Conversor de moedas

Veja a cotação do Dólar Hoje, Euro hoje e Bitcoin hoje.

Como identificar fraudes com criptomoedas

Escrito por: Rafael Massadar em 19 de junho de 2019

As fraudes com criptomoedas aumentaram no primeiro trimestre deste ano para US$ 1,2 bilhão, ou 70% do nível de 2018 inteiro. A informação é da firma de segurança cibernética CipherTrace.

O valor das perdas por crimes no setor de moeda digital em 2018 atingiu US$ 1,7 bilhão.

No entanto, o crime relacionado a criptomoedas aumentou à medida que o mercado desacelerou, os preços despencaram e a atividade comercial estagnou.

fraudes com criptomoedas

A CipherTrace aponta que no primeiro trimestre de 2019, roubos e fraudes com criptomoedas totalizaram US$ 356 milhões.

O relatório da CipherTrace também diz que existe uma grande lacuna no atual ambiente regulatório de criptomoedas.

Principalmente no que diz respeito aos pagamentos transfronteiriços das bolsas dos EUA para as bolsas no exterior.

Segundo a empresa de segurança cibernética, tudo isso está além do alcance das autoridades norte-americanas.

A análise também verificou 164 milhões das transações com bitcoins. Ela mostrou que pagamentos internacionais para bolsas no exterior cresceram 46% nos últimos dois anos.

O que contribui para os US$ 8,7 trilhões. Ou seja, 11,5% da riqueza mundial que está escondida no exterior, segundo o relatório.

Fraudes com criptomoedas ainda são pouco reportadas

Um relatório da consultoria Autonomous Next e Crypto Aware faz uma revelação alarmante.

Ele evidencia que cerca de 15% das criptomoedas foram roubadas entre 2012 e o primeiro semestre de 2018.

Isso representa um valor acumulado de US$ 1,7 bilhão no momento do roubo. E a consultoria diz que a tendência é crescente.

Afinal, só no primeiro semestre deste ano, mais de US$ 800 milhões já foram roubados, sinaliza a Autonomous Next e Crypto Aware.

A empresa divulgou ainda que 8% dos crimes não são registrados. Além disso, ressalta que as estatísticas publicadas representam apenas roubos relatados publicamente.

Golpes com criptomoedas no Sul teriam roubado R$ 1,05 bi

Duas fraudes com criptomoedas na região sul do Brasil foram reveladas no início deste ano. O montante perdido pelas vítimas pode ter chegado a R$ 1,05 bilhão.

O Bitcoin Banco (GBB), que tem sede em Curitiba, foi um dos prejudicados. Ele denunciou à Polícia Civil do Paraná uma quadrilha suspeita de ter aplicado um golpe de R$ 50 milhões em criptomoedas nos últimos meses.

Segundo o banco, os suspeitos faziam saques duplicados, se aproveitando de uma vulnerabilidade na plataforma de operações de compra e venda de criptomoeda.

Uma instituição financeira sediada em Novo Hamburgo (RS) também foi acusada de fraude.

Segundo o inquérito policial, a empresa ilegal captava recursos de terceiros para investir no mercado de criptomoedas.

Tudo sem a autorização dos órgãos competentes. Os sócios da empresa ilegal sacavam esse dinheiro para gastar em carros e artigos de luxo.

5 dicas para fugir dos golpes com criptomoedas

1 – Desconfie de promessas extraordinárias

Alguns criminosos prometem vantagens especiais, ganhos acima do mercado, conversões sem taxas ou excelentes cotações para câmbio.

Desconfie de promessas que não parecem possíveis, assim como deve ser feito com dinheiro tradicional.

2 – Segurança acima de tudo

Seu antivírus é fundamental e precisa estar sempre atualizado. E quando se trata de transações com criptomoedas, a segurança é ainda mais importante.

Verifique sempre se a conexão é segura através do protocolo HTTPS e atualize também os antimalwares do computador.

3 – Cuidado ao baixar aplicativos

Na hora de fazer o download de um aplicativo de carteira para bitcoin, busque fontes confiáveis e desenvolvedores com uma boa reputação.

Prestar atenção ao número de downloads e à avaliação do app também são boas dicas.

4 – Atenção às tentativas de phishing

O famoso golpe cibernético com e-mails falsos usando nomes de instituições conhecidas já chegou ao mundo das moedas digitais. Os criminosos podem oferecer a você segurança ou suporte técnico.

Mas, na verdade, vão copiar seus dados e podem até transferir criptomoedas. Portanto, só confie em assistência técnica que você tenha solicitado.

5 – Investigue as empresas envolvidas

Seja para minerar ou guardar bitcoins, é essencial que você investigue a reputação da empresa com a qual pretende fazer transações.

Rafael Massadar

Jornalista com experiência em redação com pós-graduação em Comunicação Empresarial e Transmídia. Atualmente trabalho como assessor de imprensa.

Deixe uma resposta

Posts relacionados

Mercado de debêntures cresce em 2018
financiar um imóvel
aplicativos para investidores
2019 melhor ano financeiro