gastos com pessoal.

É o que relata o Índice Firjan de Gestão Fiscal (IFGF) 2019 composto por quatro indicadores: autonomia, gastos com pessoal, liquidez e investimentos.

saúde financeira
Quase 4 mil prefeituras têm dificuldade para fechar as contas

O estudo avaliou o desempenho econômico de 5.337 cidades brasileiras. A conclusão é que 73,9% desses municípios estão em situação fiscal difícil ou crítica.

São 3.944 cidades nessa condição. Essa realidade atinge nove capitais: Florianópolis, Maceió, Porto Velho, Belém, Campo Grande, Natal, Cuiabá, Rio de Janeiro e São Luís.

++ Saúde financeira, física e mental: o que tem a ver?

Panorama da saúde financeira das cidades brasileiras

O índice que mede a possibilidade com gastos com pessoal do estudo da Firjan é alarmante. Metade do país está em saúde financeira crítica, gastando acima do limite com seus recursos humanos.

São 2.635 municípios no limite de alerta nos gastos frente à Receita Corrente Líquida (RCL). Esse desempenho é um reflexo, segundo os economistas da Firjan, do engessamento do orçamento municipal.

O levantamento mostra ainda que 821 cidades estão fora da legislação. Já que comprometeram em 2018 mais de 60% da Receita Corrente Líquida com a folha de pagamentos dos funcionários públicos.

Além disso, 1.814 gastaram mais de 54% da receita com o mesmo tipo de gasto. Portanto, ultrapassaram o limite de alerta determinado pela Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF).

Em média, os 1.856 municípios que não se sustentam gastaram, em 2018, R$ 4,5 milhões com essas despesas e geraram apenas R$ 3 milhões de receita local.

Para reverter situação é preciso de aumento dos recursos

Para garantir pelo menos a autonomia em relação aos custos de existência, seria preciso que essas cidades aumentassem os recursos próprios em 50%.

Porém, de acordo com os cálculos do estudo, isso é pouco provável. Especialmente no cenário em que elas experimentaram aumento real de apenas 9,6% de sua receita local nos últimos cinco anos.

Jonathas Goulart, gerente de Estudos Econômicos da Firjan, aponta algumas medidas necessárias para ajustar a saúde financeira dessas cidades.

-> Inclusão dos municípios na Reforma da Previdência;
-> Avanço da Reforma Tributária, incluindo o ISS na pauta;
-> Uma reforma administrativa.

Segundo ele, isso permitiria aos municípios adaptarem seus custos com pessoal à sua realidade econômica e social.

++ Pós-Reforma da Previdência: poupar para garantir futuro
++ Aposentadoria: novas regras após a Reforma da Previdência

Liquidez: prefeituras estão no cheque especial

A relação entre o total de restos a pagar acumulados no ano e os recursos em caixa disponíveis para cobri-los no exercício seguinte fica por conta do IFGF Liquidez.

Na prática, ele demonstra se as prefeituras estão postergando pagamentos de despesas. Ou seja, deixando para o próximo ano sem a devida cobertura.

Em 2018, cerca de 1.211 municípios terminaram o ano sem recursos em caixa para cobrir despesas postergadas para 2019. “Elas estão no cheque especial”, compara Goulart.

Essas cidades fazem parte do grupo de 3.054 (57,2% do total) que não planejou seus orçamentos de forma eficiente. Diz o estudo da Firjan.

Apenas 3% da receita é o percentual destinado a investimentos, em média, por quase metade do país. Ou seja, 2.511 prefeituras (47% do total).

É o que aponta o IFGF Investimentos. Ele mede a parcela da Receita Total dos municípios destinada a melhorias nas cidades.

“Na prática, essas prefeituras não conseguem pensar no futuro de sua população, pois não investem em infraestrutura, escolas e hospitais bem equipados, por exemplo”, avalia Goulart.

Rafael Massadar

Jornalista com experiência em redação com pós-graduação em Comunicação Empresarial e Transmídia. Atualmente trabalho como assessor de imprensa.

Deixe uma resposta

Precisa converter?

A calculadora de conversão do FinanceOne fornece os últimos valores cotados para diversas moedas. Acesse agora!

Converter agora

Posts relacionados

13º salário
Dicas para economizar no supermercado
Economia brasileira
Aumentos salariais em 2019
13° salário