Crise na Argentina: qual o impacto para o Brasil? | FinanceOne

Crise na Argentina: qual o impacto para o Brasil?

Escrito por: Rafael Massadar em 22 de abril de 2019

A crise na Argentina ganhou mais um capítulo. O presidente Mauricio Macri anunciou o congelamento dos preços de cerca de 40 commodities, além de linhas de crédito.

A medida tem como objetivo segurar a inflação. O índice continua a subir, atingindo 4,7% em março, e acumula 11,8% no primeiro trimestre.

De acordo com o Instituto de Estatística do Estado (Indec), o índice de preços dos últimos doze meses subiu para 54,7%, um dos mais altos do mundo. Impulsionado com aumentos significativos nos setores de transporte (67,5%) e alimentos (64%).

Recentemente, Macri anunciou a ida do país ao FMI para conseguir adiantamento de uma linha de crédito que totaliza US$ 50 bilhões.

A última vez que a Argentina recorreu ao fundo foi em 2003, na esteira da pior crise econômica e política que eclodiu em 2001.

Crise na Argentina

Pobreza aumenta na Argentina

Dados do Indec indicam que 32% da população está abaixo da linha de pobreza e 6,7% são considerados indigentes.

Ainda de acordo com o órgão, uma espécie de IBGE argentino, o desemprego está em 9,1%. Já a taxa de emprego informal beira os 40%.

Ao todo, 8,9 milhões de pessoas nos 31 maiores centros urbanos se encontram abaixo da linha de pobreza, informou o estudo da entidade. A medição não inclui a pobreza em zonas rurais.

Trata-se do número mais alto desde a crise econômica de 2001. No segundo semestre de 2017, a pobreza atingia 25,7% da população, e no primeiro semestre de 2018, 27,3%.

2011: o início da crise na Argentina

A crise na Argentina teve início com o fim do ciclo das commodities. A economia passou a crescer menos, mas os gastos continuaram altos e afetaram contas do governo.

Afinal, assim como o Brasil, a Argentina é um grande exportador de commodities. Cerca de 60% das vendas externas do ano passado foram de produtos básicos e manufaturas de origem agropecuária.

Outro agravante da crise é o fato de que, historicamente, a Argentina possui uma baixa reserva de dólares. O que faz com que a moeda nacional (o peso argentino) se torne muito suscetível à desvalorização.

Além disso, o país tem passado por uma estiagem (período longo sem chuvas) e, nos últimos anos, o setor agrícola apresentou queda em sua produção.

Como boa parte das exportações da Argentina é do setor agrícola, há uma dependência da economia nesse setor.

Os desequilíbrios de ordem macroeconômica foram se multiplicando e aprofundando, impondo limites ao investimento. Por conseguinte, anulando a expansão do produto interno bruto (PIB).

Por que o Brasil será prejudicado com a crise na Argentina?

A crise da Argentina vai afetar as exportações brasileiras e vai desacelerar nossas vendas internacionais com o país. Afinal, o Brasil é o principal sócio comercial da Argentina.

Nos dois primeiros meses do ano, o valor das exportações para o terceiro melhor parceiro comercial do Brasil caiu 42,5%.

Ele declinou de US$ 2,68 bilhões no primeiro bimestre de 2018 para US$ 1,54 bilhão no mesmo período de 2019.

O recuo afeta sobretudo as exportações de produtos industrializados. Afinal, o comércio bilateral concentra-se no setor automotivo, na metalurgia e em produtos petroquímicos.

Segundo o Ministério da Economia, as vendas de automóveis de passageiros para a Argentina caíram 49,8% em janeiro e fevereiro de 2019, na comparação com o primeiro bimestre de 2018.

A maior queda percentual, no entanto, ocorreu nos veículos de carga, cujas exportações para o mercado vizinho diminuíram 64,7%.

Turismo em alta

A crise da Argentina facilita o turismo. Afinal, a forte desvalorização da moeda argentina permite que as viagens de turistas brasileiros para o país vizinho fiquem mais baratas.

A tendência é que as despesas com hospedagem e alimentação, por exemplo, fiquem mais vantajosas para quem visitar a Argentina.

O que é uma ótima oportunidade, já que a moeda deles se desvalorizou numa velocidade maior que a nossa.

Dados do Ministério do Turismo da Argentina apontam que o país recebeu 64% mais visitantes brasileiros no primeiro trimestre de 2019, em comparação com o mesmo período de 2018.

Vale ressaltar que durante 2018 a Argentina recebeu mais de 1,31 milhão de turistas brasileiros.

Isso significa um crescimento de 6,2% em relação ao ano anterior. Para 2019, a meta é superar 1,4 milhão de visitantes.

Rafael Massadar

Jornalista com experiência em redação com pós-graduação em Comunicação Empresarial e Transmídia. Atualmente trabalho como assessor de imprensa.

Deixe uma resposta

Precisa converter?

A calculadora de conversão do FinanceOne fornece os últimos valores cotados para diversas moedas. Acesse agora!

Converter agora

Posts relacionados

Reforma tributária
Reforma tributária
Funções do Banco Central do Brasil
Inadimplência
Reforma tributária