Conversor de moedas Transferência internacional

Veja a cotação do Dólar Hoje, Euro hoje e Bitcoin hoje.

Entenda a diferença: doutorado ou PhD?

Escrito por: Bruna Somma em 15 de maio de 2019

A carreira acadêmica possibilita diferentes rumos depois da graduação. Cursos de especialização, mestrado, doutorado, PhD e pós-doutorado.

Esses termos podem gerar confusão para quem não sabe o que significam ou estão perdidos sobre qual caminho seguir.

Para te ajudar, neste artigo, vamos falar sobre a diferença entre o doutorado e o PhD (Phiplosophy Doctor ou doutor em filosofia).

É preciso entender o funcionamento de cada um desses programas para definir o que melhor atende aos seus planos de carreira.

Doutorados como PhD
Tanto doutorados como PhD são programas de pós-graduação

A ordem natural é que após terminar a graduação, a pessoa faça uma pós ou um mestrado. Depois, ela pode optar pelo doutorado ou PhD.

Embora o PhD aparente ser um título mais alto, ambos os casos são do “terceiro ciclo acadêmico”. O peso é similar.

A principal diferença entre eles é o local que esses programas são feitos.

Se você quiser estudar no Brasil, fará um doutorado. Mas, caso opte por estudar nos Estados Unidos ou na Europa, fará um PhD.

Apesar dos nomes distintos parecem que um é superior ao outro, os dois programas têm muito mais semelhanças do que diferenças.

Em ambos os casos, é preciso cumprir os requisitos estipulados quanto às aulas e trabalhos de pesquisa. No geral, você tem que propor e averiguar uma nova ideia.

No Brasil, é possível escolher também por uma pós-graduação stricto sensu, nos programas de doutorado.

De acordo com o Ministério da Educação, para se candidatar é preciso ter curso superior e atender às exigências das instituições de ensino.

Além do edital de seleção dos alunos, conforme a Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Ao final do curso, é expedido diploma.

Mas, vamos as diferenças entre esses programas de pós-graduação?

Estrutura de ensino

Por mais que PhD seja doutor em filosofia, não significa que os programas sejam apenas para essa disciplina.

O termo “philosophiae” tem origem grega e indica “amor ao conhecimento”.

O título de PhD era concedido a quem chegava ao final dos estudos em certa área.

Uma diferença é o tempo que o aluno demora para atingir tal patamar acadêmico. O ensino superior tem estruturas diferentes no Brasil e no exterior.

Aqui, a ordem é fazer uma graduação (de quatro a cinco anos), em seguida o mestrado (cerca de um ano e meio a dois) e, depois, o doutorado.

Na Europa, os estudantes, primeiro, fazem uma ‘licença’ (com duração de três anos), seguida do mestrado (dois anos) para então entrar no PhD.

Ou seja, os brasileiros têm o mínimo de seis meses a mais de estudo do que os europeus.

Os estrangeiros conseguem chegar ao “terceiro ciclo acadêmico” em menos tempo.

Contudo, os especialistas indicam que o tempo a mais de estudo dos brasileiros não são desperdiçados, caso optem por estudar fora.

O aluno brasileiro pode até pular o primeiro ano do programa, caso já tenha cumprido parte do currículo.

Metas e objetivos

Outra diferença é que o PhD é pautado por metas e objetivos distintos dos que sustentam os programas de doutorado no Brasil.

O acesso ao terceiro ciclo acadêmico, por exemplo, é muita mais aberto na Europa.

Se quiser estudar em outro país da União Europeia não é preciso validar o diploma. No exterior, há também a tendência se aproximar os alunos PhD do mercado de trabalho.

Eles já perceberam que precisam empregar os doutorandos.

Para os europeus, os PhD são essenciais não apenas para a ciência, como também para serem cidadãos que sintetizem o conhecimento e passem para a população. Muito além da academia.

Enquanto no Brasil, a tendência é continuar na vida acadêmica. Talvez com um pós-doutorado.

Os programas de PhD na Europa, comparados com os de doutorado brasileiros, possuem uma maior aproximação com as empresas.

Um outro ponto diferente é que, no exterior, é possível ter dois orientadores diferentes. O que fomenta a interdisciplinaridade, que ainda é pouco comum no Brasil.

O terceiro ciclo tem duração média de quatro anos e certifica o aluno como capaz de desenvolver um trabalho independente e original na pesquisa.

De toda forma, ter no currículo um doutorado ou PhD faz muita diferença. Seja para ingressar no mercado de trabalho ou continuar a seguir pela carreira acadêmica.

E você, já conhecia as diferenças entre doutorado e PhD? Leia também sobre como realizar o sonho de estudar fora do Brasil

Bruna Somma

Jornalista formada pela UFRRJ, com passagens por redações de jornais, sites e Assessoria de Comunicação.

Deixe um comentário

Precisa converter?

A calculadora de conversão do FinanceOne fornece os últimos valores cotados para diversas moedas. Acesse agora!

Converter agora

Posts relacionados

renegociar-FIES
pagamento-com-QR-Code
transição-de-carreira
emplacamento
Financiamento estudantil